A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Cardiologia Doença de Chagas Prof. Cláudio L. Pereira da Cunha 2007 2007 Prof. Cláudio L. Pereira da Cunha 2007 2007.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Cardiologia Doença de Chagas Prof. Cláudio L. Pereira da Cunha 2007 2007 Prof. Cláudio L. Pereira da Cunha 2007 2007."— Transcrição da apresentação:

1 Cardiologia Doença de Chagas Prof. Cláudio L. Pereira da Cunha Prof. Cláudio L. Pereira da Cunha

2 Cardiologia Doença de Chagas (Tripanossomíase Americana) Parasitose tecidual e hemática, endêmica em amplas regiões da América, cujo agente etiológico é o Trypanosoma cruzi. Afeta 20 milhões de pessoas na América Latina. Parasitose tecidual e hemática, endêmica em amplas regiões da América, cujo agente etiológico é o Trypanosoma cruzi. Afeta 20 milhões de pessoas na América Latina.

3 Cardiologia Doença de Chagas AGENTE ETIOLÓGICO Protozoário Trypanosoma cruzi Família Tripanosomatidae Classe Mastigophora Ordem Kinetoplastida AGENTE ETIOLÓGICO Protozoário Trypanosoma cruzi Família Tripanosomatidae Classe Mastigophora Ordem Kinetoplastida

4 Cardiologia Doença de Chagas AGENTE TRANSMISSOR Ordem Hemíptera Família Reduviidae Sub-família Triatominae Espécies principais: Triatoma infestans Panstrongylus megistus Triatoma brasiliensis Rhodinus prolixus AGENTE TRANSMISSOR Ordem Hemíptera Família Reduviidae Sub-família Triatominae Espécies principais: Triatoma infestans Panstrongylus megistus Triatoma brasiliensis Rhodinus prolixus

5

6 Cardiologia

7 Doença de Chagas Fase aguda Forma Aparente Forma Inaparente Fase Crônica Forma Indeterminada Forma Cardíaca Forma Digestiva Fase aguda Forma Aparente Forma Inaparente Fase Crônica Forma Indeterminada Forma Cardíaca Forma Digestiva

8 Cardiologia Doença de Chagas QUADRO CLÍNICO DA FASE AGUDA Forma Inaparente Maioria dos casos Forma Aparente Febre Sinais de porta de entrada Edema Linfonodomegalia Hepato-esplenomegalia (30%-40%) Meningoencefalite QUADRO CLÍNICO DA FASE AGUDA Forma Inaparente Maioria dos casos Forma Aparente Febre Sinais de porta de entrada Edema Linfonodomegalia Hepato-esplenomegalia (30%-40%) Meningoencefalite

9

10 Sinal de Romaña

11 Cardiologia Doença de Chagas FASE AGUDA Características Parasitemia abundante Transitoriedade dos sintomas e sinais Incipiência das defesas humorais específicas Duração 2 a 4 meses Acomete ambos os sexos até anos, mais exuberante até 3-5 anos Período de incubação 4-10 dias FASE AGUDA Características Parasitemia abundante Transitoriedade dos sintomas e sinais Incipiência das defesas humorais específicas Duração 2 a 4 meses Acomete ambos os sexos até anos, mais exuberante até 3-5 anos Período de incubação 4-10 dias

12 Cardiologia Doença de Chagas FASE AGUDA COMPROMETIMENTO MIOCÁRDICO Miocardite aguda, difusa e intensa ICC nos casos mais graves Pericardite ECG Normal em 50%-70% Alteração difusa da repolarização ventricular o grau Bloqueio AV de 1 o grau RX de Tórax Cardiomegalia discreta (60%) FASE AGUDA COMPROMETIMENTO MIOCÁRDICO Miocardite aguda, difusa e intensa ICC nos casos mais graves Pericardite ECG Normal em 50%-70% Alteração difusa da repolarização ventricular o grau Bloqueio AV de 1 o grau RX de Tórax Cardiomegalia discreta (60%)

13 Cardiologia Doença de Chagas FASE AGUDA TRATAMENTO Instituir precocemente Melhor efetividade dos tripanosomicidas Duração de 30 a 60 dias Medicamento: Benzonidazol Nifurtimox (Argentina) FASE AGUDA TRATAMENTO Instituir precocemente Melhor efetividade dos tripanosomicidas Duração de 30 a 60 dias Medicamento: Benzonidazol Nifurtimox (Argentina)

14 Cardiologia Doença de Chagas FORMA INDETERMINADA CARACTERIZAÇÃO Positividade de exames sorológicos e ou parasitológicos Ausência de sintomas e/ou sinais da doença ECG normal RX normais: coração, esôfago e cólons FORMA INDETERMINADA CARACTERIZAÇÃO Positividade de exames sorológicos e ou parasitológicos Ausência de sintomas e/ou sinais da doença ECG normal RX normais: coração, esôfago e cólons

15 Cardiologia Doença de Chagas FORMA INDETERMINADA Alta prevalência Importância médico-trabalhista População heterogênea Potencial evolutivo favorável (estudos clínicos+ECG+RX) FORMA INDETERMINADA Alta prevalência Importância médico-trabalhista População heterogênea Potencial evolutivo favorável (estudos clínicos+ECG+RX)

16

17

18

19

20 Cardiologia Miocardiopatia Chagásica Crônica FORMAS CLÍNICAS Insuficiência cardíaca Arritmias e/ou distúrbios de condução Tromboembolismo Morte súbita FORMAS CLÍNICAS Insuficiência cardíaca Arritmias e/ou distúrbios de condução Tromboembolismo Morte súbita

21 Cardiologia Miocardiopatia Chagásica Crônica ESTÁGIOS EVOLUTIVOS DE GRAVIDADE (OMS) 1.Apenas sorologia positiva 2.Sem sintomas, área cardíaca normal, ECG = BRD, extra-sístoles isoladas, ADRV 3.Sintomas evidentes, cardiomegalia moderada, ECG = BRD + HBAE, fibrose 4.Sintomas acentuados, ICC, grande cardiomegalia, ECG = arritmias complexas, fibroses extensas ESTÁGIOS EVOLUTIVOS DE GRAVIDADE (OMS) 1.Apenas sorologia positiva 2.Sem sintomas, área cardíaca normal, ECG = BRD, extra-sístoles isoladas, ADRV 3.Sintomas evidentes, cardiomegalia moderada, ECG = BRD + HBAE, fibrose 4.Sintomas acentuados, ICC, grande cardiomegalia, ECG = arritmias complexas, fibroses extensas

22 Cardiologia Miocardiopatia Chagásica Crônica DIAGNÓSTICO Clínico Dados Epidemiológicos Achados Clínicos Laboratorial Avaliação do Envolvimento Cardíaco DIAGNÓSTICO Clínico Dados Epidemiológicos Achados Clínicos Laboratorial Avaliação do Envolvimento Cardíaco

23 Cardiologia Miocardiopatia Chagásica Crônica DIAGNÓSTICO CLÍNICO Epidemiologia Mecanismos de Transmissão Vetorial Transfusional Outros: congênita, oral, aleitamento, transplante de orgãos DIAGNÓSTICO CLÍNICO Epidemiologia Mecanismos de Transmissão Vetorial Transfusional Outros: congênita, oral, aleitamento, transplante de orgãos

24 Cardiologia Doença de Chagas Fase Aguda DIAGNÓSTICO LABORATORIAL Características Fisiopatológicas Alta parasitemia Anticorpos inespecíficos Início da formação de anticorpos específicos (IgM e IgG) DIAGNÓSTICO LABORATORIAL Características Fisiopatológicas Alta parasitemia Anticorpos inespecíficos Início da formação de anticorpos específicos (IgM e IgG)

25 Cardiologia Doença de Chagas Fase Aguda DIAGNÓSTICO LABORATORIAL Pesquisa Direta: exame a fresco, gota espessa, esfregaço, biópsia de linfonodos ou músculo estriado Pesquisa Indireta: xenodiagnóstico, hemocultura, inoculação em camundongo Testes Sorológicos: Pesquisa de IgM (imunofluorescência) e IgG DIAGNÓSTICO LABORATORIAL Pesquisa Direta: exame a fresco, gota espessa, esfregaço, biópsia de linfonodos ou músculo estriado Pesquisa Indireta: xenodiagnóstico, hemocultura, inoculação em camundongo Testes Sorológicos: Pesquisa de IgM (imunofluorescência) e IgG

26 Cardiologia Doença de Chagas Fase Crônica DIAGNÓSTICO LABORATORIAL I Características fisiopatológicas Baixa parasistemia Altos níveis de anticorpos específicos Conduta A) Pesquisa indireta de Trypanosoma cruzi Xenodiagnóstico Hemoculturas DIAGNÓSTICO LABORATORIAL I Características fisiopatológicas Baixa parasistemia Altos níveis de anticorpos específicos Conduta A) Pesquisa indireta de Trypanosoma cruzi Xenodiagnóstico Hemoculturas

27 Cardiologia Doença de Chagas Fase Crônica DIAGNÓSTICO LABORATORIAL II Conduta B) Testes sorológicos (detecção de IgG) Fixação de complemento Guerreiro e Machado 1913 Precipitação Aglutinação Aglutinação direta Aglutinação do látex Hemoaglutinação Imunofluorescência Enzima imunoensaio - ELISA DIAGNÓSTICO LABORATORIAL II Conduta B) Testes sorológicos (detecção de IgG) Fixação de complemento Guerreiro e Machado 1913 Precipitação Aglutinação Aglutinação direta Aglutinação do látex Hemoaglutinação Imunofluorescência Enzima imunoensaio - ELISA

28 Cardiologia Miocardiopatia Chagásica Crônica AVALIAÇÃO DO ENVOLVIMENTO CARDÍACO Exames Complementares Radiografia de tórax Eletrocardiograma ECG dinâmico Estudo eletrofisiológico Teste ergométrico Ecocardiograma Técnicas radioisotópicas Cineangiografia, coronariografia AVALIAÇÃO DO ENVOLVIMENTO CARDÍACO Exames Complementares Radiografia de tórax Eletrocardiograma ECG dinâmico Estudo eletrofisiológico Teste ergométrico Ecocardiograma Técnicas radioisotópicas Cineangiografia, coronariografia

29

30 Cardiologia Miocardiopatia Chagásica Crônica TRATAMENTO SINTOMÁTICO Antiarrítmicos: Amiodarona, Propafenona IC: Digitálicos em dose baixa (cuidado em BAV), diuréticos, inibidores da ECA Anticoagulantes Marcapassos artificiais (cardiomegalia leve) Cardioversores- desfibriladores implantáveis Cirurgia: aneurisma, transplante TRATAMENTO SINTOMÁTICO Antiarrítmicos: Amiodarona, Propafenona IC: Digitálicos em dose baixa (cuidado em BAV), diuréticos, inibidores da ECA Anticoagulantes Marcapassos artificiais (cardiomegalia leve) Cardioversores- desfibriladores implantáveis Cirurgia: aneurisma, transplante

31 Cardiologia Doença de Chagas INDICAÇÕES DO TRATAMENTO ETIOLÓGICO I Infecção aguda Infecção congênita Infecção acidental Em transplante de orgãos Reativação em imunosuprimidos Ministério da Saúde 1997 INDICAÇÕES DO TRATAMENTO ETIOLÓGICO I Infecção aguda Infecção congênita Infecção acidental Em transplante de orgãos Reativação em imunosuprimidos Ministério da Saúde 1997

32 Cardiologia Doença de Chagas INDICAÇÕES DO TRATAMENTO ETIOLÓGICO II Infecção crônica Infecção recente (crianças, adolescentes) Forma indeterminada Forma digestiva com coração normal Ministério da Saúde 1997 INDICAÇÕES DO TRATAMENTO ETIOLÓGICO II Infecção crônica Infecção recente (crianças, adolescentes) Forma indeterminada Forma digestiva com coração normal Ministério da Saúde 1997

33 Cardiologia Doença de Chagas Tratamento etiológico OMS - OPS, Rio - Abril 1998 Recomenda-se na fase crônica tardia baseado em: Demonstração da relação parasita-inflamação miocárdica Regressão de fibrose miocárdica experimental Demonstração de redução no aparecimento de lesões cardíacas Tratamento individualizado Advertir efeitos colaterais Rassi, Arq Bras Cardiol 70:643, 1998 OMS - OPS, Rio - Abril 1998 Recomenda-se na fase crônica tardia baseado em: Demonstração da relação parasita-inflamação miocárdica Regressão de fibrose miocárdica experimental Demonstração de redução no aparecimento de lesões cardíacas Tratamento individualizado Advertir efeitos colaterais Rassi, Arq Bras Cardiol 70:643, 1998

34 Cardiologia Doença de Chagas Tratamento etiológico BENZONIDAZOL Adultos 5mg/Kg/dia durante 60 dias, em duas a três tomadas diárias Escolares e adolescentes 7,5mg/Kg/dia Transmissão congênita 10mg/Kg/dia BENZONIDAZOL Adultos 5mg/Kg/dia durante 60 dias, em duas a três tomadas diárias Escolares e adolescentes 7,5mg/Kg/dia Transmissão congênita 10mg/Kg/dia

35 Cardiologia Doença de Chagas Profilaxia Controle dos vetores Inseticidas Melhora das condições habitacionais Educação Precauções em transfusão sangüínea Tratamento precoce dos caso agudos Vacina (ainda não disponível) Controle dos vetores Inseticidas Melhora das condições habitacionais Educação Precauções em transfusão sangüínea Tratamento precoce dos caso agudos Vacina (ainda não disponível)

36 Cardiologia Doença de Chagas Profilaxia Estado do Paraná, Brasil: 291 municípios (1990) 1975/83: 90 municípios (30,9%) apresentavam triatomíneos infectados na zona rural 1990: apenas 4 municípios (0,01%) com triatomíneos infectados Estado do Paraná, Brasil: 291 municípios (1990) 1975/83: 90 municípios (30,9%) apresentavam triatomíneos infectados na zona rural 1990: apenas 4 municípios (0,01%) com triatomíneos infectados


Carregar ppt "Cardiologia Doença de Chagas Prof. Cláudio L. Pereira da Cunha 2007 2007 Prof. Cláudio L. Pereira da Cunha 2007 2007."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google