A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Ler deixa de ser um ato de decodificar e passa a ser um ato cognitivo. O leitor passa a ter um papel ativo, pois atribui sentido ao texto. O texto deixa.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Ler deixa de ser um ato de decodificar e passa a ser um ato cognitivo. O leitor passa a ter um papel ativo, pois atribui sentido ao texto. O texto deixa."— Transcrição da apresentação:

1 Ler deixa de ser um ato de decodificar e passa a ser um ato cognitivo. O leitor passa a ter um papel ativo, pois atribui sentido ao texto. O texto deixa de ser um depositário de mensagens e passa a ser um objeto de interlocução entre leitor e autor.

2 Um trabalho que prevê um contato com uma diversidade de textos, permite que o aluno conheça diferentes estruturas textuais, amplie seu vocabulário e enriqueça sua produção textual, obtendo melhor desempenho na sua competência comunicativa.

3 É essencial ressaltar que cabe ao professor ensinar seus alunos a realizarem uma leitura crítica, em que eles sejam capazes de atribuir sentido ao que lêem, distinguir contextos, funções, estilos, intenções, argumentos, pontos de vista, etc. Isto torna-se importante para que se desenvolvam leitores mais competentes nas diferentes situações comunicativas, capazes de compreender o mundo ao seu redor e agir de maneira crítica e reflexiva.

4 Formar um leitor competente supõe formar alguém que compreenda o que lê, que possa aprender a ler também o que não está escrito, identificando também elementos implícitos, que estabeleça relações entre o texto que lê e outros textos já lidos, que saiba que vários sentidos podem ser atribuídos a um texto, que consiga justificar e validar a sua leitura a partir da localização de elementos discursivos.

5 O papel do professor é criar situações que permitam a reelaboração dessa percepção anterior de mundo com base na visão trazida pelo conhecimento científico novo. Nessa medida, o professor é também um mediador das linguagens verbal (oral e escrita), gestual, imagética, científica, escolar e cotidiana.

6 Ensinar e aprender a leitura, a gente aprende e ensina toda vez que nos encontramos com a diversidade de textos que existem ou, como educadores, ao promovermos o abraço da criança com o texto.

7 A variedade existente de textos não-literários, às vezes classificados como utilitários: Textos de circulação social, como: –O panfleto; –Os anúncios publicitários de rádio, televisão e revista; –A notícia e a reportagem do jornal; –As tabelas e listas enumerativas; –O bilhete, a carta e o ofício das tramas epistolares; –Receitas e regras de jogos da tipologia instrucional; –Os informativos por natureza, como o verbete de dicionário, de enciclopédia, artigos de revista especializada em um assunto; –Os velhos didáticos também. São todos textos que se escrevem e se lêem, que pedem aproximação e abraço específicos, bem como a literatura.

8 Elody Nunes Moraes - Licenciada em Pedagogia pela Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (FEUSP); - Mestranda na Área de Educação e Linguagem pela FEUSP; - Formada em Comunicação Social pelas Faculdades Integradas Alcântara Machado (FIAM ); - Professora no Ensino Fundamental e Assessora Pedagógica na área de Língua Portuguesa nas redes pública e particular; - Autora de livros didáticos de Língua Portuguesa para o Ensino Fundamental pela Editora Moderna.


Carregar ppt "Ler deixa de ser um ato de decodificar e passa a ser um ato cognitivo. O leitor passa a ter um papel ativo, pois atribui sentido ao texto. O texto deixa."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google