A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Universidade Federal do Ceará Programa de Pós-graduação em Zootecnia Tópicos Avançados de Fisiologia da Reprodução e Lactação Erika Bezerra de Menezes.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Universidade Federal do Ceará Programa de Pós-graduação em Zootecnia Tópicos Avançados de Fisiologia da Reprodução e Lactação Erika Bezerra de Menezes."— Transcrição da apresentação:

1 Universidade Federal do Ceará Programa de Pós-graduação em Zootecnia Tópicos Avançados de Fisiologia da Reprodução e Lactação Erika Bezerra de Menezes Arlindo de A. A. Moura RECEPTOR DE ANDRÓGENOS

2 INTRODUÇÃO Testoterona (T 4 ) Diidrotestosterona (DHT) Receptor de andrógenos (AR) Modular as funções fisiológicas Desenvolvimento dos órgãos reprodutivos Manutenção sexual do macho Espermatogênese

3 INTRODUÇÃO Receptores Andrógenos Receptores nucleares Fatores de transcrição Expressão de genes Ativação de genes responsivos Complexo Receptor-andrógeno

4 REVISÃO DE LITERATURA Estrutura do receptor de andrógenos Bases moleculares da ação dos andrógenos

5 ESTRUTURA DO RECEPTOR DE ANDRÓGENOS

6 ESTRUTURA DO RECEPTOR DE ANDROGENOS Receptor de Andrógenos NR3C4 (Sub-família de receptores nuclear 3, grupo C, membro 4)

7 ESTRUTURA DO RECEPTOR DE ANDROGENOS Proteína monomérica modular - Fosfoproteína 919 aminoácidos KDa Codificado gene de 901 kb localizado na região Xq do cromossomo X 8 Exóns – separados por introns (0,7-26 kb) Região codificantes (cDNA) ~ 2757 pb

8 ESTRUTURA DO RECEPTOR DE ANDROGENOS 04 domínios funcionais Região N-terminal codificada pelo exon A Ativação da regulação transcricional Mais ativo co-regulador da superfície de interação

9 ESTRUTURA DO RECEPTOR DE ANDROGENOS Região N-terminal 555 aa (Prolina, Glutamina e Glicina) Corresponde a metade da proteína do AR Humanos Repetições de glutaminas (11-31 resíduos) e glicinas (16-27 resíduos) Expansão dos resíduos resíduos Doença de Kennedy - Atrofia muscular espinhal e bulbar

10 ESTRUTURA DO RECEPTOR DE ANDROGENOS 04 domínios funcionais Ligação ao DNA - Região central Rica em cisteína

11 ESTRUTURA DO RECEPTOR DE ANDROGENOS Ligação ao DNA - Região central 70 aa Seqüência de aminoácidos 56 – 79% similar entre os diferentes receptores de esteróides

12 ESTRUTURA DO RECEPTOR DE ANDROGENOS 04 domínios funcionais Hinge Dobradiça

13 ESTRUTURA DO RECEPTOR DE ANDROGENOS 04 domínios funcionais Hinge Contém um sinal de localização nuclear necessário para a translocação do complexo andrógeno/receptor do citoplasma para o seu sítio de ação nuclear

14 ESTRUTURA DO RECEPTOR DE ANDROGENOS 04 domínios funcionais C-terminal - Ligação ao andrógeno

15 ESTRUTURA DO RECEPTOR DE ANDROGENOS C-terminal Codificada pelos exons D, E, F, G, H 290 aa Representa 30% da proteína do AR Porção 5 do exon D Responsável por codificar a região da dobradiça

16 ESTRUTURA DO RECEPTOR DE ANDROGENOS C-terminal Ativação da transcrição Dimerização do receptor Interagir com proteínas inibitórias HSP

17 ESTRUTURA DO RECEPTOR DE ANDROGENOS A B CDEF GH Regulação da transcrição Ligação ao DNA Ligação ao hormônio Cromossomo X Intron Exon Aa NH 2 5 3

18 ESTRUTURA DO RECEPTOR DE ANDROGENOS N-terminalC-terminal

19 ESTRUTURA DO RECEPTOR DE ANDROGENOS Duas isoformas AR-A (87KDa) AR-B (110 KDa)

20 BASES MOLECULARES DA AÇÃO DO RECEPTOR DE ANDRÓGENOS

21 BASES MOLECULARES DA AÇÃO DOS ANDROGENOS Efeito sobre o desenvolvimento Andrógenos Células Difusão

22 Testosterona Ativação dos receptores nos Ductos de Wolff Características sexuais primárias Diidrotestosterona Seio urogenital Folículos capilares Características sexuais secundárias BASES MOLECULARES DA AÇÃO DOS ANDRÓGENOS

23 Mecanismo de Ação GênicaNão- Gênica

24 Mecanismos de ação – Gênica (Direta) Função primária - Regula a expressão de genes Fator transcriptacional de ligação ao DNA Passos Ligação Receptor Andrógeno Mudanças conformação do receptor N-terminal BASES MOLECULARES DA AÇÃO DOS ANDRÓGENOS

25 Transformação no receptor Tamanho do receptor Sua afinidade pelo DNA Mecanismo – não é conhecido 1ª compactação (Maior) 2ª Compactação BASES MOLECULARES DA AÇÃO DOS ANDRÓGENOS

26 Dissociação de um complexo multi-protéico Proteínas Heat-shock Outras proteínas do citoesqueleto Transportar do citosol até o núcleo Proteínas Heat-shock Hsp90 e Hsp70 Manutenção dos receptores no plasma Prevenção e estabilidade de sua forma nativa BASES MOLECULARES DA AÇÃO DOS ANDRÓGENOS

27 Dois Dedos de zinco zinc-fingers que se ligam ao DNA, codificada pelos exons B e C 1º Dedo de zinco – media o reconhecimento do DNA entre interações, com especificas pares de base, facilitando a ligação entre receptor e o principal encaixe com o DNA 2º Dedo de zinco – Estabiliza o complexo receptor/DNA e media a dimerização no receptor de andrógenos. BASES MOLECULARES DA AÇÃO DOS ANDRÓGENOS

28 Ligação ao DNA 1º Dedo de zinco Tem a informação primária para reconhecer áreas específicas – DNA (AREs) Mediar o reconhecimento do DNA entre interações, com especificas pares de base, facilitando a ligação entre receptor e o principal encaixe com o DNA BASES MOLECULARES DA AÇÃO DOS ANDRÓGENOS

29 Ligação ao DNA Especificidade – Base do dedo de zinco BASES MOLECULARES DA AÇÃO DOS ANDRÓGENOS Serina Glicina Valina

30 Ligação ao DNA 2º Dedo de zinco Estabiliza a ligação do complexo receptor/DNA e media a dimerização no receptor de andrógenos. Especificidade – região terminal do dedo de zinco Aminoácidos que reconhece a região central da sequência AREs BASES MOLECULARES DA AÇÃO DOS ANDRÓGENOS

31 Representação de uma proteína (azul) contendo três dedos de zinco em ligação ao DNA (laranja). Os íons de zinco (verde) estão coordenados com resíduos de aminoácidos na proteína. BASES MOLECULARES DA AÇÃO DOS ANDRÓGENOS

32 A ligação ocorre em seqüência especifica do DNA Elemento responsável pela resposta androgênica do DNA (Androgen Responsive Elements – ARE) Localizada em regiões regulatórias dos genes Recrutamento de co-fatores que regula a expressão de genes regulados por andrógenos BASES MOLECULARES DA AÇÃO DOS ANDRÓGENOS

33 AREsSeqüênciaReferências Alta afinidade, Não especifica GRE177GTTACA AAC TGTTCTBeato et al C3(1) AREAGTACT TGA TGTTCTClaessens et al GRE2 TATTGTACA GGA TGTTCTBeato et al PSA ARE1AGCACT TGC TGTTCTReigman et al SLP-HRE-3GAAACA GCC TGTTCTLoreni et al Alta afinidade, Especifica-RA PB-ARE-2GGTTCG TGG AGTACTRennie et al SLP-HRE-2TGGTCA GCC AGTTCTLoreni et al SC ARE 1, 2GGCTCT TTC AGTTCTVerrijdt et al Baixa afinidade, Não especifica PB-ARE-1ATAGCA TCT TGTTCTRennie et al MVDP pARETGAAGT TCC TGTTCTDarne et al GPX5ATCCTA TGT TGTTCTLareyre et al CRP2AGAAGA AAA TGTACADevos et al Baixa afinidade, Especifica-RA SC AREAGCAGG CTG TGTCCCHaelans et al. 1999

34 RA ARE (homodímero) Cada monômero reconhece metade da região palindrômica do ARE Estrutura palindrômica 5-AGAACA-3 separadas por 3-bp (5- GAACANNNTGTTCT-3) BASES MOLECULARES DA AÇÃO DOS ANDRÓGENOS

35 Núcleo – RA - H Interagir com outras proteínas no núcleo ou trasncriptação de genes Elevação aumento da síntese de mRNA Síntese de proteínas especificas BASES MOLECULARES DA AÇÃO DOS ANDRÓGENOS

36

37 Atividade de transcrição Co-reguladores dos receptores de andrógenos Influência sobre a seletividade Capacidade do DNA em se ligar ao receptor Co-reguladores Regular diretamente a atividade transcriptacional por meio de interações físicas Fatores transcriptacionais gerais RNA polimerase II BASES MOLECULARES DA AÇÃO DOS ANDRÓGENOS

38 Co-reguladores Modifica as histonas covalentemente; Remodelagem da cromatina Alto gasto de energia (ATP) BASES MOLECULARES DA AÇÃO DOS ANDRÓGENOS

39 Mecanismos de ação Receptores de andrógenos - Citoplasma Interagir com andrógenos pode causar uma rápida mudança na função da célula Transporte de íons BASES MOLECULARES DA AÇÃO DOS ANDRÓGENOS

40 Mecanismos de ação Facilitada pelo recrutamento de outras proteínas ligadas ao DNA Fator de resposta do soro ativar vários genes crescimento muscular BASES MOLECULARES DA AÇÃO DOS ANDRÓGENOS

41 Não-gênica (Indireta) Características Estímulo rápido Mediada pela membrana plasmática Perda de etapas necessárias para a resposta gênica BASES MOLECULARES DA AÇÃO DOS ANDRÓGENOS

42 Não-gênica (Indireta) Características Estímulo rápido Os efeitos tem ocorrer rapidamente (Segundos/minutos) Não suficiente longo para que ocorra permitir a transcrição/traduação dos genes BASES MOLECULARES DA AÇÃO DOS ANDRÓGENOS

43 Não-gênica (Indireta) Características Mediada pela membrana plasmática A resposta pode envolver receptores internalizados ou associados a proteínas Induzida quando o andrógeno é conjugado a grandes moléculas T 4 conjugada a albumina BASES MOLECULARES DA AÇÃO DOS ANDRÓGENOS

44 Não-gênica (Indireta) Características Perda da maquinaria necessária para uma resposta gênica BASES MOLECULARES DA AÇÃO DOS ANDRÓGENOS

45 Mecanismos de ação – Não-gênica (Indireta) Mecanismos regulatórios de cálcio intracelular [Ca2+] i Ocorre de segundos a minutos [Ca2+] IP 3 Via canais de cálcio Reservas intracelulares BASES MOLECULARES DA AÇÃO DOS ANDRÓGENOS Propagação

46 BASES MOLECULARES DA AÇÃO DOS ANDRÓGENOS [Ca 2+ ] Estimular a ativação de receptores de andrógenos desde que os níveis de cálcio estimule a ligação do andrógeno ao receptor ERK ou Scr Fosforilação AR Atividade transcriptacional do AR Proteína G Fosfolipase C

47 Mecanismos regulatórios de cálcio intracelular [Ca2+] i Expressão gênica Função na fisiologia celular BASES MOLECULARES DA AÇÃO DOS ANDRÓGENOS

48 1

49 Mudanças na fluidez da membrana plasmática Receptores Canais iônicos Reações de 2º mensageiros BASES MOLECULARES DA AÇÃO DOS ANDRÓGENOS Andrógenos Membranas Cargas ATP Penetrar o complexo lipídico/proteíco Hidrolize de ATP

50 BASES MOLECULARES DA AÇÃO DOS ANDRÓGENOS 2

51 Ativação das reações de secundário mensageiros AR – demonstra ativar reações de 2º mensageiro independente de sua clássica atividade transcriptacional BASES MOLECULARES DA AÇÃO DOS ANDRÓGENOS Interage Ativa Parede interna da membrana celular Tirosina Quinase c-SRc

52 BASES MOLECULARES DA AÇÃO DOS ANDRÓGENOS Atividade da tirosina quinase c-Scr Inibida – interage com os domínios Scr-2 e Scr-3 Estimulada – interage com outras proteínas

53 BASES MOLECULARES DA AÇÃO DOS ANDRÓGENOS 3

54

55 CONSIDERAÇÕES FINAIS A elucidação da ação dos andrógenos mediada pelos receptores permite uma melhor compreensão dos processos fisiológicos, particularmente no período da maturação e desenvolvimento sexual, quanto para a fertilidade masculina. Além de auxiliar no esclarecimento de defeitos associados a diferenciação sexual e/ou infertilidade.


Carregar ppt "Universidade Federal do Ceará Programa de Pós-graduação em Zootecnia Tópicos Avançados de Fisiologia da Reprodução e Lactação Erika Bezerra de Menezes."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google