A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

AULA 01 HISTÓRIA DA FILOSOFIA ANTIGA INTRODUÇÃO O conhecimento filosófico surgiu aos poucos, em substituição aos mitos e às crenças religiosas, na tentativa.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "AULA 01 HISTÓRIA DA FILOSOFIA ANTIGA INTRODUÇÃO O conhecimento filosófico surgiu aos poucos, em substituição aos mitos e às crenças religiosas, na tentativa."— Transcrição da apresentação:

1

2 AULA 01 HISTÓRIA DA FILOSOFIA ANTIGA

3 INTRODUÇÃO O conhecimento filosófico surgiu aos poucos, em substituição aos mitos e às crenças religiosas, na tentativa de conhecer e compreender o mundo e os seres que nele habitam.

4 A formação do pensamento filosófico se deu na passagem do mito (mýthos) para a razão (lógos). Os deuses têm sua importância relativizada pela razão a partir dos elementos existentes na natureza estudados pelos pré-socráticos.

5 Os pré-socráticos foram os filósofos de um primeiro período do pensamento grego, o qual denomina-se de naturalista, visto que esses filósofos tinham como objetivo descobrir a substância única, a causa, o princípio do mundo natural.

6 Sabe-se que o início da filosofia deu-se no momento em que o homem passou a buscar explicações de forma racional para os fenômenos da natureza, e não mais na mitologia.

7 Os filósofos pré-socráticos tiveram seu interesse filosófico voltado para a natureza (phýsis), assim sendo, os primeiros filósofos eram investigadores da natureza, ou phýsicos.

8 A filosofia, ao nascer, teve definida a sua busca: uma explicação racional sobre a origem e ordem do mundo, o kósmos (cosmos). Por tal motivo os primórdios da filosofia grega são considerados de caráter cosmológico.

9 Os primeiros filósofos se ocuparam principalmente de indagações a respeito do mundo ao seu redor, que também envolviam a percepção do lugar do homem nele.

10 Essa busca trouxe à luz uma divergência entre a ciência e o senso comum.

11 Conforme Reale (1993): Pode-se dizer que, para o homem homérico e para o homem grego filho da tradição homérica, tudo é divino, no sentido de que tudo o que acontece é obra dos deuses.

12 Todos os fenômenos naturais são promovidos por numes: os trovões e os raios são lançados por Zeus do alto do Olimpo, as ondas do mar são levantadas pelo tridente de Posseidon, o sol é carregado pelo áureo carro de Apolo, e assim por diante.

13 Até então, o homem tinha como herança cultural a crença de que tudo – desde as quatro estações até a morte - era relacionado a um deus ou um mito.

14 Surge então uma nova mentalidade, que passa a substituir as antigas construções mitológicas pela forma intelectual, expressa por meio de especulação livre sobre a natureza do mundo e as finalidades da vida.

15 CONCEITO E OBJETIVO DA FILOSOFIA ANTIGA

16 Segundo a tradição, o criador do termo filo-sofia foi Pitágoras, o que, embora não sendo historicamente seguro, é verossímil.

17 O termo certamente foi cunhado por um espírito religioso, que pressupunha só ser possível aos deuses uma sofia (sabedoria), ou seja, uma posse certa e total do verdadeiro, uma contínua aproximação ao verdadeiro

18 um amor ao saber nunca saciado totalmente, de onde, justamente, o nome filo-sofia, ou seja, amor pela sabedoria. Mas, substancialmente, o que entendiam os gregos por essa amada e buscada sabedoria?

19 Desde o seu nascimento, a filosofia apresentou de modo bem claro três conotações, respectivamente relativas a 1) o seu conteúdo, 2) o seu método e 3) o seu objetivo.

20 No que se refere ao conteúdo, a filosofia pretende explicar a totalidade das coisas, ou seja, toda a realidade, sem exclusão de partes ou momentos dela.

21 No que se refere ao método, a filosofia visa ser explicação puramente racional daquela totalidade que tem por objeto. O que vale em filosofia é o argumento da razão, a motivação lógica, o logos.

22 Por último, o objetivo ou fim da filosofia está no puro desejo de conhecer e contemplar a verdade.

23 Com efeito, é evidente que, ao se contemplar o todo, mudam necessariamente todas as perspectivas usuais, muda a visão do significado da vida do homem e se impõe uma nova hierarquia de valores.

24 A FILOSOFIA COMO NECESSIDADE PRIMÁRIA DO ESPÍRITO HUMANO

25 Alguém perguntará: mas por que o homem sentiu a necessidade de filosofar? Os antigos respondiam que tal necessidade está estruturalmente radicada na própria natureza do homem.

26 Os homens começaram a filosofar, tanto agora como nas origens, por causa da admiração: no princípio, eles ficavam maravilhados diante das dificuldades mais simples;

27 em seguida, progredindo pouco a pouco, chegaram a se colocar problemas sempre maiores. Assim, a raiz da filosofia é precisamente esse maravilhar-se,

28 surgido no homem que se defronta com o Todo ( a totalidade), perguntando-se qual a sua origem e o seu fundamento, bem como o lugar que ele próprio ocupa nesse universo

29 Por que existe tudo isso? De onde surgiu? Qual a sua razão de ser? Esses são problemas que equivalem ao seguinte: por que existe o ser e não o nada?

30 OS PROBLEMAS FUNDAMENTAIS DA FILOSOFIA ANTIGA

31 Inicialmente, a totalidade do real era vista como physis (natureza) e como cosmos. Assim o problema filosófico por excelência era a questão cosmológica.

32 Os primeiros filósofos, chamados precisamente defísicos, naturalistas oucosmólogos, propunham-se os seguintes problemas:

33 como surgiu o cosmos? Quais são as fases e os momentos de sua geração? Quais são as forças originárias que agem no processo?

34 Com os sofistas, porém, o quadro mudou. A problemática do cosmos entrou em crise e a atenção passou a se concentrar no homem e em suas virtudes específicas. Nascia assim a problemática moral.

35 Com as grandes construções sistemáticas do século IV a.C., a temática filosófica iria se enriquecer ainda mais, distinguindo alguns âmbitos de problemas (relacionados com a problemática do todo)

36 que ao longo de toda a história da filosofia, iriam permanecer como pontos de referência paradigmáticos.

37

38 Os primeiros Jônicos e a questão doprincípio de todas as coisas.

39

40

41 O pensador ao qual a tradição atribui o começo da filosofia grega é Tales, que viveu em Mileto, na Jônia, provavelmente nas últimas décadas do século VII e na primeira metade do século VI a.C. TALES DE MILETO

42 Tales foi o iniciador da filosofa da physis, pois foi o primeiro a afirmar a existência de um princípio originário único, causa de todas as coisas que existem, sustentando que esse princípio é a água.

43 Essa proposta é importantíssima, como veremos logo, podendo com boa dose de razão ser qualificada como a primeira proposta filosófica daquilo que se costuma chamar civilização ocidental.

44 A compreensão exata dessa proposta pode nos fazer entender a grande revolução operada por Tales, que levaria à criação da filosofia.

45 Princípio (arché) não é um termo de Tales (talvez tenha sido introduzido por seu discípulo Anaximandro, mas alguns pensam numa origem mais tardia), mas é certamente

46 o termo que indica melhor do que qualquer outro o conceito daquele quid do qual derivam todas as coisas.

47 Como nota Aristóteles em sua exposição sobre o pensamento de Tales e dos primeiros físicos, o princípio é aquilo do qual derivam originariamente e no qual se ultimam todos os seres, é uma realidade que permanece

48 idêntica ao transmutar-se de suas alterações, ou seja, uma realidade que continua a existir imutada, mesmo através do processo gerador de todas as coisas.

49 Assim, o princípio é: a) a fonte e origem de todas as coisas; b) a foz ou termo último de todas as coisas; c) o sustentáculo permanente que mantém todas as coisas ( a substância).

50 Em suma, o princípio pode ser definido como aquilo do qual provêm, aquilo no qual se concluem e aquilo pelo qual existem e subsistem todas as coisas.

51 Os primeiros filósofos denominaram esse princípio com o termo physis, que indica natureza, não no sentido moderno do termo, mas no sentido original de realidade primeira e fundamental,

52 ou seja, aquilo que é fundamental e persistente, em oposição àquilo que é secundário, derivado e transitório.

53 Assim, os filósofos que, a partir de Tales até o fim do século V a.C., indagaram em torno da physis foram denominadosfísicos ou naturalistas.

54 Portanto, somente recuperando a acepção arcaica do termo e captando adequadamente as peculiaridades que a diferenciam da concepção moderna é que será possível entender o horizonte espiritual desses primeiros filósofos.

55 PRIMEIROS FILÓSOFOS

56 Mas ainda fica por esclarecer o sentido da identificação do princípio com a água e as suas implicações. A tradição indireta diz que Tales deduziu essa sua convicção da constatação de que a nutrição de todas as coisas é úmida,

57 de que as sementes e os germes de todas as coisas têm natureza úmida e de que, portanto, a secagem total significa a morte. Assim como a vida está ligada à umidade e esta pressupões a água,

58 então a água é a fonte última da vida e de todas as coisas. Tudo vem da água, tudo sustenta sua vida com água e tudo acaba em água.

59 Mas não se deve acreditar que a água de Tales seja o elemento físico-químico que bebemos. A água de Tales deve ser pensada em termos totalizantes, ou seja,

60 como a physis líquida originária da qual tudo deriva e da qual a água que bebemos é apenas uma manifestação.

61

62 Provável discípulo de Tales, Anaximandro nasceu por volta de fins do século VII a.C. e morreu no início da segunda metade do século VI. ANAXIMANDRO DE MILETO

63

64 Elaborou um tratado Sobre a natureza, do qual nos chegou um fragmento. Trata-se do primeiro tratado filosófico do Ocidente e do primeiro escrito grego em prosa.

65 A nova forma de composição literária tornava-se necessária pelo fato de que o logos devia estar livre do vínculo da métrica e do verso para corresponder plenamente às suas próprias instâncias.

66 Anaximandro foi ainda mais ativo do que Tales na vida política: com efeito, se tem conhecimento de que chegou até a comandar a colônia que migrou de Mileto para a Apolônia.

67 Com Anaximandro, a problemática do princípio se aprofundou: ele sustenta que a água já é algo derivado e que, ao contrário,

68 o princípio (arché) é o infinito, ou seja, uma natureza (physis) infinita e indefinida da qual derivam todas as coisas.

69 O termo usado por Anaximandro é a-peiron, que significa aquilo que é privado de limites, tanto externos (ou seja, aquilo que é infinito espacialmente e, portanto, quantitativamente)

70 como internos (ou seja, aquilo que é qualitativamente indeterminado). É precisamente por ser quantitativa e qualitativamente ilimitado é que o princípio-apeiron pode dar origem a todas as coisas, delimitando-se de vários modos.

71 Esse princípio abarca e circunda, governa e sustenta tudo, justamente porque, como delimitação e determinação dele, todas as coisas dele se geram, nele consistindo e sendo.

72 Esse infinito parece com o divino, pois é imortal e indestrutível. Anaximandro não só atribui aos seu princípio as prerrogativas que Homero e a tradição antiga atribuíam aos deuses, ou seja, a imortalidade

73 e o poder de governar e sustentar tudo, mas vai ainda além, precisando que a imortalidade do princípio deve ser tal a ponto de não apenas não admitir um fim, mas tampouco um início.

74 Os deuses antigos não morriam, mas nasciam. Já o divino de Anaximandro, da mesma forma como não morre, também não nasce.

75 Desse modo, como já se acenou a propósito de Tales, de um só golpe é derrubada a base sobre a qual se erguiam as teogonias,

76 ou seja, as genealogias dos deuses como entendidas no sentido que as queria a mitologia tradicional dos gregos.

77 Esses primeiros filósofos pré- socráticos são naturalistas no sentido de que não vêem o divino (princípio) como algo diferente do mundo, mas como a essência do mundo.

78 Em Anaximandro, portanto, Deus torna-se o princípio, ao passo que os deuses tornam-se os mundos, os universos que, como veremos, são numerosos – os quais, porém, nascem e perecem ciclicamente.


Carregar ppt "AULA 01 HISTÓRIA DA FILOSOFIA ANTIGA INTRODUÇÃO O conhecimento filosófico surgiu aos poucos, em substituição aos mitos e às crenças religiosas, na tentativa."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google