A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Seminário Integrador IV Profª Andrea Meireles. Introdução Objeto de estudo: A educação no contexto escolar e não escolar, bem como sua relação com o currículo.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Seminário Integrador IV Profª Andrea Meireles. Introdução Objeto de estudo: A educação no contexto escolar e não escolar, bem como sua relação com o currículo."— Transcrição da apresentação:

1 Seminário Integrador IV Profª Andrea Meireles

2 Introdução Objeto de estudo: A educação no contexto escolar e não escolar, bem como sua relação com o currículo e a avaliação Disciplinas: Currículo; Avaliação da aprendizagem; Fundamentos e metodologias do Ensino de Língua Portuguesa; Educação Inclusiva; Educação e relações étnico-raciais; Educação, ludicidade e corporeidade e Seminário Integrador IV

3 Educação e Educações A educação deve ser pensada em seu sentido amplo, além do processo de escolarização e formação profissional; “Não há uma forma única nem um único modelo de educação; a escola não é o único lugar onde ela acontece e talvez nem seja o melhor; o ensino escolar não é a sua única prática e o professor profissional não é o seu único praticante” (BRANDÃO, 1995, p.9).

4 Educação É um conceito que vem sendo desenvolvido para além da educação que acontece na escola. Existe em todos os espaços (escolares e não escolares). Redes e estruturas sociais de transferência de saberes de uma pessoa para outra, de uma geração a outra

5 Definições de Educação - Processo de desenvolvimento da capacidade física, intelectual e moral da criança e do ser humano em geral, visando à sua melhor integração individual e social. -“A educação é a ação exercida pelas gerações adultas sobre s que ainda não se encontram amadurecidas para a vida social. Ela tem por objetivo suscitar e desenvolver na criança e desenvolver na criança um certo número de condições físicas, intelectuais e morais que dela reclamam, seja a sociedade política, no seu conjunto, seja o meio especial a que dela se destina particularmente” (DURKHEIM, 1984).

6 Ensino Formal “O ensino formal é o momento em que a educação se sujeita à pedagogia (a teoria da educação), cria situações próprias para o exercício, produz os seus métodos, estabelece regras e tempos, e constitui executores especializados. É quando aparece a escola, o aluno e o professor [...]” (BRANDÃO, 1995, p.26 – grifos do autor). Pedagogias: terra, alternância, ausência, terreiro etc.

7 Espaço educativo não escolar É um local de vida, de trabalho, de aprendizagens. Espaço que reúne pessoas nas diferentes atividades Não existe aprendizagem informal. O ambiente e/os processos de divulgação é que podem ser formais ou não formais

8 Temos processos de educação sem a formalidade da escola, bem como há aprendizagem sem o ensino especializado e formal, como uma maneira de prática social associada as suas vivências, experiências, saberes e fazeres.

9 Currículo O conceito de currículo apresenta-se no sentido mais amplo, como um conjunto de saberes, fazeres, relações sociais e culturais construídas nas comunidades e não simplesmente na escola. O currículo é o instrumento, por excelência, da socialização de conhecimento. A socialização dos saberes constitui-se nos atos de currículo daquelas pessoas.

10 Praticas educativas É uma prática social de formação e humanização dos sujeitos nela envolvidos. São exercidas/produzidas/desenvolvidas por todos os agentes educativos, no âmbito da família, pelos meios de comunicação, por associações/instituições religiosas, culturais, de classe e por diversas outras agências e espaços sociais institucionalizados.

11 Práticas docentes Práticas educativas, com fins de formação, realizadas de modo formal, organizado e que carregam compromisso com a transmissão intencional de conhecimentos e da cultura como um todo, exigem, portanto, profissionais qualificados. Não ocorre apenas no espaço escolar

12 Práticas pedagógicas Uma prática educativa se torna uma prática pedagógica quando sobre ela realiza-se uma ação de caráter científico, intencional, planejada e organizada. Para ser compreendida é preciso dar-lhe suporte teórico, torná-la explícita a seus protagonistas, transformá-la mediante a conscientização de seus participantes, contribuindo tanto para o crescimento pessoal e/ou profissional, competentemente formado, quanto para o exercício de práticas educativas.

13 Espaço educativo É o espaço que educa através de sua organização, das informações implícitas e explícitas. Tanto espaços escolares quanto espaços não escolares podem se constituir em espaços educativos.

14 Espaços educativos escolares Tradicionais: sala de aula, biblioteca, sala de leitura, laboratórios. Outros espaços escolares podem também serem utilizados para o processo educativo (docência, comunicação e expressão). - Muros, paredes, pátio, corredores, área verde, etc.

15 Espaços educativos escolares A organização efetiva do espaço escolar como espaço educativo global deve promover ações, e os processos educativos, e contribuir para a estruturação da escola como espaço de aprendizagem e desenvolvimento de todos. Organização dos ambientes de acordo com as aprendizagens que se quer promover e os sujeito que freqüentarão estes.

16 Espaços educativos não escolares É o local onde ocorre a educação e não é a escola. Espaços educativos não escolares promotores de educação e formadores de cidadania. Espaços institucionais de vivência coletiva: igrejas, associações de moradores, movimentos sociais, etc. (veiculação política e ideológica). Espaços institucionais de aprendizagem especificas: museus, observatórios, zoológico, parques, APAs, etc. (informativos)

17 Espaços educativos não escolares Espaços físicos e Espaços virtuais (informativos ou político e ideológico) Em nossa sociedade espaços físicos educativos não escolares são insuficiente em número e capacidade de atendimento para atender a toda população.

18 Espaços educativos escolares e não escolares Ambos os espaços educativos – escolares e não escolares – atuam de forma complementar e não excludente na formação dos sujeitos. Os espaços educativos não escolares se constituem em espaços de poder.

19 O lugar da escola A escola se destaca das demais instituições sociais, mais ainda na realidade brasileira pela ausência e/ou dificuldade de acesso da população a outros espaços educativos. É o exercício de viver e conviver que o educa (BRANDÃO, 1995). A escola, local do ensino formal, é apenas um lugar e um lugar e um momento provisório para a construção de conceitos.

20 A Educação A vida social se perpetua por intermédio da educação Dewey, A educação sobrevive aos sistemas e, se por um lado ela serve a reprodução da desigualdade e à difusão da ideias que legitimam a opressão e a subservivência (abordagem tradicional e comportamentalista), por outro pode servir a criação da igualdade entre os homens e à pregação da liberdade, da justiça social, direitos humanos, da construção da cidadania etc. (humanista, cognitivista, sociocultural).

21 O contexto da educação em espaços escolares e não escolares Conferência de Educação para todos (Jomtein/Tailândia – 1990) definiu Necessidades Básicas de Aprendizagem (NEBA) de crianças, jovens e adultos: Conhecimentos teórico e práticos, destrezas, valores e atitudes que, em cada caso e em cada circunstância e momento concreto, tornam-se indispensáveis para que as pessoas possam encarar suas necessidades básicas

22 Necessidades Básicas de Aprendizagem Frentes: 1.a sobrevivência; 2.O desenvolvimento pleno de suas capacidades; 3.A conquista de uma vida e de um trabalho digno; 4.Uma participação plena no desenvolvimento; 5.A melhoria da qualidade de vida; 6.A tomada de decisões conscientes e 7.A possibilidade de continuar aprendendo. (TORRES, 2001)

23 Paradigmas de uma educação para todos Reconhecer que todos –crianças, jovens e adultos – têm necessidades de aprendizagem por satisfazer, estabelecendo a dimensão integrações dos saberes e das aprendizagens, e abrindo novas vias de articulação entre educação formal, não formal e informal;

24 Paradigmas de uma educação para todos Recuperar o saber como elemento-chave de todo processo educativo (o que se sabe, o que se ensina e o que aprende), incorporando uma visão ampla de saber na qual cabem o saber comum e o saber elaborado, os saberes dos alunos e os dos professores, assim como os conteúdos e as formas de transmissão e construção de conhecimento;

25 Paradigmas de uma educação para todos Vincular de maneira clara processos educativos e processos sociais (escola e vida, escola e casa, cultura escolar e cultura social, educação e trabalho, currículo escolar e cultura social, educação e trabalho, currículo escolar e realidade local, teoria e prática), possibilitando novas articulações ou novas maneiras de entender essas articulações (TORRES, 2001)

26 Reflexões A educação ao longo de toda vida baseia-se em quatro pilares: aprender a conhecer, aprender a fazer, aprender a viver juntos, aprender a ser. Numa altura em que os sistemas educativos formais tendem a privilegiar o acesso ao conhecimento, em detrimento de outras formas de aprendizagem, importa conceber a educação como um todo. Esta perspectiva deve, no futuro, inspirar e orientar as reformas educativas, tanto em nível de elaboração de programas como da definição de novas políticas pedagógicas.

27 Atividade 1 Módulo de estudo pág. 21 Educação nas diferentes abordagens Para nós, fica o exercício: em que momento da nossa vida tivemos a convivência com situações de educação na escola e em espaços não escolares que identificamos como tradicional, comportamentalista, humanista, cognitivista, sociocultural? Podemos situar o momento histórico e político em que vivemos essa situação? Como?

28 Atividade 1 Trabalho escrito individual (encaminhar na sala e definir prazo para entrega) Pontuação: 5,0 pontos Data de entrega:

29 Atividade 2 Módulo de estudo pág. 35 Atividade parte I -Acesse o site -Leia, reflita e discuta com seus colegas e tutores, no Fórum da disciplina – Plataforma Moodle sobre a condição a educação nos países em desenvolvimento e pobres: -Como o mapa explica e esclarece o panorama da educação no Brasil? -Pontuação: 2,0 (participação no Fórum – postagem e comentário)

30 Atividade 2 Agora vamos deslocar do plano global para o plano local. Faça suas devidas anotações: -Como esta a educação no seu município? Pesquise no site o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica/IDEB do seu município. -Anote os índices encontrados nos níveis de ensino (Ensino Fundamental I, Ensino Fundamental II e Ensino Médio – escola pública municipal e escola pública estadual). Esses dados ajudaram você a escrever a primeira parte do seu trabalho.

31 Atividade 2 Acesse o site Leia o Plano Nacional de Educação/PNE 2011 – 2020 e anote as metas propostas para melhorar a educação nos referidos níveis de ensino, fazendo uma análise do que é possível ser realizado para melhorar os índices do seu município.www.mec.gov.br Trabalho em grupo de 4 componentes Pontuação: 3,0 pontos

32 Atividade final Modulo de estudo pág. 36 Para realização de seu relatório final, pense na temática e, em grupo, escolha um espaço não escolar no seu município (por exemplo Associações de Proteção Ambiental/APA, ONGs, hospitais, SESI, espaços comunitários de igrejas, associação de moradores etc.) para saber como acontecem os processos de educação,quer seja com crianças, jovens, adultos e idosos, descrevendo e analisando seu currículo. Seguir as orientações do módulo para elaboração do relatório.


Carregar ppt "Seminário Integrador IV Profª Andrea Meireles. Introdução Objeto de estudo: A educação no contexto escolar e não escolar, bem como sua relação com o currículo."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google