A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

CUSTOS NAS EMPRESAS DO SETOR DE SERVIÇOS: EMPRESA DO SETOR CONSULTIVO ESPECIALIZADA EM ORGANIZAÇÃO E GESTÃO Participantes: Consuelo David Fernando Paulo.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "CUSTOS NAS EMPRESAS DO SETOR DE SERVIÇOS: EMPRESA DO SETOR CONSULTIVO ESPECIALIZADA EM ORGANIZAÇÃO E GESTÃO Participantes: Consuelo David Fernando Paulo."— Transcrição da apresentação:

1 CUSTOS NAS EMPRESAS DO SETOR DE SERVIÇOS: EMPRESA DO SETOR CONSULTIVO ESPECIALIZADA EM ORGANIZAÇÃO E GESTÃO Participantes: Consuelo David Fernando Paulo Rogério Solange Prof. Dr. Eolo Marques Pagnani Gestão Estratégica de Custos

2 Contextualização da empresa/ambiente /serviço/demanda; Fundamentação teórica; Comparativos e precedentes com outros setores; Apresentação do sistema de custos da empresa (estudo de caso); Custo/preço - as dificuldades e especificidades; Debate e encerramento. Nº telas = 32 Tempo para a apresentação = 50 minutos ESTRUTURA DE APRESENTAÇÃO DO TRABALHO

3 Os clientes não obtêm propriedade sobre os serviços Os produtos dos serviços são realizações intangíveis Há maior envolvimento dos clientes no processo de produção Outras pessoas podem usufruir ao mesmo tempo do serviço Maior variabilidade dos insumos e produtos operacionais para um serviço (dificuldade de esconder as falhas). Mais difícil dos clientes avaliarem os serviços Normalmente há uma ausência de estoques O fator tempo é relativamente mais importante (tempo real) Diferentes canais de distribuição DEFININDO SERVIÇOS Diferenças básicas entre produtos e serviços:

4

5 PREÇOS DOS SERVIÇOS Estratégia de preços ConcorrênciaValor para o clienteCustos (*) As estratégias de precificação dos serviços são muitas vezes malsucedidas pela não associação clara entre preço e valor. (*)

6 Valor Percebido Comportamento Atributos extrínsecos Atributos intrínsecos PONTO DE VISTA DO CLIENTE DE SERVIÇOS:VALOR PERCEBIDO

7 CUSTOS DOS SERVIÇOS: PONTO DE VISTA DO CLIENTE Valor Percebido (VP) do serviço: benefícios / sacrifícios

8 O custos variáveis dos serviços são geralmente muito menores que dos produtos. Os custos semivariáveis situam-se entre os custos fixos e variáveis (exemplos: vôos extras, mão de obra adicional nos finais de semana, etc.) A determinação e alocação de custos podem ser uma tarefa desafiadora para unidades de múltiplos serviços (exemplo: alocação da UTI em um Hospital). Ponto de equilíbrio = Fixos + Semivariáveis contribuição obtida em cada unidade de serviço EX. HOTÉIS (DIÁRIAS), RESTAURANTES (PRATOS) CUSTOS DOS SERVIÇOS

9 não há diferenças relevantes nos aspectos conceituais. Boa parte dos conceitos de custos e análises válidos para uma indústria é também verdadeira para as prestadoras de serviço (Peres Jr. E Oliveira, 2000 : 156)

10 CONCEITOS IMPORTANTES: Objeto de custo: qualquer coisa para a qual se deseja uma mensuração de custo como, por exemplo, um projeto. Custos diretos de um objeto de custo: estão relacionados com um determinado objeto de custo e podem ser identificados com este de maneira economicamente viável. Custos indiretos de um objeto de custo: estão relacionados com determinado objeto de custo mas não podem ser identificados com este de maneira economicamente viável. Os custos indiretos são alocados ao objeto de custo através do rateio. Custos Diretos Custos Indiretos Objeto de custo Apropriação direta Apropriação indireta

11 Conceitos importantes: Centro de custo: Agrupamento de diferentes itens de custo. (TROCAR ESTA DEFINIÇÃO) Critério de alocação: fator que é denominador comum para, sistematicamente, ligar um custo indireto ou um grupo de custos indiretos a um objeto de custos

12 Sistemas de Acumulação de Custos: Sistema de acumulação de custo por ordem: Neste sistema os custos são acumulados a uma determinada unidade ou lote de um produto ou serviço. O produto ou serviço é freqüentemente feito sob medida ou por encomenda, tal como um serviço de consultoria ou um projeto. Sistema de acumulação de custo por processo: Neste sistema o custo de um produto ou serviço é obtido pela média dos custos acumulados a uma grande quantidade de unidades similares.

13 Muitas empresas possuem sistemas de acumulação de custo que não são totalmente por ordem nem por processo. Elas combinam elementos tanto de um quanto do outro. Sistema de custeio por ordem Sistema de custeio por processo Unidade de produto ou serviço distinta Unidades de produtos ou serviços similares e em grande quantidade Esses dois tipos de sistemas devem ser vistos como extremos em uma série.

14 Relembrando : As empresas do setor de serviço fornecem a seus clientes produtos intangíveis. Dentro deste setor, as ordens de serviço se diferenciam consideravelmente em termos de duração, complexibilidade e recursos consumidos. Não é complexidade?

15 ETAPAS PARA ACUMULAÇÃO DE CUSTOS ÀS ORDENS DE SERVIÇO: 1 – Identificar a Ordem de Serviço que é o Objeto de Custo; 2 – Identificar os Custos Diretos da Ordem de Serviço; 3 – Identificar os Centros de Custos Indiretos associados com a Ordem de Serviço; 4 – Selecionar o critério de rateio a ser utilizado para alocar os Custos Indiretos dos centros à Ordem de Serviço; 5 – Calcular a taxa unitária do critério de rateio escolhido para alocar os Custos Indiretos à Ordem de Serviço; 6 – Distribuir os Custos ao Objeto de Custo, adicionando todos os Custos Diretos e Indiretos.

16 PRECISÃO DAS INFORMAÇÕES A precisão da informação de como os empregados gastam seu tempo é importante, especialmente em empresas de serviços onde os custos com mão de obra correspondem a parcela mais significativa do custo total. Utilização do timesheet.

17 APRIMORANDO UM SISTEMA DE CUSTEIO Fase 1 – Identificação dos custos diretos Classificar o maior número possível dos custos totais como custos diretos desde que seja economicamente viável. Fase 2 – Centros de Custos Indiretos Expandir o número de Centros de Custo Indireto até que cada um dos centros se torne homogêneo. Fase 3 – Critérios de alocação de custos Identificar um critério de alocação apropriado para cada centro de custo indireto.

18 Único CC Indireto Única Categoria de Custo Direto Múltiplos CC Indireto Múltiplas Categorias de Custo Direto CC Indireto Critério Alocação Objeto de Custo Custos Diretos Suporte ao projeto Horas de Mão de Obra Profissional Mão de obra Profissional Custos indiretos Custos diretos BibliotecaPlanejamento Nº PessoasHoras Custos indiretos Custos diretos Funcionários Subcontratados Funcionários Eventuais Funcionários Permanentes

19 Também é possível a implantação nas prestadoras de serviços das ferramentas da Contabilidade Gerencial, tais como, orçamentos, Custo-Padrão, custeio direto, custeio por atividades, apuração das margens de contribuição, análise do ponto de equilíbrio, fator limitativo da produção de serviços, etc. (Peres Jr. E Oliveira, 2000 : 156)

20 CUSTEIO BASEADO EM ATIVIDADES (ABC – Activity Based Costing) Enfoque para se aprimorar um sistema de custeio. Se concentra nas atividades como se fossem os principais objetos de custo. Atividade: pode ser definida como um evento, tarefa ou unidade de trabalho com um determinado propósito. O ABC utiliza o custo dessas atividades como base para distribuir custos para outros objetos de custo tais como produtos, serviços ou clientes.

21 LÓGICA DO SISTEMA ABC Os recursos de uma empresa são consumidos pelas suas atividades e não pelos produtos que fabrica; Elas executam atividades para beneficiar produtos, serviços ou outros objetos de custo. A meta é refletir a casualidade entre recursos, atividades e objetos de custo na alocação dos custos indiretos RecursosAtividades Produtos, Serviços ou outros objetos

22 De modo geral, as empresas de serviços são candidatas ideais ao custeio baseado na atividade, mais ainda que as empresas de produção (Kaplan e Cooper, : 251)

23 Para adoção da melhor ferramenta, o analista de custos deve conhecer profundamente a empresa e verificar qual o tipo de custeio é o mais adequado. O desconhecimento das características da empresa pode provocar aparecimento de impropriedades na apuração dos custos.

24 CONTEXTO DA ANÁLISE CARACTERÍSTICA: SETOR DE SERVIÇOS CONSULTIVOS: se organiza orientado por projetos; cada projeto gera um novo produto ou serviço; pode atuar na área publica ou privada. CARACTERÍSTICAS: PRODUTO DE UM PROJETO: produto ou serviço único – diferenciado; nunca é repetido; produtos intangíveis – o produto ou serviço vai tomando forma e visibilidade a medida que o projeto se aproxima das fases finais; elementos para composição dos custos – complexos, requer diferentes especializações e tipos recursos, durações prováveis, alta incidência da variável risco. FOCO DA ANÁLISE: projetos desenvolvidos na área pública

25 PRODUTOS OU SERVIÇO DE UM PROJETO RFP – Request for proposal: termo muito utilizado em concorrências do setor privado Elabora cronograma CLIENTE 1 RFP Dimensionar recursos necessários regulamentação O CUSTO/PREÇO DE VENDA DE UM PROJETO Entender e detalhar o objeto da licitação Interpretar e analisar RFP CLIENTE 2EDITAL Indicador es e informações de mercado Base de conhecimento Elaborar ambiente estratégia e escopo Aprovar Planejamento Elaborar Proposta - base para o preço Aprovar plano executivo Área pública ETAPAS PARA FORMAR O CUSTO/PREÇO DE UM PROJETO

26 A CONTRATAÇÃO: PÚBLICA OU PRIVADA A INFLUÊNCIA NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA PÚBLICAPRIVADA forma de contratação sujeita a leis que obrigam à concorrência e a fiscalização do Poder Judiciário (Tribunais de Contas) concorrencial/ demanda os contratosas alterações são restritas (mas comuns) e pode haver modificação mediante aditamento de: –prazo; –custo; ou –prazo e custo as alterações podem ser renegociadas, não há limites o ambienteproximidade de eleições e transições de governos afetam a rentabilidade os impactos são indiretos e atenuados a leiLei 8.666/93 – normas para as licitações públicas sujeita às leis/regras de mercado

27 A LEI / 93 - regulamenta os procedimento para atribuição de contratos segundo o princípio da ISONOMIA, podendo ser feita uma contratação por: –tomada de preços; –carta-convite, ou; –concorrência NORMAS PARA LICITAÇÃO PÚBLICA Impacto direto diminuindo as barreiras de entrada Estratégias e preços

28 PROCESSO LICITATÓRIO: SEQÜÊNCIA SIMPLIFICADA –publicação em jornais, sites...; –o recebimento das propostas e os prazos mínimos - de 5 dias (convite) a 45 dias (concorrência); –a propostas - deve detalhar o preço, a documentação ou cadastro para comprovar boa situação financeira; –designação da comissão de licitação; –ato público de julgamento: abertura dos envelopes contendo a documentação; abertura dos envelopes contendo as propostas dos concorrentes habilitados. –julgamento e classificação das propostas de acordo com os critérios de avaliação constantes do edital; menor preço; melhor técnica ou; técnica e preço. COMO VENDER O SERVIÇO ? ESTRATÉGIAS E PREÇOS

29 ESTRUTURA CONCEITUAL DO SISTEMA DE CUSTO ARCABOUÇO CONCEITUAL PARA DELINEAR O SISTEMA DE CUSTO 1. objeto de custo – produto único ou serviço único; 2. custos diretos do objeto de custo – relacionados diretamente com o projeto; 3.custos indiretos de um objeto de custo – são alocados ao projeto por algum método de rateio; 4.centros de custo – os agrupamentos identificados no projeto; 5.critérios de alocação – fator que relaciona o custo indireto ao objeto de custo. DATAR (1998)

30 SISTEMA DE CUSTO – MÉTODO ABC um conjunto de atividades para o desenvolvimento de um produto. o produto ou serviço gerado em um projeto O sistema ABC conceitua que os causadores de custos são as atividades e não os produtos ou os clientes que as demandam. As atividades são as ações necessárias para que se atinjam os objetivos das funções.

31 o custeio baseado em atividades é uma técnica utilizada para calcular custos de produtos ou serviços prestados etc., de forma que os custos indiretos, vendas e administrativos atribuídos aos produtos ou serviços prestados reproduzam na realidade os serviços prestados indiretamente, executados para os produtos ou serviços prestados.OSTRENGA et al.(1997). um sistema que se concentra nas atividades como se fossem os principais objetos do custo. Uma atividade é um evento, tarefa ou unidade de trabalho com um determinado propósito. DATAR, (1999). SISTEMA DE CUSTO – MÉTODO ABC Esta teoria deve ser removida da apresentação

32 ELEMENTOS DA ESTRUTURA DE CUSTOS O insumo mais representativo na estrutura de custos de um projeto consultivo - as horas das equipes de colaboradores. Itens de custo direto Unidade de controle - Colaboradores da equipe Permanente [ Horas ] - Colaboradores da equipe Eventual [ Horas ] - Colaboradores Subcontratada [ Produto ] Despesas associadas ao projeto - - Passagens Aéreas [ Trecho ] - Estadas (hospedagem) [ Pernoite ] - Outras (equipamentos, cel, aluguel...) [ R$ ] - Diárias [R$/dia] objeto de custo – UM PROJETO custos diretos do objeto de custo e os agrupamentos

33 ELEMENTOS DA ESTRUTURA DE CUSTOS Itens de custo indireto Unidade de controle - Project Office [ projeto ] - Despesas Comerciais [ projeto ] - Equipamento [ projeto ] - Despesas com o imóvel [ área ] / [ projeto ] Valor total [ projeto ] custos indiretos de um objeto de custo critérios de alocação Os custos indiretos são distribuídos aos projetos de forma uniforme – [ Valor/projeto]

34 ESTRUTURA ORÇAMENTÁRIA DE UM PROJETO FATURAMENTO BRUTO (+) - Impostos (-) RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA (=) - Consorciados (-) RECEITA OPERACIONAL DEPOIS CONSORCIADOS (=) CUSTOS ESPECIFICOS DO PROJETO - Serviços Subcontratados (-) - Colaboradores Eventuais (-) Despesas Diversas com Viagens - Passagens Aéreas (-) - Estadas (-) - Outras (-) - Diárias (-) MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO (=) - Equipe Permanente (-) MARGEM OPERACIONAL BRUTA (=) DESPESAS - condomínio ( - informática (hard e soft) % Estrutura orçamentária para um projeto qualquer A B A B

35 ESTRUTURA DE DIVISÃO DO TRABALHO 1° NÍVEL 2° NÍVEL Composição dos custos por atividades

36 DISTRIBUIÇÃO DAS ATIVIDADES NO TEMPO Características para composição dos custos de um projeto: são identificadas as atividades e a carga horária necessária; valores orçados são valores reais - taxa X horas = custo da atividade; atividades carregadas com valor preestabelecido = subcontratados. Mês 1 R$ HH R$ / produto R$

37 COMPOSIÇÃO DO CUSTO/PREÇO Alocação dos recursos (e valores) melhor tipo de abordagem para compor o preço – bottom-up Mês 1

38 COMPOSIÇÃO DO CUSTO/PREÇO Mês 1 Alocação dos recursos (e valores) problema – a precisão para alocar os custos impacta a precisão de como eles são apurados; o esforço inicial para compor o custo é fator de sucesso do projeto.

39 DISTRIBUIÇÃO DOS CUSTOS PARA ANÁLISE Custo estruturado – visão por macro-atividade Custo estruturado – visão temporal

40 Estruturação do custo de um projeto: distribuição por tipo de insumo; ainda não estão inclusos os custos indiretos.. DISTRIBUIÇÃO DOS CUSTOS PARA ANÁLISE

41 Estruturação do custo de um projeto: atividades carregadas com os custos (bottom-up). DISTRIBUIÇÃO DOS CUSTOS PARA ANÁLISE

42 Taxas horárias – simulações para composição da taxa dos recursos Taxa de venda

43 DISTRIBUIÇÃO DOS CUSTOS PARA ANÁLISE Composição do preço de venda do projeto – A Proposta Comercial + CUSTOS INDIRETOS RATEADOS - condomínio ( - informática (hard e soft) - Project Office - - Taxa de venda CUSTOS DIRETOS Possibilidade: vários valores para várias propostas comerciais

44 TABELA DE ANÁLISE DE VALOR RFP LICITAÇÃO Valor Percebido Menor Custo Menor Prazo Qualidade Valorização do SABER Solução Diferenciada Solução Padronizada NÃO SIM ? Projeto Tipo de Cliente/ PREÇO DE VENDA – a percepção para formação do preço RFP – Request for proposal: termo utilizado em uma concorrência do setor privado A proposta comercial - são definidas as estratégias de entrega

45 DISTRIBUIÇÃO DOS CUSTOS DIRETOS Análise do portfolio de projetos visão integradas de todos os projetos 3,21% 0,70% 23,26% 27,79% 11,76% 6,16% 6,62% 20,50% Consorciado Subcontratado Eventual Passagens Aéreas Estadas Outras RecursosPermanentes

46 Sistema de Apuração de Custos de Serviços Variável de CusteioForma de Apropriação Forma de Apuração Periodicidade HH de PermanentesABCTimesheetQuinzenal HH de EventuaisABCTimesheetQuinzenal SubcontratadosABCContra-produtoMensal EstadasABCComprovanteMensal ViagensABCBilheteQuinzenal DiáriasABCComprovanteQuinzenal OutrasABCComprovanteQuinzenal

47 DISTRIBUIÇÃO DOS CUSTOS PARA ANÁLISE Elementos para controle e apuração dos custos: timesheets para controle da horas dos colaboradores; MSProject Timesheet Controle de despesas Empresas de consultoria

48 DISTRIBUIÇÃO DOS CUSTOS PARA ANÁLISE Elementos para controle e apuração: metodologia EV – para projeção dos valores em R$ CV=BCWP-ACWP SV=BCWP-BCWS (+) = Orçamento (-) = Orçamento (-) = atrasado em termos de custo (+) = antecipado em termos de custo

49 TAMANHO DO PROJETO: CRITÉRIO

50 COMPOSIÇÃO DO CUSTO DO PROJETO mapeamento dos processos iniciais de um projeto – os processos possíveis de serem mapeados e o início da composição do custo de um projeto.

51 Bibliografia: HORNGREN, C. T.; FOSTER, G.; DATAR, S. M. Contabilidade de Custos. Rio de Janeiro, LTC Editora, KAPLAN, R.S.; COOPER, R. Custo e desempenho: administre seus custos para ser mais competitivo. São Paulo, Futura, KURTZ, David, L.; CLOW, Kenneth E. Services marketing. New York, John Wiley & Sons, LOVELOCK, Christopher, WRITH, Lauren. Serviços marketing e gestão. São Paulo: Saraiva, MARTINS, E. Contabilidade de Custos. São Paulo, Ed. Atlas, NAKAGAWA, M. ABC: custeio baseado em atividades. São Paulo, Atlas, OSTRENGA, M. R. et al. Guia da Ernst & Young para Gestão Total dos Custos. Rio de Janeiro, Ed. Record, PEREZ Jr., J.H.; OLIVEIRA, L.M. Contabilidade de custos para não contadores. São Paulo, Atlas, ZEITHAML, Valarie A. Consumer perceptios of price, quality, and value: A means-end model and synthesis of evidence. Journal of Marketing, v.52, p.2-22, July 1998.


Carregar ppt "CUSTOS NAS EMPRESAS DO SETOR DE SERVIÇOS: EMPRESA DO SETOR CONSULTIVO ESPECIALIZADA EM ORGANIZAÇÃO E GESTÃO Participantes: Consuelo David Fernando Paulo."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google