A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

FÉ E POLÍTICA COMPROMISSO COM A VIDA Pe. Marcelo Moreira Santiago Coordenador Arquidiocesano de Pastoral.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "FÉ E POLÍTICA COMPROMISSO COM A VIDA Pe. Marcelo Moreira Santiago Coordenador Arquidiocesano de Pastoral."— Transcrição da apresentação:

1 FÉ E POLÍTICA COMPROMISSO COM A VIDA Pe. Marcelo Moreira Santiago Coordenador Arquidiocesano de Pastoral

2 ESCOLA ARQUIDIOCESANA DE FÉ E POLÍTICA

3 DOM LUCIANO Serviço e profecia nas lutas do povo, luz e inspiração em nossa caminhada como Movimento Fé e Política e militância cristã na construção do Reino e transformação da sociedade

4 ORAÇÃO DO CRISTÃO NA POLÍTICA Deus da vida e Senhor da história, Pai de todos nós, em vosso filho Jesus Cristo, já venceste o pecado, a escravidão e a morte. Queremos fazer da política, direito e dever da cidadania, um serviço à vida e libertação integral de todos.

5 Concedei-nos construir um Brasil novo, na vivência fraterna, no respeito às diferenças, sem exclusão e sem privilégios, onde se abracem a justiça e a paz. Que os valores do vosso reino orientem sempre mais as decisões e a ação política em nosso país. Ajude-nos a intercessão de Maria, nossa mãe Aparecida, das santas e santos companheiros da caminhada. Vosso filho, Jesus Cristo, Caminho, Verdade e Vida, nos iluminem na construção de uma sociedade justa e solidária. Amém.

6

7 COMPROMISSO SOCIAL E POLÍTICO À LUZ DA FÉ É importante que a Igreja forme pessoas em níveis de decisão. A opção pelos pobres exige uma pastoral voltada aos construtores da sociedade, sem esquecer que os pobres e marginalizados são também sujeitos de mudança e de transformação de sua situação Todos os fiéis são impulsionados pelo Espírito a participar da vida política, pois a vida cristã não se expressa somente nas virtudes pessoais, mas também nas virtudes sociais e políticas

8 Os leigos, devidamente formados, devem estar presentes na vida pública, atuando como verdadeiros sujeitos eclesiais e competentes interlocutores entre a Igreja e a sociedade. Por outro lado, a participação política, motivada pela fé, pode assumir diferentes formas, desde o interesse pelos problemas sociais, a participação em conselhos de direito, até a filiação a partidos e a aceitação de cargos eletivos (DGAE n. 86; DAp nn. 501, 394, 508, 497, 507)

9 SOMOS TODOS POLÍTICOS O ser humano realiza-se como pessoa na convivência interpessoal. Esta convivência é uma convivência política Todos fazemos política A pessoa humana é, por natureza, um ser político Tudo o que fazemos ou deixamos de fazer é uma atitude política Da política depende a vida dos cidadãos

10 Não se interessar pela política é não se interessar pela felicidade pessoal e pelo bem-estar da sociedade Não há nada que seja do ser humano que seja estranho à Igreja (Paulo VI) As alegrias e as esperanças, as tristezas e as angústias dos homens de hoje, sobretudo dos pobres e de todos os que sofrem, são também as alegrias e as esperanças, as tristezas e as angústias dos discípulos de Cristo (Gaudium et Spes, n.1 – Concílio Vaticano II)

11 O ANALFABETO POLÍTICO O pior analfabeto é o analfabeto político. Ele não ouve, não fala, não participa dos acontecimentos políticos. Ele não sabe que o custo de vida, o preço do feijão, do peixe, da farinha, do aluguel, do sapato e do remédio depende das decisões políticas O analfabeto político é tão burro que se orgulha e estufa o peito dizendo que odeia a política Não sabe que de sua ignorância nasce a prostituta, o menor abandonado, o assaltante e o pior de todos os bandidos que é o político vigarista, pilantra, o corrupto e o explorador das empresas nacionais e multinacionais (Bertold Brecht, )

12 A fé cristã não despreza a atividade política, pelo contrário, a valoriza e a tem em alta estima: A Igreja sente como seu dever e direito estar presente neste campo da realidade: porque o cristianismo deve evangelizar a totalidade da existência humana, inclusive a dimensão política (...). Esta necessidade provém do mais íntimo da fé cristã: do domínio de Cristo que se estende a toda a vida (Puebla 513 a 516) Desafio: cristianizar os políticos e politizar os cristãos

13 O QUE É A FÉ Enquanto expressão religiosa, a fé é uma opção de vida que tende a englobar, na abertura ao transcendente, toda a existência e inspirar os atos da pessoa humana É um modo de ser e de atuar que se apresenta com duas mediações principais: A mediação propriamente religiosa, pela qual a fé aparece como culto, oração... A mediação ética, pela qual a fé aparece como práxis (prática), como vida concreta Quando se fala na fé como práxis, se entende a fé como compromisso social, como caridade política

14 O QUE É A POLÍTICA É toda atividade que influencia no processo social. É organização da pólis = cidade, sociedade Temos dois níveis de política: Como participação na vida social, no nível da sociedade civil (corresponsabilidade) Como luta pelo poder do Estado, seja para conquistá-lo (partidos, movimentos...), seja para exercê-lo (governo). Esse é o nível da sociedade política

15 POLÍTICA NA BÍBLIA

16 NO ANTIGO TESTAMENTO Êxodo/Juízes/Deuteronômio Revela Deus como o Deus dos oprimidos que quer a sua libertação concreta A libertação divina na história é por um lado libertação de (do Egito = escravidão) e, por outro, libertação para (terra prometida/nova sociedade)

17 Profetas Anunciam Deus como o Deus da justiça e denunciam uma religião separada da vida (Am 5,21-27; Is 58; 0s 6; Mq 6,5-8; Jr 7; Zc 7;...) Preanunciam um mundo novo, onde reinará a justiça; mais ainda, o próprio Deus (Is11; 60; 65; Jr 31; Ab 21; Zc 8 e 9;...) A mensagem política dos profetas parte sempre da mensagem religiosa mais ampla: A aliança de Deus com seu povo, expressa nas Tábuas da Lei (Decálogo)

18 NO NOVO TESTAMENTO Jesus anuncia o Reino como revolução absoluta: a libertação plena para o mundo Esse Reino inclui: Uma dimensão pessoal – fé e conversão Uma dimensão final – ressurreição e vida eterna Uma dimensão social – libertação das doenças, da fome, etc (Lc 4,1ss; 6,20-26; Mt 25,41s;...)

19 Quanto à pratica, Jesus: Liberta o povo dos males concretos (sinais ou milagres/ Lc 7,21-23) Toma a defesa dos pequenos contra os grandes (Lc 13,10-17) É crucificado em consequência do seu compromisso libertador em favor dos perdidos deste mundo –exigência da vontade do Pai (Mc 15,10; Jo 11,4)

20 A dimensão política da mensagem, vida e morte de Jesus é apenas uma dimensão implicada em sua missão profética e salvífica maior Ele age em vista do Reino e para a salvação do gênero humano Por outro lado, trata-se de uma dimensão integrante altamente significativa para nós hoje

21 OUTROS LIVROS DO NOVO TESTAMENTO (Atos, cartas, apocalipse) Ensinamento: o compromisso social do cristão não é certamente o coração do Cristianismo, por isso não deve ser absolutizado, mas está intimamente ligado ao núcleo da fé cristã, isto é: À verdade da fé de que Cristo é o Senhor (1 Cor 12,3) e deve sê-lo também no espaço político (Puebla 516 e 552) Ao preceito da caridade (Mt 22,34-40) que vê na política uma forma exigente (Paulo VI – Octogésima Adveniens 46) e necessária para a consolidação da sociedade justa e fraterna, em vista do Reino de Deus (Puebla 327: Amor estrutural)

22 A Bíblia revela a vocação integral do Ser humano, mostrando que esta implica uma responsabilidade política a ser vivida de acordo com o Plano de Deus

23 COMO SE RELACIONAM FÉ E POLÍTICA Fé e política, em nível existencial, não são duas coisas ou grandezas lado a lado: A política é antes uma dimensão interna à fé: uma dimensão constitutiva. É a própria fé, enquanto realizada no social (práxis histórica) A fé inclui a política, mas também a supera O perigo é reduzir a fé à política (tentação dos engajados) ou reduzi-la à vida privada (tentação da burguesia)

24 A encarnação da fé na política não é direta O Evangelho, por exemplo, não diz diretamente quanto deve ser o salário, ou em que partido votar, menos ainda diz como resolver problemas. O Evangelho dá orientações para discernir o agir Para que o evangelho atue, enquanto iluminação, na política concreta, são necessárias as mediações, tanto em nível teórico quanto prático, como as teologias, as escolas de formação política, os grupos pastorais, os movimentos populares e de militância cristã na sociedade, os partidos, os conselhos, as ONGs...

25

26 Sem mediações a fé permanece abstrata ou faz-se cega, ingênua, acrítica A Igreja, à luz da fé, contribui para promover os valores que devem inspirar a política, interpretando as aspirações dos povos, especialmente os anseios daqueles que a sociedade tende a marginalizar. E o faz mediante seu testemunho, doutrina e sua multiforme ação pastoral (Puebla 522)

27 À luz da fé, existe uma relação intrínseca que não pode ser dissociada entre a vida e a fé, promoção humana e missão religiosa, uma consciência ético-cristã de defesa da vida, da dignidade da pessoa e do bem-comum

28 MISSÃO DA IGREJA NO CAMPO POLÍTICO ENQUANTO REPRESENTADA PELA HIERARQUIA

29 POSIÇÕES EQUIVOCADAS Apolitismo Considera que é impossível uma missão assim, de uma Igreja envolvida no mundo político, porque a Igreja é apolítica Na verdade, é preciso que se tenha clareza de que a Igreja é apartidária, não apolítica Clericalismo É a reivindicação do poder temporal, a partir da hierarquia (governo eclesiástico) Na verdade, é preciso que se tenha clareza de que a competência da Igreja no campo político é mais ética que técnica

30 Aliança com o Estado Poderes atrelados, a modo de se confundirem: temporal e espiritual, como foi no período da cristandade, na idade média Na verdade, a Igreja, em razão de sua finalidade e competência, de modo nenhum se confunde com a comunidade política ou com algum sistema político, ela é sinal e salvaguarda, por excelência, do caráter transcendente da pessoa humana

31 POSIÇÃO CORRETA É precisamente pastoral ou evangelizadora. Ela supõe: a) evangelizar o político (função profética) Educar as consciências, orientando-as, denunciando profeticamente as injustiças, anunciando uma sociedade nova Preparar militantes políticos e acompanhá-los pastoralmente

32 b) Celebrar as esperanças e lutas do povo (função sacerdotal) Com seus ritos e liturgia, celebrar o Deus da vida que quer que todos tenham vida e vida em plenitude, alimentando suas esperanças e lutas, encarnando a fé na história, em vista do Reino definitivo

33 c) Solidarizar-se com as lutas justas do povo oprimido, através de apoio público e presença física (função régia) Concretamente: Salvar a vida contra a fome e a violência estabelecida Proteger os indefesos contra os violadores dos direitos elementares Animar os oprimidos frente às mortes frequentes e os dramas sociais Juntar o povo disperso, para que se organize Alimentar a esperança no futuro contra a opressão duradoura

34 MISSÃO DA IGREJA NO CAMPO POLÍTICO Enquanto representada pelos cristãos, membros do Povo de Deus

35 Enquanto cidadãos, os cristãos devem entrar, com plenos direitos, na política direta Para sua ação política concreta, o cristão não recebe ordens da fé ou da Igreja institucional, nada de política cristã, enquanto dividendos para a Igreja, mas política inspirada na mensagem cristã, em favor do bem comum e da justiça social

36 PRINCIPAIS CRITÉRIOS DE ORIENTAÇÃO POLÍTICA, À LUZ DO EVANGELHO Perspectiva de libertação: optar por partidos que busquem a transformação social e a criação de uma nova sociedade Opção pelos pobres: optar por organizações que assumem realmente a causa dos pobres Métodos participativos: entrar em movimentos que dão espaço ao povo, que adotam processos de baixo para cima e preferem métodos não-violentos Respeito à liberdade de consciência e religião: frente a tais critérios, nem todas as organizações de luta se equivalem para o cristão, mas existe sempre um legítimo pluralismo político ( GS 43,3)

37 NÍVEIS DE PARTICIPAÇÃO FORMAL 1. Apoio: voto, simpatia e filiação 2. Ação direta: militância e liderança No nível de apoio, deve continuar, de modo permanente, a pastoral de conscientização política do povo em geral No nível da ação direta, há necessidade de uma pastoral específica que ajude a formar os militantes cristãos para a competência política e para uma espiritualidade adequada (João Paulo II aos Bispos do Brasil ) Exigência para os militantes continuarem enraizados em sua base eclesial e popular e para terem eficácia política maior e mais qualificada

38 RETROSPECTO HISTÓRICO DA AÇÃO DA IGREJA NO CAMPO SOCIOPOLÍTICO NAS ÚLTIMAS DÉCADAS A preocupação da Igreja no Brasil com problemas de ordem sócio-econômica e política não é de hoje: Na década de trinta, esforços para promover a participação dos cristãos na vida política Na década de sessenta, apoio às reformas de base Nos anos oitenta, emendas populares na constituição (1988)

39

40 Nos anos noventa aos nossos dias, luta contra a corrupção e empenho nas políticas públicas. Bandeiras, entre outras assumidas: a) Erradicação da fome (redistribuição de renda e políticas de geração de renda, política agrícola) b) Respeito pelos direitos humanos (educação, saúde, moradia e segurança) c) Combate à miséria e à fome d) Defesa da vida e de sua dignidade, em todos os seus estágios e condições e) Desenvolvimento sustentável (qualidade de vida à população e respeito à ecologia) f) Empenho contra a corrupção político-eleitoral, como a lei 9840 e a da Ficha limpa

41 QUESTÕES 1) - Diz o Concílio Vaticano II: O divórcio entre fé e vida cotidiana é um dos mais graves erros do nosso tempo (GS 43,1) Quais são as raízes desse divórcio? Quais são os seus frutos? Como superar esse divórcio? 2) - Muita gente do povo acha a política uma coisa suja De onde vem essa idéia? Como ajudar o povo a superá-la?

42 3) - Qual a contribuição da Fé para a política e da política para a fé? 4) - Discutir a posição dos cristãos (ministros consagrados e leigos) frente a política, entendida de modo amplo, como também a política partidária: Como é esta posição? Como deve ser ? O que fazer para atingir seus objetivos e metas?

43 BIBLIOGRAFIA CNBB, Igreja, comunhão e missão, doc. 40, Paulinas 1988 nn BEOZZO, O (org.) Fé e Política (Clodovis Boff) in Curso de verão – Ano 1 (Coleção Teologia Popular, Paulinas 1988, pg LIBÂNIO, J. B., Fé e Política, Loyola, 1985 CNBB, CF – 1996: Fraternidade e Política: Justiça e Paz se abraçarão, Salesiana Dom Bosco, 1996 ARQUIDIOCESE DE MARIANA, Fé e Política – uma proposta de formação, dom Viçoso, 2006 CELAM, Documentos de Medellin, Puebla, Santo Domingo e Aparecida


Carregar ppt "FÉ E POLÍTICA COMPROMISSO COM A VIDA Pe. Marcelo Moreira Santiago Coordenador Arquidiocesano de Pastoral."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google