A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

ALÉM DA NOTÍCIA: A IMPRENSA NA SALA DE AULA. Abel Prates, Simone Land UFRGS INSTITUTO DE LETRAS TEORIA E PRÁTICA DA LEITURA TURMA A – 2012.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "ALÉM DA NOTÍCIA: A IMPRENSA NA SALA DE AULA. Abel Prates, Simone Land UFRGS INSTITUTO DE LETRAS TEORIA E PRÁTICA DA LEITURA TURMA A – 2012."— Transcrição da apresentação:

1 ALÉM DA NOTÍCIA: A IMPRENSA NA SALA DE AULA. Abel Prates, Simone Land UFRGS INSTITUTO DE LETRAS TEORIA E PRÁTICA DA LEITURA TURMA A – 2012

2 Público-alvo: Alunos de 12 a 15 anos, matriculados no terceiro ciclo da E.M.E.F. Anísio Teixeira, localizada no bairro Hípica, em Porto Alegre; Número de alunos: Aproximadamente 20 alunos; Número de horas/aulas: 4 horas; Recursos necessários (mínimos): Cópias dos textos, jornais e dicionários ;

3 Imprensa do Anísio Desde 2011, a E.M.E.F. Anísio Teixeira conta com um projeto interdisciplinar de imprensa escolar, que objetiva passar por dentro das salas de aula. Com uma série de atividades (contação de histórias, jornal escolar, oficina de informática, etc), é visada a ampliação do processo de interlocução e a significação de práticas escolares. Nós, enquanto membros do PET Letras, oferecemos oficinas inseridas nesse projeto e aqui mostraremos uma atividade aplicável a uma delas, embora não a tenhamos realizado. Salientamos que, devido ao tempo, esta seria a base para uma série de oficinas posteriores.

4 Justificativa e Objetivos Vivemos em uma sociedade marcada pelo alto fluxo de informações, que trazem consigo diferentes ideologias. São elas que mostram, em uma perspectiva mais ampla, para uma pessoa a realidade da qual é sujeito. Contudo, não se é dado o olhar crítico necessário ao interpretá-las.

5 Justificativa e Objetivos Assumindo que a escola é fundamental na formação de um indivíduo enquanto cidadão crítico, cabe a ela fornecer aos estudantes uma visão mais ampla a respeito desse fluxo, ou pelo menos subsídios para que eles a façam. Sendo assim, nas oficinas, enfocaríamos aspectos que envolvam a mídia, visando uma postura ativa como leitor, diante das informações que nos são trazidas.

6 Justificativa e Objetivos Nesse primeiro momento trabalharíamos com a compreensão de uma notícia como algo maior, não o mero relato de um fato que aconteceu com um estranho e que em nada nos afeta. Acreditamos que essa frieza cultivada diante das informações, somada a outros problemas, gera uma insensibilidade por parte do interlocutor, acarretando, por exemplo, na banalização da violência ou na acomodação diante da situação política do país.

7 Justificativa e Objetivos Para tal objetivo, trabalharíamos com o gênero crônica, abordando o processo criativo do escritor Moacyr Scliar, que resultou nos textos reunidos no livro Histórias que os jornais não contam. A partir disso, poderíamos discutir a respeito da incompletude do que é apresentado pela imprensa, bem como das possibilidades de responder de modo criativo aos textos por ela veículados.

8 Justificativa e Objetivos Entre os objetivos, podemos ainda destacar: a contribuição para a construção de leituras analíticas pelos alunos, considerando suas leituras de mundo; bem como a promoção da autoria deles, motivando-os a participarem de atividades da comunidade por meio de suas produções escritas.

9 Resultados esperados: Reflexão a cerca da constituição de uma notícia de jornal; Entendimento básico sobre o gênero crônica; Apropriação de textos circulantes; Produção de texto significativa à situação. Formas de avaliação: Para avaliarmos o aproveitamento da oficina, prevemos uma tarefa em que os alunos são solicitados a escrever um comentário a ser entregue, sobre o que aprenderam na oficina.

10 Atividades Apresentar aos alunos as seguintes imagens:

11 Atividades Após, fazer as seguintes perguntas: Vocês conhecem essas imagens? Sabem em que lugar elas ficam? Vocês já ouviram falar dos artistas plásticos Gustavo e Otávio Pandolfo, OsGemeos? Contextualizar brevemente as gravuras mostradas e quem são os artistas. Após lhes explicar que é a partir de uma gravura deles que começaremos nosso trabalho.

12 Atividades Leitura de imagem e discussão em grupos a partir das seguintes perguntas: O que mais chamou a atenção de vocês? Por quê? Qual a relação entre o que está escrito e o que está pintado na parede?

13 Atividades Fotografia de grafite feito pelos irmãos paulistas Gustavo e Otávio Pandolfo, mundialmente conhecidos como OsGêmeos, disponível em

14 Atividades – Como se pode relacionar o título do livro com a imagem anterior? – Que histórias seriam essas?

15 Atividades Leitura do texto Moacyr Scliar reúne crônicas ficcionais em coletânea, por Marcos Strecker, da Folha de S.Paulo, disponível em ml. Em duplas, discussão sobre o texto, respondendo às questões : – Como o autor define a sua obra? – O que seria uma ficção? Se necessário, consulte um dicionário. – Qual a função das notícias no processo de criação do autor? – O que o título do livro tem a ver com o processo de criação dos textos? Discussão em grande grupo sobre as respostas.

16 Atividades Leitura da crônica Estranhas afinidades, do livro Histórias que os jornais não contam, do Moacyr Scliar, da seguinte forma: Conversa a respeito da nossa atitude diante de notícias: Normalmente, quando lemos ou ouvimos uma notícia, pensamos sobre as pessoas envolvidas? Leitura da notícia que é mote para a crônica: Casal se divorcia após descobrir que flertava pela internet. Um casal residente na cidade de Zenica, na Bósnia Herzegóvina, estava com problemas no casamento. Por causa disto, os dois iniciaram contatos pela internet, e, sem saber de suas identidades, trocaram mensagens e acabaram se apaixonando. Quando a relação se tornou séria, decidiram se encontrar, e então descobriram quem eram. O casal decidiu se separar. Folha Online Escrita de um parágrafo descrevendo como seria esse casal – eles são parecidos? São diferentes? Como eles se comportam?

17 Atividades Leitura da crônica; Análise do texto, respondendo as perguntas: – Como as personagens são descritas? – Há alguma semelhança dessas descrições com a que você fez sobre o casal? Qual? – Que palavras são utilizadas pelo autor para caracterizar ele? E ela?

18 Atividades – As palavras que você apontou na questão anterior podem ser consideradas adjetivos*? Por quê? – Como a forma pela qual as personagens são descritas está relacionada com o desfecho da crônica? – Como você concluiria a sua crônica a partir da sua descrição do casal? * Caso os alunos não estejam familiarizados com o conceito adjetivo, construí-lo com eles a partir de exemplos do próprio texto (ele era uma pessoa nervosa ).

19 Atividades Discussão em grande grupo sobre as respostas. Desafio: Que história que os jornais não contam e que você vai contar em uma crônica a ser publicada pela Imprensa Escolar? Manuseio de jornais pelos alunos que optarem por selecionar uma notícia como mote. Escrita de um breve comentário sobre o que se aprendeu ou sobre o que foi aprimorado durante a oficina.


Carregar ppt "ALÉM DA NOTÍCIA: A IMPRENSA NA SALA DE AULA. Abel Prates, Simone Land UFRGS INSTITUTO DE LETRAS TEORIA E PRÁTICA DA LEITURA TURMA A – 2012."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google