A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Sistema de créditos europeu: o ECTS Universidade de São Paulo A USP e a internacionalização da formação universitária 10 de Novembro de 2004 Pedro Lourtie.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Sistema de créditos europeu: o ECTS Universidade de São Paulo A USP e a internacionalização da formação universitária 10 de Novembro de 2004 Pedro Lourtie."— Transcrição da apresentação:

1 Sistema de créditos europeu: o ECTS Universidade de São Paulo A USP e a internacionalização da formação universitária 10 de Novembro de 2004 Pedro Lourtie Instituto Superior Técnico, Universidade Técnica de Lisboa

2 Sistema de créditos europeu: o ECTSPedro Lourtie Tópicos Introdução Introdução Princípios do sistema ECTS Princípios do sistema ECTS Gestão da carga de trabalho Gestão da carga de trabalho Resultados de aprendizagem Resultados de aprendizagem Classificação na escala ECTS Classificação na escala ECTS ECTS e aprendizagem ao longo da vida ECTS e aprendizagem ao longo da vida Suplemento ao Diploma Suplemento ao Diploma

3 Sistema de créditos europeu: o ECTSPedro Lourtie Introdução ECTS significa European Credit Transfer System; ECTS significa European Credit Transfer System; O sistema foi desenvolvido para os estudantes em mobilidade no quadro dos programas europeus (em 1989); O sistema foi desenvolvido para os estudantes em mobilidade no quadro dos programas europeus (em 1989); No quadro do Processo de Bolonha, pretende-se aplicar o ECTS também como sistema de acumulação de créditos. No quadro do Processo de Bolonha, pretende-se aplicar o ECTS também como sistema de acumulação de créditos.

4 Sistema de créditos europeu: o ECTSPedro Lourtie Princípios O sistema ECTS baseia-se na carga de trabalho necessária para um estudante médio atingir com sucesso os objectivos de aprendizagem; O sistema ECTS baseia-se na carga de trabalho necessária para um estudante médio atingir com sucesso os objectivos de aprendizagem; A carga de trabalho corresponde ao somatório do número de horas de aulas, estudo individual, trabalhos, projectos, exames, etc.; A carga de trabalho corresponde ao somatório do número de horas de aulas, estudo individual, trabalhos, projectos, exames, etc.;

5 Sistema de créditos europeu: o ECTSPedro Lourtie Princípios 1 ano curricular normal a tempo inteiro corresponde a 60 unidades de crédito ECTS; 1 ano curricular normal a tempo inteiro corresponde a 60 unidades de crédito ECTS; A carga de trabalho total de um ano curricular normal situa-se entre 1500 e 1800 horas; A carga de trabalho total de um ano curricular normal situa-se entre 1500 e 1800 horas; 1 unidade de crédito corresponde a 25 a 30 horas de trabalho do estudante; 1 unidade de crédito corresponde a 25 a 30 horas de trabalho do estudante;

6 Sistema de créditos europeu: o ECTSPedro Lourtie Princípios O número de unidades de crédito de cada unidade curricular (módulo, disciplina, monografia, projecto, estágio, etc.): O número de unidades de crédito de cada unidade curricular (módulo, disciplina, monografia, projecto, estágio, etc.): Traduz a carga de trabalho para atingir os objectivos de aprendizagem correspondentes; Traduz a carga de trabalho para atingir os objectivos de aprendizagem correspondentes; Não traduz o número de horas de contacto; Não traduz o número de horas de contacto; Não traduz a importância da unidade curricular no plano de estudos. Não traduz a importância da unidade curricular no plano de estudos.

7 Sistema de créditos europeu: o ECTSPedro Lourtie Princípios O número unidades de crédito de uma mesma unidade curricular oferecida em cursos diferentes é o mesmo; O número unidades de crédito de uma mesma unidade curricular oferecida em cursos diferentes é o mesmo; O sistema ECTS pode ser aplicado à graduação, pós-graduação (incluindo trabalho de tese) e a outras formações; O sistema ECTS pode ser aplicado à graduação, pós-graduação (incluindo trabalho de tese) e a outras formações; Excepcionalmente, para cargas de trabalho anuais muito superiores a 1500/1800 horas podem corresponder mais de 60 unidades ECTS: Excepcionalmente, para cargas de trabalho anuais muito superiores a 1500/1800 horas podem corresponder mais de 60 unidades ECTS: 52 semanas de trabalho (sem férias) 75 u. ECTS. 52 semanas de trabalho (sem férias) 75 u. ECTS.

8 Sistema de créditos europeu: o ECTSPedro Lourtie Princípios O sistema ECTS parte dos seguintes pressupostos: O sistema ECTS parte dos seguintes pressupostos: O ritmo e a eficácia das aprendizagens são substancialmente idênticos nas diferentes instituições e cursos; O ritmo e a eficácia das aprendizagens são substancialmente idênticos nas diferentes instituições e cursos; A avaliação tem um nível idêntico na exigência de cumprimento dos objectivos (mínimos); A avaliação tem um nível idêntico na exigência de cumprimento dos objectivos (mínimos); Os mesmos resultados podem ser obtidos usando pedagogias/metodologias diferentes. Os mesmos resultados podem ser obtidos usando pedagogias/metodologias diferentes.

9 Sistema de créditos europeu: o ECTSPedro Lourtie Princípios Em conclusão, o sistema ECTS: Em conclusão, o sistema ECTS: É uma medida da carga de trabalho; É uma medida da carga de trabalho; Não é um aferidor do nível da formação; Não é um aferidor do nível da formação; Não assegura a coerência da formação; Não assegura a coerência da formação; A coerência da formação final é da responsabilidade da instituição que confere o grau de ensino superior. A coerência da formação final é da responsabilidade da instituição que confere o grau de ensino superior.

10 Sistema de créditos europeu: o ECTSPedro Lourtie Gestão da carga de trabalho Abordagens de atribuição de créditos: Abordagens de atribuição de créditos: Atribuição de créditos a um curso pré-definido (ou pré-existente e que não se pretende alterar); Atribuição de créditos a um curso pré-definido (ou pré-existente e que não se pretende alterar); Concepção integrada do curso, tendo em conta a atribuição de créditos. Concepção integrada do curso, tendo em conta a atribuição de créditos.

11 Sistema de créditos europeu: o ECTSPedro Lourtie Gestão da carga de trabalho (curso pré-definido) Estimativa da carga de trabalho de cada unidade curricular pelos docentes Carga total do ano / semestre Divisão dos 60 / 30 créditos pelas unidades curriculares Programa /objectivos das unidades curriculares Avaliação da carga de trabalho pelos estudantes Funcionamento Coordenação do curso

12 Sistema de créditos europeu: o ECTSPedro Lourtie Gestão da carga de trabalho (curso pré-definido) Semestre Carga de trabalho (horas) Créditos Disciplina Estimativa do docente Inquérito aos alunos DocentesAlunos A ,14,5 B ,56,8 C ,05,6 D ,16,8 E ,36,3 TOTAL

13 Sistema de créditos europeu: o ECTSPedro Lourtie Gestão da carga de trabalho (concepção integrada) Sistema modularizado: cada unidade curricular tem um mesmo número de unidades de crédito (ou múltiplo); Sistema modularizado: cada unidade curricular tem um mesmo número de unidades de crédito (ou múltiplo); créditoshorasobjectivos Flexibilidade na gestão de unidades curriculares servindo vários cursos. Flexibilidade na gestão de unidades curriculares servindo vários cursos.

14 Sistema de créditos europeu: o ECTSPedro Lourtie Gestão da carga de trabalho (concepção integrada) Sistema não-modularizado: cada unidade curricular pode ter um número de unidades de crédito diferente (somando 60/ano); Sistema não-modularizado: cada unidade curricular pode ter um número de unidades de crédito diferente (somando 60/ano); créditos horasobjectivos Flexibilidade na definição das unidades curriculares. Flexibilidade na definição das unidades curriculares.

15 Sistema de créditos europeu: o ECTSPedro Lourtie Gestão da carga de trabalho (concepção modular) Carga de trabalho Verificação DisciplinaCréditosHoras Inquérito aos alunos Diferença (%) A ,76% B ,47% C ,65% D ,06% E ,88% TOTAL ,06%

16 Sistema de créditos europeu: o ECTSPedro Lourtie Resultados de aprendizagem Objectivos (ou resultados) de aprendizagem: Objectivos (ou resultados) de aprendizagem: Conhecimentos (e compreensão); Conhecimentos (e compreensão); Competências (práticas e transversais); Competências (práticas e transversais); Capacidades (intelectuais); Capacidades (intelectuais); Organização curricular = processo: Organização curricular = processo: Unidades curriculares / programa; Unidades curriculares / programa; Pedagogias; Pedagogias; Avaliação. Avaliação.

17 Sistema de créditos europeu: o ECTSPedro Lourtie Classificação na escala ECTS Escala baseada em percentis: Escala baseada em percentis: ClassificaçãoPercentil/Observações A10 B25 C30 D25 E10 FXRequer trabalho adicional FRequer muito mais trabalho Informação adicional: % de não aprovados Informação adicional: % de não aprovados

18 Sistema de créditos europeu: o ECTSPedro Lourtie Classificação na escala ECTS Conversão de outras escalas: Conversão de outras escalas: Mais diferenciada, adaptação aos percentis; Mais diferenciada, adaptação aos percentis; Menos diferenciada, se necessário transformar em aprovado/não aprovado; Menos diferenciada, se necessário transformar em aprovado/não aprovado; Base estatística para os percentis: 30 aprovados: Base estatística para os percentis: 30 aprovados: Na unidade curricular e ano lectivo; ou Na unidade curricular e ano lectivo; ou Na unidade curricular ao longo de vários anos; ou Na unidade curricular ao longo de vários anos; ou Em várias unidades curriculares de nível semelhante. Em várias unidades curriculares de nível semelhante.

19 Sistema de créditos europeu: o ECTSPedro Lourtie Classificação na escala ECTS Em conclusão, na escala ECTS: Em conclusão, na escala ECTS: A classificação obtida não depende apenas do desempenho individual, mas da coorte; A classificação obtida não depende apenas do desempenho individual, mas da coorte; Uma dada classificação numa mesma unidade curricular (mesmos objectivos) de diferentes instituições se: Uma dada classificação numa mesma unidade curricular (mesmos objectivos) de diferentes instituições se: As coortes fossem homogéneas; As coortes fossem homogéneas; O nível de não aprovados fosse o mesmo (exigência mínima). O nível de não aprovados fosse o mesmo (exigência mínima).

20 Sistema de créditos europeu: o ECTSPedro Lourtie ECTS e aprendizagem ao longo da vida A definição de objectivos de aprendizagem favorece a validação de adquiridos não formais ou informais; A definição de objectivos de aprendizagem favorece a validação de adquiridos não formais ou informais; Créditos: comparação entre os conheci- mentos, competências e capacidades indi- viduais e os objectivos de aprendizagem; Créditos: comparação entre os conheci- mentos, competências e capacidades indi- viduais e os objectivos de aprendizagem; Papel/atitude das instituições: Papel/atitude das instituições: Apoio na explicitação dos adquiridos; Apoio na explicitação dos adquiridos; Flexibilidade na apreciação e creditação. Flexibilidade na apreciação e creditação.

21 Sistema de créditos europeu: o ECTSPedro Lourtie Suplemento ao Diploma Acompanha o Diploma (a partir de 2005 em todos os países do EEES): Acompanha o Diploma (a partir de 2005 em todos os países do EEES): Identificação do diplomado; Identificação do diplomado; Grau e instituição que o concedeu; Grau e instituição que o concedeu; Nível do grau (inserção no sistema nacional); Nível do grau (inserção no sistema nacional); Conteúdo da formação e resultados obtidos; Conteúdo da formação e resultados obtidos; Efeitos académicos e profissionais; Efeitos académicos e profissionais; Informação adicional; Informação adicional; Certificação do suplemento; Certificação do suplemento; Sistema de ensino superior nacional. Sistema de ensino superior nacional.

22 Sistema de créditos europeu: o ECTSPedro Lourtie Anexo Exercício de compatibilização de créditos

23 Sistema de créditos europeu: o ECTSPedro Lourtie Atribuição de créditos a vários cursos com disciplinas comuns Curso 1 Curso 2 Curso 3 DisciplinaHoras*HorasCréditosHorasCréditosHorasCréditos A ,01706,8170 6,4 B ,3 C ,12309,2 D ,2 1756,6 E ,4 F ,8 G ,21806,8 H ,5 I ,8 * estimativa inicial 85030,075030,080030,0 Fazendo o cálculo do número de créditos de cada disciplina, com base no número de horas estimado e exigindo uma soma semestral de 30 unidades, às disciplinas A, C e G, partilhadas entre vários cursos, seria atribuído um número de créditos diferente consoante o curso.

24 Sistema de créditos europeu: o ECTSPedro Lourtie Atribuição de créditos a vários cursos com disciplinas comuns Curso 1 Curso 2 Curso 3 DisciplinaHoras*HorasCréditosHorasCréditosHorasCréditos A ,41706,41706,4 B ,3 C ,72308,7 D ,2 1756,6 E ,4 F ,8 G ,01807,0 H ,5 I ,8 * estimativa inicial 85031,075028,980030,3 Igualando o número de créditos das disciplinas comuns a vários cursos, e corrigindo a distribuição de horas, o total de créditos semestral seria diferente de 30.

25 Sistema de créditos europeu: o ECTSPedro Lourtie Atribuição de créditos a vários cursos com disciplinas comuns Fixando o número de horas de trabalho semestral dos estudantes, o número de créditos das disciplinas partilhadas vem igual. Ter-se-á de assegurar que o trabalho pedido aos estudantes corresponde ao número de horas de trabalho que daqui resulta. Curso 1 Curso 2 Curso 3 DisciplinaHoras*HorasCréditosHorasCréditosHorasCréditos A ,51736,51736,5 B ,0 C ,52278,5 D ,0 1736,5 E ,0 F ,0 G ,01877,0 H ,5 I ,5 * estimativa inicial 80030,080030,080030,0

26 Sistema de créditos europeu: o ECTS Universidade de São Paulo A USP e a internacionalização da formação universitária 10 de Novembro de 2004 Pedro Lourtie Instituto Superior Técnico, Universidade Técnica de Lisboa


Carregar ppt "Sistema de créditos europeu: o ECTS Universidade de São Paulo A USP e a internacionalização da formação universitária 10 de Novembro de 2004 Pedro Lourtie."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google