A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Agência Nacional de Vigilância Sanitária Gerência Geral de Sangue, outros Tecidos e Órgãos VI CONGRESSO BRASILEIRO DE EPIDEMIOLOGIA Recife, 21 de junho.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Agência Nacional de Vigilância Sanitária Gerência Geral de Sangue, outros Tecidos e Órgãos VI CONGRESSO BRASILEIRO DE EPIDEMIOLOGIA Recife, 21 de junho."— Transcrição da apresentação:

1 Agência Nacional de Vigilância Sanitária Gerência Geral de Sangue, outros Tecidos e Órgãos VI CONGRESSO BRASILEIRO DE EPIDEMIOLOGIA Recife, 21 de junho de VI CONGRESSO BRASILEIRO DE EPIDEMIOLOGIA Recife, 21 de junho de Gerência Geral de Sangue, outros Tecidos, Células e Órgãos

2 Agência Nacional de Vigilância Sanitária Gerência Geral de Sangue, outros Tecidos e Órgãos ABORDAGEM CONCEITUAL E METODOLÓGICA DE HEMOVIGILÂNCIA Gerência Geral de Sangue, outros Tecidos, Células e Órgãos

3 Agência Nacional de Vigilância Sanitária Gerência Geral de Sangue, outros Tecidos e Órgãos MISSÃO DA GGSTO 1. Assegurem hemocomponentes, células, tecidos e órgãos com garantia de qualidade visando a segurança sanitária. 2. Disponibilizem sangue, componentes e derivados com garantia de qualidade e em quantidade suficiente para suprir a demanda do país. Promover e proteger a saúde da população regulamentando e coordenando ações que:

4 Agência Nacional de Vigilância Sanitária Gerência Geral de Sangue, outros Tecidos e Órgãos CONSTITUÇÃO FEDERAL, de 05 de outubro de 1988, Lei no. 8080, de 19 de setembro de 1990, Lei no. 8142, de 28 de dezembro de 1990, Lei no. 9782, de abril de 1999 ( criou a Agência). BASES LEGAIS

5 Agência Nacional de Vigilância Sanitária Gerência Geral de Sangue, outros Tecidos e Órgãos HISTÓRICO antiguidade - transfusões de sangue X reações adversas; 1900 – sistema ABO; 1914 – processamento do sangue; 1940 – sistema Rh; 1950 – fracionamento do plasma X hemoderivados; 1980 – mundo - AIDS X inativação viral; - Brasil - Pró-Sangue (modelo francês); 1990 – Brasil - Década Perdida; 1998 – Brasil - PBQP – MMNSS - PPA (190 milhões reais/ano – investimentos);

6 Agência Nacional de Vigilância Sanitária Gerência Geral de Sangue, outros Tecidos e Órgãos HISTÓRICO 2001 Aprovação da Lei – Lei Betinho, Lei Arouca; Decreto – define as competências das três esferas de Governo na assistência hemoterápica no país; Diagnóstico da Hemorrede/Monitoramento: - ausência de planejamento; - áreas descobertas de serviços; - serviços hiper-dimensionados; - serviços prontos, equipados e fechados x RH; - pouca interlocução entre os gestores estaduais e municipais RISCO

7 Agência Nacional de Vigilância Sanitária Gerência Geral de Sangue, outros Tecidos e Órgãos HISTÓRICO 2001 SISTEMA NACIONAL DE HEMOVIGILÂNCIA Reações transfusionais esperadas 0,5 a 3% das transfusões realizadas ( Linden JV e Bianco C, 2001) Brasil = doações/ano ~ transfusões/ano Reações adversas ~ de a /ano

8 Agência Nacional de Vigilância Sanitária Gerência Geral de Sangue, outros Tecidos e Órgãos COMO SABER? Situação Base Imagem Objetivo Transição

9 Agência Nacional de Vigilância Sanitária Gerência Geral de Sangue, outros Tecidos e Órgãos SISTEMA NACIONAL DE HEMOVIGILÂNCIA Um sistema de avaliação e alerta, organizado com o objetivo de recolher e avaliar informações sobre os efeitos indesejáveis e/ou inesperados da utilização de hemocomponentes, a fim de prevenir seu aparecimento ou recorrência.

10 Agência Nacional de Vigilância Sanitária Gerência Geral de Sangue, outros Tecidos e Órgãos INCIDENTES TRANSFUSIONAIS São relacionados com a transfusão de sangue e ocorrem durante ou após o ato transfusional; Podem ser imediatos ( até 24 horas após a transfusão) ou tardios ( após 24 h da realização da transfusão).

11 Agência Nacional de Vigilância Sanitária Gerência Geral de Sangue, outros Tecidos e Órgãos Sistema baseado em uma rede de hospitais notificantes Representante de hemovigilância X Comitê Transfusional Modelo misto - notificação voluntária X de todos os tipos ( francês – compulsório e todos os tipos; inglês – voluntário e casos graves) Identificação do serviçoCARACTERÍSTICAS

12 Agência Nacional de Vigilância Sanitária Gerência Geral de Sangue, outros Tecidos e Órgãos Rede sentinela de 100 hospitais selecionados Hemocentros coordenadores Todos os serviços de hemoterapia/serviços de saúde do país AONDE VAMOS COLETAR

13 Agência Nacional de Vigilância Sanitária Gerência Geral de Sangue, outros Tecidos e Órgãos Fluxo na web Hospital Sentinela VISAs Hemocentros Coordenadores (hemorrede)

14 Agência Nacional de Vigilância Sanitária Gerência Geral de Sangue, outros Tecidos e Órgãos Hospitais participantes das Oficinas Manifestação formal de interesse Contrato assinado Envio do 1º produto (questionário) Região Norte - 8 Hospitais Região Centro Oeste - 8 Hospitais Região Sul - 15 Hospitais Região Nordeste - 19 Hospitais Região Sudeste - 44 Hospitais REDE DE HOSPITAIS SENTINELA

15 Agência Nacional de Vigilância Sanitária Gerência Geral de Sangue, outros Tecidos e Órgãos Informatização PERFIL DA REDE SENTINELA ANTES DO PROGRAMA n=84

16 Agência Nacional de Vigilância Sanitária Gerência Geral de Sangue, outros Tecidos e Órgãos PERFIL DA REDE SENTINELA ANTES DO PROGRAMA n=84

17 Agência Nacional de Vigilância Sanitária Gerência Geral de Sangue, outros Tecidos e Órgãos PERFIL DA REDE SENTINELA ANTES DO PROGRAMA n=84

18 Agência Nacional de Vigilância Sanitária Gerência Geral de Sangue, outros Tecidos e Órgãos PERFIL DA REDE SENTINELA ANTES DO PROGRAMA n=84

19 Agência Nacional de Vigilância Sanitária Gerência Geral de Sangue, outros Tecidos e Órgãos Fonte: Sistema Nacional de Hemovigilância Número de Notificações por Ano

20 Agência Nacional de Vigilância Sanitária Gerência Geral de Sangue, outros Tecidos e Órgãos janfevmarabrimaijunjulagosetoutnovdez Situação Atual Total de notificações mensais / º Ano Completo n= Fonte: Sistema Nacional de Hemovigilância

21 Agência Nacional de Vigilância Sanitária Gerência Geral de Sangue, outros Tecidos e Órgãos n=1616 Distribuição do grau de correlação do evento notificado com o ato transfusional Situação Atual Período abril/02 a maio/04 Período abril/02 a maio/04 Fonte: Sistema Nacional de Hemovigilância

22 Agência Nacional de Vigilância Sanitária Gerência Geral de Sangue, outros Tecidos e Órgãos Situação Atual n=919 Distribuição da gravidade dos casos notificados e confirmados Período abril/02 a maio/04 Fonte: Sistema Nacional de Hemovigilância

23 Agência Nacional de Vigilância Sanitária Gerência Geral de Sangue, outros Tecidos e Órgãos n=919 Distribuição dos hemocomponentes relacionados com as notificações confirmadas Notificações dos hospitais sentinelas Situação Atual Período abril/02 a maio/04 Período abril/02 a maio/ Fonte: Sistema Nacional de Hemovigilância

24 Agência Nacional de Vigilância Sanitária Gerência Geral de Sangue, outros Tecidos e Órgãos Situação Atual Período abril/02 a maio/2004 Período abril/02 a maio/2004 Distribuição dos tipos de incidentes transfusionais notificados e confirmados n =919 Fonte: Sistema Nacional de Hemovigilância

25 Agência Nacional de Vigilância Sanitária Gerência Geral de Sangue, outros Tecidos e Órgãos OBJETIVOS: Retorno aos profissionais Avaliação da qualidade das informações Melhoria da qualidade do processo Fortalecimento do Sistema de Hemovigilância METODOLOGIA: Convite a um grupo externo de hemoterapêutas consultores (3) Análise conjunta das notificações Análise individualizada das notificações Sistematização das análises ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA

26 Agência Nacional de Vigilância Sanitária Gerência Geral de Sangue, outros Tecidos e Órgãos ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA sistematização das análises As notificações, de uma forma geral, foram excelente qualidade Observa-se um conjunto de notificações que tiveram acompanhamento do Hemoterapeuta Dificuldade, por vezes, em identificar corretamente uma reação transfusional duas reações observadas, mas apenas uma assinalada incompatibilidades entre tipo de incidente/gravidade/manifestações ausência de notificações de reações importantes (contaminações bacterianas e reações hemolíticas) Reações especificadas, porém com classificação inexistente na literatura notificações abr/02 –jun/03 Nº baixo de hospitais notificantes Nº baixo de notificações, abaixo do descrito na literatura

27 Agência Nacional de Vigilância Sanitária Gerência Geral de Sangue, outros Tecidos e Órgãos ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA REALIZAÇÕES Implantação do sistema em uma rede 100 de hospitais sentinela; Pactuação de uma Ficha Nacional de Notificação e Investigação de Incidentes Transfusionais Elaboração de um Manual Técnico da Hemovigilância; Elaboração de um Manual Técnico para Investigação da Transmissão de Doenças pelo Sangue Realização de Oficinas de Hemovigilância com profissionais dos serviços de hemoterapia, vigilância sanitária, vigilância epidemiológica ( hepatites e AIDS) e outros; Dados disponíveis: 1616 notificações oriundas de 35 hospitais notificantes

28 Agência Nacional de Vigilância Sanitária Gerência Geral de Sangue, outros Tecidos e Órgãos

29 Agência Nacional de Vigilância Sanitária Gerência Geral de Sangue, outros Tecidos e Órgãos

30 Agência Nacional de Vigilância Sanitária Gerência Geral de Sangue, outros Tecidos e Órgãos

31 Agência Nacional de Vigilância Sanitária Gerência Geral de Sangue, outros Tecidos e Órgãos MATERIAL PRODUZIDO

32 Agência Nacional de Vigilância Sanitária Gerência Geral de Sangue, outros Tecidos e Órgãos


Carregar ppt "Agência Nacional de Vigilância Sanitária Gerência Geral de Sangue, outros Tecidos e Órgãos VI CONGRESSO BRASILEIRO DE EPIDEMIOLOGIA Recife, 21 de junho."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google