A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Interpretações do Brasil Da Matta diz que o Brasil é híbrido, pois é um sistema social equilibrado e dividido entre o indivíduo e a pessoa. O que ele quer.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Interpretações do Brasil Da Matta diz que o Brasil é híbrido, pois é um sistema social equilibrado e dividido entre o indivíduo e a pessoa. O que ele quer."— Transcrição da apresentação:

1 Interpretações do Brasil Da Matta diz que o Brasil é híbrido, pois é um sistema social equilibrado e dividido entre o indivíduo e a pessoa. O que ele quer dizer com isso?

2 Interpretações do Brasil O que DaMatta chama de individualismo? É igual ao do senso comum? Por que?

3 Indivíduo e Pessoa O universalismo é demandado em público pelo Estado Moderno, individualista e impessoal, mas o particularismo continua a imperar no plano pessoal e doméstico Conta de Mentiroso, pág 160 Interpretações do Brasil

4 Indivíduo e Pessoa É como tivéssemos duas bases através das quais pensássemos o nosso sistema. No caso das leis gerais e da repressão, seguimos sempre o código burocrático ou a vertente impessoal e universalizante, igualitária do sistema. No caso das situações concretas, daquelas que a vida nos apresenta, seguimos sempre o código da relações e da moralidade pessoal, tomando a vertente do jeitinho, da malandragem e da solidariedade como eixo de ação. Na 1ª escolha, nossa unidade é o indivíduo; na 2ª é a pessoa. A pessoa merece solidariedade e um tratamento diferencial. O indivíduo, ao contrário, é o sujeito da lei, foco abstrato para quem as regras e a repressão foram feitos CMH, pág 169 Interpretações do Brasil

5 Quais são os modos de navegação social descritos por DaMatta? Como e quando eles são acionados?

6 Malandragem, Jeitinho e você sabe com quem está falando? são modos de navegação social Interpretações do Brasil

7 O que é o Jeitinho? Qual a diferença do jeitinho para o você sabe com quem está falando?

8 Jeitinho : cantada, harmonização ´jeitinho´ e ´você sabe com quem está falando?´ são, pois, dois modos de enfrentar uma mesma situação. O primeiro vai pelo caminho da paciência e conciliação; já o segundo apela para o conflito, fazendo com que a relação englobe a lei (O que é o Brasil? Pág 50) Interpretações do Brasil

9 E o que é malandragem? O que difere do Jeitinho?

10 Malandragem : profissionalização do jeitinho O malandro, portanto, seria um agente profissional do jeitinho e na arte de sobreviver nas situações mais difíceis:naquelas que ele está claramente fora ou longe das leis (O que é o Brasil? Pág 51) O malandro, diferentemente do bandido, rouba com jeito, invocando simpatia, empatia e laços humanos (pág 52) Interpretações do Brasil

11 Qual é a questão da cidadania em um universo relacional?

12 Interpretações do Brasil O que é a cidadania? E como ela é vivenciada no Brasil? É possível pensá-la como nos Estados Unidos?

13 Cidadania – a questão da cidadania em um universo relacional Roberto DaMatta Questão do autor Neste trabalho, pretendo discutir a seguinte questão: se o conceito de cidadania implica, de um lado, a idéia fundamental de indivíduo (e a ideologia do individualismo), e, de outro, regras universais (um sistema de leis que vale para todos em todo e qualquer espaço social), como essa noção é percebida e vivida em sociedade onde a relação desempenha um papel crítico na concepção e na dinâmica da ordem social? (pág 65) Interpretações do Brasil

14 Cidadania – a questão da cidadania em um universo relacional Roberto DaMatta Cidadania:historicamente localizada e socialmente construída Premissas iluministas (igualdade e liberdade) e ideais da Rev. Francesa e da independência norte-americana (contestação aos privilégios da nobreza e do clero) Concepção de cidadania: o foco é o indivíduo, o caráter é universal e nivelador (todos são iguais em direitos e deveres) Interpretações do Brasil

15 Cidadania – a questão da cidadania em um universo relacional Roberto DaMatta Interpretações do Brasil Estados Unidos: tipo ideal de sociedade igualitária Ideologia do mérito, do homem que se faz por si mesmo Alto grau de associativismo referência ao clássico A Democracia na América (1835, 1º vol. e 1840, 2º vol.) de Tocqueville Para driblar a ética igualitária => sociologia do convite (que permite a discriminação e recria o privilégio)

16 Alexis de Tocqueville ( ): A democracia na América Parece-me indubitável que, mais cedo ou mais tarde, chegaremos como americanos à igualdade quase completa das condições. Não concluo daí que sejamos chamados necessariamente um dia a tirar, de semelhante estado social, as conseqüências políticas que os americanos tiraram. Estou longe de acreditar que eles encontraram a única forma de governo que a democracia possa dar (...) Confesso que vi na América mais que a América; procurei nela uma imagem da própria democracia, de suas propensões, de seu caráter, de seus preconceitos, de suas paixões (....) Tocqueville vive na América recém-independente por cerca de 1 ano e a compara com a França A Igualdade na América é considerada extrema porque eles não assistem a própria revolução, já nascem dela. Interpretações do Brasil

17 Cidadania – a questão da cidadania em um universo relacional Roberto DaMatta Interpretações do Brasil Cidadania no Brasil: ambigüidade como marca Dual: conjuga os ideais igualitários e liberais com outra hierárquica, relacional e paternalista. Idéia de um Estado-Pai (provedor) No Brasil, o individualismo é criado com esforço, como algo negativo e contra as leis que definem e emanam da totalidade. Nos Estados Unidos, o individualismo é positivo e o esforço tem sido para criar a unidade ou Union: a totalidade (pág 76)

18 Cidadania – a questão da cidadania em um universo relacional Roberto DaMatta Interpretações do Brasil Nos Estados Unidos a idéia de comunidade está fundada na igualdade e homogeneidade de todos os seus membros, aqui concebidos como cidadãos (...) No Brasil, por contraste, a comunidade é necessariamente heterogênea, complementar e hierarquizada. Sua unidade básica não está baseada em indivíduos (ou cidadãos), mas em relações e pessoas, famílias e grupos de parentes e amigos. Sendo assim, nos Estados Unidos, o indivíduo isolado conta como uma unidade positiva do ponto de vista moral e político; mas no Brasil o indivíduo isolado e sem relações (...) é algo considerado altamente negativo (...) (pág 77)

19 Interpretações do Brasil A visão do indivíduo e pessoa no Brasil é homogênea?

20 Interpretações do Brasil A sociedade brasileira não é homogênea em relação à interpretação da categoria indivíduo Enquanto as classes dominantes nutrem uma perspectiva individualista, sendo responsáveis pelo arcabouço jurídico, político e institucional da sociedade, na prática elas viveriam como pessoas, na medida em que, pela mobilização dos seus respectivos capitais de relações sociais, o sistema de leis impessoais e universalizantes não se lhes aplicaria em sua totalidade. Por outro lado, as ´classes populares´, que não dispõem de instrumentos para participar da produção do aparato jurídico, político e institucional, entretêm uma visão mais hierárquica e complementar do mundo e vivem, na prática, como indivíduos, pois sobre elas incidem toda força da lei, quando (...) não podem articular nenhum capital social (pág 55) Lívia Barbosa, O Brasil pelo avesso: Carnavais, malandros e heróis e as interpretações da sociedade brasileira. In: O Brasil não é para principiantes. Carnavais, malandros e heróis 20 anos depois.

21 Interpretações do Brasil E as camadas populares podem subverter as regras da lei?

22 Interpretações do Brasil É bom frisar que a geografia descrita (...) está longe de ser considerada pelo autor como determinística, ilustrando apenas uma das suas possíveis facetas. Ela muda quando, (...), membros das ´camadas populares´ agem como pessoas, utilizando-se do capital de relações pessoais de indivíduos das ´camadas dominantes´ com os quais mantém relações (pág 55) Lívia Barbosa, O Brasil pelo avesso: Carnavais, malandros e heróis e as interpretações da sociedade brasileira. In: O Brasil não é para principiantes. Carnavais, malandros e heróis 20 anos depois.

23 Interpretações do Brasil Automóveis fatidicos O ´chauffeur atira fora a policia e dispara Mais uma para se debitar aos automoveis o tirar o sonno à policia (...) que terá mais uma vez opportunidade para mais uma homenagem do silencio e da impunidade em favor dos chauffeurs privilegiados e de costas quentes (...) Vinha o automovel do Marechal Camara, chefe do estado-maior, hoje, cerca de meio dia, na corrida vertiginosa e cega do costume pela Praça da República, quando um desalmado, chamado Alvaro Martins de Souza Pereira, teve a lembrança de metter-se com toda imprudencia e grande falta de patriotismo entre as rodas (...) do fatidico veiculo. O automovel (...) limitou-se a atirar no chão o importuno cidadão e passar-lhe por cima das pernas. (...) Mas o bonito não está ahi. (...) Surge o mantenedor da ordem na praça de policia (....) que naturalmente desconhecendo o automovel e seu ´chauffeur´ (...) entendeu obstar-lhe a marcha e applicar-lhe a lei. (...) Mas o chauffeur deitou valentia, sentindo as costas quentes. Fomos à ultima hora informados que o praça effectuou a prisão do ´chauffeur´(...) o que não impediu que lhe dessem fuga por uma saída dos fundos do mesmo quartel Notícia extraída do jornal O Século Publicada em 1º de julho de 1908

24 Interpretações do Brasil DaMatta diz que, no Brasil, a casa e a rua são universos compensatórios e complementares. O que ele quer dizer com isso?

25 Cidadania – a questão da cidadania em um universo relacional Roberto DaMatta Interpretações do Brasil Brasil: casa e rua complementares e compensatórias Se no universo da casa sou um supercidadão, pois ali tenho direitos e nenhum dever, no mundo da rua sou um subcidadão, já que as regras universais da cidadania sempre me definem por minhas determinações negativas: pelos meus deveres e obrigações, pela lógica do não pode e do não deve (pág 93)

26 Interpretações do Brasil E qual é o Dilema Brasileiro, para Roberto DaMatta?

27 Cidadania – a questão da cidadania em um universo relacional Roberto DaMatta Interpretações do Brasil Dilema Brasileiro Não há brasileiro que não conheça o valor das relações sociais e que não as tenha utilizado como instrumentos de solução de problemas ao longo da sua vida. Não há brasileiro que nunca tenha usado o você sabe com quem está falando? diante da lei universal e do risco de uma universalização que acabaria transformando sua figura moral num mero número ou entidade anômica (…) (pág 94)

28 Interpretações do Brasil Americanos são muito estatísticos Têm gestos nítidos e sorrisos límpidos Olhos de brilho penetrante que vão fundo (...) Para os americanos branco é branco, preto é preto (e a mulata não é a tal) Bicha é bicha, macho é macho Mulher é mulher, dinheiro é dinheiro E assim ganham-se, barganham-se, perdem-se Concedem-se, conquistam-se direitos Enquanto aqui embaixo a indefinição é o regime E dançamos com uma graça cujo segredo Nem eu mesmo sei Entre a delícia e a desgraça Entre o monstruoso e o sublime Americanos – Caetano Veloso In: Circuladô

29 Interpretações do Brasil Qual é a diferença entre os conceitos de Roberto DaMatta (jeitinho e você sabe com que está falando) e de Sérgio Buarque de Holanda (o homem cordial)?

30 Interpretações do Brasil Qual a diferença entre República e Democracia? Como foi a República, na Primeira República no Brasil? Quando ela começa a se democratizar? Atualmente, a maior parte da população já está incluída no sistema eleitoral. Na opinião do autor, tal fato é suficiente para garantir uma democracia plena ou não? Por que? No entanto o autor afirma que a democracia avançou mais no Brasil que a República. O que ele quis dizer? José Murilo de Carvalho – O Estado de São Paulo 27 de dezembro de 2009 Entre a República e a democracia

31 Interpretações do Brasil Democracia é algo que nunca se completa. É um caminho que vamos trilhando com idas e vindas, processos e retrocessos. Se entendermos democracia como um sistema comandado pela lei com ampla participação popular, mesmo fora dos períodos eleitorais, liberdade de imprensa, é uma coisa... Se analisarmos a democracia de um ponto de vista mais amplo, é outra. Significa não apenas participação política das pessoas, mas o que chamaria de cidadania e igualdade civil, passando por uma melhor distribuição de renda e acesso à justiça. Ora isso não temos no Brasil. Pessoas com recursos escapam facilmente das malhas da justiça(....). A desigualdade econômica é terrível. Temos distâncias quilométricas entre o topo e a base da pirâmide. Então, a democracia no Brasil ainda é algo precário José Murilo de Carvalho - entrevista Paradoxos da democracia


Carregar ppt "Interpretações do Brasil Da Matta diz que o Brasil é híbrido, pois é um sistema social equilibrado e dividido entre o indivíduo e a pessoa. O que ele quer."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google