A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Fundação Universidade Federal do Rio Grande Departamento de Ciências Fisiológicas - Farmacologia Opióides Daniela Martí Barros.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Fundação Universidade Federal do Rio Grande Departamento de Ciências Fisiológicas - Farmacologia Opióides Daniela Martí Barros."— Transcrição da apresentação:

1 Fundação Universidade Federal do Rio Grande Departamento de Ciências Fisiológicas - Farmacologia Opióides Daniela Martí Barros

2 Opióides - são todas as drogas, naturais e sintéticas, com propriedades semelhantes à morfina, incluindo peptídeos endógenos. Opiáceos - são substâncias (alcalóides) derivadas do ópio, como a morfina e algumas semi-sintéticas como a codeína.

3 Histórico do Ópio Obtido da planta denominada Papaver somniferum, por incisão da bolsa de sementes após as pétalas terem caído. O látex branco, torna-se marrom e endurece. Esta goma marrom é o ópio. Utilizado a mais de anos, pelos egípcios, gregos e romanos. Contém cerca de 20 alcalóides, incluindo morfina, codeína, tebaína e papaverina. Em 1803, Sertürner, farmacêutico alemão isolou o principal alcalóide do ópio Morfina

4 Papaver somniferum

5 Obtenção do Ópio

6

7

8 Alterações Estruturais As propriedades antagonistas estão associadas à substituição do radical metil no átomo de hidrogênio por grupos maiores, por exemplo, alil no caso da naloxona. Substituições nos grupos C3 e C6 da morfina alteram as propriedades farmacocinéticas. A substituição por um grupo metil no radical hidroxila fenólico em C3 diminui a suscetibilidade da molécula ao metabolismo hepático de primeira passagem. Ex: codeína maior potência oral: parenteral.

9 Estrutura química dos analgésicos opióides Fenantrênicos Agonistas fortes - Morfina, Hidromorfona, Oximorfona Agonistas Leves a Moderados - Codeína, Oxicodona e Hidrocodona Agonistas-antagonistas mistos - Nalbufina, buprenorfina Antagonistas - Nalorfina, Naloxona e Naltrexona

10 Fenilepitilamidas Agonistas fortes - Metadona Agonistas leves a moderados - Propoxifeno Fenilpiperidinas Agonistas fortes - Meperidina, Fentanil (principais análogos sintéticos) Agonistas leves a moderados - Difenoxilato Derivados sintéticos de estrutura não relacionada com a MORFINA

11 Morfinanos Agonistas fortes - Levorfanol Agonistas-antagonistas mistos - Butorfanol Antagonistas - Levalorfan Benzomorfanos Agonistas-antagonistas mistos - Pentazocina Derivados sintéticos de estrutura não relacionada com a MORFINA

12 Farmacocinética absorção Principais locais de absorção: via subcutânea, transdérmica, intramuscular, mucosa do nariz, boca e TGI. A biodisponibilidade dos opióides utilizados por via oral sofre redução devido ao metabolismo de primeira passagem. Ajuste da dose administrada por via oral>via parenteral. Os comprimidos de opióides possuem duas formas de apresentação Liberação imediata Liberação lenta

13 Liberação Imediata absorção rápida picos plasmáticos elevados riscos de toxicidade maior incidência de efeitos colaterais Liberação lenta conc. equilíbrio 24 h dupla matriz conc analgésicas eficazes por mais tempo (8 -12 h) sem picos plasmáticos de toxicidade

14 Distribuição Ligação a proteínas plasmáticas  albumina e alfa-1 glicoproteína ácida. Distribuição em tecidos altamente vascularizados  pulmões, fígado, baço e rim A conc é menor no tecido muscular, mas este consiste no principal reservatório, devido ao seu volume. A conc no SNC é relativamente baixa em relação a outros órgãos, devido à barreira hematoencefálica. Compostos como a heroína e codeína atravessam mais facilmente a barreira hematoencefálica Esta barreira não está presente em neonatos.

15 Metabolismo Conjugação com ácido glicurônico (morfina) Os ésteres (meperidina e heroína) são hidrolizados por esterases hepáticas.

16 Excreção Podem ser excretados em forma inalterada ou em compostos polares pela urina. Os glicuronídeos são excretados na bile.

17 Vias de administração Via retal (supositórios) Via epidural (anestesia) Via transdérmica (efeitos sistêmicos)  cataplasma de fentanil Via intranasal Analgesia controlada pelo paciente (CAME) - geralmente injeções endovenosas.

18 Farmacodinâmica Receptores opióides -  (um),  (capa),  (delta),  (sigma) Receptores ligados à proteína G Analgesia ao nível supra-espinhal como propriedades euforizantes, depressoras respiratórias e de dependência física decorrem da combinação de receptores  e . Receptor  pode estar relacionado com efeito disfóricos, alucinógenos e estimulantes cardíacos.

19 Receptores Opióides  (mu)  analgesia supra-espinhal, depressão respiratória, euforia e dependência física  (capa)  analgesia espinhal, miose, sedação e disforia  (delta)  alterações no comportamento afetivo  (sigma)  disforia, alucinações, estimulação vasomotora.

20 Distribuição dos receptores corno dorsal da medula espinhal certas regiões subcorticais do cérebro (tálamo, substância cinzenta periaquedutal, locais rostrais e ventrais na medula oblonga)

21 Efeitos dos Opióides Sistema Nervoso Central Afinidade por receptores  percepçãoreação Analgesia - alteração da percepção da dor e da reação do paciente a esta dor. Euforia - sensação agradável de flutuar e estar livre da ansiedade e do desconforto. Sedação - sonolência e turvação da consciência Depressão respiratória - inibição dos mecanismos do tronco cerebral

22 Efeitos dos Opióides Sistema Nervoso Central Supressão da tosse -mais especificamente a codeína. Miose - Rigidez no tronco - aumento do tônus nos grandes músculos do tronco, interferindo na ventilação Náuseas e vômitos - ativação da zona desencadeante quimiorreceptora do tronco cerebral.

23 Efeitos dos Opióides Efeitos Periféricos Trato Gastrointestinal - efeitos constipantes:  da motilidade do estômago e aumento do tônus,  produção de secreção gástrica. - aumento do tônus do intestino delgado e espasmos periódicos. - aumento do tônus do intestino grosso e  das ondas propulsivas  constipação

24 Efeitos dos Opióides Efeitos Periféricos Trato Biliar - contração do músculo liso biliar, pode ocasionar cólicas biliares. Trato genitourinário - depressão da função renal (  do fluxo plasmático renal) -  do tônus do esfíncter uretral pode levar à retenção urinária.

25 Efeitos dos Opióides Efeitos Periféricos Útero - pode haver prolongamento do trabalho de parto Neuroendócrino - estimulação da liberação do hormônio antidiurético, prolactina e somatotropina.

26 Uso dos opióides O tratamento da dor é essencial para a prática médica Há inúmeras situações em que é necessário proporcionar analgesia antes do diagnóstico definitivo.

27 Uso dos opióides Alguns questionamentos... - É necessária a analgesia? - O analgésico opióide vai obscurecer os sinais e sintomas? - Os analgésicos opióides podem agravar a situação do paciente? - Há possibilidade de interações medicamentosas significativas?

28 Uso dos opióides Analgesia - a dor intensa e constante é aliviada com uso de opóides. - a dor associada ao câncer e outras doenças terminais - a administração do opióide a intervalos fixos é mais eficaz no alívio da dor do que a quando solicitada. - utilização em obstetrícia - atenção - os opióides atravessam a BHE do feto, podendo provocar depressão respiratória.

29 Uso dos opióides Edema agudo de pulmão - o mecanismo provável é redução na percepção de falta de ar... -  da pré-carga (redução do tônus venoso) -  da pós-carga (diminuição da resistência periférica)

30 Uso dos opióides Tosse - atualmente seu uso está bastante  pelo desenvolvimento de antitussígenos sintéticos que não causam dependência. Codeína, dextrometorfano, levopropoxifeno Diarréia - elixir paregórico

31 Uso dos opióides Anestesia - medicação pré anestésica - propriedades sedativas, ansiolíticas e analgésicas - podem ser usados com drogas anestésicas primárias (fentanil) - analgésicos regionais ( ação direta sobre a medula espinhal) quando administrados nos espaços epidural ou subaracnóide da medula espinhal  reversão com naloxona

32 Efeitos tóxicos dos analgésicos opióides Comportamento agitado, tremor, reações disfóricas Depressão respiratória Náuses e vômitos Aumento da pressão intracraniana Constipação Retenção urinária Urticária (mais freqüente com adm parenteral)

33 Interações das drogas opióides Sedativos-hipnóticos: maior depressão do SNC, particularmente depressão respiratória. Tranquillizantes antipsicóticos:Sedação maior; efeitos variáveis sobre a depressão respiratória; acentuação dos efeitos cardiovasculares (ações muscarínicas e alfa-bloqueadoras). Inibidores da MAO: Contra-indicação relativa a todos os analgésicos opióides pela elevada incidência de coma hiperpirético e hipertensão.

34 Efeitos indesejados Tolerância - necessidade de doses cada vez maiores para produzir analgesia. Dependência - Síndrome de abstinência que pode ser precipitada pelo uso de um antagonista opióide

35 Preparações disponíveis -- Alfentanil (Alfenta) parenteral - Buprenorfina ( Buprenex) parenteral - Butorfanol (Stadol) parenteral e nasal - Codeína, sulfato ou fosfato (genérico) oral e parenteral - Dezocina (Dalgan) parenteral - Fentanil (Sublimaze) parenteral e sist. Transdérmico - Hidromorfona (Dilaudid) oral, parenteral e retal - Levorfanol (Levo-Dromoran) oral e parenteral - Meperidina (genérico, Demerol) oral e parenteral - Metadona (Dolofina) oral

36 Preparações disponíveis --Morfina, sulfato (genérico, outros) oral, oral de liberação prolongada (MS-Contin), parenteral e retal - Nalbufina (genérico, Nubain) - Oxicodona (genérico) oral - Oximorfona (Numorphan) parenteral e retal - Pentazocina (Talwin) oral e parenteral - Propoxifeno (genérico, Darvon Pulvules, outros) oral - Sufentanil (Sufenta) parenteral

37 Combinações analgésicas - Codeína/acetaminofeno - Codeína/ aspirina - Hidrocodona/acetaminofeno - Oxicodona/acetaminofeno - Oxicodona/aspirina - Propoxifeno/aspirina


Carregar ppt "Fundação Universidade Federal do Rio Grande Departamento de Ciências Fisiológicas - Farmacologia Opióides Daniela Martí Barros."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google