A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

TM175 Tópicos Especiais em Engenharia Mecânica IV: Ética Parte II – O Indivíduo nas Instituições.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "TM175 Tópicos Especiais em Engenharia Mecânica IV: Ética Parte II – O Indivíduo nas Instituições."— Transcrição da apresentação:

1 TM175 Tópicos Especiais em Engenharia Mecânica IV: Ética Parte II – O Indivíduo nas Instituições

2 A EMPRESA E O DESENVOLVIMENTO PESSOAL

3 DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL O desenvolvimento da cultura organizacional é a base da difusão e fortalecimento das novas diretrizes impostas pelas mudanças O desenvolvimento da cultura organizacional é a base da difusão e fortalecimento das novas diretrizes impostas pelas mudanças Ela que orienta as mudanças conforme a identidade própria da organização: as mudanças não fazem perder sua identidade Ela que orienta as mudanças conforme a identidade própria da organização: as mudanças não fazem perder sua identidade Mudar a cultura organizacional significa alterar sua identidade Mudar a cultura organizacional significa alterar sua identidade

4 DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

5 O ser humano como o diferencial competitivo Utilização de tecnologia de ponta Posição adequada no mercado Bom planejamento estratégico Pessoas

6 O ser humano como o diferencial competitivo No início, as organizações investiram em processos para a garantia dos resultados No início, as organizações investiram em processos para a garantia dos resultados Então o ser humano era considerado como mero recurso Então o ser humano era considerado como mero recurso Década de 80: abandono do foco em processos burocráticos para o desenvolvimento criativo e inovador das pessoas Década de 80: abandono do foco em processos burocráticos para o desenvolvimento criativo e inovador das pessoas As próprias gestão organizativa, formas de trabalho e modo de desenvolver pessoas passam à atenção dos dirigentes de topo As próprias gestão organizativa, formas de trabalho e modo de desenvolver pessoas passam à atenção dos dirigentes de topo Nas organizações de visão de futuro o RH faz o meio- de-campo entre as estruturas externas e internas Nas organizações de visão de futuro o RH faz o meio- de-campo entre as estruturas externas e internas

7 O ser humano como o diferencial competitivo O fato da inovação requerer múltiplas disciplinas e alta qualificação, o desafio diante da gerência é contratar, treinar e desenvolver um conjunto de indivíduos dotados de habilidades e qualificações diversas e também da capacidade de inovar. (...) Portanto, a alta especialização deve ser incrementada por habilidades nas áreas de resolução de problemas, comunicação, resolução de conflitos e construção de equipes.

8 O ser humano como o diferencial competitivo Nesta nova visão, as organizações devem formar a sua equipe gestora (diretores, gerentes e supervisores) para lidar com um conjunto de pessoas com uma individualidade a ser respeitada, com competências e habilidades a serem harmonicamente dispostas para a maior eficiência organizacional

9 Desenvolvimento organizacional Esforço de longo prazo, apoiado pela administração de topo, para melhorar os processos de solução de problemas e de renovação de uma organização através de uma administração eficaz da cultura organizacional

10 Desenvolvimento organizacional Processo de solução de problemas Métodos da organização para lidar com ameaças e oportunidades em seu ambienteMétodos da organização para lidar com ameaças e oportunidades em seu ambiente Processo de renovação Modo como os administradores adaptam os processos de solução de problemas ao ambienteModo como os administradores adaptam os processos de solução de problemas ao ambiente Atenção às peculiaridades Das pessoasDas pessoas HabilidadesHabilidades ConhecimentosConhecimentos CompetênciasCompetências Da organizaçãoDa organização Produtos ou serviçosProdutos ou serviços MercadoMercado

11 Cultura Organizacional Forma de atuar nas pessoas Forma de atuar nas pessoas Molda a atitude dos colaboradores Molda a atitude dos colaboradores Determina como a organização interage com o ambiente Determina como a organização interage com o ambiente Os padrões éticos e morais compõem a cultura organizacional Os padrões éticos e morais compõem a cultura organizacional

12 Quesitos para o Projeto de uma Cultura Organizacional Tem por base os princípios éticos Tem por base os princípios éticos Estes mesmos princípios ficam implícitos nas normas, procedimentos, processos, etc. da organização Estes mesmos princípios ficam implícitos nas normas, procedimentos, processos, etc. da organização Flexibilidade em todos os níveis para permitir o contínuo aprimoramento necessário à adaptação às novas situações e ambientes Flexibilidade em todos os níveis para permitir o contínuo aprimoramento necessário à adaptação às novas situações e ambientes

13 Direção das Empresas com Princípios Éticos A virtude torna bom aquele que a possui. (Aristóteles) O bom andamento de uma organização está condicionado à interação coletiva das qualidades éticas (virtudes) de cada pessoa, tanto de seus dirigentes como de seus funcionários

14 Virtudes: além das atitudes ou valores Ter uns valores assumidos ou possuir umas determinadas atitudes não é o mesmo que ser virtuoso. Possuir virtudes é muito mais que atuar de acordo com seus valores morais e ter uma atitude positiva, ainda que as virtudes pressupõem ambas ao mesmo tempo. As virtudes dão uma disposição firme e arraigada no caráter que facilita atuar e viver bem, e não só uma atitude psicológica ou uma capacidade valorativa" (Melé Carné)

15 A virtude como elemento principal no trabalho O trabalho coordenado e bem feito (acabado) de cada um tem como resultado a eficiência da organização como um todo O trabalho coordenado e bem feito (acabado) de cada um tem como resultado a eficiência da organização como um todo É importante frisar o envolvimento de todos, a começar dos diretores (que dão o exemplo) até o funcionário recém- contratado É importante frisar o envolvimento de todos, a começar dos diretores (que dão o exemplo) até o funcionário recém- contratado

16 Requisitos básicos para o desenvolvimento de uma cultura de valores Algumas virtudes implicadas no trabalho Diligência Laboriosidade PrudênciaConfiabilidadeRespeitoEtc.

17 Orientações para o desenvolvimento da cultura das virtudes

18 Importância de adquirir um caráter maduro e firme Os sentimentos em si não são bons nem ruins Os sentimentos em si não são bons nem ruins Quem se deixa levar pelos sentimentos perde a liberdade e conseqüentemente a criatividade. Não soma e se torna um lastro. Quem se deixa levar pelos sentimentos perde a liberdade e conseqüentemente a criatividade. Não soma e se torna um lastro. O domínio sobre os sentimentos (maturidade) é fundamental para o desenvolvimento da virtude. A virtude está na reta orientação dos sentimentos O domínio sobre os sentimentos (maturidade) é fundamental para o desenvolvimento da virtude. A virtude está na reta orientação dos sentimentos A organização formada por pessoas maduras torna-a mais eficiente A organização formada por pessoas maduras torna-a mais eficiente

19 A qualidade prudencial para a tomada de decisões em todos os níveis Prudente significa o que vê longe, que é perspicaz e prevê com certeza através da incerteza dos acontecimentos Prudente significa o que vê longe, que é perspicaz e prevê com certeza através da incerteza dos acontecimentos Prudente é aquele que decide inteligentemente Prudente é aquele que decide inteligentemente Cada vez mais a prudência se faz necessária em todos os níveis organizacionais para a maior eficácia do conjunto. Estruturas burocráticas e rígidas são substituídas por outras ágeis e flexíveis Cada vez mais a prudência se faz necessária em todos os níveis organizacionais para a maior eficácia do conjunto. Estruturas burocráticas e rígidas são substituídas por outras ágeis e flexíveis O bom exercício da prudência requer uma adequada formação técnica, científica, humana, cultural, moral e ética O bom exercício da prudência requer uma adequada formação técnica, científica, humana, cultural, moral e ética

20 Exercício efetivo da capacidade de liderança O líder tem um papel fundamental como vetor da transformação da cultura organizacional O líder tem um papel fundamental como vetor da transformação da cultura organizacional A exemplaridade, a coerência, o respeito, próprios do líder fundamentam-se nas virtudes A exemplaridade, a coerência, o respeito, próprios do líder fundamentam-se nas virtudes A prudência e a justiça são as virtudes mais importantes para o exercício efetivo da liderança A prudência e a justiça são as virtudes mais importantes para o exercício efetivo da liderança Os valores éticos cultivados e vividos conferem confiabilidade e solidez à liderança Os valores éticos cultivados e vividos conferem confiabilidade e solidez à liderança

21 Criação de uma cultura organizacional com qualidade ética que favoreça a continuidade da organização A interiorização das virtudes pelos componentes da organização torna a sua cultura virtuosa A interiorização das virtudes pelos componentes da organização torna a sua cultura virtuosa Uma vez enraizada, a cultura organizacional virtuosa favorece a disseminação de si própria entre funcionários, colaboradores e de todos direta ou indiretamente envolvidos na organização Uma vez enraizada, a cultura organizacional virtuosa favorece a disseminação de si própria entre funcionários, colaboradores e de todos direta ou indiretamente envolvidos na organização Priorização da promoção da cultura das virtudes Priorização da promoção da cultura das virtudes

22 Alguns traços característicos da permanência das empresas Consciência da sua identidade Valorização das pessoas e não de ativos Afrouxar a direção e o controle Organizar- se para aprender Criar uma comunidade


Carregar ppt "TM175 Tópicos Especiais em Engenharia Mecânica IV: Ética Parte II – O Indivíduo nas Instituições."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google