A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Gestão e Gerenciamento de Serviços Odontológicos Luciano Eloi Santos Mestre em Saúde Pública Fac. Medicina UFMG Especialista em : Saúde Coletiva, Recursos.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Gestão e Gerenciamento de Serviços Odontológicos Luciano Eloi Santos Mestre em Saúde Pública Fac. Medicina UFMG Especialista em : Saúde Coletiva, Recursos."— Transcrição da apresentação:

1 Gestão e Gerenciamento de Serviços Odontológicos Luciano Eloi Santos Mestre em Saúde Pública Fac. Medicina UFMG Especialista em : Saúde Coletiva, Recursos Humanos em Saúde, Odontologia do Trabalho e Bioética Coordenador do MBA Gestão Estratégica de Saúde da UMA-BH E do Curso de Especialização em Saúde Coletiva do CEO-IPSEMG CROMG Outubro de 2009

2

3 Quem é Henri Fayol? Nasceu em 1841 em Constantinopla e faleceu em Paris em 1925, vivendo as conseqüências da Revolução Industrial e mais tarde da I Guerra Mundial; É o fundador da Teoria Clássica; Formou-se em Engenharia de Minas aos 19 anos e entrou para uma empresa metalúrgica e carbonífera, desenvolvendo toda sua carreira.

4 Procurou de forma mais clara, os cinco elementos primários no processo administrativo: Planejamento; Organização; Direção; Coordenação e Controle

5 PRINCÍPIOS GERAIS DE ADMINISTRAÇÃO PARA FAYOL Tudo em administração é questão de medida, de ponderação e de matéria administrativa; tudo é questão de bom senso; Fayol adota a denominação princípio, afastando a idéia de rigidez; Tais princípios são maleáveis e adaptam- se a qualquer circunstância, tempo e lugar;

6

7 1. Conceito de Administração A palavra administração vem do latim: Ad: (direção, tendência para) Minister: (subordinação ou obediência) Significa a pessoa que exerce uma função abaixo do comando de outra pessoa.

8 A tarefa da administração é a de interpretar os objetivos propostos pela organização e transforma-los em ação organizacional por meio de planejamento, organização, direção e controle de todos os esforços realizados em todas as áreas e em todos os níveis da organização.

9 1. Conceito de Administração Eficácia: Determina o quanto uma organização realiza seus objetivos. Quanto mais alto o grau de realização dos objetivos, mais a organização é eficaz. Eficiência: Determina o quanto uma organização usa corretamente seus recursos. Quanto mais alto o grau de produtividade na utilização de seus recursos, mais eficiente é a organização. Eficiência significa a realização de atividades ou tarefas de maneira certa e inteligente, com o mínimo de esforço e com máximo aproveitamento de recursos.

10

11 1. Conceito de Administração A tarefa básica da administração é a de fazer as coisas, por meio das pessoas, de maneira eficiente e eficaz

12 Planejar Significa que os administradores pensam antecipadamente em seus objetivos e ações, e que seus atos sejam baseados em algum método,plano ou lógica e não em palpites ou intuições.

13

14 O TRIÂNGULO DE GOVERNO EU OUTROS PROJETO DE GOVERNO GOVERNABILIDADE CAPACIDADE DE GOVERNAR ( Dá direcionalidade política ) ( Variáveis:. controláveis;. não controláveis ) ( Capacidade de acumular )

15 Planos: são as linhas mestras : 1. A organização obtém e aplica os recursos necessário ao alcance dos seus objetivos. 2. Os membros da organização realizam atividades consistentes com os objetivos e procedimentos escolhidos. 3. O progresso na direção dos objetivos é monitorado e medido, de modo que possam ser tomadas atitudes corretivas caso ela não seja satisfatória.

16 Funções do Administrador 1. A organização obtém e aplica os recursos necessário ao alcance dos seus objetivos. 2. Os membros da organização realizam atividades consistentes com os objetivos e procedimentos escolhidos. 3. O progresso na direção dos objetivos é monitorado e medido, de modo que possam ser tomadas atitudes corretivas caso ela não

17 . Funções do Administrador Organizar É o processo de arrumar e alocar o trabalho, a autoridade e os recursos entre membros da organização de modo que eles possam alcançar eficientemente os objetivos da mesma.

18 . Funções do Administrador Organizar É o processo de arrumar e alocar o trabalho, a autoridade e os recursos entre membros da organização de modo que eles possam alcançar eficientemente os objetivos da mesma.

19 Funções do Administrador Coordenar Significa dirigir, influenciar e motivar os empregados a realizar tarefas essenciais. É o processo de mobilizar e acionar os recursos, especialmente as pessoas, para realizar as atividades que conduzirão aos objetivos. 7

20 Controlar É o processo de assegurar a realização dos objetivos e de identificar a necessidade de modificá-los. Envolve os seguintes elementos. Estabelecer padrões de desenvolvimento Medir o desempenho atual Comparar o desempenho atual com os padrões estabelecidos Caso sejam detectados desvios, executar ações corretivas.

21 As Atividades do Administrador 1. Cuidar de uma empresa ou de uma área funcional (área de atividade) da empresa (marketing, finanças, operações/produção ou serviços, recursos humanos etc.) 2. Cuidar de processos (processo é uma seqüência de atividades que tem início meio e fim). 3. Utilizar tecnologias. 4. Lidar com pessoas. 5. Servir aos Clientes. 6. Alcançar objetivos e metas 7. Formular estratégias e planos. 8. Entregar resultados

22

23

24

25

26 GERENCIAR: é operar, planejar, controlar, organizar, decidir, governar, atingir metas e realizar; ADMINISTRAR: é um processo que significa planejar, dirigir, organizar, coordenar, e controlar organizações e/ou tarefas, tendo como objetivo maior produtividade e/ou lucratividade; GESTÃO: é a atividade capaz de gerenciar, administrar, dirigir ou comandar;

27 GERENCIAR: é operar, planejar, controlar, organizar, decidir, governar, atingir metas e realizar; ADMINISTRAR: é um processo que significa planejar, dirigir, organizar, coordenar, e controlar organizações e/ou tarefas, tendo como objetivo maior produtividade e/ou lucratividade; GESTÃO: é a atividade capaz de gerenciar, administrar, dirigir ou comandar;

28

29 MARKETING: é fazer o comum de forma incomum; é fazer diferente na percepção do cliente; é atender às necessidades do cliente de forma lucrativa para você; é uma das ferramentas da gestão. (GULATI, 1998) REDES SOCIAIS: são um agrupamento de núcleos (pessoas, organizações) ligado por um leque de relações sociais (como por exemplo amizades) de um tipo especifico (GULATI, 1998), onde tais relações sociais são denominadas laços. (GULATI, 1998) (Barney,1997) VANTAGEM COMPETITIVA: é a vantagem obtida através de uma estratégia única de criação de valor para o cliente que não é implementada pelos concorrentes. (Barney,1997)

30

31 LUCRO: numa visão mais ampla, lucro quer dizer melhores resultados financeiros, melhor prestígio social e melhor qualidade de vida para você e para a comunidade onde você atua. O QUE FAZER. POLÍTICA: é a arte de organizar e administrar, dirigindo ações internas e externas através da determinação de decisões, em busca do Bem Comum; O QUE FAZER. viabilizar COMO FAZER. ESTRATÉGIA: é a arte de preparar e viabilizar a execução das políticas pré-determinadas, para alcançar e preservar objetivos, superando obstáculos de toda ordem; COMO FAZER.

32

33 Influência da Revolução Industrial A invenção da máquina por James Watt e sua aplicação à produção levou a uma nova concepção de trabalho responsável por mudar a estrutura social e comercial da época e provocar a Revolução Industrial, envolvendo a mecanização da indústria e da agricultura, o desenvolvimento do sistema fabril. Havendo transformações de ordem econômica, política e social.

34

35 Influência da Organização Militar Sun Tzu, general e filósofo chinês, escreveu um livro sobre a arte da guerra no qual trata da preparação dos planos, da guerra, das manobras, das táticas do exército de marcha, do terreno, dos pontos fortes e fracos do inimigo e da organização do exército.

36

37 09

38

39 Planejamento e Programação em Saúde

40 PROCESSO DE PLANEJAMENTO Levantamento de dados: condição essencial para realização do plano Análise da situação: com base nos dados levantados, realiza-se a análise e identifica-se as tendências, as distorções e problemas a serem sanados Elaboração do plano: proposição dos objetivos e a formulação do modelo e das medidas de implantação do plano Implantação do plano: buscar viabilidade para implementação do plano

41

42 PROGRAMAÇÃO EM SAÚDE OBJETIVOS SUPERAR REDUZIR ELIMINAR CONTROLAR MEDIDAS DE INTERVENÇÃO RESULTADOS Problema – situação de saúde da população e os pontos de estrangulamento no sistema prestador de serviços de saúde. Problema identificado

43

44 PARÂMETROS Servem como referência para comparações avaliativas. Devem ser indicados por especialistas como parte ideal para solução de problemas. São estabelecidos a partir da realidade (critérios técnicos, políticos e administrativos). Implica na análise da viabilidade e factibilidade, bem como na definição de prazos (curto, médio e longo). Parâmetros – necessidades de serviço Metas – possibilidades concretas de produção de serviços (recursos disponíveis e necessários). serviços (recursos disponíveis e necessários).

45

46 PARÂMETROS DE COBERTURA Destinado a estimar necessidades e metas de serviços de saúde de uma determinada população (n.º de pessoas que devem receber assistência) Refere-se à população não individualizada Destinado a fixar o número de cada ação ou de serviço de saúde a ser prestado a cada pessoa sujeita a determinado problema de saúde (programas de saúde específicos ou atendimento de demanda espontânea) Destinado a fixar o número de cada ação ou de serviço de saúde a ser prestado a cada pessoa sujeita a determinado problema de saúde (programas de saúde específicos ou atendimento de demanda espontânea) Particulariza/Diferencia pessoas numa população Particulariza/Diferencia pessoas numa população PARÂMETROS DE CONCENTRAÇÃO

47

48 PRODUÇÃO Volume de ações e serviços efetivamente realizados num determinado período Volume físico total do trabalho realizado por uma ou mais pessoas PRODUTIVIDADE Rendimento, produção relativa de uma ou mais pessoas Rendimento, produção relativa de uma ou mais pessoas É relativa ao serviço (implica na capacidade do serviço) É relativa ao serviço (implica na capacidade do serviço)

49

50 INDICADORES Indica ou reflete vários aspectos de uma situação determinada; É considerado uma variável que serve para medir mudanças e valorizar o cumprimento dos objetivos; São construídos a partir das relações estabelecidas entre variáveis apuradas como pertinentes ao assunto; São elementos de avaliação de êxito ou inadequação das proposições, objetivos, metas; Referem-se a um grupo de características empiricamente observáveis ou calculáveis através de informações relativas a um certo fenômeno.

51

52 AP CD ACTION Atuação corretiva: Atuação no processo (meios) para manter e melhorar os resultados. CHECK Itens de controle: Verifique os efeitos do trabalho executado. Como estão meus resultados? Como eles se comparam com as metas? DO Execução: Eduque e treine. Trabalho disciplinado de acordo com os procedimentos operacionais padrão. Defina as metas. Determine os métodos para alcançar as metas. Adaptado de CAMPOS, V.F. Gerenciamento da rotina do trabalho do dia-a-dia. Belo Horizonte: Editora de Desenvolvimento Gerencial, p.39 Método para atingir resultados PLANO

53

54 Resultado esperado Causas Conseqüências Problema ESPINHA DE PEIXE

55

56 Só a alta gerência pratica a administração estratégica ? O processo estratégico é o importante A nível operacional as tarefas vão continuar, mas os executantes devem entender como seu trabalho se encaixa nos objetivos globais da empresa Efeito positivo sobre o papel gerencial : coordenar ações individuais que contribuam para o resultado da equipe em prol dos objetivos da empresa

57 DIVERSIDADE DOS PLANOS Objetivos do plano Plano de desenvolvimento – objetiva introduzir modificações estruturais Plano de crescimento – objetiva alcançar o crescimento sem modificar a estrutura Área de abrangência do plano Delimitação do espaço físico e as áreas de intervenção: Nacional Regional Local

58

59

60 Gestão de serviços Prof. Carlos Alfredo Loureiro Diretor técnico da Estação Saúde

61

62 Conhecimento de melhoria Barreiras à mudança Problemas de informação Decisão individual –Preferência de clientes Efeito do stress ( pressão financeira e do tempo) Persistência do status quo

63 Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 24(6): , jun, Práticas de planejamento e implementação de políticas no âmbito municipal Municipal health policy planning and implementation 1 Ana Luiza Queiroz Vilasbôas -- Jairnilson Silva Paim

64 Foco em processos internos Foco em influências externas Conhecimento de melhoria

65

66 Abordagens –Educacional –Epidemiológica –Marketing Foco em processos internos

67

68 Consenso local –Inclusão de profissionais de saúde clínicos em discussões em grupo para assegurar que estes concordem quanto a importância do problema clínico e quanto a abordagem recomendada para enfrentar o problema Educacional

69

70 Epidemiológica –Valores básicos: Os seres humanos são racionais e fazem decisões ponderando sobre argumentos racionais –Suporte teórico Teorias cognitivas –Foco Busca e fornecimento de informação racional e processos de decisão Foco em processos internos

71

72 Marketing –Valores básicos: Desenvolvimento e o marketing de um produto ou mensagem atrativa (um manual ou proposta de mudança) que atinja as necessidades de um público alvo e os ajude a alcançar os seus objetivos –Suporte teórico Promoção d saúde, inovação e teorias de marketing social Foco em processos internos

73

74 Abordagens –Comportamental –Interação social –Organizacional –Coerciva –Multifacetada Foco em influências externas

75 Resumo O exercício de práticas de planejamento para implementar políticas de saúde pode ocorrer em experiências municipais exemplares quanto à ampliação do acesso da população aos serviços de saúde. O estudo buscou analisar os limites e as possibilidades das práticas de planejamento na implementação de políticas em uma secretaria municipal de saúde. O estabelecimento de um conceito de práticas de planejamento e a articulação teórica entre o triângulo de governo e o postulado de coerência sustentaram a análise dos dados empíricos.

76

77 A realização de práticas não estruturadas de planejamento, de natureza estratégica, pela equipe dirigente, permitiu a ampliação significativa da oferta de serviços à população, mas não teve amplitude para superar os limites que o modelo de financiamento das ações de saúde, sob forte indução federal, impunham à governabilidade dessa organização.

78 O projeto foi o vértice mais robusto do triângulo de governo e levou ao desenvolvimento de certa perícia da equipe dirigente, assegurando-lhe relativa governabilidade sobre o projeto de saúde. Os propósitos de crescimento da oferta dos serviços de saúde foram condicionados pela fragilidade do método e pela incipiência institucional da organização. Planejamento em Saúde; Gestão em Saúde; Política

79 INTEGRALIDADE NA ASSISTÊNCIA À SAÚDE: A ORGANIZAÇÃO DAS LINHAS DO CUIDADO1. Túlio Batista Franco Prof. Dr. Do Instituto de Saúde da Comunidade Universidade Federal Fluminense Helvécio Miranda Magalhães Júnior Secretário Municipal de Saúde de Belo Horizonte (MG)

80 Efeitos da Mudança no desempenho e auto-estima Efeitos da Mudança no desempenho e auto-estima

81


Carregar ppt "Gestão e Gerenciamento de Serviços Odontológicos Luciano Eloi Santos Mestre em Saúde Pública Fac. Medicina UFMG Especialista em : Saúde Coletiva, Recursos."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google