A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

MODELOS PARA PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO MRP JIT Prof. Msc. Mauro Enrique Carozzo Todaro.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "MODELOS PARA PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO MRP JIT Prof. Msc. Mauro Enrique Carozzo Todaro."— Transcrição da apresentação:

1 MODELOS PARA PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO MRP JIT Prof. Msc. Mauro Enrique Carozzo Todaro

2 MRP MRP (do inglês Material Requirements Planning, ou Planejamento das necessidades de materiais) É uma técnica utilizada para converter o programa-mestre de produção (MPS) de um item de demanda independente em uma programação das necessidades das partes componentes do item (demanda dependente). O que é o MRP?

3 MRP Assegurar que os materiais estejam nas quantidades requeridas e no momento certo para a produção de cada um dos elementos componentes dos produtos finais. Objetivo

4 MRP O MRP obtém as necessidades de cada uma das partes (subconjuntos, peças ou matérias primas), em cada período de planejamento, para atender o MPS. É útil quando o produto final é um elemento composto, e é mais importante quanto mais complexa seja a estrutura dos produtos e mais ampla sua variedade. Aplicável à produção por lotes. Características

5 MRP É um sistema de gestão do estoque para demanda dependente, porque as necessidades se calculam com base nas quantidades fixadas no MPS para os produtos finais. O MRP se atualiza período a período com horizonte deslizante. O primeiro período é o período de ação e os seguintes são períodos de planejamento. Características

6 MRP - DADOS ENTRADA MPS Estrutura do produto Tempo padrão de provisão e fabricação de cada parte (lead times) Estoques disponíveis, em cada momento, em cada parte SAIDA Ordens de produção e compras requeridas no período de ação e períodos futuros Reprogramações de datas de entrega Cancelamento de ordens emitidas por mudanças no MPS Informes de estoque

7 MRP Estrutura do produto A estrutura do produto especifica, para cada produto final: a) Os elementos componentes por níveis Nível 0 ___________ produto terminado Nível 1 a n – 2 ______ subconjuntos Nível n – 1 _________ peças de produção própria Nível n ____________ partes compradas

8 MRP Estrutura do produto A estrutura do produto especifica, para cada produto final: b) A quantidade com que cada componente participa no nível imediato superior Árvore de estrutura X A(1) C(1)B(2)D(3)

9 Para cada item, elabora-se um registro MRP com os seguintes dados: MRP Dinâmica do sistema

10 MRP Dinâmica do sistema DadosDefinição Necessidade brutas (NB)Demanda do item durante o período t. Recebimentos previstos (RP) Quantidade já ordenada (ordem de compra ou de produção) que ingressará no começo do período t. Estoque disponível (ED)Estoque esperado ao final do período t e que estará disponível no começo do seguinte. Necessidades líquidas (NL) Quantidade líquida que deve estar pronta no começo do período t. Ordens planejadas (OP)São as necessidades líquidas adiantadas um número de períodos igual ao LT (Lead Time)

11 MRP Dinâmica do sistema Passos, começando pelo nível 0: 1. Determinar as Necessidades Brutas para cada item em cada período. 2. Determinar as Necessidades Líquidas em função das Necessidades Brutas, do Estoque e dos Recebimentos Previstos, para cada item em cada período. Se (ED) t-1 + (RP) t – (NB) t (ES), (NL) t = 0 Se (ED) t-1 + (RP) t – (NB) t < (ES), (NL) t = (NB) t – [(RP) t + (ED) t-1 ] + (ES) (ED) t = (ED) t-1 + (RP) t – (NB) t

12 MRP Dinâmica do sistema Passos, começando pelo nível 0: 3.Usando os tempos padrão de produção e provisão (lead times) determinar as ordens planejadas para cada item em cada período. 4. Passar ao nível inferior e repetir os passos anteriores. 5. Liberar as ordens de produção e compras planejadas no período de ação.

13 Estrutura do produto X A(1) C(1) B(2) D(3) ITEMLEAD TIME ESTOQUE SEGURANÇA LOTE X000 A100 B21030 C25 D21530 MRP - EXEMPLO

14 ITEM: X LT:0 ES:0 LOTE: 0 SEMANAS1S2S3S4S5S6S7S8S9S10S11S12 NEC. BRUTA REC. PREV. ESTOQUE DISP ORDENS PLAN ITEM: A LT:1 ES:0 LOTE: 0 SEMANAS1S2S3S4S5S6S7S8S9S10S11S12 NEC. BRUTA 7 15 REC. PREV. ESTOQUE DISP ORDENS PLAN ITEM: C LT:2 ES:5 LOTE: 30 SEMANAS1S2S3S4S5S6S7S8S9S10S11S12 NEC. BRUTA 2 15 REC. PREV. ESTOQUE DISP ORDENS PLAN. 30

15 MRP - EXEMPLO ITEM: B LT:2 ES:10 LOTE: 30 SEMANAS1S2S3S4S5S6S7S8S9S10S11S12 NEC. BRUTA REC. PREV. ESTOQUE DISP ORDENS PLAN. 30 ITEM: D LT:2 ES:15 LOTE: 30 SEMANAS1S2S3S4S5S6S7S8S9S10S11S12 NEC. BRUTA 6 45 REC. PREV. ESTOQUE DISP ORDENS PLAN. 30

16 PRODUÇÃO ENXUTA JIT O que éO que faz Filosofia de administração Sistema de puxar através da planta Ataca a perda Expõe problemas e gargalos Atinge a produção sincronizada O que requerO que supõe Participação de empregado Engenharia de produção Melhorias contínuas Controle total da qualidade Tamanhos pequenos de lotes Ambiente estável Produção Just-In-Time

17 PRODUÇÃO ENXUTA JIT Elementos do sistema JIT MPS (Plano mestre da produção) Horizonte: 1 a 3 meses. Permite que posto de trabalho e fornecedores planejem seus trabalhos. No mês corrente, o MPS é balanceado em bases diárias (carga uniforme).

18 PRODUÇÃO ENXUTA JIT Elementos do sistema JIT Kanban Método de autorização da produção e movimentação de materiais. Significa Marcador (cartão, sinal ou placa).

19 PRODUÇÃO ENXUTA JIT Elementos do sistema JIT Kanban Cartão de produção (CP) Código da peça: 3XY Nome da peça: Eixo principal Posto de trabalho: 3J Capacidade do contêiner: 20 unidades Materiais necessários: Barra de aço (XYW3A), localizada na prateleira C3-P17 Cartão de movimentação (CM) Código da peça: 3XY Nome da peça: Eixo principal Posto de retirada: 1 Posto de recebimento: 2 Capacidade do contêiner: 20 unidades Localização no estoque: prateleira C7-P18

20 PRODUÇÃO ENXUTA JIT Elementos do sistema JIT Kanban PBPB Exp. B Exp. A Rec. B O operador B vê um contêiner vazio e pega seu CM Dirige-se à expedição do posto A com o contêiner vazio e o respectivo CM Na expedição A, deixa o contêiner vazio, retira o CM, pega um contêiner cheio e coloca nele o CM que está na sua mão Retira o CP do contêiner cheio que acabou de pagar e o coloca em um quadro, indicando ao operador A que ele pode encher outro contêiner O operador do posto B leva o contêiner cheio para seu posto de trabalho, encerrando-se o ciclo CM CP

21 PRODUÇÃO ENXUTA JIT Elementos do sistema JIT Mont. final P4 P2 P3P5 P1 Fornecedor 1 Fornecedor 2 Contêiner Produto final Kanban

22 PRODUÇÃO ENXUTA JIT Elementos do sistema JIT Tempos de preparação (setup) O objetivo do JIT é produzir em lotes cada vez menores. O limitante é o custo de preparação das máquinas. Minimizar setup Lotes menores Reduz estoque Aumenta flexibilidade Viabiliza JIT

23 PRODUÇÃO ENXUTA JIT Elementos do sistema JIT Colaborador multifuncional O próprio operador prepara a máquina, faz manutenção de rotina e pequenos reparos. Requer maior amplitude de habilidades que na manufatura tradicional. Demanda trabalho em equipe e coordenação, já que não há estoque para cobrir problemas.

24 PRODUÇÃO ENXUTA JIT Elementos do sistema JIT Fornecedores Vistos como uma extensão da fábrica. Recebem contêineres vazios e fazem várias entregas diárias. Relação de parceria.

25 PRODUÇÃO ENXUTA JIT Elementos do sistema JIT Qualidade Absolutamente essencial. Defeitos podem levar o processo a uma parada. Os defeitos são descobertos mais rápido que na manufatura tradicional.

26 Critério comparativo MRPJIT FilosofiaPlanejamento/Plano de suprimentos Eliminação de desperdiço/Aumento do retorno do investimento PressupostosFábrica estáticaMelhoria contínua DemandaPermite variaçõesEstável ProcessamentoLotesRepetitiva RequerimentosSoftwares sofisticadosSistemas visuais de controle ProdutosComplexos Alta variedade Simples Pouca variedade MRP / JIT

27 Combinações Sistemas diferentes para produtos diferentes. MRP para planejamento e controle global e JIT para controle interno.

28 Referências Bibliográficas MARTINS, P. G. e LAUGENI, F. P. Capítulo 13: Sistemas de PCP no chão-de-fábrica. In: Administração da produção. Petrônio Garcia Martins e Fernando P. Laugeni. 2 ed. São Paulo: Saraiva, MOREIRA, D. A. Capítulo 19: O sistema MRP. In: Administração da produção e operações. MOREIRA, Daniel Augusto. 2 ed. São Paulo: Cengage Learning, SLACK, N; CHAMBERS, S e JOHNSTON, R. Capítulo 15: Planejamento e controle Just In Time. In: Administração da produção. SLACK, Nigel; CHAMBERS, Stuar; JOHNSTON, Robert. 2 ed. São Paulo: Atlas, STEVENSON, W. Capítulo 14: Planejamento das necessidades de materiais. In: Administração das operações de produção. STEVENSON, Willam J. 6 ed. Rio de Janeiro: LTC, 2001.


Carregar ppt "MODELOS PARA PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO MRP JIT Prof. Msc. Mauro Enrique Carozzo Todaro."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google