A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Sistema Digestório Humano Professor: João Paulo. Sistema Digestório Humano.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Sistema Digestório Humano Professor: João Paulo. Sistema Digestório Humano."— Transcrição da apresentação:

1 Sistema Digestório Humano Professor: João Paulo

2 Sistema Digestório Humano

3 Professor: João Paulo Boca Abertura pela qual o alimento entra no tubo digestório.

4 Professor: João Paulo Dentes Reduzem os alimentos a pequenos pedaços, misturando-os à saliva.

5 Professor: João Paulo Dentes Secodontes: dentes carniceiros ex.: gatos, cachorros Bunodontes: pontas arredondadas ex.: onívoros Ipseldontes: dentes de creacimento contínuo ex.: lagomorfos (lebres e coelhos) Quanto ao número de dentições: -Adontes anfíbios, aves e edentados( tatus e tamanduás) -Monofiodontes: ex.: golfinhos -Difiodontes ex.: é nós galera!!! -Polifiodontes ex.: Tubarões e maioria dos répteis

6 Professor: João Paulo Língua Movimenta o alimento empurrando- o em direção à garganta, para que seja engolido. Papilas gustativas células sensoriais percebem os quatro sabores primários: amargo, azedo ou ácido, salgado e doce. Distribuição dos receptores gustativos na superfície da língua: não é homogênea. Combinação dos sabores primários: centenas de sabores distintos.

7 Professor: João Paulo Glândulas salivares Parótida, submandibular e sublingual. Amilase salivar ou ptialina digere o amido e outros polissacarídeos (como o glicogênio), reduzindo-os a moléculas de maltose (dissacarídeo). Os sais da saliva neutralizam substâncias ácidas e mantêm, na boca, um pH neutro (7,0) a levemente ácido (6,7), ideal para a ação da ptialina.

8 Professor: João Paulo Deglutição

9 Professor: João Paulo Faringe e Esôfago Faringe situada no final da cavidade bucal canal comum aos sistemas digestório e respiratório por ela passam o alimento, que se dirige ao esôfago, e o ar, que se dirige à laringe. Esôfago canal que liga a faringe ao estômago o bolo alimentar leva de 5 a 10 segundos para percorrê-lo.

10 Professor: João Paulo Observe

11 Professor: João Paulo Controle do peristaltismo Nervoso e hormonal - Nervoso: a) Intrínseco: plexo mioentérico e plexo submcoso b) Extínseco: SNPA simpático e SNPA parassimpático - Hormonal: Ação da adrenalina

12 Professor: João Paulo Estômago Rugas aumentando a superfície

13 Professor: João Paulo Células gástricas

14 Professor: João Paulo A digestão no Estômago Suco gástrico contêm ácido clorídrico, muco, enzimas e sais. Pepsina enzima mais potente do suco gástrico que catalisa a digestão de proteínas secretada na forma de pepsinogênio:

15 Professor: João Paulo Intestino Delgado Divisão: duodeno (cerca de 25 cm), jejuno (cerca de 5 m) e íleo (cerca de 1,5 cm). Digestão: ocorre predominantemente no duodeno: suco entérico, suco pancreático, bile (não contém enzimas digestivas) Absorção do alimento: jejuno-íleo

16 Professor: João Paulo A digestão no Intestino Delgado

17 Professor: João Paulo Etapas da digestão química Secreção digestiva Órgão secretorLocal de açãoEnzimaspH ótimo Saliva glândulas salivares bocaptialina neutro a ligeiramente ácido Suco gástricomucosa gástricaestômagopepsinaácido Suco pancreáticopâncreasintestino delgado Tripsina, quimiotripsina, amilase, lipase, nucleases alcalino (básico) Suco entérico (intestinal) intestino delgado (duodeno) intestino delgado Enteroquinase, peptidases, nucleases, dissacaridases, maltase, sacarase, lactase alcalino

18 Professor: João Paulo Controle da atividade digestiva Alimento na boca: saliva estimula o nervo vago início da liberação do suco gástrico Alimento no estômago: gastrina estimula a produção do suco gástrico (1) Alimento no duodeno: secretina estimula a produção do suco pancreático (2) colecistocinina estimula secreção do suco pancreático (3) e o lançamento da bile no duodeno (4) enterogastrona inibe produção de gastrina (e de suco gástrico) (5)

19 Professor: João Paulo Intestino Delgado e vilosidades Microvilosidades O intestino delgado é o local onde a digestão é concluída e começa a absorção dos nutrientes. Isso é possível graças às microvilosidades.

20 Professor: João Paulo Fígado Maior glândula do corpo humano. Funções: formação da bile; armazenamento de carboidratos (glicogênio), ferro e certas vitaminas; metabolização de lipídeos; metabolização do álcool e de substâncias tóxicas; outras.

21 Professor: João Paulo Fígado, vesícula biliar e a emulsificação de gorduras Bile sintetizada pelo fígado e armazenada na vesícula biliar emulsiona gorduras, facilitando a ação das lipases.

22 Professor: João Paulo Fígado, vesícula biliar e a emulsificação de gorduras

23 Professor: João Paulo Circulação entero hepática

24 Professor: João Paulo Fígado Vesícula biliar Intestino delgado Ducto biliar comum Veia portal hepática Circulação geral Veia cava Urobilinogênio na urina Urobilinogênio nas fezes Bilirrubina Urobilinogênio Rim Circulação entero hepática

25 Professor: João Paulo Pâncreas Glândula mista ou anfícrina: porção exócrina: secreta o suco pancreático.

26 Professor: João Paulo Pâncreas Glândula mista ou anfícrina: porção endócrina: ilhotas de Langehans: Células (beta): insulina Células (alfa): glucagon

27 Professor: João Paulo Pâncreas

28 Professor: João Paulo Intestino Grosso Absorção de água. Formação e lubrificação das fezes.

29 Professor: João Paulo A porção final: Intestino grosso

30 Professor: João Paulo O COLESTEROL Lipídeo esteróide essencial para a vida: faz parte da estrutura das membranas celulares; precursor necessário para a biossíntese de vários hormônios (cortisol, aldosterona, testosterona, progesterona, estradiol); precursor de sais biliares e da vitamina D.

31 Professor: João Paulo O COLESTEROL Endógeno: obtido por meio de síntese celular 70%. Exógeno: proveniente da dieta 30%. Excesso em pessoas sem alterações genéticas no metabolismo do colesterol maus hábitos alimentares.

32 Professor: João Paulo O COLESTEROL Insolúvel em água para ser transportado na corrente sanguínea liga-se a algumas proteínas e outros lipídeos através de ligações não-covalentes em um complexo chamado lipoproteína.

33 Professor: João Paulo Lipoprototeínas - Classificação - De acordo com a natureza e quantidade de lipídeos e proteínas que as constituem. Classes de lipoproteínas: 1- Quilomicrons: grandes partículas que transportam as gorduras alimentares e o colesterol para os músculos e outros tecidos. 2- Very-Low Density Lipoproteins (VLDL) e Intermediate Density Lipoprotein (IDL): transportam triglicerídeos (TAG) e colesterol endógenos do fígado para os tecidos perda de TAG e coleta de mais colesterol LDL.

34 Professor: João Paulo Lipoprototeínas - Classificação - 3- Low-Density Lipoproteins (LDL): transportam do fígado para os tecidos, cerca de 70% de todo o colesterol que circula no sangue pequenas e densas o suficiente para se ligarem às membranas do endotélio (revestimento interno dos vasos sangüíneos) aterosclerose níveis elevados associados com os altos índices de doenças cardiovasculares.

35 Professor: João Paulo Lipoprototeínas - Classificação - 4- High-Density Lipoproteins (HDL): é responsável pelo transporte reverso do colesterol transporta o colesterol endógeno de volta para o fígado nível elevado associado com baixos índices de doenças cardiovasculares.

36 Professor: João Paulo Biossíntese de LDL

37 Professor: João Paulo O COLESTEROL COLESTEROLIDEALSUSPEITOALTO RISCO Totalaté 200 mg/dL entre 201 a 239 mg/dL maior que 240 mg/dL HDL acima de 40 mg/dL de 35 a 40 mg/dL abaixo de 35 mg/dL LDL* abaixo de 130 mg/dL de 130 a 159 mg/DL acima de 160 mg/dL Se existem fatores de risco associados como diabetes, hipertensão e fumo, deve ficar abaixo de 100. * Se existem fatores de risco associados como diabetes, hipertensão e fumo, deve ficar abaixo de 100.

38 Professor: João Paulo Controle do Colesterol Coma mais frutas e vegetais. Aumente a ingestão de alimentos ricos em fibras: legumes, verduras, cereais, pães integrais etc. Coma mais peixe grelhado ou assado, carne de aves sem pele e reduza o consumo de carne vermelha (dê preferência para cortes magros). Evite frituras. Limite a ingestão de gorduras saturadas. Ex.: manteiga e gorduras de origem animal.

39 Professor: João Paulo Controle do Colesterol Limite a ingestão de alimentos ricos em colesterol, como gema de ovo e fígado não coma mais que duas gemas por semana. Dê preferência a queijos brancos e utilize derivados de leite pobres em gordura. Ex.: leite desnatado, yogurt desnatado e sorvetes light. Faça exercícios físicos regularmente. Elimine o cigarro. Controle doenças como diabetes e hipertensão arterial.

40 Professor: João Paulo Controle do Colesterol Emagreça e mantenha o índice de massa corporal (IMC) até no máximo 25. O calculo é simples, basta dividir o seu peso pela sua altura ao quadrado. Ex.: peso = 70 kg; altura = 1,70 m IMC = 70 (1,70) 2 IMC= 70 2,89 = 24,22 (<25) CONDIÇÃOIMC abaixo do pesoabaixo de 18,5 peso normalentre 18.5 e 24.9 excesso de pesoentre 25 e 29.9 obesidade I (leve)entre 30.0 e 34.9 obesidade II (moderada)entre 35.0 e 39.9 obesidade III (extrema)igual ou superior a 40


Carregar ppt "Sistema Digestório Humano Professor: João Paulo. Sistema Digestório Humano."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google