A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

HISTÓRIA DA CIÊNCIA Professora: Tereza Fachada Levy Cardoso Aluna: Telma Alves Mestrado Profissional Em Ensino de Ciências e Matemática Centro Federal.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "HISTÓRIA DA CIÊNCIA Professora: Tereza Fachada Levy Cardoso Aluna: Telma Alves Mestrado Profissional Em Ensino de Ciências e Matemática Centro Federal."— Transcrição da apresentação:

1 HISTÓRIA DA CIÊNCIA Professora: Tereza Fachada Levy Cardoso Aluna: Telma Alves Mestrado Profissional Em Ensino de Ciências e Matemática Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca A Relação Ciência, Tecnologia e Sociedade No Ensino de Ciências Andréa Infantosi Vannucchi

2 O OBJETIVO DESTE CAPÍTULO é mostrar como organizamos uma atividade que discute a relação C/T/S para a escola média com base nas investigações sobre o tema e como incorporamos os professores na pesquisa didática que realizamos em sala de aula.

3 O Que é CTS ? Os estudos sociais da ciência e tecnologia, os estudos sobre ciência, tecnologia e sociedade (CTS), constituem um campo de trabalho nos âmbitos da investigação acadêmica, a educação e a política pública. CTS se origina há três décadas a partir de novas correntes de investigação e de um incremento na sensibilidade social e institucional sobre a necessidade de uma regulação democrática da produção científico-tecnológico. Neste campo trata-se de entender os aspectos sociais do fenômeno científico-tecnológico, tanto no que se refere a seus condicionantes sociais como no que se refere a suas conseqüências sociais e ambientais. O enfoque geral é de caráter interdisciplinar, envolvendo as disciplinas das ciências sociais e a investigação acadêmica em filosofia e a história da ciência e da tecnologia, a sociologia do conhecimento científico e a teoria da educação. CTS define hoje um campo de trabalho bem consolidado institucionalmente em universidades, centros educativos e administrações públicas de numerosos países industrializados. Objetivos Sociais da CTS: Trata de promover a alfabetização científica, mostrando a ciência como atividade humana de grande importância social. Faz parte da cultura geral nas sociedades democráticas modernas. Trata de estimular ou consolidar nos jovens a vocação pelo estudo das ciências e da tecnologia. Trata de favorecer o desenvolvimento e consolidação de atitudes e práticas democráticas em questões de importância social relacionadas com a inovação tecnológica ou a intervenção ambiental. Propicia o compromisso de respeito a integração das mulheres e minorias, assim como o estímulo para um desenvolvimento sócio econômico respeitoso com o meio ambiente e equânime com relação as gerações futuras.

4 A ATIVIDADE é composta de um texto e algumas questões elaboradas a partir dos trabalhos de historiadores, filósofos e sociólogos da Ciência e que indicam não haver consenso, seja entre modelos que estabelecem relação entre Ciência e Tecnologia, seja na interpretação do episódio em questão por historiadores da Ciência.

5 A ATIVIDADE Tema: Telescópio Finalidades: Relações entre desenvolvimento científico e tecnológico Ao professor Pesquisas recentes têm investigado as concepções dos estudantes e mesmo dos professores sobre Ciência, Tecnologia, suas interações mútuas e com a sociedade. Díaz e Stiefel apontam alguns dos resultados: Ignoram-se os aspectos sociais da Ciência, não havendo alusões ao papel da comunidade científica, nem aos equívocos, crenças e dilemas dos pesquisadores. Quanto a suas repercussões sociais, identificam-se Ciência e Tecnologia como uma empresa única (Tecnociência). Muitos consideram a Ciência hierarquicamente superior à Tecnologia, sendo a segunda nada mais que a aplicação da primeira. Entretanto, a Ciência não é necessariamente matriz da Tecnologia – esta relação de ciência-causa e tecnologia- efeito carece de respaldo histórico, como mostra o texto da Atividade. Ao estudante Galileu, além de professor, desenvolvia atividades de consultoria em problemas de engenharia civil e militar. Dessa forma, prevendo a utilidade de tal instrumento para a frota naval de Veneza contra os turcos, decidiu tentar sua construção. E assim o fez, raciocinando que uma das lentes teria que ser côncava e a outra convexa. Tentando essa combinação, com a lente côncava perto do seu olho, verificou o efeito de fato produzido: era possível observar objetos com suas dimensões ampliadas em três vezes. Antes do final daquele mesmo ano, Galileu havia construído telescópios de qualidade satisfatória e poder de ampliação significativa para observações astronômicas. Diálogo escrito, por Drake, um grande especialista em Galileu Galilei, travado entre contemporâneos imaginários de Galileu. Personagens: Sarpi, Sagredo e Salviati.

6 Preocupações: Integração harmônica entre os conteúdos específicos e os processos de produção desses mesmos conteúdos. Imagem correta da produção de conhecimento em áreas específicas. Trabalho da Ciência se vê diretamente afetado pelos problemas e circunstâncias do momento histórico. Preparar professores para que discutam o papel dos cientistas na construção do conhecimento é uma das funções dos nossos cursos de formação. A grande dificuldade está em criar condições para facilitar aos professores, nos cursos de formação inicial ou permanente, a integração desses conhecimentos dentro de sua prática docente. Atividades que favoreçam a vivência de propostas inovadoras em situações de ensino e a reflexão didática dos professores sobre esse trabalho podem contribuir para construir essa integração.

7 A ORGANIZAÇÃO DA ATIVIDADE DE ENSINO A intenção é a de verificar como os estudantes discutem sobre Ciência quando lhes é proposto um tema controverso, no caso, as relações entre Ciência e Tecnologia, com base no episódio do aperfeiçoamento da luneta por Galileu Galilei, no século XVII. O senso comum atribui relação causal entre o desenvolvimento científico e tecnológico, sendo a Ciência considerada matriz da Tecnologia (Díaz,1995), no episódio da luneta esse modelo não se aplica, mas trata-se exatamente do contrário: embora Galileu tenha aperfeiçoado a luneta a ponto de permitir a realização de observações astronômicas que determinaram uma nova etapa para a Astronomia -, a Ciência da época não explicava por que e como funcionava aquele aparato. Os fatos só seriam esclarecidos cerca de 70 anos mais tarde, quando Christian Huygens deduziu a lei de refração de acordo com o modelo das ondas secundárias(Sabra,1981) Se uma relação causal for estabelecida para esse episódio, o instrumento tecnológico terá permitido novas possibilidades à Ciência. Constata-se, dessa forma, a inverdade da presumida invariância histórica do relacionamento entre Ciência e Tecnologia. A interação entre Ciência e Tecnologia estaria mais relacionada a circunstâncias até certo ponto aleatórias(pessoais, sociais, políticas e econômicas) do que a características permanentes dessas áreas do saber.

8 A diferença entre as conclusões da interpretação do episódio pelos historiadores da Ciência é atribuída às distintas concepções filosóficas.(Mac Lachlan) O Galileu de Koyré parece habitar um mundo filosófico copernicano, platônico, de racionalismo e experimentos mentais. Já para Drake, Galileu adquire caráter menos contemplativo e mais ativo – um agudo observador, experimentador e inventor. Em sala de aula, a intencionalidade das observações astronômicas, controversa entre o historiadores, tornou-se uma questão polêmica levantada pelos alunos: seria mesmo por acaso que Galileu apontou o telescópio em direção à Lua? O que viu era coincidentemente contrário às expectativas da teoria celeste aristotélica?

9 As atividades de sala de aula podem ser elaboradas de tal modo a encorajar os estudantes a exercitarem a razão e, também, a serem razoáveis. Os professores deveriam tentar interessá-los pelas questões filosóficas e históricas que podem ser levantadas em relação a um tópico específico, ao invés de fornecer-lhes respostas definitivas, ou impor-lhes seus próprios pontos de vista(Matthews, 1994b) QUE VISÃO DE CIÊNCIA, CIENTISTAS E DE CONHECIMENTO CIENTÍFICO, DEVERIA SER APRESENTADA AOS ESTUDANTES, VISTO QUE NÃO HÁ UMA NATUREZA DA CIÊNCIA PREFERENCIAL SEQUER ENTRE OS FILÓSOFOS DA CIÊNCIA?

10 A NOSSA EXPERIÊNCIA DIDÁTICA NAS ESCOLAS A atividade foi proposta para turmas de segundo ano colegial de escolas públicas de São Paulo, Brasil. O episódio constitui um recorte que tem como característica principal tratar de um ciclo completo no processo de interação entre indivíduos, mediado pelo objeto do conhecimento. Aspectos que se busca salientar e analisar: a necessidade e a potencialidade de temas controversos para a educação científica. Numa primeira aula, os alunos lêem o texto e discutem as questões colocadas ao final, em grupos de quatro a cinco pessoas. Na aula seguinte o professor propõe a discussão com todos os grupos simultaneamente.

11 Análise do Momento 1 Os alunos parecem indicar a necessidade de que as idéias sejam apresentadas como verdades. A educação escolar tem contribuído para essa postura. Pois ignorar as dimensões histórica e filosófica da Ciência favorece a visão distorcida da atividade científica, baseada em concepções empírico-indutivistas a Ciência ( e demais conteúdos escolares, incluindo a História) como composta de verdades incontestáveis. Tal perspectiva é pretensiosa e reducionista e acaba moldando o comportamento do estudante a essa imagem – o pensamento divergente e opiniões conflitantes não são tidos como importantes, sendo por vezes considerados negativos.(Gil-Pérez, 1985) É importante que os estudantes vivenciem situações de conflito de idéias, o que pode contribuir para a reflexão sobre o status negativo a elas associado.

12 Análise do Momento 2 Em relação a discordância dos alunos quanto ao ponto de vista do professor duas hipóteses podem ser levantadas: confusão entre saber e em saber fazer ; ao conceber uma relação causal Ciência- tecnologia, o aluno raciocinou como Bacon: sendo a causa ignorada, frustra-se o efeito(1973, aforismo III, livro I). Os alunos levantaram pontos importantes a respeito do que é atividade científica: previsão e descrição. A contrastação entre idéias diferentes, além de relativizar e trazer a necessidade de justificar pontos de vista, pode levar à tomada de consciência e ao esclarecimento de idéias inicialmente indiferenciadas. Siegel(1993): deveríamos procurar para nossos alunos aquilo que procuramos para nós mesmos: uma consciência e apreciação cada vez mais profundas dos problemas e dúvidas de nossas concepções.

13 Análise do Momento 3 A discussão acabou por desviar do tema relações Ciência- Tecnologia para entrar no terreno das intenções que Galileu teria tido ao aperfeiçoar a luneta. A dúvida levantada pelos alunos quanto às intenções de Galileu constitui um ponto controverso entre os próprios historiadores da Ciência, sendo sua relevância sustentada por dois argumentos: a impossibilidade de uma versão final e correta para todas as disputas entre pontos de vista diferentes e a importância pedagógica dos debates e contrastação de idéias. A inclusão de temas contraditórios entre os próprios filósofos e historiadores da Ciência requer o redimensionamento de objetivos educacionais; no caso promover não respostas finais, mas...algum insight sobre o modo como os cientistas trabalham ou como o novo conhecimento científico é obtido (Kipnis,p613)

14 NOSSA EXPERÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Nos cursos de formação de professores levantamos a discussão da importância de introduzir atividades de C/T/S mostrando e analisando a experiência didática descrita aqui. Um ponto importante é a relação entre conteúdo e metodologia e como ela pode acontecer quando a abordagem histórica é o tema de nossas aulas. Uma das características destacadas por Driver(1986) é que se tenham em conta os conhecimentos e as idéias prévias dos estudantes. Outro ponto a salientar é a importância do conhecimento histórico, que permite que as discussões filosóficas sejam contextualizadas historicamente, proporcionando subsídios para debates fundamentados.

15 Também levamos os professores a tomar consciência do desenvolvimento das habilidades cognitivas e argumentativas entre os alunos. A argumentação – uma das realizações mais importantes da educação científica(Kuhn,1993,Duschl,1995 e Driver,1997) – é favorecida quando propomos esse tipo de atividades. É necessário que o professor esteja atento ao seu discurso em sala de aula, entendendo por discurso toda a fala do professor: quer respondendo ao aluno, quer expondo ou fazendo novas questões. O professor tanto pode promover a argumentação de seus alunos com um discurso persuasivo no qual questões abertas são freqüentes, como pode fazê-los emudecer com um discurso de autoridade.


Carregar ppt "HISTÓRIA DA CIÊNCIA Professora: Tereza Fachada Levy Cardoso Aluna: Telma Alves Mestrado Profissional Em Ensino de Ciências e Matemática Centro Federal."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google