A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Os desafios no futuro próximo Emilio Garofalo Filho.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Os desafios no futuro próximo Emilio Garofalo Filho."— Transcrição da apresentação:

1 Os desafios no futuro próximo Emilio Garofalo Filho

2 Crise Financeira X Comércio A crise de 2007/9 redução no comércio mundial. Entre 2000 e 2008, a troca de bens entre países evoluiu a uma média de 6,6% ao ano. Segundo o FMI (2009): recuo de 11,9%.

3 Retomada pós-crise: tímida A partir do 2º trimestre/, o comércio mundial começou a emergir (+ 0,5%) do mergulho profundo em que se lançou entre o 4º trimestre de 2008 (- 7,8%) e o 1º trimestre de 2009 (-10,7%) (Belluzo) Para 2010, espera-se expansão de 2,5%: algumas economias em crescimento (BRIC), outras de lado(EUA), mesmo com algumas em queda (PIIGS).

4 EFEITO CHINA Essa modesta estabilização (a partir do II TRIM./2009) do comércio mundial foi promovida, sobretudo, pelas importações dos países asiáticos que cresceram 7,2% no período enquanto as importações dos países desenvolvidos continuaram a se contrair.

5 Conjuntura internacional pós-crise Maioria dos países reagiu bem à crise, até aqui, principalmente por conta dos estímulos fiscais adotados (com efeitos de duração limitada). Nos EUA, a dívida avançou 20 p.p. do PIB em menos de 2 anos deve seguir avançando pelos próximos 10 anos. CHINA: Plano anticíclico de US$ 580 bilhões (cerca de 12% do PIB) colocado em prática pelo governo chinês impulsionou a demanda doméstica e teve impacto importante nas economias vizinhas (Coréia, Cingapura, Vietnam)

6 E O FIM DA CRISE? VISÃO DE ALGUNS DOS PRINCIPAIS TEÓRICOS DA CRISE: Para KRUGMAN, as principais possibilidade seriam de recessão em W (com uma nova queda antes da recuperação) ou em L (com uma recessão prolongada). Para ROUBINI, a maior probabilidade é de recessão em W ou U(lenta), com um período um pouco maior antes da recuperação. Para STIGLITZ, recessão em W.

7 ECOS DA CRISE NO BRASIL As exportações diminuem cerca de 23% ante uma elevação dessa ordem Importantes alterações de mercados de destino e concentração da pauta de produtos EUA deixam de ocupar a posição de principal país de destino de nossas exportações agora é China. Com a maior da participação da China, a Ásia tornou-se o principal BLOCO comprador de produtos nacionais, anteriormente liderado pela União Européia

8 DEFICIT COMERCIAL EM 2011?

9 DÍVIDA EXTERNA LIQUIDA dívida registrada - reservas

10 PRINCIPAIS EXPORTADORES DE COMMODITIES

11 RESERVAS (BC)

12 BALANÇA COMERCIAL

13 CONTAS CORRENTES (BALANÇO DE TRANSAÇÕES CORRENTES) Contas correntes: 1) SALDO COMERCIAL +Valor FOB da Exportação desembaraçada - Valor FOB da Importação desembaraçada 2) SERVIÇOS E RENDAS (LIQUIDO) 3) TRANSFERENCIAS UNILATERAIS CORRENTES

14 2010 CONTAS CORRENTES: - US$ 50 BI BC projeta déficit em C/C de US$ 50 bi para 2010 Saldo Comercial reduzido a US$ 10 bi Déficit de Turismo: - US$ 10 bi Mercado (FOCUS): - US$ 52 BI

15 Outras indicações de mercado (FOCUS) TAXA DE CÂMBIO 31/DEZ: R$ 1,81 SELIC EM 31/DEZ: 11,25% A.A. C/CORRENTES: US$ 52 BI (DEFICIT) BALANÇA COMERCIAL: US$ 10 BI (SUPERAVIT) IED: US$ 38 BI (SUPERAVIT) CRESCIMENTO DO PIB: +5,5% IPCA: 4,99% IGP-DI: 5,91%

16 REDEFINIÇÃO DO PERFIL DA PAUTA PRODUTOS BÁSICOS: em 200: 36,9%. Em 200: 40,5%. PRODUTOS MANUFATURADOS: em 2008: 46,8%. Em 2009: 43,5%. Em perspectiva, com a retomada do comércio e da renda mundial, é possível que a venda de manufaturados estanque o processo de queda na participação nas exportações brasileiras retorno pleno requer ações mais intensas: Fiscal; Financiamento; Câmbio

17 CONJUNTURA INTERNACIONAL HOJE OBAMA conclamou país a exportar mais; EUA pressionam China em relação a câmbio Grécia trouxe dúvidas sobre EU euro desvalorizado Europeus gostam do euro desvalorizado pouco esforço para mudar quadro

18 USA EXPORT Se as exportações não tirarem os EUA do poço, o aumento da poupança americana será subtraído do consumo, que foi mola propulsora do crescimento da produção mundial até Para reduzir o expressivo déficit comercial, os EUA precisam de um vigoroso desempenho exportador, puxado por dólar desvalorizado Se os EUA voltarem à recessão, a desvalorização do dólar se aprofundará, reduzindo o débito com seu principal credor, a China.

19 CHINA O superávit comercial chinês EM QUEDA: balança comercial c/ déficit de cerca de US$ 8 bilhões no início de março, (1º ministro chinês, WEN JIABAO). 1º déficit mensal desde abril de 2004 enfraquece argumentos em defesa da apreciação do YUAN CONCLUSÃO: por isso (e tudo o mais) China fará transição gradual de câmbio

20 GRÉCIA Déficit grego expôs problemas com números dúvida sobre todos; Grécia precisa ajuda da U.E.: difícil conseguir consenso euro? FMI vai ajudar Grécia a renegociar sua dívida

21 Reação: emergentes na frente Frente às turbulências, os BC dos países mais ricos reduziram as taxas de juros básicos a mínimas históricas redirecionamento dos fluxos de capital aos países emergentes. Resultado recuperação rápida nos preços dos ativos em países emergentes (No Brasil, o Ibovespa em 2009 obteve desempenho muito superior ao registrado nos EUA e na Europa).

22 Taxa de câmbio real

23 O Câmbio nos países exportadores de commodities

24 O desafio do dólar desvalorizado - 1 Os BC de todo o mundo estão interconectados à liquidez americana; Nos países que mostram vigorosa recuperação, como Brasil, Austrália, Coréia e Índia, há um forte movimento de depreciação do dólar (valorização das moedas locais);

25 O desafio do dólar desvalorizado...2 Os BC contam com um espaço menor para trabalhar a política cambial: precisam aumentar reservas em dólar para tentar conter a valorização de suas moedas nacionais. Há fatores, entretanto, agindo na mão contrária a uma desvalorização do dólar: aversão ao risco, sempre que há algum fato novo (Grécia!) que não corresponde às expectativas dos mercados, bem como a deterioração do déficit brasileiro.

26 O que se faz no Brasil, hoje: 1 –BC comprador aceleração 2 – IOF no capital externo (2%) MF 3 – Aberta a possibilidade de adquirir US$ para o FSB (se houver necessidade) MF; 4 – liberdade de importação e financiamento 5 – apoio maior à exportação EXIMBANK, ajustes fiscais MDIC, MF

27 PARA MEDITAR Há muito em jogo, terrivelmente dependente de fatores conjunturais; Aversão a risco x retomada de confiança move câmbio, commodities, bolsas... Há crescente defesas de medidas de controle de fluxos. São controláveis? Um novo Bretton Woods?

28 Agradecimento Emilio Garofalo Filho


Carregar ppt "Os desafios no futuro próximo Emilio Garofalo Filho."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google