A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

TRATAMENTO CIRÚRGICO NA DISPLASIA DO DESENVOLVIMENTO DO QUADRIL Programa de Aprimoramento nas Disfunções Músculo-Esqueléticas.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "TRATAMENTO CIRÚRGICO NA DISPLASIA DO DESENVOLVIMENTO DO QUADRIL Programa de Aprimoramento nas Disfunções Músculo-Esqueléticas."— Transcrição da apresentação:

1 TRATAMENTO CIRÚRGICO NA DISPLASIA DO DESENVOLVIMENTO DO QUADRIL Programa de Aprimoramento nas Disfunções Músculo-Esqueléticas

2 INTRODUÇÃO Luxação congênita de quadril (antiga) Luxação congênita de quadril (antiga) DDQ: DDQ: Displasia acetabular isolada (raro) Displasia acetabular isolada (raro) Luxação/subluxação (lateral e superior) Luxação/subluxação (lateral e superior) Instabilidade Instabilidade Luxação/subluxação = displasia acetabular Luxação/subluxação = displasia acetabular Instabilidade = displasia acetabular? Instabilidade = displasia acetabular?

3

4 ETIOLOGIA Fatores mecânicos Fatores mecânicos Frouxidão ligamentar induzida por hormônio (relaxina) Frouxidão ligamentar induzida por hormônio (relaxina) Displasia acetabular primária Displasia acetabular primária Herança genética (70%) Herança genética (70%)

5 INCIDÊNCIA 1:1000 1:1000 5M:1H 5M:1H E > bilateral > D E > bilateral > D Primogênito > subsequentes Primogênito > subsequentes Branco > negro Branco > negro Navajos / Chineses Navajos / Chineses

6 DIAGNÓSTICO Do nascimento aos 2 meses Do nascimento aos 2 meses Diagnóstico CLÍNICO : Diagnóstico CLÍNICO : Teste de Ortolani (redução, seguida da luxação) Teste de Ortolani (redução, seguida da luxação) Teste de Barlow (se o quadril é luxável) Teste de Barlow (se o quadril é luxável)

7 DIAGNÓSTICO Ortolani Ortolani Barlow

8 DIAGNÓSTICO Achados radiológicos: Achados radiológicos: Podem não ser confiáveis no RN Podem não ser confiáveis no RN Deslocamento lateral e superior da cabeça do fêmur Deslocamento lateral e superior da cabeça do fêmur Excluir outras deformidades (ex Coxa vara) Excluir outras deformidades (ex Coxa vara) Linha de Perkins Linha de Hilgenreiner Linha de Shenton

9

10 DIAGNÓSTICO Entre três e doze meses Entre três e doze meses Achados clínicos Achados clínicos Pregas assimétricas Pregas assimétricas Encurtamento relativo do Fêmur (Galeazzi) Encurtamento relativo do Fêmur (Galeazzi) Abdução limitada com 90º de flexão Abdução limitada com 90º de flexão Rotação externa do MI (15-25º) Rotação externa do MI (15-25º) Telescopagem Telescopagem Exames de imagem Exames de imagem Ossificação da cabeça femoral retardada (normal= 4-6m) Ossificação da cabeça femoral retardada (normal= 4-6m) Migração latero-superior da cabeça femoral Migração latero-superior da cabeça femoral IA progressivamente mais raso IA progressivamente mais raso

11 DIAGNÓSTICO

12 DIAGNÓSTICO Após a idade da marcha Após a idade da marcha Achados clínicos Achados clínicos Claudicação típica Claudicação típica Trendelenburg positivo Trendelenburg positivo Luxação bilateral Luxação bilateral Espaço perineal alargado, trocânteres proeminentes e nádegas achatadas Espaço perineal alargado, trocânteres proeminentes e nádegas achatadas Hiperlordose deslocamento posterior da cabeça femoral e inclinação pélvica anterior Hiperlordose deslocamento posterior da cabeça femoral e inclinação pélvica anterior

13 DIAGNÓSTICO

14 TRATAMENTO Início : o mais precoce possível Início : o mais precoce possível Depende de 3 fatores: Depende de 3 fatores: Tipo de luxação (teratológica ou típica) Tipo de luxação (teratológica ou típica) Duração da luxação (pré natal, perinatal ou pós natal) Duração da luxação (pré natal, perinatal ou pós natal) Grau de deslocamento da cabeça femoral Grau de deslocamento da cabeça femoral

15 TRATAMENTO Do nascimento aos 2 meses de idade Do nascimento aos 2 meses de idade Manobra de Ortolani + manutenção da redução (perinatal) Manobra de Ortolani + manutenção da redução (perinatal) Tração + redução incruenta com anestesia (antenatal) Tração + redução incruenta com anestesia (antenatal) Dos 3 aos 12 meses de idade Dos 3 aos 12 meses de idade Tração (iliopsoas, adutores) – deslocar a cabeça femoral Tração (iliopsoas, adutores) – deslocar a cabeça femoral Redução incruenta sob anestesia Redução incruenta sob anestesia Manutenção da redução com aparelho gessado pelvipodálico Manutenção da redução com aparelho gessado pelvipodálico (6sem + 1 mês para cada mês)

16 TRATAMENTO Caso uma redução concêntrica e estável não seja possível: Caso uma redução concêntrica e estável não seja possível: Redução cruenta: Redução cruenta: Via medial (antes da marcha) Via medial (antes da marcha) Via ânterolateral (após marcha) Via ânterolateral (após marcha) Encurtamento femoral + redução aberta(pré-natal) Encurtamento femoral + redução aberta(pré-natal) Osteotomia femoral Osteotomia femoral Correção da antetorção acetabular Correção da antetorção acetabular

17 OSTEOTOMIA DO OSSO INOMINADO (SALTER) Idade mínima: Idade mínima: 1,5 ano (osso/enxerto fino) 1,5 ano (osso/enxerto fino) 3 a. (redução concêntrica e contenção – órteses) 3 a. (redução concêntrica e contenção – órteses) Limite de idade luxação Limite de idade luxação 6 anos (Salter) 6 anos (Salter) 8-12 atualmente (Encurtamento femoral atualmente (Encurtamento femoral + osteotomia com redução) Sem limite na subluxação (quando houver congruência e redução ) Sem limite na subluxação (quando houver congruência e redução )

18 OSTEOTOMIA DE SALTER Objetivo: Objetivo: Rodar o acetábulo mal direcionado e corrigir a antetorção estabilidade cobertura da cabeça femoral Rodar o acetábulo mal direcionado e corrigir a antetorção estabilidade cobertura da cabeça femoral Acesso transverso sobre o acetábulo Acesso transverso sobre o acetábulo Inclinação inferior e lateral Inclinação inferior e lateral Enxerto ósseo triangular Enxerto ósseo triangular 2 fios de Kirschner 2 fios de Kirschner

19 VANTAGENS Cobertura da cabeça femoral (cartilagem hialina) Cobertura da cabeça femoral (cartilagem hialina) Crescimento inalterado do acetábulo Crescimento inalterado do acetábulo

20 OSTEOTOMIA DE CHIARI 2ª opção 2ª opção Aprofunda o acetábulo melhora a cobertura súpero-lateral Aprofunda o acetábulo melhora a cobertura súpero-lateral Indicação: Indicação: Luxação/sublução em crianças acima de 4 anos Luxação/sublução em crianças acima de 4 anos Quadris displásicos com osteoartrite Quadris displásicos com osteoartrite Luxações paralíticas causadas por espasmos e debilidade muscular Luxações paralíticas causadas por espasmos e debilidade muscular Legg-Calvé-Perthes Legg-Calvé-Perthes

21

22 OSTEOTOMIA DE CHIARI secção transversal acima do acetábulo Pelve inferior + fêmur são deslocados medialmente, e posteriormente, fixada Pelve superior = prateleira

23 OSTEOTOMIA DE CHIARI PO PO Aparelho gessado pelvepodálico com abdução de °, sem RI/RE e flexo-extensão, por 3 a 6 semanas Consequencias: Consequencias: TFL e gl. médios são dissecados parcialmente TFL e gl. médios são dissecados parcialmente Estreitamento da pelve Estreitamento da pelve Braço de alavanca medial dos adutores Braço de alavanca medial dos adutores Vantagem: Vantagem: Superfície de carga da cabeça femoral Superfície de carga da cabeça femoral


Carregar ppt "TRATAMENTO CIRÚRGICO NA DISPLASIA DO DESENVOLVIMENTO DO QUADRIL Programa de Aprimoramento nas Disfunções Músculo-Esqueléticas."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google