A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Colibacilose e Pasteurelose Aviária Universidade Federal de Mato Grosso - UFMT Medicina Veterinária Avicultura 6º Semestre Docente: Valéria Viana Pereira.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Colibacilose e Pasteurelose Aviária Universidade Federal de Mato Grosso - UFMT Medicina Veterinária Avicultura 6º Semestre Docente: Valéria Viana Pereira."— Transcrição da apresentação:

1 Colibacilose e Pasteurelose Aviária Universidade Federal de Mato Grosso - UFMT Medicina Veterinária Avicultura 6º Semestre Docente: Valéria Viana Pereira Dicentes: Arlyson Sousa Digenane Giroletta Jessica Vanessa Teza Moara Correia de Araújo Rafaella Del Ciampo Thaís Maronezi

2 COLIBACILOSE

3 INTRODUÇÃO  Forma sistêmica ou localizada  Infecção secundária a fatores/doenças que causam imunossupressão  A bactéria pode afetar praticamente todos os órgãos das aves  As espécies suscetíveis: aves domésticas principalmente em galinhas, patos, perus, cisne, ganso e várias aves selvagens

4 INTRODUÇÃO  Prejuízos econômicos: o Aumento da mortalidade embrionária o Menor desenvolvimento das aves o Aumento do índice de conversão alimentar o Aumento da mortalidade e dos custos com medicamentos.

5 ETIOLOGIA Causada pela Escherichia coli Bastonete Gran negativa, não esporulado, oxidase negativa Móvel por flagelos peritríquios ou imóvel Presente na flora intestinal das aves Cepa de E. coli patogênica para aves (APEC)

6 TRANSMISSÃO Imunossupressão Desequilíbrio bactéria/hospedeiro/ambiente Formas de transmissão:  Transmissão ovariana  Ovo em contato com as fezes contaminadas  Ração e água contaminada  Contato das aves com fezes contaminadas Aves silvestres, roedores, moscas e ácaros.

7 SINAIS CLÍNICOS Primeiros sinais:  Desuniformidade do lote  Aumento da mortalidade  Prostração  Baixo consumo de ração e ganho de peso

8 SINAIS CLÍNICOS Outros sinais:  Poliúria (excesso de urina)  Dispnéia  Morte súbita  Crescimento retardado dos pintinhos  Baixa fertilidade das fêmeas  Morte do embrião ainda no ovo

9 LESÕES  Sistema Respiratório Aerossaculite com o espessamento dos sacos aéreos e presença de material espumoso ou caseoso. 736X &lng=en&nrm=iso>

10  Síndrome da Cabeça inchada Quadro respiratório agudo com edema peri e infra orbitário. LESÕES

11  Septicemia Esplenomegalia, hepatomegalia, congestão muscular e pericardite. Figura: colisepticemia LESÕES

12  Sistema Tegumentar: Celulite Condenação de carcaça. LESÕES

13  Sistema Digestório: Diarreia e presença de muco

14 LESÕES  Pintinhos Onfalite

15 PREVENÇÃO E CONTROLE Boas condições de manejo e biossegurança Evitar agentes imunossupressores. Ex: Marek Cuidado com o manejo dos ovos para evitar contaminação

16 TRATAMENTO  Vacinação: Regiões onde o cólera aviário prevalece, Utilizando vacinas vivas ou inativadas. Não proporcionam proteção completa É preciso administrar antibióticos para evitar a septicemia, com a precaução de não gerar resistência, especialmente quando estes últimos são administrados de forma prolongada.

17

18 Pasteurelose em Aves

19 INTRODUÇÃO Trata-se de uma doença de curso variável, infecciosa e altamente contagiosa, determinando mortalidade elevada. Geralmente a doença se apresenta com caráter agudo A mortalidade pode atingir 80%

20 ETIOLOGIA Pasteurela Multocida frequentemente eliminada pelas secreções nasais e orais e pelas fezes dos animais doentes, sendo encontrada em abundância no sangue e órgãos dos animais afetados.

21 TRANSMISSÃO A transmissão desta doença pode ser mediada mecanicamente por insetos, ectoparasitas, outras aves, além da água e alimentos contaminados Esporádica e enzoótica no mundo. Ocorre em surtos.

22 SINAIS CLÍNICOS Forma crônica rara:  Acomete geralmente aves adultas (10 a 12 semanas);  Localizações secundárias (nas articulações, coxim plantar, cavidade do esterno);  O período de incubação varia de 8-10 horas a 2-3 dias;  A ave morre sem apresentar sintomas ou estes se limitam a cianose de cristas barbela.

23 SINAIS CLÍNICOS Forma aguda  Tristeza, depressão, inapetência, febre elevada, sonolência, diarreia profusa;  Presença de muco no nariz e na boca;  Hiperemia e aparecem lesões mais localizadas do que na forma crônica;  O sintoma predominante é o enfraquecimento progressivo e palidez de crista e barbela;  Em poedeiras e reprodutoras os sinais pode iniciar por um corrimento mucoso nasal com ligeiro edema dos seios infraorbitário, evoluindo lentamente para infecções supurativas localizadas geralmente no trato respiratório.

24 LESÕES Superagudo: Sem sinais ou com leve cianose na crista e barbela

25 LESÕES Aguda: o Congestão e petéquias no coração, o Gordura abdominal, moela, intestino e pulmões, o Hepatomegalia com pontos de necrose, o Postura abdominal, o Atresia de folículos e peritonite (em poedeiras e matrizes).

26 LESÕES

27 Crônica: artrite, peritonite, salpingite, edema facial, acúmulo de exsudato caseoso em barbela (figura) e saco conjuntival. LESÕES

28 DIAGNÓSTICO O diagnóstico presuntivo rápido poderá ser realizado por um profissional experiente, baseando nos sinais clínicos e lesões encontradas na necropsia. O diagnóstico definitivo é baseado nos sinais clinico, lesões e isolamento da P. multocida.

29  Como terapia usam-se os antimicrobianos: TRATAMENTO

30 É melhor fazer o antibiograma porque esta bactéria tem se mostrado muito resistente a muitos tipos de medicamentos. O ideal é evitar fatores predisponentes. TRATAMENTO

31 CONTROLE E PREVENÇÃO Combate a roedores Higiene e desinfecção  Vacinação Aplicadas entre a 10º e 16º semana de vida Duas aplicações no intervalo de 2 a 4 semanas

32 CONCLUSÃO

33 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS &catid=175:farmadoenas&Itemid=150#sthash.aKBUFgQq.dpuf &catid=175:farmadoenas&Itemid=150#sthash.aKBUFgQq.dpuf

34


Carregar ppt "Colibacilose e Pasteurelose Aviária Universidade Federal de Mato Grosso - UFMT Medicina Veterinária Avicultura 6º Semestre Docente: Valéria Viana Pereira."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google