A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

1 Formação em Ação Segundo semestre/2011 Equipe de Língua Portuguesa.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "1 Formação em Ação Segundo semestre/2011 Equipe de Língua Portuguesa."— Transcrição da apresentação:

1 1 Formação em Ação Segundo semestre/2011 Equipe de Língua Portuguesa

2 2 DIRETRIZES CURRICULARES Concepção teórico-metodológica para o trabalho com a Língua Portuguesa na Educação Básica Nas DCE, a linguagem é vista como fenômeno social, pois nasce da necessidade de interação entre os homens. Ensinar a língua materna, a partir dessa concepção, requer que se considere os aspectos sociais e históricos em que o sujeito está inserido, bem como o contexto de produção do enunciado.

3 3 CONTEÚDO ESTRUTURANTE: DISCURSO COMO PRÁTICA SOCIAL O discurso é toda atividade comunicativa entre interlocutores. Os agentes são seres situados num tempo histórico, num espaço geográfico; pertencem a uma comunidade, a um grupo e por isso carregam crenças, valores culturais, sociais, enfim a ideologia do grupo, da comunidade de que fazem parte. Essas crenças e ideologias são veiculadas, ou seja, aparecem nos discursos.

4 4 PRÁTICAS DISCURSIVAS * Prática de oralidade *Prática de leitura *Prática de leitura * Prática de escrita Literatura * Prática de escrita Literatura A Análise Linguística perpassa as três práticas

5 5 CONTEÚDOS BÁSICOS Gêneros Discursivos conforme suas esferas de circulação Caberá ao professor fazer a seleção dos gêneros nas diferentes esferas, de acordo com o Projeto Político Pedagógico, com a Proposta Pedagógica Curricular, com o Plano de Trabalho Docente, considerando o nível de complexidade adequado a cada uma das séries.

6 6 GÊNEROS DO DISCURSO Sempre relacionados a esferas de atividade, os gêneros do discurso são “modos de dizer” apropriados para certas atividades e/ou situações, na medida em que permitem responder adequadamente às demandas de comunicação correspondentes. Segundo Bakhtin, todo gênero envolve um tema, assume uma forma composicional e define um estilo.

7 7 Os gêneros discursivos que circulam na sociedade possuem especificidades, ou seja, características que os distinguem dos demais: foram produzidos considerando seu interlocutor (público-alvo); a situação interlocutiva; o momento de produção; apresentam finalidades, intencionalidades, nem sempre tão explícitas; são influenciados até pelos suportes que carregam estes textos.

8 8 SUPORTES TEXTUAIS Segundo Marcuschi, suporte de um gênero é um locus físico ou virtual com formato específico que serve de base ou ambiente de fixação do gênero materializado como texto. Pode-se dizer que suporte de um gênero é uma superfície física em formato específico que suporta, fixa e mostra um texto. A idéia aqui expressa comporta três aspectos: suporte é um lugar físico ou virtual; tem formato específico; serve para fixar e mostrar o texto.

9 9 JORNAL É nitidamente um suporte com muitos gêneros. Quais gêneros podemos citar, que podem estar presentes nos jornais?

10 Alguns gêneros presentes no jornal • notícias, • reportagens, • editoriais, • propagandas, • artigos, • crônicas e poemas, • ensaios críticos, • charges,anúncios vários, cartas do leitor e notas sociais, • cartas do leitor e notas sociais, • anúncios fúnebres, • convites para missas de sétimo dia • previsões meteorológicas, • resumos de filmes, • horóscopo, diário etc.

11 A Notícia é um gênero jornalístico, que pode ser veiculada em diferentes suportes, além do jornal impresso: blogs, jornais virtuais, revistas entre outros.

12 12 “Gênero textual Notícia, uma proposta de intervenção pedagógica”

13 13 S. D. para o trabalho com o gênero

14 Apresentação do gênero Motivação; estímulo ao gênero que será explorado.

15 15 Poema do Jornal O fato ainda não acabou de acontecer e já a mão nervosa do repórter o transforma em notícia. O marido está matando a mulher. A mulher ensangüentada grita. Ladrões arrombam o cofre. A polícia dissolve o meeting. A pena escreve. Vem da sala de linotipos a doce música [mecânica. Carlos Drummond de Andrade

16 16 O gênero NOTÍCIA pode ser encontrado em diferentes revistas e jornais que circulam na sociedade. Tomaremos como exemplo, uma notícia veiculada no Jornal Gazeta do Povo on line em 03/06/2009 sobre o tema Copa do mundo de 2014.

17 17

18 18 Explorar o que os alunos já conhecem sobre o tema e o gênero a partir dos seguintes questionamentos: TEMAGÊNERO O que você sabe sobre a copa de 2014? O que são “notícias”? Onde obteve essas informações? Onde podemos encontrá- las? Quem as produziu e por quê? Quem as produz? Para quem foram produzidas? Para que tipo de leitor são produzidas? Com que finalidade são produzidas?

19 19 Levar para a sala de aula diferentes notícias, a fim de que os alunos, além de lê-las, possam manuseá-las, atentando para o assunto abordado, sua estrutura, enfim, sua forma de organização. MODELOS DE TEXTOS DO GÊNERO

20 20 Contexto de Produção Função SocialConteúdo temático Tipologia Predominante Quem produziu? Qual o papel social do autor? Qual é o assunto de que trata o texto? Narrativo Onde?Por que os textos foram produzidos? Descritivo Quando?Para quem foram produzidos? Argumentativo Suporte?Os textos atendem a qual necessidade? Expositivo Injuntivo

21 21 CARACTERÍSTICAS DO GÊNERO Após a leitura dos textos, o professor pode indagar os alunos quanto à identificação do gênero. Antecipando as características que serão estudadas na sequência.

22 Texto: O que é uma notícia Esse texto que vamos ler pode ser trabalhado também com os alunos em sala.Ele apresenta uma visão geral sobre o gênero notícia, sem se configurar como um texto teórico em si.

23 23 A partir desse ponto, o professor pode trabalhar com o material impresso para que os alunos possam assimilar as características específicas do gênero, auxiliando-os a identificá-las nos textos recebidos.

24 24 Durante o trabalho com os modelos do gênero em questão, buscou-se explorar características, contexto de produção, função social e tipologia dominante. Após essa etapa, o professor deve proceder com a seleção de um texto do gênero, objetivando explorar, agora, as atividades de: Compreensão/Interpretação, Análise Linguística e Produção Escrita.

25 25 O professor deverá selecionar um texto do gênero estudado, sobre o qual apresentará algumas propostas de atividades que poderão ser trabalhadas após leitura atenta. Porém, antes mesmo de lê-lo, os alunos serão orientados a buscar as seguintes informações no texto: SELEÇÃO DE UM TEXTO DO GÊNERO

26 26 Qual o principal assunto da Notícia? Qual local está sendo enfocado no texto? Em que data ocorreu o fato? Por que razão o assunto virou notícia?

27 27 A) LEITURA E COMPREENSÃO DE TEXTO ATIVIDADES

28 28 CONCEPÇÕES DE LEITURA No livro “Ler e Compreender os sentidos do texto”, as autoras Ingedore Villaça Koch e Vanda Maria Elias apresentam três diferentes concepções de língua, a partir das quais pode-se refletir sobre o trabalho com a leitura, no cotidiano das salas de aula.

29 29 Língua como representação do pensamento Língua como estrutura/código Língua como interação autor↔texto ↔ leitor Nessa concepção, a leitura é entendida como mera captação das idéias do autor, sem levar em conta as experiências e o conhecimento do leitor. O sentido do texto está centrado no autor. Portanto, essa concepção exige do leitor o foco no autor. Concepção pela qual a leitura é entendida como uma atividade que exige do leitor o foco no texto, em sua linearidade. Cabe ao leitor o sentido das palavras e estruturas. Nessa concepção, assim como na anterior, o leitor realiza atividade de reconhecimento, reprodução. Concepção interacional, dialógica da língua, na qual a leitura é uma atividade interativa e altamente complexa de produção de sentidos. Nessa concepção o texto exige do leitor o foco no autor↔texto ↔ leitor. O leitor é visto como autor/construtor social (sujeito ativo que se constrói e é construído no texto).

30 30 Sugestões de Atividades de Leitura e Compreensão

31 31 Após a leitura atenta do texto “Acho que vai ter Copa em Curitiba”, recua secretário, responda: 1) A notícia parte de um conteúdo temático, que nesse caso é a Copa do Mundo de 2014, porém aborda um assunto específico. Qual? 2) Sabendo-se que o lead é o parágrafo inicial onde encontramos resumidamente as informações principais. Releia o lead do texto e descreva a informação principal nele contida.

32 32 3) A Notícia é relatada em terceira pessoa, visando um distanciamento em relação ao fato. Isso leva à objetividade e favorece a credibilidade da informação. Como se dá esse distanciamento na notícia em questão? 4) Nessa notícia, percebe-se uma linguagem expressa em registro culto, no entanto não excessivamente formal, é o que se chama de linguagem intermediária. Comprove essa afirmação com elementos do texto.

33 33 5) O título é muito importante em uma notícia, pois chama a atenção do leitor, ativa e cria expectativas, provocando a prosseguir a leitura da matéria. Sendo assim podemos observar o tamanho das letras e as poucas palavras com informações contundentes e densas as quais constituem umas das características principais do título. Em geral, o título serve como indicador prospectivo das idéias, é orientador da leitura. O que a escolha lexical do título: “Acho que vai ter Copa em Curitiba”, recua secretário revela?

34 34 Espera-se que o aluno perceba que pela escolha lexical do título depreende-se a possibilidade de não haver Copa em Curitiba. Nesse sentido explorar:  O verbo “Acho”, indicando dúvida sobre a realização da Copa de 2014 em Curitiba.  O verbo “recua” indicando que o secretário volta atrás em algum comentário já realizado. Qual seria esse comentário?...

35 35 6) Explorando o Lead O lead mostra o assunto ou destaca o fato essencial, respondendo a algumas perguntas básicas (quem, o quê, quando, onde, como e por quê). Volte ao lead e preencha o quadro a seguir: Quem? O quê? Quando? Onde? Como? Por quê?

36 36 6.1) Em textos literários, também é possível identificar os elementos encontrados nos lides das notícias. (o fato, quem o realizou, quando etc). -No gênero poema. Exemplo que será observado nos versos de Manuel Bandeira: “Poema tirado de uma notícia de jornal”. -No gênero conto. Exemplo que será observado no miniconto “Penha”.

37 37 Poema tirado de uma notícia de jornal João Gostoso era carregador de feira livre e morava no morro da Babilônia num barracão sem [número Uma noite ele chegou no bar Vinte de Novembro Bebeu Cantou Dançou Depois se atirou na lagoa Rodrigo de Freitas e [morreu afogado. (BANDEIRA, Manuel)

38 38 Penha De madrugada, Penha sai para buscar o filho delinquente. Desesperada, não vê o carro. Bate gravemente a cabeça. A mãe não buscaria mais o filho.

39 39 a) Volte ao poema e ao miniconto e preencha os dados que formam o lead de cada texto : PoemaMiniconto Quem? O quê? Quando? Onde? Como? Por quê?

40 40 b) Pedir ao aluno que transforme o texto “Poema tirado de uma notícia de jornal” em um lide de notícia (um parágrafo), criando um título original e tomando o cuidado de incluir os elementos o quê?, quem?, quando?, onde?, por quê? e como? c) Solicitar que o aluno reflita sobre a seguinte questão: O que faz com que esses dois textos sejam literários e não informativos (notícia jornalística)? Leitura do texto de apoio e atividades no material impresso.

41 41 Após o trabalho com a linguagem literária e não literária e a leitura do texto sugerido (incluindo poema e notícia) para subsidiar essa reflexão, indicamos aos professores a utilização do painel [ver material impresso] para sintetizar com os alunos as principais características de ambos os gêneros.

42 42 Retomando a leitura da notícia “Acho que vai ter Copa em Curitiba”, recua secretário... 7) Outras possibilidades de exploração quanto à leitura da notícia depreendem da forma como o texto foi construído, permitindo-nos diferentes leituras do último parágrafo. Nesse sentido, sugerimos o exercício das reflexões a seguir:

43 43 7.1) A sequência dos fatos apresentados: a) Desde o título até o penúltimo parágrafo do texto, o autor demonstra a incerteza de que haja copa em Curitiba, o que é possível perceber pelo desenvolvimento dos fatos apresentados. Quais são esses fatos? Espera-se que o aluno perceba que os fatos se apresentam na seqüência a seguir:

44 44  Existe um risco de não haver Copa em Curitiba;  Esse risco existe em função de um impasse financeiro;  O impasse financeiro é motivado pelo dinheiro necessário para a reforma da Arena da Baixada [estádio que sediará os jogos];  Esse custo é elevado devido a novos fatores de ordem econômica e técnica;  O clube garante que esse acréscimo não saíra de seus cofres;

45 45 b) Apenas no último parágrafo aparece, pela primeira vez no texto, uma oposição à idéia de que pode não haver copa em Curitiba. Comprove essa afirmação com elementos do texto. Espera-se que o aluno perceba que essa oposição se dá pela surpresa que Luiz de Carvalho demonstra em relação ao colega que suscita a dúvida.

46 46 c) Qual a relevância do verbo utilizado na citação do Secretário Municipal; “Tive” no pretérito perfeito, modo indicativo? Espera-se que o aluno perceba que esse tempo e modo verbal indicam uma ação concluída e concreta e que sua utilização é relevante para “atmosfera positiva” criada a partir da afirmação de Luiz de Carvalho “Para mim, Curitiba está na Copa”.

47 47 Embora a objetividade e a impessoalidade caracterizem a notícia, nem sempre isso acontece. A verdade expressa nos meios de comunicação é relativa: permeia-os a ideologia e os interesses específicos de seus proprietários. Assim, manipulam a linguagem de modo a deixar chegar ao público leitor apenas aquilo que lhes interessa e com a versão que lhes convém. Fonte: Folhas “Nos bastidores da Reportagem” das autoras Rosangela Oro Brocardo e Márcia Aparecida de Souza Coelho. 7.2) Intencionalidade/ideologia

48 48 a) Nesse sentido é importante considerar a intencionalidade do autor ao finalizar a notícia com a citação: “Para mim, Curitiba está na Copa”. O fato de o autor ter concluído a notícia com essa citação implica em diferentes leituras. Quais seriam as leituras possíveis, dentro do texto? Espera-se que o aluno perceba as seguintes possibilidades de leitura, as quais devem ser mediadas pelo professor.  Deixar no ar a sensação boa de que teremos Copa “aqui”  Permitir a conclusão de que nada corrobora para a certeza de que haverá de fato Copa em Curitiba.

49 49 b) A utilização da palavra “alheio” possibilita ao autor construir uma certa representação de si mesmo para o leitor do texto. Qual o efeito de sentido resultante dessa escolha lexical? Espera-se que o aluno perceba que, por meio dessa escolha lexical, o autor está dizendo que não há consenso entre as secretarias estadual e municipal em relação ao assunto. E, nesse caso, a alienação de Luiz de Carvalho reforça a ideia de que pode não haver copa em Curitiba.

50 50 Portanto, ao se analisar um texto é imprescindível perguntar-se para quem e por que foi escrito, quem o escreveu, em que situação/contexto, onde, quando e em que suporte foi veiculado. Dessa forma fica mais fácil perceber as possíveis intenções do autor e as entrelinhas do texto.

51 51 B) ATIVIDADES DE ANÁLISE LINGUÍSTICA

52 52 O QUE É ANÁLISE LINGUÍSTICA? “O termo análise linguística (AL) surgiu para denominar uma nova perspectiva de reflexão sobre o sistema linguístico e sobre os usos da língua, com vistas ao tratamento escolar de fenômenos gramaticais, textuais e discursivos. Foi cunhado por Geraldi em 1984 para se contrapor ao ensino tradicional de gramática, para firmar um novo espaço, relativo a uma nova prática pedagógica”. (MENDONÇA, 2007)

53 53 Numa perspectiva sociointeracionista de língua, a análise linguística constitui um dos eixos básicos do ensino de língua materna. Nesse ponto de vista teórico, os estudos linguísticos com um fim em si mesmos perdem o sentido. A AL tem como objetivo central refletir sobre os fenômenos linguísticos e sobre estratégias discursivas, com o foco nos usos da linguagem (MENDONÇA, 2007)

54 54 Segundo Márcia Mendonça, com a análise linguística pretende-se substituir o velho e tradicional modelo de ensino de gramática por práticas que possibilitem a reflexão consciente sobre os fenômenos gramaticais e textual-discursivos que perpassam os usos linguísticos. Prática de Análise Linguística X Aula de Gramática

55 55 Fiorin afirma que na abordagem do texto podem-se analisar os mecanismos sintáticos e semânticos responsáveis pela produção de sentido. Por meio de uma análise que considera os aspectos sintáticos, semânticos e pragmáticos do texto, chegaremos à compreensão das idéias que nele estão presentes. Nesse sentido não se separa a aula de “gramática” da aula de “interpretação”, pois conforme sugere Antunes: “Sem gramática não se faz um texto [e] não se faz um texto apenas com gramática. (adaptado de NEVES, Herbertt. Aspectos sintáticos do texto: uma proposta para o trabalho com texto em sala de aula)

56 56 Sugestões de Atividades de Análise Linguística

57 57 Possibilidades de reflexão sobre a língua: No primeiro parágrafo (lead), pode-se explorar:  A construção verbal “pode perder” indicando uma possibilidade.  O efeito de sentido na expressão “Tratou de mostrar”  A função dos parênteses em (PSB)  A função das aspas na abertura do título, indicando uma citação.  Efeito de sentido que causa no lead a oração “Um dia após admitir que Curitiba pode perder a condição de sede da Copa do mundo de 2014” deslocada de sua ordem direta, nesse caso uma expressão adverbial de tempo. Ao iniciar o parágrafo, essa oração ressalta que houve algum tipo de pressão ao comentário anterior feito pelo Secretário.

58 58 Outros aspectos linguísticos a serem explorados na notícia (parágrafos posteriores ao lead): • Citação: O segundo parágrafo é uma citação, na qual o Secretário explica o porquê de sua dúvida no que diz respeito à realização da Copa em Curitiba. Trabalhar as aspas como sinal gráfico indicativo de citação direta, o que também já foi enfocado no lead.

59 59 • Aposto: O uso de apostos “Secretário Estadual para assuntos relativos à competição, Mario Celso Cunha” ; “... problemas com o Atlético, proprietário da Arena da Baixada”(§1), “...reafirmou ontem o presidente atleticano, Marcos Malucelli” (§5) “o secretário municipal para assuntos da copa, Luiz de Carvalho.” (§6)

60 60 • O texto pode ser segmentado em partes: Entender o texto do ponto de vista dessa segmentação é facilitador, principalmente, para a compreensão das idéias secundárias do mesmo, que podem levar ao entendimento global do texto.  1ª parte: a possibilidade de não haver copa em Curitiba § 1 e 2  2ª parte: a explicação sobre o que motiva essa indefinição § 3, 4 e 5  3ª parte: uma opinião que se contrapõe a essa incerteza § 6

61 61 • A escolha dos verbos no texto (tempo, modo, pessoa e aspecto): Pode-se perceber que não há muitos verbos no texto, o que passa a idéia de que há pouca ou nenhuma ação sendo desenvolvida no sentido de Curitiba sediar a copa, de fato. Dentre os poucos verbos utilizados no texto há verbos como admitir, mostrar, achar, os quais reforçam a ideia de inatividade, pela qual se arrasta a história em torno do fato de Curitiba ser ou não sede da Copa de Os verbos “seria bancado”, “cederiam” (§3) e “teriam” (§4) no futuro do pretérito, englobam valores semânticos pertinentes ao contexto, indicando algo que deveria acontecer, mas ainda não aconteceu.

62 62 • Coesão e Coerência: Dentre as várias formas de coesão textual, esse texto nos permite trabalhar a coesão pela conexão – recurso coesivo que se opera pelo uso de conectores, os quais estabelecem diferentes relações semânticas. As conjunções adversativas, por exemplo, expressam uma relação de oposição, a qual implica um conteúdo que se opõe a algo explicitado ou implicitado em um enunciador anterior. Na notícia em questão, a conjunção “contudo” (§4) expressa uma informação que se opõe a outra do parágrafo anterior. Toda a questão financeira envolvendo Curitiba como uma das sedes da copa de 2014 estaria resolvida se não fosse pelas novas exigências da Fifa, pelo aquecimento no mercado da construção civil e pela inflação.

63 63 •A coerência é de natureza semântica e nos remete a um significado global do texto. Nessa notícia, pode-se observar a progressão como uma forma de coerência textual. Entende-se por progressão a retomada, no texto, dos elementos conceituais e formais, acrescentando-se novas informações. Essa afirmação sustenta-se na organização das informações nos parágrafos:  1º parágrafo: “Curitiba pode perder a condição de sede”  2º parágrafo: “O risco que existe é por causa do impasse financeiro”  3º parágrafo: “A indefinição é motivada pelo dinheiro necessário para a reforma da Arena da Baixada”  5º parágrafo: “O Clube garante que esse acréscimo não sairá de seus cofres”  6º parágrafo: “Alheio aos riscos citados por Cunha...”

64 64 C) PRODUÇÃO E REESCRITA DE TEXTOS

65 65 PRIMEIRA PRODUÇÃO Nesse primeiro momento, o professor deve orientar os alunos para que apresentem um esboço, um rascunho do texto que pretendem produzir. Quando apresentarem essa etapa concluída, deve-se recolher os textos e guardá-los para serem retomados em outro momento, de preferência no dia seguinte. Isso fará com que os alunos se distanciem do texto, facilitando, dessa forma, a reescrita do mesmo.

66 66 SEGUNDA PRODUÇÃO(Primeira Reescrita) Ao retornar à atividade, devolver o texto (rascunho) para os alunos e orientá-los para a leitura do mesmo. Solicitar que fiquem atentos às informações essenciais e à escrita: ortografia das palavras, pontuação, concordância, distribuição no papel etc. Somente após esse momento de revisão é que deverão iniciar a produção. Esta deve aproximar-se o máximo possível da versão final. Terminada a segunda produção, a correção será feita pelo professor, que deverá orientar para o uso da língua, tendo em vista o gênero selecionado, seu(s) objetivo(s) e seu(s) destinatário(s).

67 67 TERCEIRA PRODUÇÃO (Segunda Reescrita) Consiste na produção final do texto em seu suporte de circulação. Porém, caso algum aluno não tenha, ainda, adequado a escrita a sua função de uso, deve ser orientado para uma quarta reescrita. É importante que os alunos compreendam a funcionalidade da língua e coloquem-se como autores do texto produzido, garantindo-lhe objetividade, clareza e correção.

68 68 É o momento de tornar público o texto produzido. Para isso, o professor pode organizar um jornal mural na escola para que os alunos exponham as Notícias que produziram. Pode-se eleger a melhor Notícia visando uma publicação no jornal da cidade. CIRCULAÇÃO DO GÊNERO NA SOCIEDADE


Carregar ppt "1 Formação em Ação Segundo semestre/2011 Equipe de Língua Portuguesa."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google