A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

PHARMACOGENETICS GOES GENOMIC David B. Goldstein, Sarah K. Tate, Sanjay M. Sisodiya NATURE REVIEWS GENETICS VOLUME 4 DECEMBER 2003.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "PHARMACOGENETICS GOES GENOMIC David B. Goldstein, Sarah K. Tate, Sanjay M. Sisodiya NATURE REVIEWS GENETICS VOLUME 4 DECEMBER 2003."— Transcrição da apresentação:

1 PHARMACOGENETICS GOES GENOMIC David B. Goldstein, Sarah K. Tate, Sanjay M. Sisodiya NATURE REVIEWS GENETICS VOLUME 4 DECEMBER 2003

2 O que é FARMACOGENÉTICA? Ela pode antecipar os danos provocados pelo uso de medicações? Em que ponto estão as pesquisas nesta área e quais serão os efeitos econômicos e éticos destes avanços?

3 FARMACOGENÔMICA e FARMACOGENÉTICA QUAL A DIFERENÇA? FARMACOGENÔMICAFARMACOGENÉTICA PROCURA A DOSE CERTA DA DROGA PARA CADA INDIVÍDUO PROCURA A DROGA CERTA PARA CADA DOENÇA NO CONTEXTO GENÔMICO

4 HISTÓRICO: ARNO MOTULSKY 1957: Primaquina e a Succinilcolina – insights de uma variação genética envolvida na sensibilidade a drogas. ROBERT SMITH e a Debrisoquina 1977: A identificação de um polimorfismo relacionado ao metabolismo de uma droga.

5 A VIA DA FENITOINA E IMIDAPRIL APÓS A INJESTÃO

6 RESPOSTA A UMA DROGA DROGA DME (drug-metabolizing enzimes) Citocromo P450 NAT Transportadores ABCB1 Alvos ou elementos da via de resposta ACE Receptores

7

8 AS ENZIMAS METABOLIZADORAS DE DROGAS- DME POLIMORFISMOS VARIAÇÕES FARMACOGENÉTICAS: 1.FORMAS NORMAIS OU METABOLIZADORES NORMAIS; 2.FORMAS DE BAIXA ATIVIDADE OU METABOLIZADORES FRACOS; e 3.FORMAS DE ALTA ATIVIDADE OU METABOLIZADORES ULTRA RÁPIDOS.

9

10

11 EXEMPLOS DE GENES ALVOS DA FARMACOGENÉTICA: Transportador: ABCB1 ( ATP-binding cassete sub family B member 1) Distribuição da Fenitoina. Receptor: ADRB2 (receptro beta-adrenérgico) Agonistas beta-adrenérgicos e beta-bloqueadores. Alvos metabólicos: ACE (Angiotensin I converting enzyme) Diminuição da excreção de proteínas através da urina quando em tratamento com inibidor da ECA.

12 DME Citocromo P450: Várias isoformas CYP Alguns testes já disponíveis comercialmente. Ex: Warfarina NAT (N-acetitransferase) Pacientes com polimorfismos no gene podem reter drogas e sofrer seus efeitos tóxicos. TPMT ( thiopurine methyltransferase) Fenótipos de atividade intermediária de TPMT foram encontrados em 10% de Americanos.

13 ATIVIDADE DO CYP2D6 Metab fraco Fenot intermMetab normal Metab ultra rap

14

15 FUTURO DA FARMACOGENÉTICA: PROBLEMAS E DESAFIOS: 1.Tamanho das amostras: qualidade e avaliação; 2.Elaboração de um estudo genético em uma população MAP BASED e SEQUENCE BASED ( tagging –SNP) 3.Aplicação clínica; 4.Interesse comercial.

16

17 FARMACOGENÉTICA NA SOCIEDADE: CONSIDERAÇÕES ECONÔMICAS: 1.Custo devido a reações adversas a drogas; 2.Custo de pesquisa e comercialização; 3.Planos de saúde. CONSIDERAÇÕES ÉTICAS: 1.Tratamento diferenciado; 2.O mais fácil de tratar; 3.Grupos éticos; 4.Privacidade.

18 CONCLUSÕES: Avanços na GENÔMICA; Desenvolvimento de drogas; Colaboração entre a FARMACOGENÉTICA básica e clínica; e A possibilidade futura de avaliar, a partir da GENÔMICA, a susceptibilidade e as bases moleculares de muitas doenças assim como planejar melhor o tratamento farmacológico de acordo com o perfil genético dos pacientes.


Carregar ppt "PHARMACOGENETICS GOES GENOMIC David B. Goldstein, Sarah K. Tate, Sanjay M. Sisodiya NATURE REVIEWS GENETICS VOLUME 4 DECEMBER 2003."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google