A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

FARMACOTERAPIA NO CONTROLE DA DOR

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "FARMACOTERAPIA NO CONTROLE DA DOR"— Transcrição da apresentação:

1 FARMACOTERAPIA NO CONTROLE DA DOR
LEAD Liga de Estudo e Apoio ao Paciente com Dor FARMACOTERAPIA NO CONTROLE DA DOR MIORRELAXANTES João Alberto Ribeiro – Acadêmico 5º ano – Medicina Faculdade de Medicina do Triângulo Mineiro Uberaba - MG

2 Espasticidade secundária a lesão do SNC
MIORRELAXANTES Espasticidade secundária a lesão do SNC Efeitos Benéficos Sobre a DOR Hiperatividade alfa ou delta, secundária à lesão dos tratos CORTICOESPINHAL, VESTIBULOESPINHAL e RETICULOESPINHAL Dor NEUROPÁTICA

3 Neurotransmissores excitatórios
MECANISMOS DE AÇÃO Neurotransmissores excitatórios Regulam o tônus muscular pela facilitação das atividades reflexas (Noradrenalina, 5-HT, Dopamina) nos tratos rostro-caudais) GLUTAMATO ASPARTATO Regulam o tônus muscular, pois controlam a liberação de neurotransmissores excitatórios pelos aferentes 1º na medula espinhal e inibitórios liberados pelos interneurônios (GABA e Glicina)

4 MIORRELAXANTES Mecanismo de Ação
TIZANIDINA É eficaz no tratamento de espasmos musculares (lombalgias e cervicalgias) e das espasticidades resultantes de lesão do SNC. Seus efeitos colaterais incluem: cansaço, sonolência, náuseas, vômitos, constipação, insônia, entre outros. É derivado imidazólico que exerce ação miorrelaxante central, via efeito agonista adrenérgico alfa-2. Age na medula, diminuindo a liberação de aspartato Mecanismo de Ação

5 MIORRELAXANTES Mecanismo de Ação
FLUPIRTINA É indicado para o tratamento da DOR músculo-esquelética e de origem reumática. Possui potência intermediária entre o paracetamol e a morfina Parece atuar na medula espinhal e no encéfalo através da inibição da síntese de PROSTAGLANDINAS nos tecido Mecanismo de Ação

6 MIORRELAXANTES Mecanismo de Ação
CICLOBENZAPRINA É eficaz no tratamento da DOR músculo-esquelética, como a dor lombar aguda, e na FIBROMIALGIA. Melhora os espasmos musculares, a DOR e as anormalidades eletromiográficas em pacientes com cervicalgia Atua na formação reticular do tronco encefálico, reduzindo o tônus muscular ao atuar nos sistemas alfa e delta Mecanismo de Ação

7 MIORRELAXANTES Mecanismo de Ação
CARISOPRODOL É eficaz no tratamento de dor lombar aguda, mas é INEFICAZ na dor por disfunção temporomandibular aguda. Não é indicado nos casos de espasticidade secundária a doenças do SNC. Não deve ser utilizado por mulheres que estão amamentando e sua suspensão pode causar Sd. de abstinência, caracterizada por dor abdominal, insônia, cefaléia, tremores e náuseas Atua em circuitos multineuronais do tronco encefálico e na medula espinhal Mecanismo de Ação

8 MIORRELAXANTES Mecanismo de Ação
BACLOFENO É um derivado do GABA utilizado principalmente no tratamento da espasticidade secundária a doenças do SNC, como esclerose múltipla, Dça. de Parkinson, neuralgia do trigêmeo, cefaléia, neuralgia pós-herpética e outras dores neuropáticas. Parece ser eficaz na lombalgia aguda. Atua via receptores GABA-2, nas lâminas I e IV, inibindo os reflexos mono e polissinápticos na medula espinhal, inibindo neurotransmissores excitatórios Mecanismo de Ação

9 MIORRELAXANTES Mecanismo de Ação
DANTROLENE Pode ser utilizado no tratamento da espasticidade, independentemente da causa primária. Em alguns casos, pode causar piora da força muscular em alguns doentes, podendo tornar a situação corrente pior que a própria hipertonia O efeito antiespástico decorre por ação direta sobre os músculos, agindo no mecanismo de acoplamento durante a excitação e contração Mecanismo de Ação

10 CONCLUSÃO Estudos controlados revelam que os miorrelaxantes citados anteriormente, incluindo o DIAZEPAM, são mais eficazes que o placebo no tratamento da dor lombar aguda, porém outros trabalhos demonstram sua ineficácia no tratamento da dor na junção temporomandibular.


Carregar ppt "FARMACOTERAPIA NO CONTROLE DA DOR"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google