A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Flo Menezes: A escritura orquestral na música contemporânea curso de pós-graduação, outubro/novembro de 2008 « antecedentes » => Bruckner como apogeu das.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Flo Menezes: A escritura orquestral na música contemporânea curso de pós-graduação, outubro/novembro de 2008 « antecedentes » => Bruckner como apogeu das."— Transcrição da apresentação:

1 Flo Menezes: A escritura orquestral na música contemporânea curso de pós-graduação, outubro/novembro de 2008 « antecedentes » => Bruckner como apogeu das cores orquestrais em justaposição: idéias mais fundamentais expostas durante o curso verticalizações harmônicas ricas, porém proporcionalmente menos ricas que a riqueza harmônica produto das justaposições => modulações blocos com autonomia colorística dos naipes orquestrais, mas polifonia restrita à voz principal e acompanhamento riqueza melódica => por exemplo com o salto de 9m ao início da 7. Sinfonia

2 « pontapé inicial do jogo da contemporaneidade » => Mahler: um Bruckner verticalizado: planos de simultaneidades desenvolvimentos direcionais simultâneos, ainda que convergentes riqueza de timbres orquestrais das simultaneidades como elemento auxiliador na apreensão/assimilação das aberrações harmônicas provenientes da verticalização radical atomização motívica => ápice no 1. movimento da 9. Sinfonia com a 2m como grau conjunto atômico e 3m como intervalo mínimo grande riqueza dos agregados harmônicos resultantes da sobreposição das cores orquestrais precursor do pensamento serial pelo viés da matriz intervalar serial que leva o projeto beethoveniano às últimas conseqüências tecido referencial: escritura semântica e remissiva => a Sinfonia como o mundo inteiro

3 a poética « cubista » de Stravinsky => a justaposição revisitada: espécie de antropofagia sincrética numa equação entre Bruckner e Mahler apogeu do pensamento por blocos de índole francesa apogeu do colorido orquestral verticalização dos perfis => embaralhamento dos blocos com recorrências transpostas de blocos, sem lógica tonalizante das transposições Stravinsky é o inventor do terremoto à distância: camadas tectônicas (blocos) que deslizam (transposições) mas que são intercaladas por outras camadas diversas, igualmente submetidas a deslizes quebra da lógica tonal => intercalações repentinas no lugar de interpolações direcionais (direcionalidade tonal preservada, porém relativizada) deslizes em justaposição dos blocos podem ocorrer, mas são raros a orquestra é potencializada em cores pelo foco multicolorido de seus naipes: Sinfonias para Instrumentos de Sopro => sacrifício do corpo orquestral em prol da riqueza de naipes

4 Schönberg => a escuta da cor harmônica Fünf Stücke für Orchester Op. 16 Farben Gurre LiederVariationen für Orchester Op. 31 tonal serial atonal Farben => escritura orquestral calcada na polarização de uma entidade harmônica mais que uma Klangfarbenmelodie, uma cor harmônica superação definitiva da velha tonalidade na reinvenção do sentido harmônico do tecido composicional em vez da orquestra vestir (orquestrar) a idéia musical, a idéia veste a orquestra

5 Schönberg => aportes anteriores e posteriores a Farben Gurre LiederVariationen für Orchester Op. 31 ápice da densidade orquestral ápice da escritura orquestral contrapontística escrita multi-referencial => referência principal: Wagner escrita multi-referencial => referência principal: Bach a partir de Schönberg: a entidade harmônica e o arquétipo harmônico a entidade harmônica vista estrutural e funcionalmente propensão harmônica e suas potencialidades resolutiva e não-resolutiva

6 Berg => tonalismo como metalinguagem na orquestra e referência dupla ao arco tonal tendência gestual genérica por aumentação: gesto expansivo transposição contínia de perfis melódicos: temática cinética (Leibowitz) por aumentação cronológica das figuras até a eclosão do arco pós-romântico por dilatação (verticalizada) do perfil antecipa as projeções de perfis presentes também em Bartók

7 rigor estrutural não-ortodoxo não-ortodoxia serial: séries derivadas pré-serialismo rítmico: pregnância das figuras rítmicas = monorritmias (Wozzeck, Kammerkonzert, Lulu) preferência por estruturas simétricas (Spiegelbild) e por vezes por estruturas harmônicas simétricas fetichismo da nomerologia (Boulez) periodicidades em aceleração (finais dos Atos de Wozzeck): antecipa fenômenos de adaptação dinâmica em Boulez tonalismo entre metalinguagem e paródia conseqüência do gesto expansivo na escritura orquestral: orquestra como expansividade tímbrica

8 Webern => aspecto contrativo na miniaturização das cores orquestrais a orquestra é rarefeita, em gesto contrativo, como tudo: forma, matriz serial, agógica (tempi), silêncios estruturais, enunciação do total cromático, duração geral das obras, gesticulação pontilhista escritura orquestral quase que de câmera detalhismo na diferenciação das densidades orquestrais (sobretudo do naipe das cordas) todo o naipe: estabilidade (chorus) corda solista: instabilidade; escuta miniaturizada do vibrato

9 a orquestra como palco da estruturação rigorosa do contraponto (cânone duplo em movimento contrário), anulada pela percepção de conjunto melodias de alturas (de freqüências), numa radicalização/miniaturização da melodia de timbres: da já radicalização inaugural em Schoenberg (melodia de timbres nos acordes!) à melodia de timbres em uma única altura ao contrário da leitura de toda a geração pós-weberniana: microdirecionalidades constituição de espaços intevalares simétricos periodicidade de freqüências pêndulo entre periodicidades e aperiodicidades

10 Varèse => a orquestra reinventada menosprezo sistemático pela preponderância tradicional das cordas contradição entre espectros pontilhistas (percussão em geral) e gesticulação contínua e não-discreta das sirenes sobrepeso das membranas graves (sobretudo do bumbo sinfônico => Amériques) grande afluência do universo percussivo no contexto orquestral (e fora dele) Stravinsky como paradigma: justaposições; aglomerados; caráter rítmico; agressividade melodia em revolução oposição entre figurações restritas ao âmbito de terças e gesticulações espaçadas no registro harmonias de simulateidades: relações cromáticas espaçadas, concomitante às invenções webernianas inovação da escritura orquetral: a escritura por profundidade, em decorrência da diferenciação instrumental, na mesma freqüência, em espectro e dinâmica antecipa Ligeti

11 Messiaen => personagens orquestrais a orquestra repensada a partir das personagens rítmicas (definição de Messiaen) em Stravinsky a escritura orquetral é dividiva em cenas por justaposição: personagens orquestrais (minha definição): claras e distintas constituições orquestrais especulação no âmbito das camadas orquestrais invenção das permutações simétricas nas cordas das Strophes de Chronochromie a orquestra como coloração das novas harmonias (dos modos de transposições limitadas) ápice da escritura colorística de Debussy oscilação entre escritura homofônica e polifônica ao extremo (a ponto de anular as linhas) exaltação dos grandes agregados harmônicos como orquestração multicolorida

12 Xenakis => a escritura orquestral probabilística oposição crítica ao caráter discreto do serialismo: Metastasis e a inclusão inovadora dos glissandos como elementos de continuidade e direcionalidade do registro grande lupa estrutural/temporal do átomo serial: a segunda menor entre os uníssonos inicial e final lupa orquestral: as cordas em divisi radicais => escuta estatística antecipa Ligeti, Penderecki, Messiaen e outros Metastasis: contradição (aparente) entre caráter pontual da percussão simultânea aos glissandos no início plano de simultaneidade da oposição entre continuidade das seções inicial e final (glissandos) e estrutura de tipo serial/estatística central resgate da escritura direcional na orquestra

13 Stockhausen => a invenção (orquestral) sem limites grande inovação (paralela a Berio) na orquestra: espacialização dos grupos orquestrais em Gruppen a orquestra acusmática: caráter onírico de Trans => a orquestra como um sonho, no qual ouve-se o que não se vê a orquestra oriental revisitada: Jahreslauf stratta de tempi não-correlatos, em relações de tempo muito diversas, porém simultâneas direcionalidades simultâneas => ápice da escuta relativista timbres como diferenciação de comportamentos temporais distintos a especulação dinâmica da orquestra: escala de dinâmicas em Inori os indivíduos da orquestra em espacialização radical: percurso multiespacial das freqüências em melodias de timbres no espaço em Lichter-Wasser

14 Boulez => a eletrônica a serviço da extensão de escritura dos instrumentos ápice desta visão para grande grupo de tipo orquestral: Répons Resumo das principais noções de Boulez em seu principal texto: Le système et lidée SISTEMAS DE ESCRITURA sistemas de condicionamento sistemas de aplicação realização; material elaborado preparação; material bruto redes de intervalos proliferação manipulação estruturas direcionais elaborar o material bruto no nível do elemento isolado elaborar o material bruto no nível do conjunto dos elementos tratamento das figuras condicionamento da forma descrição aura envelopes sinais

15 Ligeti => a orquestra (ou o grupo orquestral) possibilitando a constituição textural: invenção da micropolifonia Resumo das principais noções acerca da micropolifonia em Ligeti em um de seus textos mais fundamentais: Wandlungen der musikalischen Form PERMEABILIDADE do tecido musical: A diminuição da sensibilidade intervalar ocasiona um estado que pode ser chamada de permeabilidade permeabilidade significará então que estruturas de distintas constituições se desenvolvam simultaneamente, se condicionem mutuamente e se fundam totalmente (Kompositorische Tendenzen heute) resulta daí um afrouxamento da discurso temporal Síntese das idéias acerca da micropolifonia no texto « Musik und Technik »: Ligeti procurou então levar ao universo instrumental as aquisições da experiência eletrônica, em especial com relação aos timbres móveis (Bewegungsfarben) tal mobilidade tímbrica é correlata, paradoxalmente, a uma música estática: a imobilidade das consfigurações tenderiam a focar a percepção na mobilidade dos timbres

16 disso resulta em essência sua micropolifonia; a partir da fusão de sons sucessivos e da sobreposição de sons por camadas o tecido resultante é tão denso que as vozes individuais não podem mais ser ouvidas como tais e o tecido total revela-se como constituição de ordem superior micropolifonia calca-se no cânone, o qual entretanto centra-se exclusivamente na sucessão das alturas: o acontecimento rítmico basear-se-á em outra construção resulta daí uma textura caleidoscópica: Por meio do movimento das vozes individuais e de seu entrelaçamento resulta a ilusão de um estado estático, que no interior do tecido ocasiona uma permanente transformação de textura Em vez de movimento como processo rítmico vivenciamos transformações de modelos no interior do tecido enquanto processos tímbricos no nível do artesanato: tais constituições são favorecidas por ligeiras alterações de timbre dos modos de ataque (nas cordas: mudanças de tipos de arco) ou por sutis ondulações dinâmicas (crescendi) diferenciadas nas vozes individuais Ligeti passa então a contar com o erro interpretativo: desvios, porém ancorado pela resultante essencialmente fenomenológica

17 Berio => apogeu do artesanato orquestral gesto articulatório aliado a formações distintas e distintivas no interior da escritura orquestra ápice dessa noção: Formazioni referencialidade múltipla: resgates múltiplos = ápice da escritura moderna das figuras das antífonas espaciais barrocas da virtuosidade romântica da gestualidade clássica da consciência harmônica (schoenbergiana) das entidades

18 Pousseur => a orquestra como paneau multicolorido e arena da periodicidade generalizada apogeu do pensamento weberniano, pontilhista em essência, porém com uma dilatação dos pontos multicoloridos: borrões, manchas de cores diversas, interceptadas por silêncios ápice dessa noção: La Seconde Apothéose de Rameau projeto serial de periodicidade: periodicidade generalizada => rima de distintas épocas e culturas a invenção harmônica como coadjuvante estrutural da periodicidade generalizada: redes harmônicas integração direcional das disparidades importância fenomenológica dos perfis

19 Ferneyhough => o erro interpretativo e o embate do factível com o impossível como aliados gestuais dos múltiplos planos de simultaneidade ápice dessa noção na escritura de cunho orquestral: Carceri dInvenzione III apogeu de estratégias e procedimentos subcutâneos: mais que nova complexidade, um neo-serialismo aspecto negativo: perda de controle fenomenológico das articulações aspecto positivo: geração de um rico emaranhado labiríntico nivelamento intervalar e harmônico de tipo serial poligestualidade convidativa à reescuta especulativa, inspetiva reaprisionamento – ainda que legítimo – da compreensão à leitura da partitura

20 Síntese das noções presentes em três de minhas obras orquestrais: PAN ( ) aspecto mahleriano/cageano: a orquestra abarcando o mundo, mas estendendo a noção mesma de música à totalidade pânica dos sons aspecto weberniano: fusão formal => um Poema Sinfônico + uma Sinfonia + um Capriccio Pan demarca o final de minha primeira fase criativa e traduz-se como um manifesto de amor e obsessão pelo mito de Pã, tão fortemente ligado à música. Amante de Eco, Pã se vê traído quando esta se apaixona por Narciso, que por sua vez ama sua própria imagem. Igualmente amante da Lua, de onde tudo vê com sua visão panorâmica, Pã inicia difícil empreitada pela recuperação de seu amor, oscilando entre amor e fúria, condição condizente com sua constituição meio humana, meio animal. Fugindo de Pã, Eco desliza pelos vales, e os gritos de Pã afugentam até mesmo suas Ninfas, que, surpresas, são acometidas pelo terror pânico. Eco procura disfarçar-se em caule, mas Pã, que tudo vê, percebe o disfarce, arranca os caules da terra e assopra forte, buscando a voz de sua amada. Surge, então, a flauta de Pã. A música é associada, assim, à visão totalizante, panorâmica e ao mesmo tempo pânica, em procura de eco. Nada mais apropriado para servir-me de imagem, na época, à minha situação como jovem compositor da vanguarda. Em Pan, tudo pode tornar-se música. Eventuais interferências não-musicais são resgatadas pelo artesanato da escritura orquestral. Os quatro movimentos narram episódios do mito, e o último conjuga orquestra e sons eletroacústicos, consistindo em meus primeiríssimos passos na odisséia eletroacústica. Nele, invento uma nova forma musical – forma-pronúncia – pela simulação de uma pronúncia dilatada no tempo da própria palavra Pan. Ao estender-se no tempo, a palavra deixa de ser palavra e torna-se pura textura sonora, transformando a morte do mito na própria ressonância de seus pensamentos. O eco que se busca é, então, encontrado. Trotsky, o maior dos revolucionários do século XX, é aqui homenageado. aspecto ideológico: o mito revisitado, historicizado (Barthes) aspecto político: um manifesto trotskista fusão orquestral e eletroacústica como ápice da expansão totalizante da escritura

21 labORAtorio (1991; 1995; 2003): traços de sua escritura a orquestra conjugada com a voz e a eletroacústica: ápice da densidade de escritura rastros: o evento acústico deixando vestígio em outro ponto do espaço a orquestra como intervenção de massa na escritura vocal a orquestra como reforço da escritura vocal a música de câmera revisitada no contexto orquestral (Árias)

22 Crase ( ): ápice da fusão orquestra/recursos eletroacústicos fusão em dois níveis rastros: resgate e desenvolvimento deste tipo de escritura, tal como exposto em labORAtorio expansão da antífona de metais beriana: ferradura abraçando o público referencialidade ao artesanato minucioso (articulações solísticas em meio à massa orquestral) de Formazioni de Berio escritura orquestral conscientemente elaborada em níveis distintos de densidade: solistas fora da orquestra; solistas dentro da orquestra; naipes; combinação de naipes; grande massa orquestral sons eletroacústicos como ressonâncias das entidades (tempo diferido) sons eletroacústicos como projeção e interferência espectral dos solistas (tempo real)


Carregar ppt "Flo Menezes: A escritura orquestral na música contemporânea curso de pós-graduação, outubro/novembro de 2008 « antecedentes » => Bruckner como apogeu das."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google