A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

 Separata: Sonolência Excessiva Diurna e Doença de Alzheimer  Atividade  Introdução.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: " Separata: Sonolência Excessiva Diurna e Doença de Alzheimer  Atividade  Introdução."— Transcrição da apresentação:

1

2  Separata: Sonolência Excessiva Diurna e Doença de Alzheimer  Atividade  Introdução

3 Idosos em geral Têm alterações do sono noturno, que deixa de ser reparador e causa Sonolência Excessiva Diurna (SED). Doença de Alzheimer Com o avanço DA, a SED se torna mais intensa.

4 “O sono nas demências tem sido estudado principalmente na DA. Os distúrbios do sono são encontrados em 25% a 35% dos indivíduos com DA.” O Dr. Rodrigo Rizek Schultz* com a Dra. Dalva Poyares**, explicam a importância dos distúrbios do sono na Doença de Alzheimer. * Coordenador do Ambulatório de Demência Grave do Setor de Neurologia do Comportamento da Universidade Federal de São Paulo – UNIFESP ** Médica e Professora Afiliada e Livre Docente do Departamento de Psicobiologia, UNIFESP

5 A 1ª parte da Separata apresenta:  Panorama geral da Doença de Alzheimer e suas consequências;  Enfoque às alterações comportamentais: Distúrbio do Sono e Sonolência Excessiva Diurna;  Importância do tratamento da SED em pacientes com DA para melhoria de algumas funções cognitivas.

6 Em Estrutura do sono na doença de Alzheimer: Aborda-se as alterações na estrutura do sono que ocorrem nos estágios REM e não-REM em pacientes com DA.

7 “Alterações na estrutura do sono e no ritmo circadiano, incluindo aumento da latência do sono e despertares noturnos, diminuição do sono de ondas lentas (fase 3 do sono não-REM e profunda do sono), redução do sono REM, diminuição do tempo total de sono e aumento de episódios de cochilos diurnos são comuns em pessoas com demência.”

8 Em Fisiopatologia dos distúrbios do sono na doença de Alzheimer: Hipóteses de alguns estudos a respeito das alterações neuropatológicas e neurofisiológicas decorrentes da privação do sono.

9 Em Comorbidades associadas: Diferença dos distúrbios do sono na depressão e na DA. Importância da busca de comorbidades que podem impactar no controle das alterações de comportamento.

10 Em Diagnóstico dos distúrbios do sono: Correto diagnóstico de distúrbios do sono nesses pacientes.

11 Em Distúrbios do sono e sobrecarga do cuidador: Sobrecarga dos cuidadores no acompanhamento de pacientes com DA e SED. A SED prejudica o engajamento em atividades diurnas (benéficas ao paciente), aumentando a chance de institucionalização.

12 Em Demência da doença de Alzheimer e sonolência excessiva diurna: Dá-se continuidade às questões comportamentais relacionadas aos pacientes com SED e DA e necessidades de adaptações dos cuidadores para o correto tratamento.

13 Nesta página, temos as informações a respeito dos tratamentos: Não Farmacológico e Farmacológico.

14 Tratamento não Farmacológico: Foca em medidas que visam a mudanças dos hábitos de sono do paciente, que inclui:  Higiene do sono;  Impedir cochilos durante o dia;  Uso de CPAP em pacientes com síndrome da apneia.

15 Tratamento Farmacológico: Utiliza-se medicamentos aprovados para a DA:  Anticolinesterásicos e memantina (diminuição de alterações comportamentais e melhora do sono noturno);  Benzodiazepínicos (pacientes com insônia), entretanto o paciente tende a ficar mais sedado;  Olanzapina (antipsicótico) ou trazodona (antidepressivo) como indutores do sono.

16 Em Estudos sobre manejo da sonolência excessiva em pacientes com demência: Conclusões de estudos sobre o efeito da ação da modafinila (Stavigile) em demências e doenças degenerativas cerebrais, visando o controle dos sintomas de fadiga, SED e distúrbios do ciclo vigília/sono.

17 Em Mecanismo de ação da modafinila: Mecanismo de ação da modafinila. Para quais transtornos o tratamento com a modafinila foi aprovado pelas agências nos EUA: Sonolência excessiva em narcolépticos; Sonolência residual por síndrome da apneia obstrutiva do sono; Sonolência excessiva em trabalhadores de turno.

18 “Em resumo”, temos: Fadiga e SED ocorrem no curso da doença mesmo na ausência de outros distúrbios de sono; Estratégias não medicamentosas, podem ter nível de evidência; A modafinila parece promissora no tratamento de tais sintomas, em associação ao tratamento tradicional para DA; Melhor evidência existe para melhora da SED.

19 Escreva uma justificativa para a afirmação abaixo: “O uso de Stavigile é uma alternativa interessante para pacientes com demência.”

20 O uso de Stavigile é interessante em pacientes com demência, que por sonolência se recusam a participar de atividades diurnas, ou mesmo dormem excessivamente durante o dia, para justamente poderem estar mais ativos durante o dia. Dessa forma, cuidadores e familiares podem exercer as suas atividades rotineiramente, preservando a integridade das atividades diurnas e noturnas.

21 Propaganda

22


Carregar ppt " Separata: Sonolência Excessiva Diurna e Doença de Alzheimer  Atividade  Introdução."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google