A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Gestão Financeira. O Principal: Maximizar a riqueza dos proprietários da empresa (privado). Ou a maximização dos recursos (público). rentabilidade - retorno.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Gestão Financeira. O Principal: Maximizar a riqueza dos proprietários da empresa (privado). Ou a maximização dos recursos (público). rentabilidade - retorno."— Transcrição da apresentação:

1 Gestão Financeira

2 O Principal: Maximizar a riqueza dos proprietários da empresa (privado). Ou a maximização dos recursos (público). rentabilidade - retorno sobre o capital investido liquidez - facilidade em transformar ativos em dinheiro segurança – redução de risco OBJETIVOS DA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

3 Papel do administrador financeiro Desempenham diversas tarefas financeiras, tais como: - Planejamento e orçamentos; - Concessão de crédito a clientes; -Avaliação de projetos de investimentos; - Administração de caixa; - Captação de fundos para financiar as operações da empresa etc.

4 Visão esquemática da função da Administração Financeira TESOURARIA Caixas e Bancos Caixas e Bancos Contas a Pagar e a Receber Contas a Pagar e a Receber Relações Bancárias Relações Bancárias Preparação do Orçamento de Caixa Preparação do Orçamento de Caixa Administração de crédito e cobrança Administração de crédito e cobrança Captação de recursos Captação de recursos CONTROLADORIA Contabilidade Geral e de Custos Contabilidade Geral e de Custos Elaboração de Orçamentos e Controle Orçamentário Elaboração de Orçamentos e Controle Orçamentário Auditoria Interna Auditoria Interna Preparação de relatórios financeiros gerenciais Preparação de relatórios financeiros gerenciais

5 Funções Financeiras Operacionais Decisões de capital de giro Decisões de capital de giro Planejamento e controle financeiro Planejamento e controle financeiro Gerenciamento de risco Gerenciamento de risco Relações com bancos e investidores Relações com bancos e investidores Custos e preços Custos e preços Contabilidade Contabilidade Controles Controles Planejamento tributário Planejamento tributário Funções Financeiras Estratégicas Decisões de investimento de longo prazo Decisões de investimento de longo prazo Decisões de financiamento de longo prazo Decisões de financiamento de longo prazo Decisões de resultados Decisões de resultados Planejamento e controle financeiros Planejamento e controle financeiros

6 Ponto de vista contábil (regime de competência) DRE em 31/12 Receita de Vendas Custo (80.000) Lucro Líquido Ponto de vista financeiro (regime de caixa) Fluxo de Caixa em 31/12 Fluxo de entrada caixa 0 Fluxo de saída caixa (80.000) Fluxo caixa líquido (80.000) Fluxo Negativo Quebra Empresas!! Diferença entre Controladoria e Tesouraria – Importância do Fluxo de Caixa

7 DRE (contador) Venda de Produtos Venda de equipamento Total de vendas (-)Compra de materiais (-)Compra equip Custo Total Custo Total Lucro no Período Fluxo de Caixa (Administrador) Recebimento das Vendas Total das entradas de caixa (-) Pgto de Materiais (-) Pgto de Equipamentos Total das saídas de caixa Fluxo de caixa líquido (-) Outro Exemplo A empresa X teve durante o exercício social a seguinte movimentação: 1)Compra de Equipamento por R$ tendo pago 70% no exercício. 2)Venda de produtos por R$ tendo recebido 80% no exercício. 3)Compra a prazo de matérias-primas por R$ e pagou 90% no exercício. 4)Venda a prazo de um equipamento por R$ a ser recebido no próximo exercício.

8 É um instrumento de controle que tem por objetivo auxiliar o empresário a tomar decisões sobre a situação financeira da empresa. Consiste em um relatório gerencial que informa toda a movimentação de dinheiro (entradas e saídas), sempre considerando um período determinado, que pode ser uma semana, um mês etc. Então o que vem a ser Fluxo de Caixa?

9  Planejar e controlar as entradas e saídas de caixa num período de tempo determinado.  Auxiliar na tomada de decisão antecipada sobre a falta ou sobra de dinheiro  Verificar aperto ou folga financeira no período avaliado.  Verificar se os recursos financeiros são suficientes para determinado período ou se há necessidade de obtenção de capital de giro.  Planejar melhores políticas de prazos de pagamentos e recebimentos.  Avaliar a capacidade de pagamentos antes de assumir compromissos  Avaliar se o recebimento das vendas é suficiente para cobrir os gastos assumidos e previstos no período considerado.  Avaliar o melhor momento para as reposições de estoque em função dos prazos de pagamento e da disponibilidade de caixa.  Avaliar o momento mais favorável para realizar promoções de vendas visando melhorar o caixa do negócio. Para que serve o relatório de Fluxo de Caixa?

10 RECEITAS - Importante: Separar a natureza das receitas / Operacional + Não Operacional - Percentual / Frequência - Acompanhamento / Previsão Modelo de Fluxo de Caixa

11 DESPESAS - Importante: Separar por natureza grupo de despesa / Operacional + Não Operacional - Percentual / Frequência Modelo de Fluxo de Caixa

12 COMPONENTES (Blocos) Saldo Inicial : é o valor constante no caixa no início do período considerado para a elaboração do Fluxo. É composto pelo dinheiro na “gaveta” mais os saldos bancários disponíveis para saque. Saldo Inicial : é o valor constante no caixa no início do período considerado para a elaboração do Fluxo. É composto pelo dinheiro na “gaveta” mais os saldos bancários disponíveis para saque. Entradas de Caixa : correspondem às vendas realizadas à vista, bem como a outros recebimentos, tais como duplicatas, cheques pré-datados, faturas de cartão de crédito etc., disponíveis como “dinheiro” na respectiva data. Operacional e Não Operacional (como receita de aluguel, resultados de aplicação financeira) Entradas de Caixa : correspondem às vendas realizadas à vista, bem como a outros recebimentos, tais como duplicatas, cheques pré-datados, faturas de cartão de crédito etc., disponíveis como “dinheiro” na respectiva data. Operacional e Não Operacional (como receita de aluguel, resultados de aplicação financeira) Saídas de Caixa : correspondem a pagamentos de fornecedores, pró-labore (retiradas dos sócios), aluguéis, impostos, folha de pagamento, água, luz, telefone e outros, entre eles alguns descritos em nosso modelo. Separar em blocos comuns, como Contratos, Materiais, Medicamentos, etc. Composição das despesas dos blocos em percentual. Saídas de Caixa : correspondem a pagamentos de fornecedores, pró-labore (retiradas dos sócios), aluguéis, impostos, folha de pagamento, água, luz, telefone e outros, entre eles alguns descritos em nosso modelo. Separar em blocos comuns, como Contratos, Materiais, Medicamentos, etc. Composição das despesas dos blocos em percentual. Saldo Operacional : representa o valor obtido de entradas menos as saídas de caixa na respectiva data. Possibilita avaliar como se comportam seus recebimentos e gastos periodicamente, sem a influência dos saldos de caixa anteriores. Saldo Operacional : representa o valor obtido de entradas menos as saídas de caixa na respectiva data. Possibilita avaliar como se comportam seus recebimentos e gastos periodicamente, sem a influência dos saldos de caixa anteriores. Saldo Final de Caixa : representa o valor obtido da soma do Saldo Inicial com o Saldo Operacional. Permite constatar a real sobra ou falta de dinheiro em seu negócio no período considerado e passa a ser o Saldo Inicial do próximo período. Saldo Final de Caixa : representa o valor obtido da soma do Saldo Inicial com o Saldo Operacional. Permite constatar a real sobra ou falta de dinheiro em seu negócio no período considerado e passa a ser o Saldo Inicial do próximo período. Modelo de Fluxo de Caixa

13 Gestão de Custos

14 MUDANÇAS Business Transformation MANTER: - QUALIDADE - PRODUTIVIDADE Sistema de Saúde ADEQUAÇÃO DOS PROCESSOS HOSPITALARES PLANEJAMENTO OPERAÇÃO HOSPITAL MUDANÇAS OPORTUNIDADES AMEAÇAS TECNOLOGIAS GOVERNO Expectativas do Cliente FORÇAS DEBILIDADES DECISÕES POLÍTICAS METODOLOGIA TREINAMENTO SISTEMAS GARANTE SINCRONISMO DO CICLO Ambiente Externo * CUSTOS *

15 Objetivos da Gestão de Custos Determinação do Custo dos Serviços Determinação do Custo dos Serviços Custo dos Serviços Prestados Custo dos Serviços Prestados Custo Unitário dos Serviços Custo Unitário dos Serviços Custo por Procedimento Custo por Procedimento Planejamento e Controle Planejamento e Controle Benchmarking Benchmarking Tomada de Decisão Tomada de Decisão Ferramenta para Orçamentação Ferramenta para Orçamentação Composição do PREÇO VENDA Composição do PREÇO VENDA

16 “Embora essa conceituação corresponda aos fundamentos da contabilidade de custos, a abordagem de custeio por absorção, largamente utilizada para o processo de operação dos custos hospitalares, compreende uma adaptação a essa versão básica e estende o cálculo dos custos para a totalidade dos insumos, independente da classificação de custos e despesas. Sob esta orientação, a expressão de custeio por absorção passa por uma adaptação e denomina-se ‘custeio por absorção pleno’”. Fonte: Matos, 2005 CUSTEIO POR ABSORÇÃO ABORDAGEM DE CUSTEIO - CONCEITO

17 DIRETOS: Correspondem aos custos identificados com os centros de custos, não havendo necessidade de utilização de nenhuma forma de rateio. INDIRETOS:Consistem dos itens de custo em que não há referencia com um centro de custo em particular, o valor do custo indireto para cada centro de custo é apurado através de fórmulas de rateio. DIRETOS PESSOAL Salários Encargos MATERIAIS Medicamento Material Cirúrgico Gases Medicinais Gêneros Alimentícios Material Escritório Material Manutenção INDIRETOS Energia Elétrica Água Telefone Depreciação Manutenção Diversos COMPOSIÇÃO DOS CUSTOS CLASSIFICAÇÃO DOS CUSTOS CUSTEIO POR ABSORÇÃO

18 PRODUTIVOS: Prestam serviços finais aos pacientes e geram receita. AUXILIARES: Prestam os serviços de apoio aos centros produtivos. ADMINISTRATIVOS: Correspondem aos serviços de natureza PRODUTIVOS Clínica Médica Maternidade Pediatria Unidade de Terapia Intensiva Centro Cirúrgico Pronto Socorro Ambulatório Laboratório de Análises Clínicas Radiologia AUXILIARES E ADMINISTRATIVOS Serviço de Nutrição e Dietética Lavanderia Central de Material Esterilizado Limpeza Manutenção Faturamento Contabilidade Recursos Humanos Administração CENTROS DE CUSTOS CUSTEIO POR ABSORÇÃO ESTRUTURAÇÃO DOS CENTROS DE CUSTOS CUSTEIO POR ABSORÇÃO

19 CRITÉRIOS DE RATEIO: são parâmetros que permitem a distribuição dos custos indiretos e dos centros de custos auxiliares e administrativos. o Rateio dos Custos Indiretos o Distribuição dos custos dos centros Auxiliares e Administrativos CUSTOS INDIRETOS Aluguel: Área Ocupada (m2) Energia Elétrica - % Consumo Energia Água - % Consumo de Água Telefone - N°. de Ramais (...) CENTROS DE CUSTOS AUXILIARES E ADMINISTRATIVOS Lavanderia - Quilo de Roupa Nutrição - Nº. de Refeições Recursos Humanos - Nº. de Funcionários (...) CRITÉRIOS DE RATEIO CUSTEIO POR ABSORÇÃO APROPRIAÇÃO DOS CUSTOS CUSTEIO POR ABSORÇÃO

20 CUSTO DOS SERVIÇOS HOSPITALARES (Componentes) Unidade de Internação Centro Cirúrgico Laboratório Radiologia Materiais e Medicamentos CENTRO DE CUSTO CUSTO DOS PROCEDIMENTOS HOSPITALARES Parto Normal Herniorrafia Colecistectomia CUSTO DO PRODUTO CENTRO DE CUSTO x CUSTO DE PROCEDIMENTOS HOSPITALARES CENTROS DE CUSTO x CUSTEIO DE PROCEDIMENTOS HOSPITALARES

21 DESCRIÇÃO UNIDADE DE INTERNAÇÃO CENTRO CIRÚRGICO OBSTÉTRICO RADIO- LOGIA LABORATÓRIO ANÁLISES CLÍNICAS ULTRASSO- NOGRAFIA FARMÁCIA 1. Parto Normal 2. Colecistectomia 3. Cirurgia de Varizes CENTROS DE CUSTO x CUSTEIO DE PROCEDIMENTOS HOSPITALARES

22 CUSTEIO DE PROCEDIMENTOS HOSPITALARES X ESPECIALIDADES MÉDICAS “TIME” HISTÓRICO ATUAL PADRÃO FIXO PESSOAL MATERIAIS GERAIS COMPORTAMENTO TIPO TEMPO HISTÓRICO ATUAL PADRÃO FIXO VARIÁVEL PESSOAL MATERIAIS GERAIS COMPORTAMENTO TIPO PACIENTE ESPECIALIDADE MÉDICA CLIENTE EFICÁCIA NÍVEIS DE GESTÃO CENTROS DE CUSTOS CUSTO DE PRODUÇÃO EFICIÊNCIA CENTROS DE CUSTO x CUSTEIO DE PROCEDIMENTOS HOSPITALARES

23 Abordagens Conceituais Custeio por Absorção Pleno Diária Hora Cirúrgica Consulta Exames Quilo da Roupa Lavada Refeição Servidas CUSTO DOS SERVIÇOS Diária Hora Cirúrgica Consulta Exames Quilo da Roupa Lavada Refeição Servidas CUSTO DOS SERVIÇOS Unidade de Internação Centro Cirúrgico Nutrição Almoxarifado CUSTOS DEPARTAMENTAIS Unidade de Internação Centro Cirúrgico Nutrição Almoxarifado CUSTOS DEPARTAMENTAIS METODOLOGIA DE CUSTEIO INFORMAÇÕES GERENCIAIS Unidades de Internação Centro Cirúrgico Pronto Socorro Serviços de Diagnóstico DEM. RESULTADOS Unidades de Internação Centro Cirúrgico Pronto Socorro Serviços de Diagnóstico DEM. RESULTADOS CUSTOS DIRETOS CUSTOS INDIRETOS CENTROS PRODUTIVOS CENTROS AUXILIARES CENTROS ADMINISTRATIVOS UNIDADES DE ACUMULAÇÃO ITENS DE CUSTOS RATEIO Estatísticas de Utilização

24 Fases da Metodologia CONHECIMENTO DO SERVIÇO / HOSPITAL CONHECIMENTO DO SERVIÇO / HOSPITAL EMISSÃO DE RELATÓRIOS EMISSÃO DE RELATÓRIOS SISTEMA: PARAMETRIZAÇÃO, INSERÇÃO DE DADOS SISTEMA: PARAMETRIZAÇÃO, INSERÇÃO DE DADOS ELABORAÇÃO DE INSTRUMENTO DE COLETA DE DADOS ELABORAÇÃO DE INSTRUMENTO DE COLETA DE DADOS VISITAÇÃO ÁS ÁREAS VISITAÇÃO ÁS ÁREAS DEFINIÇÃO DA ESTRUTURA DE CENTROS DE CUSTO DEFINIÇÃO DA ESTRUTURA DE CENTROS DE CUSTO DEFINIÇÃO DE UNIDADES DE PRODUÇÃO E CRITÉRIOS DE RATEIO DEFINIÇÃO DE UNIDADES DE PRODUÇÃO E CRITÉRIOS DE RATEIO

25 CUSTEIO DE PROCEDIMENTOS HOSPITALARES X ESPECIALIDADES MÉDICAS CENTROS DE CUSTO x CUSTEIO DE PROCEDIMENTOS HOSPITALARES

26 Relatórios de Sistema Custo Composição de Custos Composição de Custos Composição e Evolução de Custos Composição e Evolução de Custos Custo Total e Unitário de Serviços – Produção Custo Total e Unitário de Serviços – Produção Custo Total e Unitário de Serviços – Auxiliares e Administrativos Custo Total e Unitário de Serviços – Auxiliares e Administrativos Centros de Custo por Ordem de Relevância – Ranking Centros de Custo por Ordem de Relevância – Ranking Relatórios Individualizados para cada Centro de Custo Relatórios Individualizados para cada Centro de Custo Outros (Ponto de Equilíbrio, Receitas Líquidas, Etc) Outros (Ponto de Equilíbrio, Receitas Líquidas, Etc)

27 Manutenção e Análise dos Dados ATIVIDADES F1F2F3F4 INÍCIO Painel de Controle e Navegação de Custos PDCA Relatórios Gerenciais Análise Validação dos Relatórios Gerenciais Aperfeiçoa mento

28 Metodologia Implantação X Tempo Tempo Qualidade da Informação PDCA Redesenho Implantação OBJETIVO: Custos por Procedimento

29 Custo Unitário por Procedimento Visão de Futuro Unidade de Serviço Unidade de Internação Centro Cirúrgico Serviço de Diagnóstico Ambulatório Paciente Dia Hora Cirúrgica Nº Exames Nº Consultas Procedimento Hospitalar Parto Normal Herniorrafia Inguinal Colecistectomia Videolaparoscópica Pneumonia

30 Processos Sistema de Informação Sistema de Resolução de conflitos Fluxos Operação Hospitalar Recursos Humanos As Variáveis e Dificuldades da Gestão de Custos

31 Responsabilidade das áreas Responsabilidade das áreas Cumprimento de prazos Cumprimento de prazos Critérios Rateio Critérios Rateio Apuração Resultados / Produção Apuração Resultados / Produção Influência Recursos Humanos Influência Recursos Humanos Comprometimento das Áreas Comprometimento das Áreas Engajamento do Pessoal Engajamento do Pessoal Perda de Foco Perda de Foco Tempo de Resposta Tempo de Resposta Formulação de Indicadores para Acompanhamento Formulação de Indicadores para Acompanhamento Treinamento para Implantação Treinamento para Implantação Dificuldades de Implantação Cultura de Custos Cultura de Custos Importância da Estatística / Acompanhamento Produção Importância da Estatística / Acompanhamento Produção Relatórios Mensais Relatórios Mensais Estatística Hospitalar / Departamentais Estatística Hospitalar / Departamentais Resolução de Problemas X Revisão Processos Resolução de Problemas X Revisão Processos Estabelecimento de Metas Plausíveis de Curto / Médio / Longo Prazo Estabelecimento de Metas Plausíveis de Curto / Médio / Longo Prazo Introdução de Tecnologia para Controle Introdução de Tecnologia para Controle Resistência para Implantação de Controles Resistência para Implantação de Controles

32 Caio Luís Racca Tel (011) Núcleo Econômico Financeiro (NEF) Hospital das Clínicas - HCFMUSP


Carregar ppt "Gestão Financeira. O Principal: Maximizar a riqueza dos proprietários da empresa (privado). Ou a maximização dos recursos (público). rentabilidade - retorno."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google