A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

C.O. - Motivação - parte I 1 O QUE FAZ ALGUMAS PESSOAS DAREM O MÁXIMO DE SI ENQUANTO OUTRAS PROCURAM APENAS FAZER O MÍNIMO INDISPENSÁVEL ? O QUE GERA ENTUSIASMO.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "C.O. - Motivação - parte I 1 O QUE FAZ ALGUMAS PESSOAS DAREM O MÁXIMO DE SI ENQUANTO OUTRAS PROCURAM APENAS FAZER O MÍNIMO INDISPENSÁVEL ? O QUE GERA ENTUSIASMO."— Transcrição da apresentação:

1 C.O. - Motivação - parte I 1 O QUE FAZ ALGUMAS PESSOAS DAREM O MÁXIMO DE SI ENQUANTO OUTRAS PROCURAM APENAS FAZER O MÍNIMO INDISPENSÁVEL ? O QUE GERA ENTUSIASMO ?

2 C.O. - Motivação - parte I2 Suposições Administrativas sobre a Natureza Humana : Gerentes profissionais tem suas próprias teorias sobre como motivar seus subordinados; Teoria X e Teoria Y (Douglas McGregor) – seus pressupostos atuam como determinantes básicos das maneiras como administradores preferem controlar as pessoas no trabalho; As suposições sobre as pessoas influenciam a abordagem à motivação.

3 C.O. - Motivação - parte I3 Três áreas principais de interesse : O que energiza o comportamento humano ? (Teorias Estáticas ) O que dirige esse comportamento ? (Teorias de Processo) Como certos comportamentos podem ser sustentados ou mantidos ao longo do tempo ? (Teorias baseadas no Ambiente)

4 C.O. - Motivação - parte I4 A Hierarquia das Necessidades de Maslow FISIOLÓGICAS – manutenção da integridade e bem estar físicos, sobrevivência. SEGURANÇA – estabilidade, previsibilidade de futuro. SOCIAIS – relacionamento interpessoal, dar e receber afeto e aceitação. AUTO ESTIMA – reconhecimento e valorização do indivíduo. AUTO-REALIZAÇÃO – realização do próprio potencial, prazer com o trabalho.

5 C.O. - Motivação - parte I5 CRÍTICAS À MASLOW Não existem pesquisas para validar a teoria Não foi encontrada sustentação para a hierarquia das necessidades SEU PRINCIPAL VALOR : Reconhecimento e identificação das necessidades individuais com o propósito de motivar o comportamento

6 C.O. - Motivação - parte I6 A Teoria ERC (ERG) de Clayton Alderfer Necessidades de : Existência (Existence) – sobrevivência, condições mínimas para o bem-estar; Relacionamento (Relationship) – sociabilidade, contato interpessoal; Crescimento (Growth) – realização pessoal/profissional, evolução de conhecimentos e habilidades, exercício de poder;

7 C.O. - Motivação - parte I7 A Teoria das Necessidades Adquiridas de McClelland Realização – utilizar as próprias habilidades no desenvolvimento das tarefas, alcançar resultados através do próprio esforço, enfrentar e vencer desafios; Poder – exercer influência, alcançar resultados por meio do trabalho de outras pessoas; Afiliação/Associação – relacionar-se interpessoalmente, ser aceito pelo outro, oferecer e obter aprovação; Esta teoria afirma que as necessidades são adquiridas através das experiências vividas:

8 C.O. - Motivação - parte I8 Pressupostos de McLelland : Sugere que a motivação é mutável, mesmo na idade adulta; Sendo adquiridas, as necessidades podem ser aprendidas, portanto, treinadas;

9 C.O. - Motivação - parte I9 A Teoria da Motivação-Higiene de Frederick Herzberg FATORES DE HIGIENE Relacionados ao AMBIENTE – ao TER SE AUSENTES : CAUSAM INSATISFAÇÃO SE PRESENTES : NÃO AUMENTAM A MOTIVAÇÃO FATORES MOTIVADORES Relacionados ao TRABALHO EM SI – ao SER SE AUSENTES: NÃO TÊM GRANDE IMPORTÂNCIA SE PRESENTES: SÃO FORTES MOTIVADORES

10 C.O. - Motivação - parte I10 FATORES DE HIGIENE Política e Administração da empresa; Supervisão, Relacionamento como supervisor, colegas e subordinados; Condições de Trabalho; Salário; Vida Pessoal; Segurança FATORES MOTIVADORES Realização; Reconhecimento; O trabalho em si; Responsabilidade; Progresso/crescimento A Teoria da Motivação-Higiene de Herzberg

11 C.O. - Motivação - parte I11 CRÍTICAS À HERZBERG : Preconceito de auto-serviço – tendência a atribuir a satisfação a méritos próprios e insatisfações à causas externas; Possível contaminação das interpretações por parte dos pesquisadores; Afirma a relação satisfação-produtividade, mas não pesquisou a produtividade SEU PRINCIPAL VALOR : Nova forma de se pensar sobre a motivação dos trabalhadores (dimensão satisfação – insatisfação); Ainda é uma referência quando se tenta aplicar as teorias na reformulação do trabalho, desenvolvimento de carreiras e em outros tipos de intervenções.

12 C.O. - Motivação - parte I12 RELAÇÃO ENTRE OS MODELOS MOTIVACIONAIS DE CONTEÚDO ESTÁTICO (fonte : BUONO e BOWDITCH, 2004) FISIOLÓGICAS SEGURANÇA SOCIAIS AUTO - ESTIMA AUTO - REALIZAÇÃO EXISTÊNCIA AFILIAÇÃO CRESCIMENTO RELACIONAMENTO PODER REALIZAÇÃO Fatores de Higiene Motivadores Necessidades básicas Necessidades de nível superior


Carregar ppt "C.O. - Motivação - parte I 1 O QUE FAZ ALGUMAS PESSOAS DAREM O MÁXIMO DE SI ENQUANTO OUTRAS PROCURAM APENAS FAZER O MÍNIMO INDISPENSÁVEL ? O QUE GERA ENTUSIASMO."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google