A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

O CONHECIMENTO HISTÓRICO E A PRÉ-HISTÓRIA

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "O CONHECIMENTO HISTÓRICO E A PRÉ-HISTÓRIA"— Transcrição da apresentação:

1 O CONHECIMENTO HISTÓRICO E A PRÉ-HISTÓRIA
HISTÓRIA M.1 O CONHECIMENTO HISTÓRICO E A PRÉ-HISTÓRIA DO AUTOR Slides PALAVRA Abertura: Os sentidos da história Capítulo 1: História: uma ciência em construção Capítulo 2: A origem do homem e a evolução humana Capítulo 3: A pré-história Capítulo 4: A origem dos povos americanos Resolução dos exercícios Multimídia Animação: Pré-história Mapa animado: Origens da agricultura e da pecuária Mapa animado: Primeiras migrações Trecho de filme: A guerra do fogo Mapa animado: Primeiras cidades X SAIR

2 Os sentidos da história
Professor: ao longo dos séculos, e especialmente em épocas mais recentes, a humanidade tem procurado entender o sentido da história – o que é, para que serve. Por muitos considerada uma “invenção” dos gregos, a história é, no entanto, inerente ao ser humano, sendo por isso tão antiga quanto a humanidade. Por meio de seu conhecimento, fazendo uso de interpretações próprias de uma determinada época, os indivíduos podem, com um olhar sobre o passado, compreender sua realidade presente e modificar a história, a sociedade em que vivem e a si mesmos. A necessidade de conhecer o passado para atuar no presente levou pesquisadores (além de historiadores, arqueólogos, antropólogos, linguistas etc.) a desenvolver cada vez mais técnicas de pesquisa que hoje nos possibilitam compreender as transformações humanas no tempo e no espaço por meio dos vestígios deixados por civilizações anteriores à nossa. São esses vestígios que nos capacitam hoje a ler o mundo e a nele atuar. Os sentidos da história X SAIR

3 História: uma ciência em construção
PASQUALE SORRENTINO/ SCIENCE PHOTO LIBRARY/LATINSTOCK Capítulo 1 História: uma ciência em construção X SAIR

4 O que é história? História: palavra de origem grega
Deriva de hístor: “sábio” ou “conhecedor”. No século V a.C., Heródoto foi o primeiro a usar “história” no sentido que o empregamos atualmente, por isso ele é considerado o primeiro historiador. Historiador: profissional que se ocupa da produção do conhecimento histórico. 1 História: uma ciência em construção

5 O estudo da história e as fontes históricas
Documentos históricos constituem a matéria-prima para o trabalho dos historiadores. RANGEL ESTUDIO/CID 1 História: uma ciência em construção

6 Tipos de documentos históricos
Documento histórico Qualquer objeto, criado pelo homem, capaz de transmitir ou conservar uma informação. Tipos de documentos históricos Documentos oficiais: leis, contratos, registros contábeis, registros de cartórios Documentos particulares: de empresas ou pessoais Publicações científicas Imprensa: livros, revistas e jornais Letras de música Inscrições em monumentos Dados estatísticos Pinturas, esculturas, construções Filmes, vídeos, fotografias, discos Roupas, chapéus, calçados, utensílios domésticos Joias, moedas 1 História: uma ciência em construção

7 O tempo e a história Tempo cronológico: normalmente é visto como algo fluido, uma linha na qual os fatos se sucedem. Tempo histórico: medida da compreensão dos eventos e das sociedades Historiador  lida com a duração. Diferentes tempos históricos podem coexistir. Processo histórico: o que permanece e o que muda ao longo do tempo, e como esses elementos se combinam. No Brasil, por quanto tempo os povos indígenas viveram da caça, coleta e agricultura? Que tipo de organização social essa economia gerou? O que ocorreu quando os portugueses chegaram aqui? Professor: use os exemplos das perguntas para ajudar a introduzir o conceito de processo histórico. No Brasil, a permanência do modo de vida indígena foi afetada pelas mudanças impostas pelos colonizadores portugueses. A combinação entre esses elementos resultou no processo histórico que hoje se caracteriza como aquele que deu início ao período colonial brasileiro. 1 História: uma ciência em construção

8 A periodização ocidental da história
Cerca de 190 mil anos atrás. Surgimento da espécie Homo sapiens Cerca de 6 mil anos atrás. Invenção da escrita Ano 1. Nascimento de Cristo IDADE ANTIGA PRÉ-HISTÓRIA Cerca de 4 mil anos atrás. Uso dos metais Cerca de 10 mil anos atrás. Desenvolvimento da agricultura Cerca de 2,5 milhões de anos atrás. Surgimento dos primeiros representantes do gênero Homo 1 História: uma ciência em construção

9 1453 Tomada de Constantinopla
A periodização ocidental da história IDADE MÉDIA IDADE MODERNA IDADE CONTEMPORÂNEA 1453 Tomada de Constantinopla 1789 Revolução Francesa HISTÓRIA 476 Queda do Império Romano do Ocidente 1 História: uma ciência em construção

10 Capítulo 2 A origem do homem e a evolução humana
PASQUALE SORRENTINO/ SCIENCE PHOTO LIBRARY/LATINSTOCK Capítulo 2 A origem do homem e a evolução humana X SAIR

11 A origem do homem Teoria da evolução (Darwin): organismos simples evoluíram para organismos mais complexos. Criacionismo: mundo criado por Deus (relato bíblico) 2 A origem do homem e a evolução humana

12 As etapas da evolução humana
Hominídeos Família que inclui os gêneros Sahelanthropus, Australopithecus e Homo. Representantes Sahelanthropus tchadensis: 7 milhões a 6 milhões de anos atrás Orrorin tugenensis: 6 milhões de anos atrás Australopithecus: 4,5 milhões a 2 milhões de anos atrás Acredita-se que tanto o S. tchadensis quanto o O. tugenensis já caminhavam sobre dois pés. 2 A origem do homem e a evolução humana

13 As etapas da evolução humana
Homo habilis Primeiro hominídeo do gênero Homo Viveu por volta de 2,4 milhões a 1,5 milhão de anos atrás. Fabricava instrumentos grosseiros de pedra. Provavelmente desenvolveu linguagem rudimentar. 2 A origem do homem e a evolução humana

14 As etapas da evolução humana
Homo erectus Descendente do Homo habilis Viveu há 1,8 milhão de anos. Saiu da África e alcançou a Europa, a Ásia e a Oceania. Foi o descobridor do fogo. Fabricava instrumentos de pedra mais complexos. Cobria o corpo com peles de animais. Tinha uma linguagem mais elaborada. 2 A origem do homem e a evolução humana

15 As etapas da evolução humana
Homo neanderthalensis Provável descendente do Homo erectus Viveu há 230 mil anos. Criou ferramentas e armas sofisticadas. Enterrava seus mortos com flores e objetos. Conviveu com os primeiros homens modernos e desapareceu por motivos ainda inexplicados. 2 A origem do homem e a evolução humana

16 As etapas da evolução humana
Homo sapiens Descendente do Homo erectus Surgiu há cerca de 100 mil anos. Trata-se do homem moderno, a espécie a que pertencemos. 2 A origem do homem e a evolução humana

17 Pedra trabalhada de um lado
Os períodos da pré-história Homo habilis Homo erectus PALEOLÍTICO 2,5 milhões de anos 1,8 milhão de anos Uso do fogo Pedra trabalhada de um lado LEA LEVI/CID GIUSEPPE GIORCELLI/ CID 2 A origem do homem e a evolução humana

18 Homo neanderthalensis
Os períodos da pré-história Homo neanderthalensis Homo sapiens Vaso de cerâmica Estatueta de cerâmica da deusa da fertilidade WERNER FORMAN/ AKG-IMAGES-LATINSTOCK HERITAGE IMAGES/ OTHER IMAGES NEOLÍTICO 230 mil anos 100 mil anos 10 mil a.C. 8 mil a.C. 6 mil a.C. 4 mil a.C. Surgimento da escrita Arpão de osso CID 2 A origem do homem e a evolução humana

19 Pré-história Clique na imagem abaixo para ver a animação.
Professor: essa animação resume as principais características de cada período da pré-história, ao mesmo tempo que reforça sua cronologia. Use-a para preparar uma introdução ao capítulo 3, que detalha cada período abordado aqui. 2 A origem do homem e a evolução humana

20 Capítulo 3 A pré-história
PASQUALE SORRENTINO/ SCIENCE PHOTO LIBRARY/LATINSTOCK Capítulo 3 A pré-história X SAIR

21 O Paleolítico: A guerra do fogo
Clique na imagem abaixo para ver o trecho do filme. 20TH CENTURY FOX FILM/EVERETT COLLECTION/KEYSTONE Professor: esse trecho do filme A guerra do fogo dramatiza o suposto momento em que, no Paleolítico, os primeiros Homo erectus conseguiram fazer fogo. Use-o para apresentar o período e associá-lo a essa descoberta que mudou o destino da espécie humana. Duração: 2min20s 3 A pré-história

22 A transição mesolítica
CID Pintura rupestre na caverna de Lascaux, França, cerca de 15 mil anos a.C. 3 A pré-história

23 A revolução neolítica Período Neolítico: início em cerca de 10 mil anos a.C. Identificação dos animais de caça e das plantas comestíveis ou úteis no tratamento de doenças Construção de canoas, jangadas e barcos, importantes para as migrações Polimento de instrumentos de pedra, o que criou peças mais duráveis que as usadas anteriormente. Desenvolvimento de crenças religiosas 3 A pré-história

24 A descoberta da agricultura (c. 8000 mil a.C.)
Agricultura: fonte estável de alimentos Fixação em áreas mais férteis, em aldeias de casas de madeira, pedra, barro ou adobe (tijolo de barro) Domesticação de animais e pastoreio Professor: a escala indicada se refere ao mapa impresso no módulo. As transformações agrícolas tiveram início no Crescente Fértil. 3 A pré-história

25 Origens da agricultura e da pecuária (8000 a.C. – 3000 a.C.)
Clique na imagem abaixo para ver o mapa animado. Professor: a escala original desse mapa se encontra no módulo. Utilize-o para a exemplificação sobre as origens da agricultura e da pecuária. 3 A pré-história

26 A vida nas aldeias neolíticas
Comunidade de poucas famílias extensas  clãs Clã  antepassado comum Tribo  vários clãs Anciãos: chefes de família  administrar conflitos. Patriarca: líder religioso e político; devia proteger a comunidade dos ataques de grupos rivais, que investiam contra as aldeias em busca de alimentos e de animais domesticados. 3 A pré-história

27 A vida nas aldeias neolíticas
Cultivo dos campos (colheita coletiva)  trigo e cevada Divisão do trabalho: diferenciação entre as tarefas dos homens e as das mulheres; não há trabalhadores especializados. Economia: de subsistência (poucos excedentes) Criação: cabras, porcos e bovinos Fabricação de vestimentas: linho e lã 3 A pré-história

28 As condições para a formação das cidades
Aldeias: cercadas de muros de proteção Conhecimento do regime das chuvas e das estiagens Drenagem dos pântanos para ampliar as áreas de cultivo. Construção de diques e canais de irrigação Novas técnicas de plantio: arado semeador Agricultura irrigada + avanços tecnológicos Aumento na produção de alimentos Excedentes em grande escala 3 A pré-história

29 As condições para a formação das cidades
Crescimento das colheitas Melhores condições de sobrevivência Crescimento populacional Camponeses: dedicados apenas ao cultivo Troca: excedentes agrícolas x arados e outros objetos Comércio  escambo (troca de produtos) 3 A pré-história

30 Primeiras cidades (8000 a.C -1500 a.C.)
Clique na imagem abaixo para ver o mapa animado. Professor: a escala original desse mapa se encontra no módulo. Esse mapa retrata o surgimento das primeiras cidades. É importante perceber que essas formações diferem teoricamente, mas que a interpretação adotada por este material é a mais aceita. 3 A pré-história

31 Machados da Idade do Bronze encontrados em Zaragoza, Espanha
A Idade dos Metais Instrumentos de pedra substituídos por metal: cobre, bronze e ferro Metalurgia  artesanato (arados, enxadas e foices mais resistentes) Aperfeiçoamento das atividades agrícolas SANCHEZ MILLAN/CID Machados da Idade do Bronze encontrados em Zaragoza, Espanha 3 A pré-história

32 O campo e a cidade: divisão do trabalho e desigualdade
Organização urbana  especialização do trabalho Divisão da população: produtores de alimentos  especialistas das mais variadas funções intensificação do comércio Organização do campo: famílias com melhores lotes de terra x famílias com trechos áridos Trabalho no campo: produção para o próprio sustento e para os habitantes das cidades 3 A pré-história

33 A formação do Estado Estruturação do poder político  coordenação de obras de interesse coletivo: diques e canais de irrigação, regulamentação do comércio Primeiros governantes do Crescente Fértil  reis-sacerdotes Reis-sacerdotes  substituídos por chefes políticos que não exerciam funções religiosas. Rei  designado representante máximo da divindade e responsável pela exploração das terras. Aparecimento da propriedade privada  elite ligada aos reis e aos sacerdotes passou a se apropriar de uma parte das colheitas, assim como das terras produtivas. União de cidades ou Estados  origina impérios  grandes civilizações da Antiguidade. 3 A pré-história

34 A origem dos povos americanos
PASQUALE SORRENTINO/ SCIENCE PHOTO LIBRARY/LATINSTOCK Capítulo 4 A origem dos povos americanos X SAIR

35 Primeiras migrações (1 milhão - 15 mil anos atrás)
Clique na imagem abaixo para ver o mapa animado. Professor: a escala do mapa se encontra no módulo. Nele temos três hipóteses de rotas de migração. Discuta a questão da hipótese no trabalho do historiador. 4 A origem dos povos americanos

36 Sítios arqueológicos no Brasil
Grutas de Lagoa Santa (MG) Datação: cerca de 11 mil anos Achados: homem de Lagoa Santa (esqueletos; ) Estudos recentes: Luzia GREGG NEWTON/REUTERS/NEWSCOM Professor: no sítio arqueológico de Lagoa Santa, Walter Neves estudou o fóssil e concluiu (1999) que o crânio era feminino e tinha feições negroides. Luzia (nome dado ao fóssil) se parece com os habitantes de algumas regiões da África e da Oceania. Crânio de Luzia e possível reconstituição de seu rosto 4 A origem dos povos americanos

37 Sítios arqueológicos no Brasil
Parque Nacional da Serra da Capivara, com mais de 250 sítios arqueológicos (entre eles, o Boqueirão da Pedra Furada) Datação: cerca de 20 mil anos Achados: 30 mil pinturas rupestres Estudos recentes: segundo a arqueóloga Niède Guidon, os restos de fogueiras encontrados nos sítios têm mais de 50 mil anos. FABIO COLOMBINI Professor: a imagem não se encontra no módulo. Pintura rupestre em São Raimundo Nonato, Piauí 4 A origem dos povos americanos

38 Boqueirão da Pedra Furada, em São Raimundo Nonato
Professor: a escala indicada se refere ao mapa impresso no módulo. Boqueirão da Pedra Furada, localizado no Parque Nacional da Serra da Capivara, em São Raimundo Nonato. 4 A origem dos povos americanos

39 A pré-história americana
Período Paleoíndio: instrumentos de pedra talhada, utensílios de osso de mastodonte, mamute, bisão e camelídeos Período Arcaico: caçadores; pontas de flecha de duas faces, facas e instrumentos de pedra com técnica aperfeiçoada 1. Sítio arqueológico de Monte Verde (Chile): artefatos de madeira, plantas medicinais, ferramentas, pedaços de carne e osso de mastodonte, além de pegadas humanas. Estima-se que esses fósseis tenham datação entre anos e anos. 2. Patagônia (sul da Argentina): pinturas rupestres, pontas de lança e restos de fogueiras, evidenciando a chegada ao local há bem mais de anos. Esses habitantes provavelmente praticavam a pesca e a coleta de mariscos; supõe-se que usavam a carne do lobo-marinho para a alimentação e sua pele para construir embarcações e confeccionar agasalhos. 4 A origem dos povos americanos 39

40 A pré-história americana
Períodos Formativo, Clássico e Pós-Clássico: surgem atividades como a agricultura e a cerâmica e ocorre a concentração das comunidades em aldeias, como as da região amazônica Características: coleta sistemática de vegetais; sedentarização e urbanismo incipiente; confecção de cerâmica, cestaria, tecidos e artefatos de pedra associados à agricultura Economia agrícola: consolidada entre 3000 a.C. e 1500 a.C.; aproveitamento de espécies vegetais autóctones (milho, batata, abóbora, cacau, mandioca, girassol e outras) graças a técnicas como irrigação, cultivo em terraços escalonados e fertilização Criação: lhamas e alpacas 4 A origem dos povos americanos

41 A pré-história americana: os povos dos sambaquis
Sambaquis  sítios arqueológicos com vestígios da ocupação humana, como pedras, sepulturas, fogueiras, restos de alimentos e recipientes de barro não cozido Há cerca de 10 mil anos  paleoíndios mudaram-se para o litoral em busca de alimentação abundante. Além de caçar e coletar frutos silvestres, eles passaram a consumir especialmente moluscos e crustáceos. Esses povos construíam suas casas nas praias, onde descartavam conchas, armazenavam alimentos e enterravam os mortos. 4 A origem dos povos americanos

42 Navegando no módulo X SAIR PASQUALE SORRENTINO/
SCIENCE PHOTO LIBRARY/LATINSTOCK Navegando no módulo X SAIR

43 GRUPOS E CLASSES SOCIAIS
CONTINUIDADES PRÉ-HISTÓRIA HISTÓRIA RUPTURAS PALEOLÍTICO NEOLÍTICO IDADE DOS METAIS CAÇA, COLETA REVOLUÇÃO AGRÍCOLA REVOLUÇÃO URBANA NOMADISMO SEDENTARIZAÇÃO DIVISÃO DO TRABALHO BANDO TRIBOS, CLÃS GRUPOS E CLASSES SOCIAIS Navegando no módulo

44 FIM X SAIR SEQUÊNCIA DIDÁTICA
Adaptação e consultoria: Professor Diogo Martins de Santana Revisão: Lara Milani (coord.), Adriana B. dos Santos, Alexandre Sansone, Amanda Ramos, Anderson Félix, André Annes Araujo, Aparecida Maffei, David Medeiros, Greice Furini, Maria Fernanda Neves, Renata Tavares Diagramação: Adailton Brito de Souza, Gustavo Sanches, Keila Grandis, Marlene Moreno, Valdei Prazeres, Vicente Valenti Cartografia: Alessandro Passos da Costa, Anderson de Andrade Pimentel Imagens: © guerra do fogo/ Belstar Productions, Ciné Trail, Famous Players, International Cinemedia Center, Royal Bank, Stéphan Films/ Jean-Jacques Annaud VÍDEOS Palavra do autor Produção: Estúdio Moderna Produções Edição: 3D LOGIC MULTIMÍDIA Consultoria: Professor Diogo Martins de Santana Edição: Daniel Lima, Luciana Scuarcialupi, Raphael Prado Revisão técnica: Professora Thaís Rocha da Silva Produção: Cricket Design Locução: Núcleo de Criação © 2009, Grupo Santillana/Sistema UNO Uso permitido apenas em escolas filiadas ao Sistema UNO Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser reproduzida, arquivada ou transmitida, de qualquer forma, em qualquer mídia, seja eletrônica, química, mecânica, óptica, de gravação ou de fotocópia, fora do âmbito das escolas do Sistema UNO. A violação dos direitos mencionados constitui delito contra a propriedade intelectual e os direitos de edição. GRUPO SANTILLANA Rua Padre Adelino, 758 – Belenzinho São Paulo − SP – Brasil – CEP Vendas e Atendimento: Tel.: (11) Fax: (11) PASQUALE SORRENTINO/ SCIENCE PHOTO LIBRARY/LATINSTOCK FIM X SAIR

45 O CONHECIMENTO HISTÓRICO E A PRÉ-HISTÓRIA
HISTÓRIA M.1 O CONHECIMENTO HISTÓRICO E A PRÉ-HISTÓRIA X SAIR

46 1 Disponível em: <www.miniweb.com.br/Historia/artigos/i_antiga /imagens/dopaleolaoneol1.jpg>. Acesso em: 14 jun (Adaptado.) ENEM – HISTÓRIA M.1

47 A partir da análise da tabela anterior, é correto afirmar que:
a) Os diferentes minerais utilizados em períodos diversos ilustram a vida do homem na pré-história. b) A pré-história se caracteriza pelo uso exclusivo da pedra para a confecção de ferramentas. c) O termo “pré-história” refere-se à época em que os documentos escritos não existiam. d) Os períodos da pré-história são determinados a partir das diferenças tecnológicas encontradas nos vestígios arqueológicos. e) As diferenças entre os instrumentos de caça utilizados na pré-história revelam as diferentes necessidades do homem em cada período. RESPOSTA: D Observando a tabela, é possível perceber um aperfeiçoamento das técnicas de fabricação de instrumentos. Essas transformações correspondem a um determinado período de tempo. Professsor: essa questão está ligada à habilidade 1 da área de Ciências Humanas da matriz de referência. ENEM – HISTÓRIA M.1

48 2 Texto 1 A escrita cuneiforme, originária do sul da Mesopotâmia, parece ter sido inventada pelos sumérios. É a mais antiga língua humana escrita conhecida. A sua invenção deveu-se às necessidades de administração daquele povo, ou seja: cobrança de impostos, registro de cabeças de gado, medidas de cereais etc. Disponível em: <http://tipografos.net/escrita/sumerio.html>. Acesso em: 13 jun (Adaptado.) Texto 2 A partida de Belém foi, como Vossa Alteza sabe, segunda-feira 9 de março. E sábado, 14 do dito mês, entre as 8 e 9 horas, nos achamos entre as Canárias, mais perto da Grande Canária. (...) A feição deles é serem pardos, um tanto avermelhados, de bons rostos e bons narizes, benfeitos. Andam nus, sem cobertura alguma. Nem fazem mais caso de encobrir ou deixar de encobrir suas vergonhas do que de mostrar a cara. Acerca disso são de grande inocência. (...) Também andavam entre eles quatro ou cinco mulheres, novas, que assim, nuas, não pareciam mal. Entre elas andava uma, com uma coxa, do joelho até o quadril e a nádega, toda tingida daquela tintura preta; e todo o resto da sua cor natural. Carta de Pero Vaz de Caminha ao Rei D. Manuel em 1o de maio de Em: Carta a El Rei D. Manuel. São Paulo: Dominus, 1963. ENEM – HISTÓRIA M.1

49 De acordo com a leitura dos textos, a respeito do processo de construção do conhecimento histórico, pode-se extrair que: a) Ambos os trechos tratam de dois momentos iniciais na formação do patrimônio histórico-cultural mundial, ou seja, o primeiro registro da escrita no mundo e no Brasil, respectivamente. b) A análise dos textos demonstra que os índios brasileiros avistados por Pero Vaz de Caminha faziam uso das técnicas da escrita cuneiforme. c) Tanto os sumérios como os índios brasileiros criaram a língua escrita pelos mesmos motivos: cobranças de impostos e quantificação da produção de cereais. d) Por se distanciarem demasiadamente no tempo, os dois textos perderam a conexão lógica na construção do conhecimento histórico. e) Estudos referentes à construção do conhecimento histórico só podem ser relacionados quando enfoquem eventos pertencentes ao mesmo período da história. RESPOSTA: A O texto 1 trata da criação da linguagem escrita pela humanidade, cujo primeiro registro aparece na Mesopotâmia antiga. O texto 2 é um trecho da famosa carta de Pero Vaz de Caminha, que é o primeiro documento escrito no Brasil. Professsor: essa questão está ligada à habilidade 2 da área de Ciências Humanas da matriz de referência. ENEM – HISTÓRIA M.1

50 (Reprodução de questão-modelo elaborada pelo Inep)
3 A Superintendência Regional do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) desenvolveu o projeto “Comunidades Negras de Santa Catarina”, que tem como objetivo preservar a memória do povo afrodescendente no sul do país. A ancestralidade negra é abordada em suas diversas dimensões: arqueológica, arquitetônica, paisagística e imaterial. Em regiões como a do Sertão de Valongo, na cidade de Porto Belo, a fixação dos primeiros habitantes ocorreu imediatamente após a abolição da escravidão no Brasil. O Iphan identificou nessa região um total de 19 referências culturais, como os conhecimentos tradicionais de ervas de chá, o plantio agroecológico de bananas e os cultos adventistas de adoração. Disponível em: <http://portal.iphan.gov.br/portal/montarDetalheConteudo.do?id=14256&sigla=Noticia&retorno=detalheNoticia>. Acesso em: 1o jun (Adaptado) O texto acima permite analisar a relação entre cultura e memória, demonstrando que a) as referências culturais da população afrodescendente estiveram ausentes no sul do país, cuja composição étnica se restringe aos brancos. b) a preservação dos saberes das comunidades afrodescendentes constitui importante elemento na construção da identidade e da diversidade cultural do país. c) a sobrevivência da cultura negra está baseada no isolamento das comunidades tradicionais, com proibição de alterações em seus costumes. ENEM – HISTÓRIA M.1

51 d) os contatos com a sociedade nacional têm impedido a conservação da memória e dos costumes dos quilombolas em regiões como a do Sertão de Valongo. e) a permanência de referenciais culturais que expressam a ancestralidade negra compromete o desenvolvimento econômico da região. RESPOSTA: B Professsor: essa questão está ligada à habilidade 2 da área de Ciências Humanas da matriz de referência. ENEM – HISTÓRIA M.1

52 FIM X SAIR QUESTÕES ENEM Elaboração: Tadeu Arantes
Revisão técnica: Julio Pimentel e Mirtes Timpanaro Revisão: Lara Milani (coord.), Alexandre Sansone, André Annes Araujo, Débora Baroudi, Fabio Pagotto, Flávia Yacubian, Greice Furini, Luiza Delamare, Maria Fernanda Neves, Renata Tavares, Valéria C. Borsanelli Diagramação: Adailton Brito de Souza, Gustavo Sanches, Keila Grandis, Marlene Moreno, Valdei Prazeres, Vicente Valenti © 2009, Grupo Santillana/Sistema UNO Uso permitido apenas em escolas filiadas ao Sistema UNO Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser reproduzida, arquivada ou transmitida, de qualquer forma, em qualquer mídia, seja eletrônica, química, mecânica, óptica, de gravação ou de fotocópia, fora do âmbito das escolas do Sistema UNO. A violação dos direitos mencionados constitui delito contra a propriedade intelectual e os direitos de edição. GRUPO SANTILLANA Rua Padre Adelino, 758 – Belenzinho São Paulo − SP – Brasil – CEP Vendas e Atendimento: Tel.: (11) Fax: (11) FIM X SAIR


Carregar ppt "O CONHECIMENTO HISTÓRICO E A PRÉ-HISTÓRIA"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google