A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

PRÓ-REITORIA DE ENSINO SANTA MARIA, 25 DE OUTUBRO DE 2011.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "PRÓ-REITORIA DE ENSINO SANTA MARIA, 25 DE OUTUBRO DE 2011."— Transcrição da apresentação:

1 PRÓ-REITORIA DE ENSINO SANTA MARIA, 25 DE OUTUBRO DE 2011

2 PRÓ-REITORA: Tanira Marinho Fabres DIRETORIA DE ENSINO TÉCNICO E GRADUAÇÃO: DIRETORIA DE ENSINO TÉCNICO E GRADUAÇÃO: Andréa da Silva COORDENAÇÃO DE ENSINO E ASSISTÊNCIA AO EDUCANDO - COORDENAÇÃO DE ENSINO E ASSISTÊNCIA AO EDUCANDO - Gustavo Lotici Hennig e Marina do Santos. ASSESSORIA DE AÇÕES INCLUSIVAS - ASSESSORIA DE AÇÕES INCLUSIVAS - Tânia Dubou Hansel e Suélen da Silva Zuquetto ASSESSORIA PEDAGÓGICA - ASSESSORIA PEDAGÓGICA - Ângela Mª. A. M. de Souza, Cristina B. Townsend e Mariglei S. Maraschin ASSESSORIA DE LEGISLAÇÃO - ASSESSORIA DE LEGISLAÇÃO - Josiane Lara Fagundes GRUPO DE TRABALHO DE BIBLIOTECA – GRUPO DE TRABALHO DE BIBLIOTECA – Carmem Elisa Magalhães Ferreira Queiroz NÚCLEO DE INGRESSO DE ALUNOS- COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO –COPESEL- NÚCLEO DE INGRESSO DE ALUNOS- COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO –COPESEL- Nestor Davino Santini, Paula Tombesi Gandoski, Helena Sebastiany Coelho e Thiago Sonnenstrahl. NÚCLEO DE REGISTROS E DIPLOMAS - NÚCLEO DE REGISTROS E DIPLOMAS - Rafael Bonadiman PESQUISA INSTITUCIONAL - PESQUISA INSTITUCIONAL - Angela Maria Dubou e Taisa Rossato REDE e-Tec – REDE e-Tec – Lilianna Bolsson Loebler, Rafael Bonadiman, Rafael Minuzzi, Elisa Castro de Miranda, Marina do Santos e Helena Sebastiany Coelho EQUIPEEQUIPE

3 Criação dos Institutos Federais Lei nº de 29/12/2008 Art. 1 o Fica instituída, no âmbito do sistema federal de ensino, a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, vinculada ao Ministério da Educação e constituída pelas seguintes instituições: I - Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia - Institutos Federais; II - Universidade Tecnológica Federal do Paraná - UTFPR; III - Centros Federais de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca - CEFET- RJ e de Minas Gerais - CEFET-MG; IV - Escolas Técnicas Vinculadas às Universidades Federais.

4 Art. 2º Os Institutos Federais são instituições de educação superior, básica e profissional, pluricurriculares e multicampi, especializados na oferta de educação profissional e tecnológica nas diferentes modalidades de ensino, com base na conjugação de conhecimentos técnicos e tecnológicos com as suas práticas pedagógicas.

5 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CONCEPÇÃO E DIRETRIZES

6 FOCO DOS INSTITUTOS Justiça Social Equidade Competitividade Econômica Geração de Novas Tecnologias

7 IMPLANTAÇÃO DOS INSTITUTOS Vinculada ao conjunto de políticas para a Educação Profissional e Tecnológica Expansão da Rede Federal de EPT Ampliação da oferta de cursos técnicos, sobretudo na forma de Ensino Médio Integrado EAD

8 Elevação da titulação dos profissionais das Instituições da Rede Federal Programa de Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrada ao Ensino Médio, na modalidade de Educação de Jovens e Adultos IMPLANTAÇÃO DOS INSTITUTOS

9 INSTITUTOS FEDERAIS INSTITUIÇÕES QUE OFERTAM A EDUCAÇÃO SUPERIOR, BÁSICA E PROFISSIONAL Papel social vinculado à oferta do ato educativo que elege como princípio a primazia do bem social. Incubadora de políticas sociais. Rede de saberes que entrelaça cultura, trabalho, ciência e tecnologia, em favor da sociedade. Os Institutos assumem o papel de agentes colaboradores na estruturação das políticas públicas, para a região que polarizam Deverão estabelecer uma relação mais direta junto ao poder público e às comunidades locais.

10 TECER PROPOSTAS DE INCLUSÃO SOCIAL TECER PROPOSTAS DE INCLUSÃO SOCIAL Diversidade Sociocultural Princípios e valores que convergem para fazer valer uma concepção de Educação Profissional e Tecnológica, em sintonia com os valores universais do homem (arte e cultura).

11 PRINCÍPIO DA PROPOSTA POLÍTICO-PEDAGÓGICA OFERTAR Curso de Ensino Médio Integrado à Educação Profissional Técnica de Nível Médio Ensino Técnico em Geral Cursos Superiores de Tecnologia Licenciatura Bacharelado Em áreas em que a ciência e a tecnologia são componentes determinantes (particular: engenharias)

12 PRINCÍPIO DA PROPOSTA POLÍTICO-PEDAGÓGICA Programas de Pós-Graduação Lato e Stricto Sensu Formação Inicial e Continuada do Trabalhador e dos Futuros Trabalhadores ( Rede Certific- 22/3/2010)

13 PDI Construção Democrática e Participativa do IF Farroupilha (de dezembro de 2008 até junho de 2009) PDI Construção Democrática e Participativa do IF Farroupilha (de dezembro de 2008 até junho de 2009)

14 Promover a educação profissional, científica e tecnológica, por meio do ensino, pesquisa e extensão, com foco na formação de cidadãos críticos, autônomos e empreendedores, comprometidos com o desenvolvimento sustentável

15 PROPOSTA PEDAGÓGICA DOS CURSOS Construir sua proposta com a propriedade que a sociedade está a exigir e se transformar em instrumento sintonizador com as demandas sociais, econômicas e culturais, permeando-se das questões de diversidade cultural e de preservação ambiental; Deverá traduzir compromisso social pautado na ética da responsabilidade e do cuidado; Proposta curricular que integra o Ensino Médio à Formação Técnica, estabelecendo o diálogo entre os conhecimentos científicos, tecnológicos, sociais e humanísticos

16 PROPOSTA PEDAGÓGICA DOS CURSOS

17 CONSTRUÇÃO COLETIVA DA PROPOSTA PEDAGÓGICA DOS CURSOS IF FARROUPILHA PPCs planejados à luz da legislação educacional vigente. Afirmar a construção coletiva, o valor e o significado para cada sujeito e para a comunidade educacional

18 1.tenham competência técnica e tecnológica; 2.sejam capazes de se inserir no mundo do trabalho compromissados com a sustentabilidade; 3.tenham formação humanística e cultura geral integrada à formação técnica; 4.atuem com base em princípios éticos (sustentabilidade); 5.saibam interagir e aprimorar continuamente seus aprendizados ( democracia) 6.sejam cidadãos críticos, propositivos e dinâmicos O IF FARROUPILHA PRIORIZA A FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS QUE:

19 VERTICALIZAÇÃOVERTICALIZAÇÃO Construção de saberes e fazeres de maneira articulada, desde a Educação Básica até a Pós-Graduação, construindo vínculos, potencializando e compartilhando metodologias. Currículos organizados em: ciclos, projetos, módulos e outros

20 Articular: ensino, pesquisa e extensão Desenvolver atitudes e ações inovadoras Projetos Interdisciplinares ( coletivo) Cursos de pequena duração, fóruns, palestras de relevância social Flexibilização de conteúdos: demandas pontuais Tempo (hora aula)= viabilizar a construção de trajetórias Espaço para a reflexão e construção de ações coletivas Intercâmbio Pedagogia da Alternância (respeita o saber e as experiências do estudante) Atividades Complementares FLEXIBILIZAÇÃO CURRICULAR

21 ENSINO/ PESQUISA/EXTENSÃO ARTICULAÇÃO INTEGRAÇÃO ARTICULAÇÃO INTEGRAÇÃO

22 AVALIAÇÃOAVALIAÇÃO Contínua Paralela Instrumentos variados Número amplo Professores tem que deixar claro aos estudantes os critérios Recuperação paralela: recompor aprendizados durante o período letivo Encontros coletivos para analisar o processo de ensino-aprendizagem, no decorrer do período letivo = Conselho de Classe

23 DEFINIÇÕESDEFINIÇÕES Perfil do Aluno Ingresso= ações afirmativas Estruturação Tempo de Duração: Observar a carga horária mínima prevista A)Técnico Integrado= 3 anos + Estágio B) Técnico Subsequente=1ano + Estágio ou 1,5 ano + Estágio C) Licenciaturas= 4 anos D)Tecnólogos= 3 ou 3,5 anos E)Bacharelados= 5 anos Resolução nº 2, de 18 de junho de 2007.

24 ORGANIZAÇÃO DO CURRÍCULO A) Técnico: anual/semestral B) Superior: semestral Tempo Hora-aula 50 min observar cálculo para transformação hora-relógio

25 DEFINIÇÕESDEFINIÇÕES Organização Curricular : Área do conhecimento Componentes curriculares Distribuição Carga Horária nas Áreas= equilíbrio O Curso pode ter um acréscimo de até 25% da carga horária mínima prevista Prática Profissional= é obrigatória e deve constar no PPC (projetos aplicados para articular a Pesquisa, Extensão e o Ensino = implementação de uma ideia) Orientada/ Elemento Curricular/ Interdisciplinar/ Relação Teoria-Prática - Estágio Curricular (obrigatório ou facultativo)

26 DEFINIÇÕESDEFINIÇÕES Bases Curriculares = itinerários formativos Ementas = interdisciplinaridade/ prática profissional/ regionalidade Disciplinas Optativas= deverão constar nos PPCs Obrigatório (ementas)

27 INCLUSÃOINCLUSÃO Igualdade de condições para o acesso, a permanência na instituição de ensino e o acompanhamento do egresso, respeitando as diferenças e a diversidade.

28 COMPROMISSO COM A INCLUSÃO Ações afirmativas Igualdade de condições NAPNES - Núcleo de Apoio a Pessoas com necessidades Específicas NEABI – Núcleo de Estudos Afro-brasileiros e Indígenas PROEJA e PROEJA FIC Educação no campo Gênero e diversidade sexual

29 COMPROMISSO COM ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL Igualdade de condições Equipe de saúde: médico (a), enfermeiro (a), Psicólogo (a), odontólogo(a), nutricionista e técnico em enfermagem. Refeitório e Moradia Estudantil; Bolsa de Auxílio ao estudante; Transporte Escolar (bolsa).

30 Alunos 4.254

31 EVOLUÇÃO DO ENSINO

32 RECURSOS HUMANOS


Carregar ppt "PRÓ-REITORIA DE ENSINO SANTA MARIA, 25 DE OUTUBRO DE 2011."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google