A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Homogêneo TC: 45-65 UH (média de 8 UH a mais que o baço) após contraste, atenuação menor que a do baço. RM: T1 intermediário, semelhante ao pâncreas e.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Homogêneo TC: 45-65 UH (média de 8 UH a mais que o baço) após contraste, atenuação menor que a do baço. RM: T1 intermediário, semelhante ao pâncreas e."— Transcrição da apresentação:

1

2 Homogêneo TC: UH (média de 8 UH a mais que o baço) após contraste, atenuação menor que a do baço. RM: T1 intermediário, semelhante ao pâncreas e menor que do baço T2 hipossinal,maior que do músculo e menor que do baço

3

4 Acúmulo reversível de triglicerídeos no citoplasma dos hepatócitos; Associa- se a hepatopatia alcoolica, obesidade, DM, desnutrição, nutrição parenteral, hepatite, uso de corticóide, fibrose cística, Sind. Reye, dça por depósito de glicogênio, trauma, gravidez, QT (metotrexato), ICC, tetraciclina e deficiência de glicogênio sintetase.

5 Alcoolismo Diabetes mellitus Obesidade Desnutrição Nutrição parenteral Hepatite Severa (esteatohepatite) Corticoterapia, QT Fibrose Cística Trauma, transplante hepático Gravidez Doença de depósito do glicogênio Uso excessivo de tetraciclinas Causas Raras

6 QC : Assintomático; Hepatomegalia, dor abdominal, alteração nas provas de função e raramente insuficiência hepática com icterícia e encefalopatia.

7 TC: - Diminuição da atenuação hepática em imagens sem contraste IV ou menor que o baço em casos mais leves. - Menor atenuação que o sangue nas veias porta e cava inferior. RM: Gradiente Echo em fase e fora de fase Queda de sinal na seqüência fora de fase

8

9 Infiltração gordurosa Fígado normal

10

11 Focal: Configuração segmentar ou cuneiforme; Ausência de efeito expansivo; Não altera o curso dos vasos; Adjacente a fissura do ligamento redondo; Diag. Dif.: Neoplasia, abscesso e infarto.

12

13

14

15 ESTEATOSE MULTINODULAR

16 Preservação focal: -Fossa vesicular adjacente a fissura interlobar; -Subcapsular; - Segmento medial do lobo esquerdo, adjacente a veia porta.

17

18

19 Focal: Configuração segmentar ou cuneiforme; Ausência de efeito expansivo; Não altera o curso dos vasos; Adjacente a fissura do ligamento redondo; Diag Dif: Neoplasia, abscesso e infarto.

20 Preservação focal: - Fossa vesicular adjacente a fissura interlobar; -Subcapsular; - Segmento medial do lobo esquerdo, adjacente a veia porta. RadioGraphics 2006; 26:1409–1418

21

22 Ciclo de inflamação, regeneração e fibrose. Nodulos de regeneração: Micronodular (3mm) Macronodular (>3mm) Mista

23 Micronodular: etilismo Macronodular: hepatite viral Doença de Wilson Colangite esclerosante Hemocromatose Drogas Fibrose cística Def de alfa-1-antitripsina Doença do armazenamento do glicogênio Budd-Chiari

24 Complicações: Hipertensão portal HCC Insuficiência hepática

25 Redução do volume lobo direito segmento medial do lobo esquerdo Hipertrofia lobo caudado segmentos laterais do lobo esquerdo; Contornos lobulados

26

27

28 Morte celular: necrose Fibrose: tec. conjuntivo Regeneração Nodular

29 Nódulos de regeneração Atenuação e realce semelhante ao parênquima a TC Iso em T1 e T2 / hiper em T1 Depósito de hemossiderina Podem ser hiperatenuantes a TC S/C Hipossinal em T1 e T2.

30

31 Ascite Esplenomegalia Vasos colaterais

32

33

34

35 Schistosoma mansoni; Forma hepatoesplênica: Hepatomegalia, com assimetria dos lobos, aumento do lobo esquerdo e redução do direito Fibrose de Symmers: espessamento da cápsula de Glisson, fibrose peri-portal Hipertensão portal.

36 Hiperecogenicidade periportal (espessamento fibroso periportal) Veia porta no hilo hepático Extensão para ramos intra-hepáticos Aumento do lobo hepático esquerdo Redução do lobo direito Hiperecogenicidade perivesicular Extensão da fibrose periportal

37 Intensa fibrose periportal Atrofia do LHD do LHE

38 Espessamento da cápsula de Glisson Intensa fibrose periportal Atrofia do LHD do LHE Afastamento das fissuras Baço Aspecto micronodular Nódulos de Gamma-Gandy

39 T2- identificou o espessamento periportal que se revela como sinal hiperintenso (setas vermelhas) e esplenomegalia (seta branca); o ultra-som do fígado põe em evidência a parede espessada da vesícula biliar e traves fibróticas que penetram o parênquima hepático (seta branca à esquerda).

40 Hepatopatia crônica - esquistossomose Fibrose perivesicular Fibrose periportal

41

42

43 Hemocromatose: deposição aumentada de ferro com alteração funcional do órgão Hemossiderose: deposição aumentada de ferro sem lesão estrutural do órgão O fígado é o primeiro órgão a ser afetado Hemossiderose: hipossinal no fígado, baço e medula óssea. Hemocromatose: hipossinal no pâncreas e sinal normal no baço e medula óssea.

44 Biópsia hepática --- avaliação direta da concentração de ferro hepática Avaliação indireta: Ferro sérico Ferritina sérica Saturação de transferrina Avalia concentração de Fe no organismo e não no fígado

45

46 Primária (idiopática ou hereditária) Defeito congênito na mucosa intestinal aumenta a absorção do Ferro ingerido 4 a e 5 a décadas Hepatomegalia (90%), hiperpigmentação, diabetes Fibrose, cirrose e HCC ( %) 89% de sobrevida em 5 anos, quando tratado Secundária - Hemossiderose Pós - transfusão Sintomas semelhantes (figado, baco, linfonodos) Deposito de ferro sem dano tecidual

47 RM--- avaliação não invasiva Determinação indireta da concentração de ferro Avaliar gravidade da doença Programação e avaliação da resposta ao tratamento

48 RM O acúmulo de ferro no parênquima hepático altera o tempo de relaxamento T2 do fígado Redução da intensidade de sinal nas imagens ponderadas em T2 A sequência gradiente eco (GRE) é a mais sensível à presença de ferro ---- T2 *

49 TC: Difuso da densidade (>70 UH) RM: Hipossinal (efeito paramagnético do ferro) Diagnóstico Diferencial: Doenca de Wilson e Glicogenoses

50 Imagens ponderadas em T2*, com importante hipossinal do fígado e baço

51 Hemocromatose : deposição de ferro com lesão de órgão. Primária : Dist. hereditário ligado ao HLA; Dist. Mucosa intestinal com aumento da absorção 4 e 5 décadas; QC : DM, hiperpigmentação, sintomas abdominais inespecíficos, hepatomegalia, arritmia, ICC Pacientes não tratados evoluem para cirrose e têm maior probabilidade de HCC (14 a 30 %).

52 Secundária: Anemia crônica com múltiplas transfusões, deficiência congênita de transferrina, cirrose, ingestão excessiva de ferro, porfiria cutânea tardia e complicações de shunting porto-cava.

53 TC : aumento difuso e homogêneo da atenuação do parênquima hepático nas imagens sem contraste, atingindo valores superiores a 80 UH. Esteatose coexistente pode reduzir os valores de atenuação, reduzindo a sensibilidade da TC. Diag. Dif.: Dça por depósito de glicogênio, Dça de Wilson, Amiodarona e sais de ouro. Hemossiderose: hipossinal no fígado, baço e medula óssea. Hemocromatose: hipossinal no pâncreas e sinal normal no baço e medula óssea.

54

55

56

57 Processo inflamatório agudo ou crônico cuja principal etiologia é a viral. Achados inespecíficos. Aguda: Hepatomegalia, esteatose difusa, espessamento da parede vesicular e hipodensidade peri-portal por edema. Crônica: cirrose (HCC).

58 Achados ao US (aguda) maioria aspecto ecográfico normal hepatomegalia hipoecogenicidade difusa (edema) hiperecogenicidade periportal espessamento da parede da vesícula biliar linfonodos no hilo e tronco celíaco crônica: adenopatias abdominais + alterações sugestivas de evolução para cirrose

59

60

61 A irradiação hepática pode pomover: -congestão sinusoidal -hemorragia com atrofia dos hepatócitos TC: faixa bem definida de hipoatenuação. RM: faixa com hipossinal em T1 e hipersinal em T2.

62 6 dias2 meses

63 Doença granulomatosa não caseosa sistêmica de etiologia desconhecida. QC: hepatoesplenomegalia, icterícia, hipertensão portal pré-sinusoidal e insuficiência hepática.

64 Achados inespecíficos: Hepatoesplenomegalia homogênea. Nódulos hipoatenuantes sem realce. Nódulos hipointensos em T1 e T2, sem impregnação significativa após a injeção do agente paramagnético. Linfonodomegalia abdominal.

65

66 SARCOIDOSE

67 Degeneração hepatolenticular Doença autossômica recessiva do metabolismo do cobre.

68 A TC mostra hiperdensidade do parênquima hepático (achado inespecífico), hepatomegalia, degeneração gordurosa (dificulta ainda mais o diagnóstico) e cirrose nos casos mais avançados. A RM pode mostrar a deposição de cobre no fígado como lesões nodulares múltiplas caracterizadas por hipersinal em T1 e hipossinal em T2.

69

70

71 Deficiência hereditária de uma das enzimas envolvidas na síntese ou degradação seqüencial do glicogênio. QC : hipoglicemia, hiperlipidemia, hiperuricemia, e déficit de crescimento. O tipo Ia (doença de von Gierke) tem maior propensão ao desenvolvimento de adenoma hepático.

72 GLICOGENOSE

73

74 Obstrução em qualquer nível das veias hepáticas ou veia cava inferior. Idiopática (25%) ou associada a sind. mieloproliferativas, trauma, hemoglobinúria paroxística noturna, HCC, gravidez, uso de ACO e causa congênitas (anel na VCI). QC na fase aguda: ascite, icterícia, dor abdominal, hepatomegalia e insuficiência hepática. Crônica: sinais e sintomas de hipertensão portal.

75 Aumento hepático global com hipodensidade difusa; Trombose das veias hepáticas e/ou VCI; Fígado em mosaico após a injeção do contraste; Lobo caudado com atenuação normal (drenagem venosa própria); Sinais de hipertensão portal; Trombose da veia porta (20%).

76

77 Estase da drenagem venosa normalmente por ICC ou por pericardite restritiva. Hepatomegalia; Fígado em mosaico após a injeção de contraste; Dilatação das veias hepáticas e da VCI; Se não corrigida, leva à cirrose.

78

79 PRIMÁRIA mulheres de meia idade etiologia auto-imune e associada com outras prurido progredindo lentamente para icterícia ao US alterações texturais com aumento da ecogenicidade periportal, hipertensão portal, esplenomegalia, linfadenomegalia colecistopatia calculosa

80 SECUNDÁRIA obstrução prolongada das vias biliares causas: estenose, cálculos, doença de Caroli, cisto de colédoco, colangite esclerosante, atresia de vias biliares Ao US – normal – alterações texturais, hipertensão portal, esplenomegalia

81

82 23) Todas as seguintes alternativas em relação a hemocromatose são corretas, EXCETO: A) a forma primária é decorrente do aumento da absorção entérica de ferro B) a forma secundária é também chamada de hemossiderose C) não aumenta a probabilidade de desenvolver hepatocarcinoma D) a intoxicação por amiodarona e a doença de Wilson são diagnósticos diferenciais na TC E) as densidades tomográficas são geralmente superiores a 80 UH


Carregar ppt "Homogêneo TC: 45-65 UH (média de 8 UH a mais que o baço) após contraste, atenuação menor que a do baço. RM: T1 intermediário, semelhante ao pâncreas e."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google