A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Sociologia no Brasil Aspectos Historicos. 21/08/2009 Centro Universitário Franciscano Curso de Serviço Social Sociologia Brasileira Condições socio-históricas.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Sociologia no Brasil Aspectos Historicos. 21/08/2009 Centro Universitário Franciscano Curso de Serviço Social Sociologia Brasileira Condições socio-históricas."— Transcrição da apresentação:

1 Sociologia no Brasil Aspectos Historicos

2 21/08/2009 Centro Universitário Franciscano Curso de Serviço Social Sociologia Brasileira Condições socio-históricas do capitalismo na Europa, a partir do Renascimento. Processo de autonomia das Ciências Sociais: Objeto Método Conceitos America Latina: processo de formação, organização e sistematização do pensamento sociológico obedecendo também às condições de desenvolvimento do capitalismo e à dinâmica própria de inserção do país na ordem capitalista mundial.

3 21/08/2009 Centro Universitário Franciscano Curso de Serviço Social Sociologia Brasileira Herança jesuítica Ordens religiosas: monopólio sobre a educação, pensamento culto e produção artística Catequese contra- reformista Filosofia universalista e escolástica Exploração do trabalho indígena

4 21/08/2009 Centro Universitário Franciscano Curso de Serviço Social Sociologia Brasileira Situação colonial

5 21/08/2009 Centro Universitário Franciscano Curso de Serviço Social Sociologia Brasileira A cultura da corte e a o século XIX Transferência da família real para o Brasil: 1808 Academia e Belas Artes Fundação da Imprensa Academia de Belas Artes- RJ

6 21/08/2009 Centro Universitário Franciscano Curso de Serviço Social Sociologia Brasileira Organização da Primeira Biblioteca (Biblioteca Nacional – RJ)

7 21/08/2009 Centro Universitário Franciscano Curso de Serviço Social Sociologia Brasileira Cursos Superiores no Brasil O diploma concorria em importância com o título de propriedade da terra, formando um grupo de letrados portadores de um conhecimento jurídico e descritivo, sem qualquer conteúdo crítico. Tratava-se de uma cultura filosófica e humanística, exercida por jornalistas, professores e funcionários públicos dependentes da corte e dos proprietários de terra.(p. 302)

8 21/08/2009 Centro Universitário Franciscano Curso de Serviço Social Sociologia Brasileira A administração, por um lado, e a cultura, por outro, tratavam de subordinar a colônia aos interesses de Portugal e da igreja. Implantou- se uma cultura erudita e religiosa, uma forma de pensar baseada na retórica e em princípios universalizantes e de pouco pragmatismo. Seus efeitos foram a aculturação indígena, a submissão das populações escravas e a distinção drástica das camadas cultas, compostas pelos que se dedicavam ao saber e não ao trabalho braçal. (p )

9 21/08/2009 Centro Universitário Franciscano Curso de Serviço Social Sociologia Brasileira

10 21/08/2009 Centro Universitário Franciscano Curso de Serviço Social Sociologia Brasileira Classes intermediárias no século XVIII Mineração: Urbanização Desenvolvimento comercial Exportação

11 21/08/2009 Centro Universitário Franciscano Curso de Serviço Social Sociologia Brasileira Essa camada intermediária livre e sem propriedade, que precede o surgimento da burguesia propriamente dita, tornas-se consumidora da cultura européia, em especial a de origem francesa, buscando criar uma identidade nova que a distinguisse tanto do escravo inculto como da elite colonial conservadora.p.301

12 21/08/2009 Centro Universitário Franciscano Curso de Serviço Social Sociologia Brasileira O advento da burguesia Sentimento de patriotismo Combate ao analfabetismo Homogeneização de valores e discurso Campanha abolicionista no país (século XIX) Castro Alves

13 21/08/2009 Centro Universitário Franciscano Curso de Serviço Social Sociologia Brasileira Movimento Modernista Além dos aspectos econômicos, o nacionalismo expressava o desejo de se conhecer realmente a nação e de conclamar as diversas classes sociais a exercer seu papel transformador da realidade. Procurava repudiar todo traço de colonialismo, de atraso, de importação cultural, propondo até mesmo a substituição do português clássico por uma língua brasileira, eminentemente nacional. Esse movimento revolucionário da sociedade e da cultura reorientou o pensamento social, traduzido nos estudos históricos, na crítica literária ou nas análises já de cunho sociológico.p. 304

14 21/08/2009 Centro Universitário Franciscano Curso de Serviço Social Sociologia Brasileira A geração de fundação da Universidade de São Paulo e o consequente incremento da produção científica Busca do Brasil verdadeiro (em oposição ao Brasil colonizado e estudado sob a visão etnocêntrica da Europa) Nacionalismo Gilberto Freyre: compreensão da formação da sociedade brasileira, discussão sobre miscigenação, regionalismo – Ministro Milton Campos introduz a disciplina de Sociologia no ensino médio Caio Prado Junior Sergio Buarque de Holanda Fernando de Azevedo

15 21/08/2009 Centro Universitário Franciscano Curso de Serviço Social Sociologia Brasileira Rua do Ouvidor

16 21/08/2009 Centro Universitário Franciscano Curso de Serviço Social Sociologia Brasileira Casa Grande & Senzala Gilberto Freyre: compreensão da formação da sociedade brasileira, discussão sobre miscigenação, regionalismo Outras Obras: Sobrados e Mocambos Ordem e Progresso

17 21/08/2009 Centro Universitário Franciscano Curso de Serviço Social Sociologia Brasileira Entendia o nacionalismo como a fusão de raças, regiões, culturas e grupos sociais possibilitada pelas características do colonialismo no Brasil. Destacava, em especial, o papel do negro e do mestiço na adaptação da cultura européia aos trópicos e na formação da identidade cultural brasileira. Freyre acreditava ainda que a sociologia e a antropologia podiam auxiliar a administração do país, possibilitando a articulação sociocultural.p O Mestiço (1934) – Candido Portinare

18 21/08/2009 Centro Universitário Franciscano Curso de Serviço Social Sociologia Brasileira Sergio Buarque de Holanda Principal Obra: Raízes do Brasil

19 21/08/2009 Centro Universitário Franciscano Curso de Serviço Social Sociologia Brasileira Celso Furtado Economista Fundador da Cepal ( Comissão Econômica para América Latina) propõe uma interpretação histórica a realidade econômica e, em especial, do subdesenvolvimento, entendidos como fruto de relações internacionais.p. 312 Subdesenvolvivmento não como etapa, mas como condição mantida pelo capital externo ao Brasil

20 21/08/2009 Centro Universitário Franciscano Curso de Serviço Social Sociologia Brasileira Florestan Fernandes sociólogo militante Influencia do pensamento marxista Sociedade brasileira dentro de padrões e estruturas Estudo das relações sociais e da estrutura de classes da sociedade brasileira Capitalismo dependente e o papel do intelectual


Carregar ppt "Sociologia no Brasil Aspectos Historicos. 21/08/2009 Centro Universitário Franciscano Curso de Serviço Social Sociologia Brasileira Condições socio-históricas."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google