A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Aula 14. CUSTO NA INDÚSTRIA 14 PASSOS PARA O SUCESSO.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Aula 14. CUSTO NA INDÚSTRIA 14 PASSOS PARA O SUCESSO."— Transcrição da apresentação:

1 Aula 14

2 CUSTO NA INDÚSTRIA 14 PASSOS PARA O SUCESSO

3 01 Estoque Inicial de Matéria Prima - MP 02 (+) Compras de Matéria Prima - MP 03 (-) Devoluções das Compras de Matéria Prima - MP 04 (-) Estoque Final de Matéria Prima - MPP 05 (=) Matéria Prima - MP Consumida 06 (+) Mão-de-obra Direta (MOD) 06.1 (+) Outros Custos Diretos de fabricação 07 (+) Custos Indiretos de fabricação (CIF) 08 (=) Custo de Produção do Período (CPP) 09 (+) Estoque inicial de Produtos em elaboração (EIPE) 10 (-) Estoque final de Produtos em elaboração (EFPE) 11 (=) Custo Produção Acabada (CPA) 12 (+) Estoque inicial de Produtos Acabados (EIPA) 13 (-) Estoque final de Produtos Acabados (EFPA) 14 (=) Custo dos Produtos Vendidos (CPV) Cálculo do CPV – Indústria

4 Custo da Produção do Período (CPP) = MP+ MOD + CIF ou CP + CT Custo Primário (CP) = MP+ MOD Custo de Transformação (CT) = MOD + CIF Terminologias.... Custo da Produção Acabada (CPA) = CPP + EIPE - EFPE Custo dos Produtos Vendidos (CPV) = CPA + EIPA - EFPA

5 Custo da Produção do Período (CPP): é a soma dos custos incorridos no período dentro da fábrica. Custo da Produção Acabada (CPA): é a soma dos custos contidos na produção acabada no período. Custo dos Produtos Vendidos (CPV): é a soma dos custos incorridos na produção dos bens e serviços que só agora estão sendo vendidos. Terminologias....

6 Exercício

7 A empresa XYZ produz um único produto, vendido, por R$ 20,00 cada unidade (preço líquido de tributos). Em determinado período, a empresa produziu unidades, incorrendo nos seguintes custos e despesas (em $): Exercício ItemValor Embalagens0,20 por unidade produzida Materiais de consumo0,15 por unidade produzida Compra de Matéria Prima2,00 por unidade produzida Mão de obra direta3,00 por unidade produzida Despesa de Marketing0,50 por unidade vendida Honorários da diretoria5.000 Salários da administração6.000 Produtos Vendidos unidades Aluguel da fábrica1.500 Depreciação da fábrica2.000 Salário da Supervisão geral da fábrica Manutenção de equipamentos da fábrica2.500 Lubrificantes das máquinas1.000 Despesa de Venda0,30 por unidade vendida Gastos com limpeza na fábrica2.000 Mão de obra indireta1,20 por unidade produzida Tipos de Estoque Saldos Início (Ei) Fim (Ef) Matéria Prima Em Elaboração Acabados400200

8 Pede-se : a) Calcular o Custo de Produção do mês (CPP); b) Calcular o Custo da Produção Acabada no mês (CPA); c) Calcular o Custo da Produção Vendida no mês (CPV); d) Elaborar DRE Exercício

9 ORÇAMENTO

10 É considerado um dos pilares da gestão e uma das ferramentas fundamentais para que a prestação de contas dos gestores seja objetiva. Os gestores têm o compromisso especificado e definido no plano estratégico, que acabam sendo firmados no momento da montagem do orçamento.

11 ORÇAMENTOS

12 ORÇAMENTO DE VENDAS

13 O primeiro orçamento é o de vendas. A partir dele pode-se elaborar todos os outros. Ao elaborar o orçamento de vendas, a empresa deve considerar os seguintes aspectos: Orçamento de quantidade: quantidade real vendida no ano anterior; previsão de aumento da demanda; Orçamento de preços: preço de venda real; estimativa de aumento de preços.; Orçamento da Receita de vendas: impostos sobre as vendas; devoluções, descontos e deduções; Orçamento de clientes: percentual de vendas a prazo; prazo médio para recebimento de duplicatas; provisão para créditos incobráveis. ORÇAMENTOS DE VENDAS

14 São as previsões de vendas para um determinado período orçamentário. Estima-se (6 Itens): as quantidades de cada produto e serviço que a empresa planeja vender ou prestar; define o preço a ser praticado; impostos incidentes; a receita a ser gerada; a quantidade de clientes a serem atendidos; as condições básicas das vendas, a vista ou a prazo. ORÇAMENTOS DE VENDAS

15 A primeira coisa a fazer é definir os fatores limitadores e as restrições, verificando o ambiente interno e externo que podem interferir na previsão das vendas da empresa. O orçamento de vendas constitui um plano das vendas da empresa, para determinado período de tempo. Sua função principal é a determinação do nível de atividades futuras da empresa.

16 – Restrições Internas Capacidade produtiva insuficiente Estrutura administrativa inadequada Pessoal interno inabilitado Insuficiência de capital de giro – Restrições Externas Política de comércio exterior desfavorável Política monetária (crédito e taxa de juros) desfavorável Mercado fornecedor precário Restrição de mão-de-obra externa ORÇAMENTOS DE VENDAS

17 ORÇAMENTO DE PRODUÇÃO

18 É elaborado após o orçamento de vendas. Indica o número de unidades que devem ser produzidas em cada período do orçamento para atender ás necessidades de vendas e gerar o estoque final desejado. As necessidades de produção podem ser determinadas da seguinte maneira:

19 ORÇAMENTO DE PRODUÇÃO

20

21 Os níveis de estoque de produtos acabados, estabelecidos pela a empresa ABC S/A, ao final de cada trimestre são os seguintes: Ano x (31dez) -500 Ano x+1 (Primeiro TRI) – Ano x+1(Segundo TRI) – Ano X+1(Terceiro TRI) – Ano X+1(quarto TRI) – Sabendo-se que a projeção de vendas (vendas orçadas) para os quatro trimestres foi de 3.000, 5.000, e 9.000, respectivamente, calcular a PRODUÇÃO EXIGIDA para os quatro trimestres. Exercício

22 Vendas Orçadas em Unidades3.000 (+) Estoque Final desejado1.000 (=) Necessidades Totais4.000 (-) Estoque Inicial500 (=) Produção Exigida X Vendas Orçadas em Unidades5.000 (+) Estoque Final desejado1.500 (=) Necessidades Totais6.500 (-) Estoque Inicial1.000 (=) Produção Exigida X Vendas Orçadas em Unidades7.000 (+) Estoque Final desejado2.000 (=) Necessidades Totais9.000 (-) Estoque Inicial1.500 (=) Produção Exigida X Vendas Orçadas em Unidades9.000 (+) Estoque Final desejado2.500 (=) Necessidades Totais (-) Estoque Inicial2.000 (=) Produção Exigida X RESOLUÇÃO

23 Aula 15

24 INDICADORES ECONÔMICO- FINANCEIROS (Avaliação de Desempenho)

25 BALANÇO PATRIMONIAL Evidencia a situação patrimonial da entidade em um dado momento. Grupo de contas do BP alterado pela Lei /2009

26 INDICADORES ECONÔMICO- FINANCEIROS

27 Liquidez Corrente Calculada a partir da Razão entre os direitos a curto prazo da empresa (Caixas, bancos, estoques, clientes) e a as dívidas a curto prazo (Empréstimos, financiamentos, impostos, fornecedores); No Balanço estas informações são evidenciadas respectivamente como Ativo Circulante e Passivo Circulante; Liquidez Corrente = Ativo Circulante / Passivo Circulante Fórmula: AC/ PC Quanto maior, melhor

28 Liquidez Seca Similar a liquidez corrente, a liquidez Seca exclui do cálculo acima os estoques, por não apresentarem liquidez compatível com o grupo patrimonial onde estão inseridos. Não considerado os estoques, a empresa pode conhecer se tem condições de pagar o que deve a curto prazo. Interpretação do indicador: quanto Maior, Melhor. Também chamado de Teste ácido. Fórmula: (Ativo Circulante - Estoques) / Passivo Circulante

29 Liquidez Imediata Índice conservador, considera apenas caixa, saldos bancários e aplicações financeiras de liquidez imediata para quitar as obrigações. Excluindo-se além dos estoques as contas e valores a receber. Um índice de grande importância para análise da situação a curto-prazo da empresa; Interpretação do indicador: quanto Maior, Melhor. Fórmula: Disponibilidades / Passivo Circulante

30 Liquidez Geral Este índice leva em consideração a situação a longo prazo da empresa, incluindo no cálculo os direitos e obrigações a longo prazo, valores obtidos no balanço patrimonial; Fórmula: (Ativo Circulante + Realizável a Longo Prazo) / (Passivo Circulante + Passivo Não Circulante) Interpretação do indicador: quanto Maior, Melhor.

31 Análise por Índices ÍNDICES DE Liquidez Liquidez Corrente (LC) Ativo Circulante Passivo Circulante Liquidez Seca (LS) Ativo Circulante - Estoques Passivo Circulante Liquidez Imediata (LI) Disponibilidades Passivo Circulante Liquidez Geral (LG) Ativo Circulante + Real. Longo Prazo Passivo Circulante + Passivo Não Circulante

32 Análise por Índices

33 Índices de Estrutura de Capital Este grupo de índices procura apontar os caminhos das decisões financeiras em termos de obtenção e aplicação de recursos e também como se encontra o nível de endividamento da empresa. Em média, as empresas que vão à falência apresentam endividamento elevado em relação ao patrimônio Líquido." (MARION)

34 Participação de Capital de Terceiros (Grau de endividamento) Neste quociente encontram-se relacionados os dois grandes blocos componentes das fontes de recursos que a empresa possui: Capital de Terceiros e Capital Próprio. Da sua análise é possível se detectar quanto a empresa tomou de capitais de terceiros para cada $ 100 de capital próprio investido; Fórmula: (CTE/PL) x100

35 Composição do Endividamento A finalidade do índice de Composição do Endividamento reside em identificar que percentual das obrigações totais da firma corresponde a dívidas de curto prazo. De forma geral, quanto menor for este índice, melhor; É muito mais conveniente para a empresa que suas dívidas sejam de longo prazo, pois assim ela terá mais tempo para buscar ou gerar recursos para saldá-las. Fórmula: PC/CTe

36 Imobilização do Patrimônio Líquido É um quociente cujo intuito é revelar qual a porcentagem dos recursos próprios que está imobilizada ou que não está em giro; É evidente o quanto a economia atual tem demonstrado a necessidade de se possuir um bom capital de giro, por isso pode-se afirmar que quanto menor for este índice melhor é para a firma. Quanto mais a empresa dedicar do Patrimônio Líquido ao Ativo Permanente, menos recursos próprios sobrarão para o Ativo Circulante e, em consequência maior será a dependência a capitais de terceiros para o financiamento do Ativo Circulante; Fórmula: Ativo Permanente/PL

37 Análise por Índices ÍNDICES DE Estrutura de Capital Participação Capitais de Terceiros ou Grau de Endividamento Capitais de Terceiros x 100 PL Composição do Endividamento Passivo Circulante x 100 Capital de Terceiros Imobilização do Patrimônio Líquido (PL) Ativo Permanente x 100 PL Quanto MENOR, MELHOR

38 Análise por Índices

39 Giro do Ativo Demonstra quantas vezes o ativo girou como resultado ou efeito das vendas ou ainda quanto a empresa vendeu para cada $ 1,00 de investimento total. Quanto maior, melhor. Fórmula: Vendas Líquidas/Ativo

40 Margem Líquida Também denominado de Margem Operacional, evidencia qual foi o retorno que a empresa obteve frente ao que conseguiu gerar de receitas. Em outras palavras: quanto o que sobrou para a firma representa sobre o volume faturado. Fórmula: Lucro Líquido/Vendas Líquidas [Índice apresentado em %]. Quanto maior, melhor.

41 Rentabilidade do Ativo A rentabilidade do ativo é calculada quando se deseja ter uma ideia da lucratividade, como um todo, do empreendimento, venham de onde vierem os recursos, admitindo-se as aplicações realizadas. Este indicador mede quanto a empresa obtém de lucro para cada $ 100,00 de investimento total, por isso, é visto como uma medida de potencial de geração de lucro da parte da empresa. Fórmula: LL/ATIVO [Índice apresentado em %]. Quanto maior, melhor.

42 Rentabilidade do Patrimônio Líquido É importante observar que o cálculo da Rentabilidade do Patrimônio Líquido permite saber quanto a administração, através do uso dos ativos, obteve de rendimento com a respectiva estrutura de despesas financeiras, considerando-se o nível de relacionamento percentual entre o capital próprio e o de terceiros. Em última instância: evidencia qual a taxa de rendimento do Capital Próprio. Fórmula: Lucro Líquido/PL [Índice apresentado em %]. Quanto maior, melhor.

43 Análise por Índices ÍNDICES DE Rentabilidade Giro do Ativo Vendas Líquidas Ativo Margem Líquida Lucro Líquido Vendas Líquidas Rentabilidade do Ativo Lucro Líquido Ativo Rentabilidade do PL Lucro Líquido Patrimônio Líquido


Carregar ppt "Aula 14. CUSTO NA INDÚSTRIA 14 PASSOS PARA O SUCESSO."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google