A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Professor; Leandro Laranjeira Rodrigues Aula 1 Competências Profissionais.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Professor; Leandro Laranjeira Rodrigues Aula 1 Competências Profissionais."— Transcrição da apresentação:

1 Professor; Leandro Laranjeira Rodrigues Aula 1 Competências Profissionais

2

3 Competências Habilidades Atitudes O FUTURO PROFISSIONAL Conhecimentos

4 C.H.A. O que são as Competências. Competência – Conjunto de conhecimentos, habilidades e atitudes que possibilitam desempenhar determinada função na busca de resultados concretos. Competência pressupõe: - operações mentais; - capacidade para usar habilidades; - emprego de atitudes adequadas à realização de tarefas;

5 Como se definem Competências Habilidades ? É a prática de determinadas habilidades que constrói a competência. Abriga três dimensões:

6 O conhecimento é o saber. Envolve a educação formal, saber o que, saber o porquê, saber para que e a capacidade de aprender; A habilidade é o saber-fazer. São as experiências, o saber como, as técnicas, o conhecimento tácito e o modelo mental; A atitude é o saber ser. Ou seja, ter determinação,responsabilidade,comprometimento, motivação e iniciativa.

7 1.Conhecimento – informação adquirida através de estudos ou pela experiência que uma pessoa utiliza. Saber 2.Habilidade – é a capacidade de realizar uma tarefa ou um conjunto de tarefas em conformidade com determinados padrões exigidos pela organização. Saber fazer 3.Atitude – comportamento manifesto que envolve habilidade e traços de personalidade, diretamente relacionado com o querer e a ação. Querer fazer 1.Conhecimento – informação adquirida através de estudos ou pela experiência que uma pessoa utiliza. Saber 2.Habilidade – é a capacidade de realizar uma tarefa ou um conjunto de tarefas em conformidade com determinados padrões exigidos pela organização. Saber fazer 3.Atitude – comportamento manifesto que envolve habilidade e traços de personalidade, diretamente relacionado com o querer e a ação. Querer fazer

8

9 C C H H A A ConhecimentoHabilidade QUERER FAZER Atitude SABER TÉCNICA SABER FAZER

10 Iniciativa Criatividade Flexibilidade Comunicação Foco no Cliente Foco em Resultado... Idiomas Normas Técnicas Informática Ferramentas Cálculos Matemáticos... C C H H A A ConhecimentoHabilidade QUERER FAZER Atitude SABER TÉCNICA SABER FAZER

11 Competências valorizadas no Mercado Flexibilidade Adaptabilidade Trabalho em equipe Criatividade Iniciativa Liderança Postura Empreendedora Domínio das novas tecnologias Capacidade para resolver problemas.

12 Capital Humano É a parte mais importante da empresa e é desconhecida É o motor de geração de valor para os demais ativos da empresa. Caso esse motor esteja fraco ou mal direcionado, a empresa perde a competitividade e espaço no mercado. É um ativo INTANGÍVEL. Por isso as empresas tem que criar maneiras de reter esses talentos.

13 COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL O Comportamento Organizacional trata-se de uma área da Administração que busca avaliar o impacto que os indivíduos possuem para uma empresa

14 Consiste no estudo sistemático do comportamento humano focando ações e atitudes dos indivíduos, grupos no ambiente das organizações. produtividade, reduz absenteísmo e a roNo intuito de alcançar tatividade e promove a cidadania organizacional. COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL

15 VISÃO SISTÊMICA Para entender a visão sistêmica dentro de uma organização devemos primeiro entender o pensamento sistêmico.

16 Conceito Pensamento Sistêmico O pensamento sistêmico, de uma forma geral, pode ser definido como uma nova forma de percepção da realidade.

17 Segundo Capra (1996) quanto mais são estudados os problemas de nossa época, mais se percebe que eles não podem ser entendidos isoladamente. São problemas sistêmicos, o que significa que estão interligados e são interdependentes. Deve-se sempre partir do princípio de que o todo e mais que a soma das partes, tendo desta forma o sistema como um todo integrado cujas propriedades essenciais surgem das inter-relações entre suas partes. Entender a realidade sistemicamente significa, literalmente, colocá-la dentro de um contexto e estabelecer a natureza de suas relações.

18 VISÃO SISTÊMICA Consiste na compreensão do todo a partir de uma análise global das partes e da interação entre as mesmas. Várias forças atuam em um sistema em funcionamento, sejam estas internas ou externas.

19 Visão Sistêmica A visão sistêmica só é possível, a partir do conhecimento das características e conceito dos sistemas. Um sistema nada mais é que um conjunto de elementos interconectados, que forma uma unidade organizada. Essa unidade, para funcionar adequadamente, precisa ter seus elementos trabalhando em harmonia, para poder atingir determinada finalidade.

20 Empregabilidade Empregabilidade é ter a possibilidade, a condição de conseguir trabalho e remuneração, independentemente da idade e de estar ou não empregado. (Minarelli, 1995) Empregabilidade é estar sempre qualificado para o trabalho, seja ele com registro em carteira ou não. (Bueno, 1996) Empregabilidade é a adequação aos postos de trabalho ainda existentes. (Kuenzer, 2001).

21 A tendência não é ter mais um emprego para toda vida, mas sim, se tornar empregável para toda vida. Toda pessoa deve concentrar-se no constante desenvolvimento de suas habilidades, administrar sua carreira para tomar-se empregável.

22 As Bases da Empregabilidade Segundo Minarelli (1995), pode-se considerar como as bases da empregabilidade : Adequação Vocacional Competência Profissional Idoneidade Saúde física e mental Reserva financeira e fontes alternativas Relacionamentos

23 Principais Teorias Motivacionais Teoria da Hierarquia das Necessidades Teoria X e Y Teoria de dois fatores 6

24 TEORIA DA HIERARQUIA DAS NECESSIDADES Autor – Abraham H. Maslow Psicólogo e consultor americano Apresentou uma teoria da motivação segundo a qual as necessidades humanas estão dispostas em níveis, numa hierarquia de importância e influência. Nessa hierarquia das necessidades (Pirâmide de Maslow) encontram-se cinco níveis de necessidades:

25 Fisiológicas Segurança Sociais Estima /Ego Auto Realização

26 Necessidade Fisiológica As necessidades do homens estão organizadas numa série de níveis ou em hierarquia de valor. No nível mais baixo, mas de grande importância quando não satisfeitas, estão as necessidades fisiológicas. O Homem é um animal dotado de necessidades, assim que uma necessidade é satisfeita, surge outra em seu lugar. Processo que não tem fim, do nascimento até a morte. Incluem : fome, sede, abrigo, sexo e outras necessidades corporais;

27 Necessidades Segurança Quando as necessidades fisiológicas estão razoavelmente satisfeitas, as necessidades localizadas no nível imediatamente superior começam a dominar o comportamento do homem; começam a motivá-lo. São as necessidades de proteção contra o perigo e proteção contra danos físicos e emocionais

28 Necessidades Sociais Quando as necessidades fisiológicas do homem estão satisfeitas e ele não está mais temeroso a respeito do seu bem estar físico, suas necessidade sociais tornam-se importante fator de motivação do seu comportamento; Necessidades de participação, de associação, de aceitação por parte dos companheiros, de troca de amizade e afeto vem a tona. Incluem afeição, a sensação de pertencer a um grupo, aceitação e amizade (participação).

29 Necessidades do Ego / Estima Acima das necessidades sociais (aquelas que não motivam até que necessidades de nível mais baixo estejam razoavelmente satisfeitas) estão outras de maior importância para a administração e para o próprio homem: É a necessidade do Ego/Estima Pertence a duas classes; 1.Relacionada com Amor Próprio; autoconfiança, realização, conhecimento, competência. 2.Relacionada com Reputação; status, reconhecimento, aprovação e respeito.

30 Necessidades de Auto-Realização Essas são as necessidades de cada um realizar o seu próprio potencial, de estar em contínuo auto- desenvolvimento. Auto-realização – a intenção de tornar-se tudo aquilo que se pode ser; inclui crescimento, alcance do pleno potencial. A teoria de Maslow pode ser representada por uma escada, onde cada degrau é alcançado após ter sido atingido anterior.

31 TEORIA DE DOIS FATORES Autor – Frederick Herzberg Psicólogo Estudou de que forma e em que grau diversos fatores motivam e desmotivam os empregados. Segundo ele, existem dois tipos que orientam o comportamento das pessoas em situação de trabalho: – Fatores higiênicos – Fatores motivacionais

32 Fatores Higiênicos Chamados Higiênicos porque eles criam as condições básicas e necessárias para que o indivíduo possa trabalhar. Estão localizados no ambiente que rodeia as pessoas e abrangem as condições dentro das quais elas desempenham seu trabalho. Ausência de luminosidade e de ar adequado, um clima interpessoal tenso, salário que não permite a satisfação das necessidades básicas faz com que o indivíduo se sinta insatisfeito.

33 Fatores Motivacionais Estão relacionados com o conteúdo do cargo e com a natureza das tarefas que a pessoa executa (realização pessoal) – Estão sobre o controle do indivíduo. – Exemplo: gosto pelo trabalho, aumento de conhecimentos e responsabilidade.

34 TEORIA X E TEORIA Y Autor – Douglas McGregor Estudou os métodos de influência e as limitações da autoridade concluindo ser preciso adequar a forma de exercício da autoridade ao grau de dependência dos subordinados. Em função das limitações da autoridade, McGregor passou a estudar as formas mais adequadas de administrar e de conduzir os subordinados para alcançar melhores resultados. Identificou dois estilos de gestão a que chamou de teoria X e teoria Y.

35 Teoria X Segundo a Teoria X o ser humano médio é, por natureza, avesso ao trabalho e o evitará sempre que puder. Por causa dessas característica humana, a maioria das pessoas devem ser coagidas controladas, dirigidas, ameaçadas de punição para que delas se consiga esforço adequado no sentido da realização dos objetivos da organização. A Teoria X conduz naturalmente a ênfase nas táticas de controle.

36 Teoria Y Teoria Y é fundamentada na integração. Segundo essa teoria, as pessoas não são, por natureza, passivas nem resistem a necessidades organizacionais. A motivação, o potencial de desenvolvimento, a capacidade de assumir responsabilidades, a presteza em dirigir o comportamento para metas de organização estão presentes nas pessoas. A Teoria Y conduz a preocupação com a natureza dos relacionamentos, com a criação de um ambiente que encoraje o comprometimento com os objetivos da organização, onde o indivíduo exerça auto direção e auto controle

37 TEORIA X E TEORIA Y Teoria X – Necessidades nível baixo dominam o indivíduo Teoria Y – Necessidades nível alto dominam o indivíduo McGregor acreditava que a Teoria Y era mais válida e por isso propôs ideias como tomada de decisão participativa, tarefas desafiadoras que demandam muita responsabilidade e um bom relacionamento em grupo, como formas de maximizar a motivação do funcionário.

38 TEORIA X E TEORIA Y CARACTERÍSTICAS DA TEORIA X Pressupostos – as pessoas são preguiçosas e não gostam de responsabilidade Objetivo das pessoas – segurança individual Motivação para produzir – emprego e remuneração Instrumentos do empresário e dos gerentes – disciplina e prêmios materiais.

39 TEORIA X E TEORIA Y CARACTERISTICAS DA TEORIA Y Pressupostos – as pessoas não são preguiçosas e assumem responsabilidades Objetivo das pessoas – realização pessoal e profissional Motivação para produzir – participação Instrumentos do empresário e dos gerentes – mentalização e treinamento

40 Incentivos McGregor classifica os incentivos em duas categorias: 1.Extrínsecos = Salário, Benefícios adicionais, Promoção 2.Intrínsecos= Auto-respeito, Autonomia, Aquisição de novos conhecimentos, capacidade de solucionar problemas.

41 Liderança – Definição Processo de influenciação voltado para o atingimento de um objetivo. ( Ralph Stogdill) Capacidade de influenciar um grupo em direção ao alcance de objetivos (Robbins, 20100) Um processo pelo qual uma pessoa tenta levar os membros de uma organização a fazer algo que ela deseja (Vecchio, 2008)

42 LIDERANÇA Os líderes influenciam as pessoas por meio do poder de que dispõem (formal – cargo) Cumpre salientar que o líder é muito mais necessário nas situações instáveis O líder é necessário para mudar, logo são AGENTES DE MUDANÇA Nem todos os líderes são administradores, nem todos administradores são líderes Os líderes podem surgir naturalmente no interior de um grupo ou por indicação formal.

43 LIDERANÇA Diferenças entre o líder e o administrador Vários autores tentaram estabelecer diferenças entre o líder e o administrador. Para Warren Bennis temos: Administrador – Assume responsabilidades – Faz acontecer – Opera sobre os recursos físicos da organização, sobre seu capital, habilidades humanas, matérias- primas e tecnologia.

44 LIDERANÇA Líder – Influencia, é um guia, dá direção. – Opera sobre os recursos emocionais e espirituais da organização, sobre seus valores, comprometimento e aspirações. Para Kotter, a liderança é diferente da administração. Ser líder não é algo místico ou misterioso, não tem nada que ver com carisma ou traços exóticos de personalidade, não é apenas para poucos nem tampouco um substituto da administração.

45 LIDERANÇA Estilos de liderança A abordagem dos estilos de liderança se refere àquilo que o líder faz, isto é, o seu estilo de comportamento para liderar. A teoria mais conhecida refere-se a três estilos de liderança: – autoritária – liberal – democrática. (White e Lippitt)

46 LÍDERES AUTOCRÁTICOS : Raramente Conseguem o Melhor Desempenho, Porque as Pessoas Não Gostam do Seu Tratamento. Adotam Comportamento Militar. Militar.

47 Liderança Autocrática Liderança Autocrática – o líder é focado apenas nas tarefas; o líder centraliza as decisões e impõe suas ordens ao grupo; Este tipo de liderança caracteriza-se pela confiança na autoridade e pressupõe que os outros nada farão, se não lhes for ordenado. Geralmente não se importa com o que os liderados pensam e não estimula inovações; Normalmente o líder autocrático se acha indispensável e acredita que sua maneira de fazer as coisas é a correta.

48 Postura paternalista – os outros dependem dele Inspira temor Comumente tem reações coléricas, de irritação, de incompreensão com os erros dos outros. As decisões são tomadas com rapidez – isso é positivo ATENÇÃO: quando um líder autocrático- termina seu mandato, muitas vezes o grupo fica perdido porque não está acostumado a tomar suas próprias decisões. Liderança Autocrática

49 LÍDERES LÍDERES DEMOCRÁTICOS : A Maioria Prefere Trabalhar Com Esse TIPO. No Entanto, Precisam de Mais Tempo Para Resolver Problemas do Grupo Aceitam a Opinião dos Membros da Equipe

50 Liderança Democrática Liderança Democrática - também chamada de liderança participativa ou consultiva Participação dos liderados no processo decisório O líder orienta o grupo a executar suas atividades O grupo pode e deve contribuir com sugestões O líder, com sua experiência, deve alertar sobre pontos difíceis e ideias que já foram tentadas no passado e não deram certo de modo a que o grupo entenda que para atingir os objetivos da organização, todos precisam ser responsáveis juntamente com a liderança.

51 Liderança Democrática O líder que aplica este estilo é equilibrado e não receia que haja liderados que sejam melhores que ele, em determinados aspectos. Demora para tomada de decisões em tempos de crises.

52 LÍDERES LIBERAIS : es. Dão Tanta Liberdade Quanto Possível, às Suas Equipes. Possuem Confiança na Capacidade de Julgamento de Seus Colaboradores. Funciona Bem Com Colaboradores Treinados e Motivados

53 Liderança Liberal O líder delega totalmente as decisões ao grupo deixando-o totalmente à vontade e sem controle algum. As equipes tomam decisões e direcionam suas atividades.

54 Liderança Liberal Esse líder não dá ordens, não traça objetivos, não orienta os liderados, deixando às coisas correrem soltas porque acredita que não há necessidade de mudar o que já se conseguiu. Segundo Chiavenato, na prática, o líder utiliza os três processos de liderança, de acordo com a situação, com as pessoas e com a tarefa a ser executada. O desafio da liderança é saber quando aplicar qual estilo, com quem e em que circunstâncias e atividades.

55 LIDERANÇA Estilo Estilo Estilo Autocrático Democrático Liberal Ênfase Ênfase Ênfase No lider no líder e subordinados nos subordinados Líder Subordinados

56 O LÍDER EFICAZ DEVE : ATUAR COMO ORIENTADOR E CONSELHEIRO Fazer Com Que os Outros Realizem Bem Suas Tarefas. Buscar Sempre Seu Autodesenvolvimento

57 Liderança: Modelo dos Traços Modelo baseado na observação das características de inúmeros líderes ( bem e mal sucedidos). Produto Final é relação de traços ou características que permitem a comparação com os líderes potenciais, facilitando sua relação e aprimoramento.

58 5 Traços Compartilhados pela maioria dos Líderes Inteligência: Apresentam nível de inteligência geralmente superior ao dos subordinados. Maturidade: Normalmente apresentam um grau de maturidade mais elevado quando comparado ao de seus liderados. Amplitude de Interesse: Operam com uma variedade de interesses e áreas do conhecimento. Alta Motivação e Necessidade de Realização: São altamente voltados para a obtenção de resultados. Honestidade: Tendem a ser pessoas íntegras, mostram coerência nos valores que defendem.

59 Estilo Comando Sargento: age como se os subordinados não fosse aptos e não tem vontade de assumir responsabilidade. Estilo Venda Professor: os subordinados mostram vontade, mas não se sente preparado para a atividade. Estilo Delegação Gerente comercial: os subordinados mostram vontade e se sentem preparados para a atividade.

60 GRUPOS

61 Grupos Grupo = Agregado de indivíduos. Grupo Psicológico= Corresponde a equipe, formado por pessoas que consideram integrantes de uma determinada unidade, que se relacionam de uma maneira significativa e que comungam das mesmas disposições e valores, possuindo uma identidade coletiva compartilhada.

62 Exemplo Pessoas viajando em um avião de São Paulo – Paris Jovens morenas entre 18 e 25 anos. Integrantes do time de futebol do Santos Público, no estádio, expectador de uma partida de tênis. Pessoas embaixo de uma marquise, procurando abrigar-se da chuva. Em qual destes cinco exemplos encontramos a noção de grupo psicológico ou equipe? R: Time de Futebol

63 Grupo Psicológico / Equipe ´´ Duas ou mais pessoas em uma interação face a face, cada uma consciente de sua participação no grupo, consciente dos outros que participam do grupo e também consciente da interdependência positiva na medida em que se esforçam para alcançar seus objetivos´´

64 É possível que um grupo, formado por um mero agregado de pessoas, venha a se transformar em um grupo psicológico/equipe, em virtude de um evento externo significativo, como por exemplo; 1.Incêndio 2.Inundação Todos esses fenômenos com perigo eminente fazem com que existam interações interpessoais e também o surgimento de algum líder.

65 Vantagens de Trabalhar em Grupo 1.Permite que as organizações desenvolvam e entreguem produtos ou serviços com maior rapidez e menor custo. 2.Permite que as organizações aprendam e retenham o conhecimento de uma forma mais eficaz. 3.Grupos interfuncionais promovem a melhoria da gestão da qualidade.

66 EQUIPES

67 Eficiência Eficácia Efetividade Administração

68 Eficiência Está ligado aos meios. Quando falamos em eficiência ou aumento da mesma, estamos pensando em : 1.Redução de custos 2.Diminuição dos tempos nas operações 3.Em maior produtividade, o que permitirá ampliar os mercados consumidores.

69 Eficácia Está ligado aos fins. Está ligado a consecução dos objetivos pretendidos. Busca sistemática de resultados. Somos eficazes na medida em que realizamos os que nos propomos a realizar. Exemplo jogo de futebol onde o objetivo é vencer e ao final o placar é favorável.

70 Efetivade Está ligado á responsabilidade pública. Está ligado a ética

71 Comunicação A comunicação tem papel fundamental no dia a dia das organizações e das pessoas. Várias empresas sofrem com problemas de falta de comunicação, o que dificulta o cumprimento de suas metas e deixa desfavorável o clima organizacional. Frases comuns: 1.O problema desta empresa é a comunicação 2.Ninguém se comunica com ninguém 3.O meu departamento é sempre o ultimo a saber

72 Comunicação - Conceito É o processo de transferir informação, significado e compreensão, de um emissor para um receptor. O problema é não apenas comunicar-se, mas comunicar-se bem, com eficácia. Exemplo: O exercício da liderança em um contexto organizacional não pode ser compreendido sem que o líder seja efetivamente um excelente comunicador.

73 Comunicação A comunicação pressupoe a existência de cinco componentes e quatro ações. Componentes: 1.Emissor da informação. 2.Mensagem 3.Meio utilizado 4.Ruído (os) 5.Receptor

74 Comunicação As Quatro ações; 1.A codificação da informação 2.O ato de enviar 3.O recebimento 4.Decodificação da informação

75 Modelo Básico de Comunicação O emissor origina a mensagem ao codificá-la, isto é, ao construíla. Mensagem é o conteúdo da comunicação. O emissor envia a mensagem através de um meio. Um meio corresponde a forma de transmissão e não a mensagem propriamente dita.( Ex meios – palavra falada, gestos, vídeo) O Receptor então codifica a mensagem, isto é interpreta (é comum no decorrer do processo haver interferências, telefonemas,interrupções em função de visita, reuniões não planejadas) a isso chamamos de ruidos.

76 Comunicação Ruídos podem contribuir para que haja interpretações erroneas. Somente através de um processo de feedback( retroalimentação) é que o sentido correto isto é, pretendido pela mensagem original, poderá ser restabelecido.

77

78 EMISSORMENSAGEMCANAL RECEPTOR FEEDBACK RUÍDOS

79 Formas de comunicação A comunicação pode se dar de forma : 1.VERBAL 2.NÃO VERBAL.


Carregar ppt "Professor; Leandro Laranjeira Rodrigues Aula 1 Competências Profissionais."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google