A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

FORMAÇÃO DE PREÇOS O importante não é oferecer ao consumidor o preço mais baixo para um determinado produto, mas assegurar o maior valor a este consumidor,

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "FORMAÇÃO DE PREÇOS O importante não é oferecer ao consumidor o preço mais baixo para um determinado produto, mas assegurar o maior valor a este consumidor,"— Transcrição da apresentação:

1

2 FORMAÇÃO DE PREÇOS

3 O importante não é oferecer ao consumidor o preço mais baixo para um determinado produto, mas assegurar o maior valor a este consumidor, através de um produto

4 r rDefinição e Características do Preço Definição: Preço é o volume de dinheiro cobrado por um produto ou serviço Marketing: Preço, num sentido mais amplo, é a soma dos valores que os consumidores trocam pelo benefício de possuírem ou usarem um produto ou serviço. Preço é o único elemento do mix de marketing que produz receitas. Preço é um dos elementos mais flexíveis do mix de marketing, podendo ser mudado rapidamente. Teoria do Maior Valor : P & Q O que é Preço?

5 Definição e Características do Preço Preço é o volume de dinheiro cobrado por um produto ou serviço Preço, num sentido mais amplo, é a soma dos valores que os consumidores trocam pelo benefício de possuírem ou usarem um produto ou serviço. Preço é o único elemento do mix de marketing que produz receitas. Preço é um dos elementos mais flexíveis do mix de marketing, podendo ser mudado rapidamente.

6 Estratégias de adequação de preços Estratégia de Fixação de Preços Com descontos e abatimentos Segmentada Psicológica Promocional Por valor Geográfica Internacional Descrição Reduzir preços para compensar atitudes como pagar adiantado ou promover o produto Ajustar preços de acordo com os diferentes clientes, produtos ou localidades Ajustar preços para produzir efeito psicológico Redução temporária para favorecer as vendas no curto prazo Combinação de qualidade e serviço a um preço justo para os consumidores Ajustar conforme a localização dos clientes Preços para mercados internacionais

7 Características IntroduçãoMaturidadeCrescimentoDeclínio Vendas Vendas Baixas Vendas em rápido crescimento Máximo de vendas Vendas em declínio Consumidores Inovadores Adotantes iniciais Maioria intermediária Retardatários Lucros Negativos Lucros em crescimento Lucros Altos Lucros em declínio Custos Custo alto por consumidor Custo médio por consumidor Baixo custo por consumidor Concorrentes Poucos Número estável começando a declinar Número em declínio Aumentando em número Objetivos de Marketing Criar conscientização e experimentação do produto Maximizar o lucro e defender a parcela do mercado Reduzir os custos e ordenhar a marca Maximizar a parcela do mercado Características dos Estágios de Ciclo de Vida dos Produtos

8 Estratégias IntroduçãoMaturidadeCrescimentoDeclínio Produto Oferecer um produto básico Oferecer extensões de linhas do produto, serviços e garantias Diversificar a marca e os modelos Suspender os itens fracos Propaganda Criar conscientização do produto entre os adotantes iniciais e os distribuidores Distribuição Fazer distribuição seletiva Intensificar Selecionar pontos lucrativos Preço Usar fixação de preços com margem sobre custos Preço para penetrar no mercado Preço para combater os concorrentes Baixar o preço Promoção de vendas Fazer fortes promoções de vendas para suscitar a experimentação Aumentar para encorajar mudança de marca Reduzir ao nível mínimo Reduzir para beneficiar-se da grande demanda do consumidor Fazer distribuição intensiva Criar conscientização e interesse do mercado de massa Enfatizar as diferenças e vantagens da marca Reduzir ao nível necessário para manter os consumidores mais leais Estratégias para os Estágios de Ciclo de Vida dos Produtos

9 r rPreços muito orientados pelos custos r rpreços que não são revistos para levar em consideração as mudanças do mercado r rPreços que não levam em conta os elementos do mix de marketing r rPreços que não variam o suficiente para diferentes produtos, segmentos de mercado e ocasiões de compra Erros mais comuns em estratégias de apreçamento

10 Fatores Internos Objetivos de Marketing Estratégia do Mix de Marketing Custos Considerações organizacionais Fatores Externos Natureza do mercado e da demanda Concorrência Outros fatores ambientais (economia, canais de distribuição, governo, etc.) Decisões de fixação de preços

11 ADMINISTRAÇÃO DE NEGÓCIO VISTA PELA ÓTICA DEMANDA E SUAS IMPLICAÇÕES NA GESTÃO DE PREÇOS

12 O CONCEITO Preço único Século 19 W. Woolworth Tiffany co. O que importa é valor e não preço Robert T. Lindgren Motivadores Muitos ítens Muitos funcionários A administração da demanda - Preço

13 r rElasticidade preço da demanda = variação percentual na quantidade demandada variação percentual do preço r rSe a demanda caí 10% com o aumento de 2% nos preços, temos uma elasticidade preço da demanda de -5. É uma demanda elástica. r rSe a demanda caí 1% com o aumento de 2% nos preços, temos uma elasticidade preço da demanda de -0,5. É uma demanda inelástica. r rFatores que impactam a sensibilidade a preço: r rConsumidores menos sensíveis a preço quando o produto é único ou de alta qualidade, quando inspira prestígio ou exclusividade r rProdutos difíceis de serem encontrados r rQualidade superior ao do produto substituto r rGasto total com o produto é baixo com relação à renda pessoal ou o gasto é dividido com outras pessoas Elasticidade

14 ... algo mudou... Antes P = C + M Hoje M = P - C ou C = P - M será que dá? A administração da demanda - Preço VISÃO DE DENTRO PARA FORA VISÃO DE FORA PARA DENTRO

15 E R R O S M A I S C O M U N S Excessivamente orientados pelos custos; Não revisados para acompanhar mudanças; Estabelecidos independentemente das outras variáveis do composto de marketing. O que Importa é a relação PREÇO - VALOR A administração da demanda - Preço

16 PERCEPÇÃO DE VALOR Um importante fabricante de centros de usinagem relatou o seguinte comentário de um cliente: O seu preço é $ , e o preço de uma firma italiana e $ Reconheço que o seu produto é melhor, mas não é 60% melhor. O cliente adquiriu o produto italiano. Philip Kotler A administração da demanda - Preço

17 ESTABELECIMENTO DO PREÇO (método tradicional) Selecionar o objetivo do preço; Determinar a demanda; Estimar os custos; Analisar a concorrência; Selecionar o método; Escolher o preço final. A administração da demanda - Preço

18 OBJETIVOS DE MARKETING OBJETIVO DA EMPRESA PropósitoExemplos Sobrevivência Cobertura de Custos Variáveis Industria Naval Carros Usados Calçados Maximização de Lucros Atuais Obter resultados financeiros de curto prazo Supermercados Distribuidoras de petróleo Varejistas em geral Liderança em Market Share Aumentar o percentual de participação no mercado IBM Microsoft CocaCola Liderança em Qualidade Oferecer o produto de maior qualidade no mercado Citibank Xerox CaesarPark Outros Objetivos Barreira contra concorrência Estabilização de mercado Lealdade de cliente Ênfase em um produto Suporte a outros produtos Gráficas Montadoras de automóveis Casa & Vídeo Tele Shopping Supermercados A administração da demanda - Preço

19 Preço no Gerenciamento de Projetos O valor orçado está coerente com as premissas atuais para o projeto ? Existe informações de valores referenciais ( preço de competidores, tecnologia ou soluções utilizadas) ? Existe Benchmark de projetos, clientes competidores similares ? Qual o impacto dos fatores econômicos ( dolár, país, impostos,etc..) no projeto? Qual é o Winner Price? Qual é a importância estratégica deste cliente? Preliminares para definição da estratégia de Preço: A administração da demanda - Preço

20 19 O processo de Administração de Marketing compreende o Planejamento e Operacionalização do Marketing-Mix, a fim de interagir com o mercado, adequando a oferta da organização ou estimulando a demanda. Estados de demanda x Tarefas de Marketing : Demanda Inexistente: Os clientes-alvo podem estar desinteressados e indiferentes ao produto, ou seja, agricultores podem estar desinteressados por um novo método agrícola e estudantes universitários podem estar desinteressados por cursos de línguas estrangeiras. A tarefa de marketing é encontrar alternativas de associar os benefícios do produto às necessidades e interesses naturais das pessoas.

21 20 Demanda Negativa : Um mercado está em um estado de demanda negativa se a maior parte dele não gosta do produto e pode até mesmo pagar um preço para evitá-lo. As pessoas tem demanda negativa por vacinas, tratamento dentário, vasectomia e operações de vesícula. Os empregadores tem demanda negativa por ex-presos e empregados alcoólicos. A tarefa de marketing é analisar por que o mercado não gosta do produto e desenvolver um programa de marketing, redesenhando o produto, baixando os preços e usando uma promoção muito efetiva a fim de mudar a crença e as atitudes do mercado.

22 21 Demanda Latente : Muitos clientes podem ter uma grande necessidade que não pode ser satisfeita por nenhum produto existente: há uma grande demanda latente por cigarros inofensivos, vizinhanças seguras e carros que gastam menos combustível. A tarefa do marketing é medir o mercado potencial e desenvolver produtos e serviços eficientes capazes de satisfazer essa demanda.

23 22 Demanda Declinante : Toda organização, mais cedo ou mais tarde, tem demanda declinante para um ou mais produtos. Igrejas assistem ao declínio do número de fiéis e faculdades particulares vêem diminuídas as matrículas. Cabe ao homem de marketing analisar as causas do declínio do mercado e determinar se a demanda pode ser revigorada através de novos mercados-alvo, mudanças nas características dos produtos ou através de uma comunicação mais eficaz. A tarefa de marketing é reverter a demanda declinante via outro marketing criativo do produto.

24 23 marketing de sincronização Demanda Irregular : Muitas organizações enfrentam demanda que varia por estação, dia ou até mesmo horas causando problemas de capacidade ociosa ou excessiva. No trânsito intenso, a maioria do equipamento fica ocioso fora do período de pico e insuficiente no momento do pico. Museus são pouco visitados durante os dias de semana e superlotados nos fins-de-semana; as salas de operações de hospital são super reservadas no início de semana e praticamente vazias no fim de semana. A tarefa de marketing, chamada marketing de sincronização é encontrar alternativas de alterar o horário da demanda através de preço flexível, promoção e outros incentivos.

25 24 Demanda Plena : As organizações tem demanda plena quando estão satisfeitas com o volume de negócios. A tarefa de marketing é manter o nível atual de demanda diante da mudança da preferência do cliente e da concorrência acirrada. A organização deve manter ou melhorar a qualidade e avaliar constantemente a satisfação do cliente para ter certeza de que está agindo corretamente.

26 25 demarketing Demanda Excessiva : Algumas organizações têm um nível de demanda maior do que o normal ou do que podem administrar :Ponte rio-Niterói, Linha Vermelha e a Av Brasil têm um volume de tráfego maior do que podem agüentar e a Região dos lagos é super visitada durante o verão. A tarefa de marketing, chamada demarketing é encontrar alternativas para reduzir a demanda temporária ou permanentemente.

27 26 ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING Demanda Excessiva ( Continuação ) : O demarketing geralmente visa desencorajar a demanda total através da elevação de preço e redução de promoção e serviços. O demarketing seletivo visa reduzir a demanda a partir dos segmentos de mercado menos rentáveis ou que precisam de menos serviços. O demarketing não visa destruir a demanda, mas apenas reduzir o seu nível, temporária ou permanente.

28 27 Demanda Indesejada : Produtos indesejados vão atrair esforços organizados para desencorajar o consumo. Campanhas de não-venda tem sido feitas contra cigarros, álcool, entorpecentes, armas, filmes censurados e famílias numerosas. A tarefa de marketing é fazer com que as pessoas que gostam de alguma coisa deixam de gostar, usando ferramentas, tais como: comunicações que atemorizam, preços elevados e escassez de produto.

29 Erros mais comuns em decisões de apreçamento r rPreços muito orientados pelos custos r rpreços que não são revistos para levar em consideração as mudanças do mercado r rPreços que não levam em conta os elementos do mix de marketing r rPreços que não variam o suficiente para diferentes produtos, segmentos de mercado e ocasiões de compra

30 29 TEORIA DOS 4 Ps O marketing mix, ou composto de marketing, ou ainda composto mercadológico, é o conjunto de instrumentos, através dos quais se obtém melhor ajustamento entre a oferta de uma organização no mercado e a demanda existente, onde todos os elementos do composto foram criados e estabelecidos para atender as necessidades, desejos, expectativas e potencialidades do consumidor.

31 30 VARIÁVEIS : CONTROLÁVEIS ( 4Ps ) e INCONTROLÁVEIS Fatores Ambientais ProdutoPreçoDistribuiçãoPromoção ORGANIZAÇÃO Concorrentes Percepção do doConsumidor

32 Direcionamento para o Cliente Foco no Produto (anos 50)Foco no Cliente (Atual) 4 Ps4 Cs Produto - atende à capacidade da empresa Preço - atende à necessidade da empresa Praça - atende à abrangência da equipe de vendas Promoção - Comunica as virtudes do produto Jerome McCarthy Cliente - atende aos anseios do consumidor Custo - definido pela percepção do consumidor Conveniência - coloca o produto onde o consumidor estiver Comunicação - Abre as portas ao diálogo com o cliente Robert Lauterborn

33 Os 4Ps do Mix de Marketing Produto Variedade Qualidade Design Características Marca Embalagem Tamanho Serviços Garantias Promoção Propaganda Venda pessoal Promoção de vendas Relações públicas Merchandising Consumidores-Alvo Posicionamento pretendido Preço Lista de preços Descontos Subsídios Período para pagamento Condições de crédito Praça Canais Cobertura Sortimentos Localização Estoque Transporte Logística

34 33 Marketing-Mix (4 Ps) Produto: é tudo aquilo capaz de satisfazer um desejo ou uma necessidade. Este elemento planeja e administra a imagem (física e virtual) do benefício proporcionado;compreende:

35 Preço é o valor agregado que justifica a troca. A transferência de posse de um produto é planejada e adequada por este elemento (valor percebido), compreende: condições de pagamento, financiamento, valor nominal, etc

36 Praça ou Distribuição É o local ou o meio pelo qual oferecemos o produto. Este elemento planeja e administra onde (canais de distribuição), como, quando e sob que condições o produto será colocado no mercado (logística).

37 Promoção Na realidade é o sistema de comunicação integrado que interage com o mercado. Compreende: Propaganda ou publicidade, merchandising, relações públicas, venda pessoal e promoção de vendas.

38 37 VARIÁVEIS INCONTROLÁVEIS que afetam diretamente a gestão de preços São fatores externos que necessitam de monitoramento constante. São eles: Consumidores Consumidores ( Psicologia / Sociologia / Antropologia ) Concorrentes Concorrentes ( Diretos /Potenciais /Substitutivos /Fornecedores ) Fatores Ambientais: Fatores Ambientais: Fatores Econômicos Fatores Sociográficos Fatores Demográficos Fatores Culturais Fatores Políticos / Legais Fatores Geográficos Fatores Tecnológicos

39 Fatores Internos Objetivos de Marketing Estratégia do Mix de Marketing Custos Considerações organizacionais Fatores a serem considerados nas decisões de fixação de preços Fatores Externos Natureza do mercado e da demanda Concorrência Outros fatores ambientais (economia, canais de distribuição, governo, etc.)

40 Objetivos de Marketing r rSobrevivência r rMaximização do lucro corrente r rLiderança em market-share r rLiderança na qualidade do produto

41 Custos r rCustos Fixos r rCustos Variáveis r rCustos Totais r rCustos unitários por diferentes níveis de produção e em diferentes horizontes de tempo r r Custos como função da Curva de Aprendizado

42 Fatores Externos r rMercado e Demanda r rConcorrência perfeita r rConcorrência monopolista r rConcorrência oligopolista r rMonopólio r rPercepção dos consumidores sobre preço e valor r rAnálise da curva de demanda r rElasticidade da demanda com relação ao preço

43 Elasticidade-Preço da Demanda r rElasticidade preço da demanda = variação percentual na quantidade demandada variação percentual do preço r rSe a demanda caí 10% com o aumento de 2% nos preços, temos uma elasticidade preço da demanda de - 5. É uma demanda elástica. r rSe a demanda caí 1% com o aumento de 2% nos preços, temos uma elasticidade preço da demanda de - 0,5. É uma demanda inelástica.

44 Elasticidade-Preço da Demanda r rFatores que impactam, a elasticidade-preço da demanda: r rConsumidores menos sensíveis a preço quando o produto é único ou de alta qualidade, quando inspira prestígio ou exclusividade r rProdutos difíceis de serem encontrados r rQualidade superior ao do produto substituto r rGasto total com o produto é baixo com relação à renda pessoal ou o gasto é dividido com outras pessoas

45 Definição geral de preços r rFixação de preços baseada nos custos r rFixação de margens sobre os custos: acréscimo de margem padrão r rAnálise do ponto de equilíbrio: breakeven point r r Breakeven = custo fixo preço - custo variável r rFixação de preços por meta de lucro

46 Fixação de preços baseado no valor ProdutoCustoPreçoValorConsumidor ValorPreçoCustoProduto Apreçamento baseado no Custo Apreçamento baseado no Valor

47 Definição geral de preços r rFixação de preços baseada na concorrência r rFixação de preços por valores correntes r rFixação de preços para a concorrência

48 Considerações sobre as mudanças de preços dos concorrentes Como uma empresa deve reagir às mudanças de preços iniciadas por um concorrente? Soluções possíveis: Manter o preço Aumentar a qualidade percebida Reduzir o preço Aumentar o preço e melhorar a qualidade Lançar uma linha de combate a preços baixos

49 Estratégias de preço baixo são, freqüentemente, insustentáveis no decorrer do tempo. São bem-sucedidas apenas quando a empresa possui custo operacional significativamente baixo para sustentar preços mais baixos.

50 Análise dos custos, preços e ofertas dos concorrentes Concorrência ajuda a empresa a qual nível fixar os seus preços Benchmark de seus custos (nível de operação vantajosa ou desvantajosa?) Ponto de referência para o seu preço Concorrentes podem responder mudando seus preços

51 Seleção de um método de estabelecimento de preço Três C´s: programação da demanda dos consumidores, função custo e preços dos concorrentes Gerar lucro e gerar demanda suficiente Preço básico pelo custo total Indústria: $ = custo direto + c. indireto + margem Varejo: $ = preço de compra + mark-up

52 Mark-up Acrescenta um % ao custo do produto a fim de chegar a um preço de venda CVU = 10 CF = UN vend. Previstas = Custo un. = CV + CF = = 16 un. Vendida Mark-up 20% = custo un. = 16 = $ 20 (1 – tx. Retorno desejado) 1 – 0,2

53 Métodos orientados para custo Preço de retorno-alvo Empresa determina preço que assegura a sua taxa alvo de retorno sobre o investimento Ex: investimento = 1 milhão Preço = 20% de ROI ou Preço de retorno-alvo desejado: CtoU + Retorno desejado x Capital invest. un. Vendidas = ,20 x = $

54 Se não atingir em vendas? Ponto de Equilíbrio = Custo fixo Preço - Cv = Custo total Receita total Lucro Prejuízo Quantidade produzida e vendida Un monetárias Ponto de equilíbrio

55 Métodos orientados para custo Preço de valor percebido Preço de valor - preço baixo para oferta de alta qualidade Preço de mercado - baseia preços em função da concorrência Preço de licitação - menores cotações de preços (concorrência) ESTRATÉGIAS DE

56 Preço baseado na concorrência Preço baseado no valor para o cliente (preço de referência) Precificação por valor (diferença entre benefícios e custos percebidos em uma troca) A lei brasileira proíbe: Conluio de preços Fixação do preço de revenda e descontos Práticas de preço enganoso Discriminação de preços que reduza ou prejudique a competição Dumping

57 ESTRATÉGIAS DE Estratégia de preço x CVP Produtos Novos Estratégia de preço nata (skimming) Estratégia de preço de penetração SKIMMING Desnatar ou retirar a melhor parte Segmento de mercado disposto a pagar preço mais alto por um produto Fase introdutória CVP Objetivos: maximizar a receita sobre volume limitado, adequar a demanda à oferta disponível e reforçar as percepções dos clientes quanto ao alto valor do produto Ex: Videocassetes Betamax, em 1976 (preço US$ 1.295)

58 Estratégia de Estabelecimento de Preço da Gillette (MACH3) Por causa do sucesso da Sensor, cujo preço era 25% mais alto do que o do produto anterior, a Gillette foi extremamente agressiva no preço do MACH3: 35% acima do preço do Sensor Excel de US$ 6,49 a US$ 6,99 pelo aparelho e um aumento semelhante nas lâminas. Mais uma vez os consumidores aceitaram sem pestanejar. HSM Management – Mar/Abr 2000

59 Penetração Preço como arma competitiva para obter posição no mercado Instalações eficientes de escala e mão-de-obra de baixo custo Produto pode ser vendido com prejuízo por um certo período de tempo

60 ESTRATÉGIAS DE Estratégia de Preço Psicológico (apenas $ 999) Procura por determinada marca Procura qualidade Compra por impulso Procura melhor preço

61 ESTRATÉGIAS DE Estratégia de Preço- Qualidade A M B QUALIDADE PREMIUMPENETRAÇÃO VALOR VALORSUPERIOR COBRANDO MUITO MUITOVALORMÉDIOVALOR BOM BOM UM ROUBO VALORFRACO VALOR VALORBARATO AMBPREÇO

62 ESTRATÉGIAS DE Técnicas de Trading-up/down A oferta de diferentes níveis preço-qualidade de produto, permite atender melhor aos vários segmentos de demanda e possibilita capitalizar as relações que o cliente estabelece entre produtos de níveis diferentes. Nesse sentido é que se pode falar nas técnicas de Trading-up e Tranding-down.

63 TRADING-UP: é a técnica usada para aumentar o prestígio e portanto, as vendas, de um produto estabelecido, de qualidade e preço mais baixos, pela adição de uma variedade de preço e qualidade mais altos, com nome igual ou semelhante.

64 ESTRATÉGIAS DE Técnicas de Trading-up/down Resumindo: As duas estratégias podem ser muito eficientes, mas só devem ser utilizadas após profundo exame dos resultados que se pode esperar em termos de reação do consumidor e do volume de vendas para a linha já existente e para a linha que se pretende introduzir.

65 TRADING-DOWN: é a técnica que consiste na introdução da variedade de preços mais baixos, a fim de capitalizar na reputação do item de preço mais alto, através da associação de nomes. Espera-se que o consumidor transfira para a nova linha a reputação de qualidade do produto já conhecido considerando-a, por isso, como boa. TRADING-DOWN: é a técnica que consiste na introdução da variedade de preços mais baixos, a fim de capitalizar na reputação do item de preço mais alto, através da associação de nomes. Espera-se que o consumidor transfira para a nova linha a reputação de qualidade do produto já conhecido considerando-a, por isso, como boa. ESTRATÉGIAS DE Técnicas de Trading-up/down

66 Seleção de preço final Adaptação do preço Preço geográfico Descontos e concessões Preço diferenciado (discriminatório ou discrimin. de preço) Preço por segmento de consumidores Preço por versão de produto Preço de imagem Preço por localização Preço por período Preço de composto de produto (pacote, linha de produto, composto)

67 Considerações sobre as mudanças de preços dos concorrentes Como uma empresa deve reagir às mudanças de preços iniciadas por um concorrente? Soluções possíveis: Manter o preço Aumentar a qualidade percebida Reduzir o preço Aumentar o preço e melhorar a qualidade Lançar uma linha de combate a preços baixos

68 Estratégias de preço baixo são, freqüentemente, insustentáveis no decorrer do tempo. São bem-sucedidas apenas quando a empresa possui custo operacional significativamente baixo para sustentar preços mais baixos.

69 Unilinhares Análise do Ponto de Equilíbrio Custo x Volume X Lucro Prof. Abel Fiorot Loureiro, M.Sc 2004

70 Funções do Sistema de Custos ò òFORMAR CUSTOS 4 4a C.P. - Para tomada de decisão de propostas, produção, redução de preços, etc; 4 4a L.P. - Para tomada de decisão visando o planejamento e orçamento com objetivos de metas e quantidades a serem vendidas e comercializadas a Longo prazo. ò òValorar estoques e calcular os Custos dos Produtos e Serviços Vendidos

71 Funções do Sistema de Custos ò ò Determinar o resultado, distribuindo custos nos demonstrativos financeiros ò òFacilitar o controle de processos - explicar da melhor forma possível o rendimento e eficiência dos departamentos ò ò Agregar Informações

72 Maior preocupação das empresas: Cobertura dos custos e chegar a um lucro satisfatório. Menor preocupação das empresas: Esquecem que para isso existir deve também existir RENDA EXEMPLOS - Carro e parques

73 ^ ^ Como calcular o Custo Total?? Começando a entender CUSTOS?!?!?! ^ ^ Como associar os custos aos produtos, afim de achar o custo unitário??

74 Terminologia contábil – –gastos: sacrifício financeiro que a entidade arca para a obtenção de um produto ou serviço qualquer; – –investimento: gasto ativado em função de sua vida útil ou de benefícios atribuíveis a futuros períodos; – –custos: gasto relativo a bem ou serviço utilizado na produção de outros bens ou serviços; – –despesas: bem ou serviço consumido direta ou indiretamente para a obtenção de receitas; – –desembolso: pagamento do bem ou serviço; – –perda: bem ou serviço consumido de forma anormal.

75 Classificação dos custos Custos Fixos: são aqueles que permanecem inalterados, independentemente do acréscimo ou decréscimo do nível de produção e vendas. Custos Variavéis: são aqueles que variam na mesma proporção que o nível de produção e vendas.

76 COMÉRCIO Apenas 1 Estoque Estoque Inicial + Compras - Estoque Final = Custo dos Produtos Vendidos C.P.V. RECEITA DE VENDAS (-) CPV LUCRO BRUTO (-) DESPESAS DO PERÍODO RESULTADO OPERACIONAL

77 E.I.MAT + COMPRAS - E.F.MAT = MATÉRIA PRIMA CONSUMIDA MPC + MOD + CIF = CUSTO DE PROD. DO PERÍODO MOD + CIF = CUSTO DE TRANSFORMAÇÃO MPC + MOD = CUSTO PRIMÁRIO E.I.P.P. + CUSTO DE PROD. DO PERÍODO - E.F.P.P. = CUSTO PROD. ACABADOS E.I.P.A. + CUSTO PROD. ACABADOS - E.F.P.A. = CUSTO DOS PRODUTOS VENDIDOS

78 CUSTOS DiretosIndiretos RATEIO Produto Y Produto Z Estoque ESQUEMA BÁSICO DE ALOCAÇÃO MÉTODO ABSORÇÃO RESULTADO Vendas (-) CPV (=) Resultado Bruto (-) Desp. Administrativas (-) Desp. Vendas (=) Resultado Líquido DESPESAS

79 CUSTOS FixosVariáveis Produto Y Produto Z Estoque ESQUEMA BÁSICO DE ALOCAÇÃO CUSTEIO VARIÁVEL DESPESAS Fixa Variável RESULTADO Vendas (-) Custo Variável (-) Desp. Var. Venda (=) Margem Contribuição (-) C. Fixo Produção (-) Desp. Administrativas (-) Desp. Fixas Vendas (=) Resultado Líquido

80 Custeio Variável O Conceito de Margem de Contribuição É a contribuição que o produto dá a empresa entre a receita que a gerou e os custos e despesas variáveis que lhes podem ser alocadas - pertencentes ao produto. Seu objetivo, primeiramente, será destinada à cobertura dos custos e despesas fixas e, posteriormente, à formação do lucro.

81 RECEITA TOTAL (-) CUSTO VARIÁVEL TOTAL (-) DESPESA VAR. TOTAL MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO TOTAL (MCT) (-) CUSTO FIXO (-) DESPESA FIXA LUCRO LÍQUIDO

82 R.T. (-) C.V.T. (-) D.V.T. MCT (-) CUSTO FIXO (-) DESPESA FIXA LUCRO LÍQUIDO Preço Unitário X Quant. (-) C.V. Unitário X Quant. (-) D.V. Unitária X Quant. MCU X Quantidade

83 Custeio Variável O conceito de equilíbrio É o ponto no qual a Margem de Contribuição se iguala ao somatório dos custos e despesas fixas e a entidade não forma lucro nem incorre em prejuízo

84 Análise Custo-Volume-Lucro Ponto de Equilíbrio

85 Se no ponto de equilíbrio, o Lucro Líquido é igual a zero, então:

86 Exercícios

87 UMA EMPRESA POSSUI O SEGUINTE DRE: (220)60LUCRO CUSTO INDIRETO CUSTO DIRETO RECEITA TOTALELETROMÓVEISTAPEÇARIA SABENDO QUE, PARA ESTA EMPRESA, TODOS OS CUSTOS VARIÁVEIS SÃO DIRETOS E QUE OS CUSTOS INDIRETOS SÃO DESCRITOS ABAIXO, REFAÇA O QUADRO PELO MÉTODO VARIÁVEL E DÊ SUA OPINIÃO SOBRE O FIM O NÃO DE ALGUM DEPARTAMENTO. OS CUSTOS INDIRETOS SÃO: 300,00Deprec. Eletro300,00Água-esgoto200,00Sal. Eletro 100,00Deprec. Móveis400,00Aluguel100,00Sal. Móveis 50,00Deprec. Tapeç.200,00Luz50,00Sal. Tapeç.


Carregar ppt "FORMAÇÃO DE PREÇOS O importante não é oferecer ao consumidor o preço mais baixo para um determinado produto, mas assegurar o maior valor a este consumidor,"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google