A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

O Novo Eixo Oeste e Reabilitação da Linha da Beira Alta entre a Figueira da Foz e Pampilhosa Uma abordagem prospectiva Manuel Margarido Tão (27.05.11)

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "O Novo Eixo Oeste e Reabilitação da Linha da Beira Alta entre a Figueira da Foz e Pampilhosa Uma abordagem prospectiva Manuel Margarido Tão (27.05.11)"— Transcrição da apresentação:

1 O Novo Eixo Oeste e Reabilitação da Linha da Beira Alta entre a Figueira da Foz e Pampilhosa Uma abordagem prospectiva Manuel Margarido Tão ( )

2 Introdução A Região de Coimbra é um ponto nevrálgico na estruturação da malha ferroviária do Centro de Portugal, com a convergência simultânea das linhas do Norte, Oeste e Beira Alta. A Região de Coimbra é um ponto nevrálgico na estruturação da malha ferroviária do Centro de Portugal, com a convergência simultânea das linhas do Norte, Oeste e Beira Alta. Há uma dispersão de valências em três nós: Alfarelos, Coimbra-B e Pampilhosa. Há uma dispersão de valências em três nós: Alfarelos, Coimbra-B e Pampilhosa.

3

4 Evolução prevista ? (1) Entrada em funcionamento do novo eixo AV Norte-Sul, suplementar à Linha do Norte; Entrada em funcionamento do novo eixo AV Norte-Sul, suplementar à Linha do Norte; Coimbra-B posicionada a 50mn de Lisboa- Oriente e a 30mn de Porto-Campanhã; Coimbra-B posicionada a 50mn de Lisboa- Oriente e a 30mn de Porto-Campanhã; Coimbra-B recebe cambiador 1435mm/1668mm, no sentido de facultar movimentos directos Lisboa-Guarda em 2h45mn, com as 4h actuais; Coimbra-B recebe cambiador 1435mm/1668mm, no sentido de facultar movimentos directos Lisboa-Guarda em 2h45mn, com as 4h actuais;

5 Evolução prevista ? (2) Coimbra-B concentra valências distribuidoras e colectoras de Alfarelos e Pampilhosa, em simultâneo; Coimbra-B concentra valências distribuidoras e colectoras de Alfarelos e Pampilhosa, em simultâneo; Papel colector reforçado para a actual Linha do Norte, extensível à Linha do Oeste, e emergência de um sistema suburbano latente, englobando também ambas as linhas Coimbra-Figueira da Foz, e parte da Linha da Beira Alta; Papel colector reforçado para a actual Linha do Norte, extensível à Linha do Oeste, e emergência de um sistema suburbano latente, englobando também ambas as linhas Coimbra-Figueira da Foz, e parte da Linha da Beira Alta;

6

7

8

9 E antes de 2025? Qual o papel da ligação Pampilhosa-Figueira da Foz? (1) O adiamento da construção da nova LAV Lisboa-Porto-Vigo mantém inalteráveis os problemas estruturais da Linha do Norte convencional. O adiamento da construção da nova LAV Lisboa-Porto-Vigo mantém inalteráveis os problemas estruturais da Linha do Norte convencional. Poderá inclusivamente assistir-se a um agravamento da escassez de canal- horário, num contexto de maior procura por parte de operadores logísticos. Poderá inclusivamente assistir-se a um agravamento da escassez de canal- horário, num contexto de maior procura por parte de operadores logísticos.

10 E antes de 2025? Qual o papel da ligação Pampilhosa-Figueira da Foz? (2) Num horizonte temporal de 15 anos é expectável que exista uma maior pressão na infra-estrutura ferroviária convencional a nível do transporte de mercadorias: aplicação a CURTO PRAZO de Ecotaxas a pesados em França, desenvolvimento portuário em Portugal, etc. Num horizonte temporal de 15 anos é expectável que exista uma maior pressão na infra-estrutura ferroviária convencional a nível do transporte de mercadorias: aplicação a CURTO PRAZO de Ecotaxas a pesados em França, desenvolvimento portuário em Portugal, etc.

11 E antes de 2025? Qual o papel da ligação Pampilhosa-Figueira da Foz? (3) Afigura-se necessário retirar o máximo de composições de mercadorias à Linha do Norte, que entre a Área Metropolitana de Lisboa e o seu destino final, possam, de alguma forma encaminhar-se por redundâncias. Afigura-se necessário retirar o máximo de composições de mercadorias à Linha do Norte, que entre a Área Metropolitana de Lisboa e o seu destino final, possam, de alguma forma encaminhar-se por redundâncias. Assumem-se instrumentais nesta estratégia, e na ligação à fronteira de Vilar Formoso: Assumem-se instrumentais nesta estratégia, e na ligação à fronteira de Vilar Formoso: 1) A Linha da Beira Baixa; 1) A Linha da Beira Baixa; 2) As Linhas do Oeste e Beira Alta, com ligação directa entre si. 2) As Linhas do Oeste e Beira Alta, com ligação directa entre si.

12 E antes de 2025? Qual o papel da ligação Pampilhosa-Figueira da Foz? (4) O Novo EIXO OESTE-BEIRA ALTA, resultaria da fusão entre as actuais linhas convencionais do Oeste e Beira Alta, sem passagem pela Linha do Norte. O Novo EIXO OESTE-BEIRA ALTA, resultaria da fusão entre as actuais linhas convencionais do Oeste e Beira Alta, sem passagem pela Linha do Norte. Facultaria encaminhamento directo de mercadorias Lisboa-Vilar Formoso, sem utilização da Linha do Norte, ou mesmo libertação parcial de capacidade em canal- horário afectado à logística em 2/3 do trajecto Lisboa-Porto. Facultaria encaminhamento directo de mercadorias Lisboa-Vilar Formoso, sem utilização da Linha do Norte, ou mesmo libertação parcial de capacidade em canal- horário afectado à logística em 2/3 do trajecto Lisboa-Porto.

13 E antes de 2025? Qual o papel da ligação Pampilhosa-Figueira da Foz? (5) A modernização do itinerário Pampilhosa- Figueira da Foz é fulcral, num quadro de competição pelo acesso ao canal-horário por parte de múltiplos operadores, e ainda como elo incontornável de articulação Oeste-Beira Alta, sem utilização da Linha do Norte. A modernização do itinerário Pampilhosa- Figueira da Foz é fulcral, num quadro de competição pelo acesso ao canal-horário por parte de múltiplos operadores, e ainda como elo incontornável de articulação Oeste-Beira Alta, sem utilização da Linha do Norte. A fusão das linhas do Oeste e da Beira Alta num só eixo de 472 Km cria uma linha internacional autónoma, desde a Grande Lisboa até Vilar Formoso, complementada com a alternativa Entroncamento-Beira Baixa, mais curta em distância, e electrificada a partir de A fusão das linhas do Oeste e da Beira Alta num só eixo de 472 Km cria uma linha internacional autónoma, desde a Grande Lisboa até Vilar Formoso, complementada com a alternativa Entroncamento-Beira Baixa, mais curta em distância, e electrificada a partir de 2012.

14 E antes de 2025? Qual o papel da ligação Pampilhosa-Figueira da Foz? (6) A solução EIXO OESTE, com incorporação dos primeiros 51 Km da Linha da Beira Alta na Linha do Oeste, já foi contemplada como proposta estratégica da REFER – sem divulgação pública de conclusões. A solução EIXO OESTE, com incorporação dos primeiros 51 Km da Linha da Beira Alta na Linha do Oeste, já foi contemplada como proposta estratégica da REFER – sem divulgação pública de conclusões. Implica a modernização e electricação integral de ambas as linhas (Meleças-Louriçal e Figueira da Foz-Pampilhosa), assim como a construção de uma concordância de evitamento da Figueira da Foz. Implica a modernização e electricação integral de ambas as linhas (Meleças-Louriçal e Figueira da Foz-Pampilhosa), assim como a construção de uma concordância de evitamento da Figueira da Foz.

15 E antes de 2025? Qual o papel da ligação Pampilhosa-Figueira da Foz? (7) O EIXO OESTE-BEIRA ALTA também é a única solução técnica que responde devidamente a uma acessibilidade ferroviária SEM CONSTRANGIMENTOS de canal- horário ao: O EIXO OESTE-BEIRA ALTA também é a única solução técnica que responde devidamente a uma acessibilidade ferroviária SEM CONSTRANGIMENTOS de canal- horário ao: - Porto da Figueira da Foz; - Porto da Figueira da Foz; - Futuro terminal logístico da Pampilhosa; - Futuro terminal logístico da Pampilhosa; - Complexo do Louriçal (pasta). - Complexo do Louriçal (pasta).

16

17

18 E antes de 2025? Qual o papel da ligação Pampilhosa-Figueira da Foz? (8) O único itinerário ferroviário de ligação Norte/Beira Alta-Oeste, via Alfarelos, tem parte importante do seu canal-horário afectado a circulações de tipo urbano. O único itinerário ferroviário de ligação Norte/Beira Alta-Oeste, via Alfarelos, tem parte importante do seu canal-horário afectado a circulações de tipo urbano. Apresenta grandes limitações a um quadro futuro de vários operadores logísticos ferroviários (públicos e privados) no acesso a pontos-chave de geração de tráfego de mercadorias. Apresenta grandes limitações a um quadro futuro de vários operadores logísticos ferroviários (públicos e privados) no acesso a pontos-chave de geração de tráfego de mercadorias.

19 Potencial de Transporte Suburbano (1) No plano Metropolitano, é imprescindível um novo quadro institucional, cujas linhas de força assentem na integração dos diversos modos de transporte na Região de Coimbra-Figueira da Foz. No plano Metropolitano, é imprescindível um novo quadro institucional, cujas linhas de força assentem na integração dos diversos modos de transporte na Região de Coimbra-Figueira da Foz. O sistema ferroviário suburbano, expandido e modernizado, segundo uma lógica diametral, constituirá, talvez, o trunfo mais importante, numa estratégia de integração metropolitana dos transportes. O sistema ferroviário suburbano, expandido e modernizado, segundo uma lógica diametral, constituirá, talvez, o trunfo mais importante, numa estratégia de integração metropolitana dos transportes.

20 Potencial de Transporte Suburbano (2) A libertação de canal-horário na Linha do Norte permite aumentar a frequência dos serviços e reformular a oferta (em parte) de modo a constituir-se uma rede de serviços diametrais, com passagem por Coimbra-B, com extremos em Pombal e Figueira da Foz, a Sul; Figueira da Foz/Cantanhede, Mealhada e Mortágua, a Norte. A libertação de canal-horário na Linha do Norte permite aumentar a frequência dos serviços e reformular a oferta (em parte) de modo a constituir-se uma rede de serviços diametrais, com passagem por Coimbra-B, com extremos em Pombal e Figueira da Foz, a Sul; Figueira da Foz/Cantanhede, Mealhada e Mortágua, a Norte. A fórmula diametral permite optimizar afectação de serviços e melhor resposta à procura (cargas distribuídas). A fórmula diametral permite optimizar afectação de serviços e melhor resposta à procura (cargas distribuídas).

21

22 Conclusão A redundância que constitui a linha Pampilhosa-Figueira da Foz, tem na sua modernização imperiosa, EFEITO ESTRUTURAL na malha ferroviária nacional e do Centro de Portugal. A redundância que constitui a linha Pampilhosa-Figueira da Foz, tem na sua modernização imperiosa, EFEITO ESTRUTURAL na malha ferroviária nacional e do Centro de Portugal.


Carregar ppt "O Novo Eixo Oeste e Reabilitação da Linha da Beira Alta entre a Figueira da Foz e Pampilhosa Uma abordagem prospectiva Manuel Margarido Tão (27.05.11)"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google