A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

MOTIVAÇÃO NO TRABALHO Profª Ana Lana. Motivação: conceito É o processo psicofisiológico responsável pelo desencadeamento, pela manutenção e pela cessação.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "MOTIVAÇÃO NO TRABALHO Profª Ana Lana. Motivação: conceito É o processo psicofisiológico responsável pelo desencadeamento, pela manutenção e pela cessação."— Transcrição da apresentação:

1 MOTIVAÇÃO NO TRABALHO Profª Ana Lana

2 Motivação: conceito É o processo psicofisiológico responsável pelo desencadeamento, pela manutenção e pela cessação de um comportamento. Corresponde a um estado interior que induz o indivíduo a assumir um comportamento, podendo ser analisada pela direção, intensidade e persistência do comportamento.

3 SATISFAÇÃO E INSATISFAÇÃO NO TRABALHO (HERZBERG) f. higiênicos INSATISFAÇÃO NÃO INSATISFAÇÃO f. motivacionais NÃO SATISFAÇÃO SATISFAÇÃO Fatores higiênicos – relacionados ao ambiente humano, funcionando para impedir a insatisfação no trabalho. Ex: remuneração, segurança, relações interpessoais. Fatores motivacionais – relacionados à tarefa, funcionando para promover a satisfação no trabalho. Ex: características específicas do trabalho, concretização da tarefa, reconhecimento, responsabilidade, desenvolvimento.

4 Teorias da Motivação Teorias de Conteúdo: foco nas necessidades (o comportamento é orientado para sua satisfação). Teorias de Processo: foco no processo de tomada de decisão (o comportamento resulta de percepções, expectativas e objetivos pessoais).

5 1 – Teorias das Necessidades (conteúdo) 1.1 – Hierarquia das Necessidades (Maslow) (5) Auto-realização (4) Estima (3) Sociais (2) Segurança (1) Fisiológicas

6 1.2 – Modelo E.R.C. (Alderfer) As necessidades não são hierarquizadas. EXISTÊNCIA = NECESSIDADES FUNDAMENTAIS À SOBREVIVÊNCIA (CONCRETAS) RELACIONAMENTO = NECESSIDADES SOCIAIS (RELACIONAMENTO INTERPESSOAL) CRESCIMENTO = NECESSIDADES DE DESENVOLVIMENTO (ADAPTAÇÃO AO MEIO)

7 Existência Relacionamento Crescimento 1.2 – Modelo E.R.C. (Alderfer)

8 1.3 – Teoria de McClelland Três tipos de necessidades se apresentam em níveis variados nas pessoas, conforme seus perfis psicológicos e os processos de socialização a que se submeteram: 1.NECESSIDADES DE REALIZAÇÃO 2.NECESSIDADES DE PODER 3.NECESSIDADES DE AFILIAÇÃO

9 2 – Teoria da Intencionalidade e das Expectativas (processo) A INTENÇÃO PARA AGIR É A FORÇA PROPULSORA DO COMPORTAMENTO. OS INDIVÍDUOS TÊM OBJETIVOS QUE DESEJAM ALCANÇAR E AGEM INTENCIONALMENTE DE ACORDO COM A PERCEPÇÃO QUE TÊM DA REALIDADE. É O OBJETIVO QUE DÁ O IMPULSO, OU SEJA, MOBILIZA ENERGIAS DE UM INDIVÍDUO PARA REALIZAR ALGO (MOTIVA). A AÇÃO OCORRE SEGUNDO UMA VISÃO ANTECIPADA OU EXPECTATIVA DE ATINGIR UM OBJETIVO. O INDIVÍDUO CONSIDERA, NA ANÁLISE DAS ALTERNATIVAS DE AÇÃO: 1.SUA CAPACIDADE DE CUMPRIR A TAREFA; 2.SUA CRENÇA DE QUE O DESEMPENHO O LEVARÁ AO RESULTADO DESEJADO; 3.A VALORIZAÇÃO DO RESULTADO E DA RECOMPENSA FRENTE A OUTRAS OPÇÕES COMPORTAMENTAIS.

10 2.1 – Teoria da Expectância (Vroom) A MOTIVAÇÃO É UMA FORÇA DE NATUREZA EMOCIONAL E CONSCIENTE, QUE É ATIVADA QUANDO A PESSOA É LEVADA A ESCOLHER ENTRE DIVERSOS PLANOS DE AÇÃO. A ESCOLHA OCORRE EM FUNÇÃO DE TRÊS CONCEITOS COGNITIVOS: VALÊNCIA, INSTRUMENTALIDADE E EXPECTÂNCIA. 1.VALÊNCIA = GRAU DE ATRAÇÃO OU REPULSA PELO RESULTADO PRETENDIDO. 2.INSTRUMENTALIDADE = VISUALIZAÇÃO DA RELAÇÃO ENTRE A AÇÃO E A OBTENÇÃO DO RESULTADO. 3.EXPECTÂNCIA = CRENÇA NA PROBABILIDADE DE ATINGIR OS RESULTADOS.

11 2.2 – Teoria do Estabelecimento de Metas (Locke e Latham) O COMPORTAMENTO DAS PESOAS É MOTIVADO POR SUAS INTENÇÕES E SEUS OBJETIVOS. AS PESSOAS EMPENHAM ESFORÇOS NA CONSECUÇÃO DE SEUS OBJETIVOS; O DESEMPENHO NO TRABALHO É UMA FUNÇÃO DOS OBJETIVOS CLARAMENTE DEFINIDOS. CICLO DO PROCESSO MOTIVACIONAL: DESEJO (VALOR) – TRADUÇÃO DO DESEJO EM INTENÇÕES (METAS) – AÇÃO PARA CONCRETIZAR INTENÇÕES (DESEMPENHO) – SATISFAÇÃO ALCANÇADA COM OS RESULTADOS DO DESEMPENHO – REORIENTAÇÃO DE VALORES, METAS E DESEMPENHO POR MEIO DE FEEDBACKS

12 2.3 – Teoria da Auto-Eficácia (Bandura) A MOTIVAÇÃO E O DESEMPENHO SÃO EM PARTE DETERMINADOS PELA CRENÇA DAS PESSOAS SOBRE O QUANTO ELAS PODEM SER EFICIENTES. PESSOAS COM GRANDE AUTO-EFICÁCIA ACREDITAM SER CAPAZES DE REALIZAR TAREFAS E SERÃO MOTIVADAS A APLICAR O ESFORÇO NECESSÁRIO PARA ISSO; PESSOAS COM PEQUENA AUTO-EFICÁCIA NÃO SERÃO MOTIVADAS A SE ESFORÇAR. AUTO-EFICÁCIA É A EXPECTATIVA DE QUE SE PODE ALCANÇAR COM SUCESSO UMA AÇÃO, QUE TRARÁ RESULTADOS POSITIVOS PARA A PESSOA. A AUTO-EFICÁCIA RELACIONA-SE A TAREFAS ESPECÍFICAS OU DETERMINADAS AÇÕES.

13 2.4 - Teoria da Auto-Regulação (Kanfer) O PROCESSO DE AUTO-REGULAÇÃO ENVOLVE TRÊS COMPONENTES: 1.AUTO-OBSERVAÇÃO: ATENÇÃO DIRIGIDA PARA A PRÓPRIA PESSOA (PERCEBER). 2.AUTO-AVALIAÇÃO: COMPARAÇÃO ENTRE OS OBJETIVOS PRETENDIDOS E AS CONDIÇÕES PESSOAIS PARA ATINGÍ-LOS (COMPARAR). 3.AUTO-REAÇÃO: RESPOSTA AFETIVA À AUTO- AVALIAÇÃO POSITIVA OU NEGATIVA E À CRENÇA NA CAPACIDADE DE REALIZAÇÃO (AGIR).


Carregar ppt "MOTIVAÇÃO NO TRABALHO Profª Ana Lana. Motivação: conceito É o processo psicofisiológico responsável pelo desencadeamento, pela manutenção e pela cessação."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google