A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

ISO - International Organization for Standardization (Organização Internacional para Normalização) I - ORIGEM ISO - International Organization for Standardization.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "ISO - International Organization for Standardization (Organização Internacional para Normalização) I - ORIGEM ISO - International Organization for Standardization."— Transcrição da apresentação:

1 ISO - International Organization for Standardization (Organização Internacional para Normalização) I - ORIGEM ISO - International Organization for Standardization (Organização Internacional para Normalização) I - ORIGEM SURGIMENTO - Durante a 2a Guerra Mundial nas fábrricas de armamentos. FUNDAÇÃO - 23/02/47 por consenso dos representaantes de diversos países. ELABORAÇÃO - Em 1979 através do comitê técnico paara ISO (ISO Techinical Commitee)1176. VIGÊNCIA - Desde Traduzido para a língua portuguesa em junho de 1990 e registrada pela ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) com a denominação Série SEDE: - Genebra. INTRODUÇÃO – ISO 9000

2 II - OBJETIVO: O objetivo da norma ISO 9000 é Estabelecer normas que representam traduzam o consenso dos diferentes países do mundo, no intuito de padronizar os sistemas de qualidade em uma aldeia global. INTRODUÇÃO – ISO 9000

3 III - PORQUE IMPLANTAR 1) Para resolver problemas internos enfrentados por diversas empresas quanto: - Deficiência nas especificações; - Deficiência no sistema organizacional para projetar, produzir o produto e serviço; - Deficiência na comunicação interna e externa. 2) Para acompanhar mudanças ocorridas no Brasil quanto: - Abertura às importações (produto com alta tecnologia, qualidade e custo competitivo); - Unificação do mercado comum europeu (1992); - Implantação do código de defesa do consumidor. INTRODUÇÃO – ISO 9000

4 3) Para demonstrar aos clientes internos e externos atuais e futuros, que seus produtos e serviços são administrados com qualidade (trabalho efetuado pelo marketing) 4) Para obter a certificação e com ela abrir as portas a mercados que anteriormente não tinham acesso, atingir a competitividade Internacional (Ex: 69% dos gerentes nos E.U.A. conseguiram melhorar seus negócios em áreas onde eram excluídos) 5) Para manutenção da integridade do sistema da Qualidade da organização e redução da necessidade de efetuar auditorias externas nos fornecedores. - ISO 9000 passa a ser adotada como estratégia para melhorar produtividade e qualidade, usando aumento de produção a nível Nacional e de Mercosul. - Padronização do sistema da qualidade passa a ser utilizada como meio para atingir a competitividade Internacional. INTRODUÇÃO – ISO 9000

5 8 Capítulos da ISO Introdução 1. Escopo 2. Ref.Normativas 3. Termos e Definições 4. Sistema de Gestão de Qualidade 5. Resp. Administração 6. Gestão de Recursos 7. Realização do Produto 8. Medição, Análise e Melhoria INTRODUÇÃO – ISO 9000

6 ISO 9001:2008 ISO 9001:2008 REVISÃO DA ISO 9001:2008 – O que vem por aí...

7 ISO 9001:2008 – O que vem por aí... As futuras versões das normas ISO 9001 e ISO 9004 estão sendo revisadas pelo subcomitê técnico ISO/TC 176 SC2 da ISO e a votação da versão DIS – Draft International Standart finalizou-se em 20/02/2008. A FDIS - versão final, tem, a partir de agora, prazo de 2 meses para ser concluída. Espera- se, desta forma, que as novas normas estejam disponíveis, provavelmente, em outubro/2008.

8 ISO 9001:2008 – O que vem por aí... A ISO 9001 vai ser objeto de um processo de aperfeiçoamento, que visa a melhoria da sua clareza, facilidade de tradução e da sua compatibilidade com a ISO 14001, mantendo-se inalterada no essencial, ou seja: * Modelo de processos; * Abordagem por processos; * Título, campo de aplicação e estrutura.

9 ISO 9001:2008 – O que vem por aí... O processo de aperfeiçoamento da ISO 9001:2000 está basicamente limitado a:

10 ISO 9001:2008 – O que vem por aí... Alterações que melhorem a clareza; Facilitar as traduções; Melhorar a consistência com a família 9000 (principalmente 9004); Facilidade na utilização; Melhorar a compatibilidade com a ISO 14001; Estimular o uso de ambas, permitindo a aplicação compartilhada de requisitos; Atender as necessidades dos usuários; Eliminar a necessidade da Introdução e dos documentos referidos no Support Package esclarecendo os requisitos com ele relacionados.

11 ISO 9001:2008 – O que vem por aí... O que será mantido na ISO 9001:2008: Título da norma e campo de aplicação; Aplicação dos 8 princípios de Gestão da Qualidade; - Organização focada no Cliente. - Liderança. - Compromisso da força de trabalho. - Abordagem no processo (Entrada – Processo – Saída). - Abordagem sistêmica para a Administração. - Aprimoramento contínuo. - Decisão através de fatos. - Relação de benefício mútuo com fornecedores. O modelo de processos e a abordagem por processos; Estrutura global da norma; Os requisitos mantêm-se de modo a serem auditáveis O requisito 5 (Responsabilidade da Direção) mantêm-se na íntegra.

12 ISO 9001:2008 – O que vem por aí... O que será revisado na ISO 9001:2008:

13 ISO 9001:2008 – O que vem por aí... CAPÍTULO 0: Generalidades: foi esclarecido que a conformidade com requisitos regulatórios e estatutários deve ser atendida quando os mesmos se referem ao produto. CAPÍTULO 1: 1 - Escopo: reforça a necessidade de atender os requisitos regulamentares e estatutários para o produto. A primeira nota esclarece que o termo produto não se refere apenas para o produto intencional, mas abrange produto adquirido e produto resultante dos estágios intermediários de produção. A segunda nota esclarece que requisitos estatutários e regulamentares podem ser considerados como sendo os requisitos legais.

14 ISO 9001:2008 – O que vem por aí... CAPÍTULO 2: SEM ALTERAÇÕES CAPÍTULO 3: 3 Termos e definições: foi eliminada a definição de fornecedor x organização x cliente.

15 ISO 9001:2008 – O que vem por aí... CAPÍTULO 4: 4.1 Requisitos Gerais: esclarece e dá liberdade às organizações para definir os controles a serem aplicados aos processos terceirizados. Foi incluída mais uma nota para esclarecer que o uso do requisito 7.4 pode ser aplicado como controle aos processos terceirizados Requisitos de Documentação: esclarece e dá liberdade às organizações para definir quais são os documentos e registros necessários para garantir a eficácia de seus processos, além dos requeridos pela norma. Foi eliminada a letra g (A documentação do SGQ deve incluir os registros requeridos pela norma (ver 4.2.4)). Ainda na sub-cláusula foi esclarecido que os documentos de origem externa que devem estar sob controle são aqueles necessários para o planejamento e operação do SGQ.

16 ISO 9001:2008 – O que vem por aí... Para dar consistência às revisões do item anterior, o texto da sub-cláusula (Controle de Registros) foi inteiramente revisado: Os registros estabelecidos para fornecer evidência de conformidade com os requisitos e da efetiva operação do SGQ devem ser controlados. Continua a exigência de procedimento documentado para controle na mesma base da versão atual. CAPÍTULO 5: SEM ALTERAÇÕES CAPÍTULO 6: – Generalidades: foi alterado o escopo referente a recursos humanos: o pessoal competente é aquele que afeta os requisitos do produto e não somente a qualidade do produto.

17 ISO 9001:2008 – O que vem por aí Infra Estrutura: foi incluído mais um exemplo dentro da letra c (serviços de apoio como sistemas de informação) Ambiente de Trabalho: foi incluída uma nota: O termo ambiente de trabalho relaciona-se às condições necessárias para atingir a conformidade com os requisitos do produto tais como salas limpas, precauções anti-estática e controles de higiene. CAPÍTULO 7: Determinação dos Requisitos Relacionados ao Produto: também foi incluída uma nota para esclarecimento: Atividades de pós-entrega podem incluir ações durante o período de fornecimento de garantia, obrigações contratuais tais como serviços de manutenção, serviços complementares como reciclagem ou disposição final Planejamento de Projeto e Desenvolvimento: foi incluída uma nota de esclarecimento: Análise crítica, verificação e validação de projeto têm propósitos distintos. Eles podem ser conduzidos e registrados separadamente assim como em qualquer combinação adequada ao produto e à organização.

18 ISO 9001:2008 – O que vem por aí Saídas de Projeto: apenas uma pequena mudança na redação, ficando: as saídas de P&D devem estar em um formato adequado para verificação contra as entradas de P&D. Foi incluída mais uma nota: fornecimento de serviços inclui preservação do produto Validação de Processos: foram incluídas duas notas relevantes: Nota 1: Para muitas organizações de serviços, o serviço fornecido não permite a imediata verificação antes da entrega. Estes tipos de processos deveriam ser considerados e identificados durante o estágio de planejamento (ver 7.1). Esta nota reflete uma interpretação sancionada da ISO 9001:2000, que traz como exemplo a venda de balcão como um destes processos. Nota 2: Processos tais como soldagem, esterilização, treinamento, tratamento térmico, serviços de call center ou atendimento de emergências podem requerer validação.

19 ISO 9001:2008 – O que vem por aí Identificação e Rastreabilidade: foi esclarecido que a organização deve identificar a situação de inspeção do produto por toda a realização do produto. Além disso, quanto a rastreabilidade, a organização deverá controlar a identificação única do produto e manter registros Propriedade do Cliente: esclarecido em nota que dados pessoais também são propriedade do cliente Controle de Equipamentos de Medição e Monitoramento: foi esclarecido que o equipamento deve estar identificado para permitir que a sua situação de calibração seja conhecida. Houve a inclusão de duas notas: Equipamentos de medição incluem equipamentos para medir ou monitorar que são usados para monitorar conformidade com requisitos; e Confirmação da habilidade de software de computador em satisfazer a intenção de uso incluiria o gerenciamento de sua configuração e verificação para manter sua adequação ao uso.

20 ISO 9001:2008 – O que vem por aí... CAPÍTULO 8: Satisfação do cliente: passou a ser considerado um indicador e não mais uma medição da performance do SGQ. Se a tradução preservar a raíz da palavra significa que a satisfação do cliente não precisa ser necessariamente medida; entretanto, deve haver meios que indiquem como está sua satisfação Auditoria Interna: foi incluída a obrigatoriedade de manter registros da auditoria e de seus resultados Medição e Monitoramento dos Processos: foi incluída uma nota para esclarecer que o tipo de medição e monitoramento a ser aplicado depende do impacto do processo na eficácia do SGQ e não somente na eficácia do produto.

21 ISO 9001:2008 – O que vem por aí Controle de Produto não Conforme: foi incluída a letra d, que requer que, quando praticável, a organização deve tomar as ações apropriadas aos efeitos ou potenciais efeitos de uma não conformidade detectada após a entrega ou uso do produto Ação Corretiva e Ação Preventiva: foi esclarecido que análises de ação corretiva e ação preventiva referem-se à análise da eficácia de tais ações. Anexo A: traz uma correlação entre os requisitos da norma ISO 9001:2008 e ISO 14001:2004.

22 ISO 9001:2008 – O que vem por aí... A expectativa é que seja dado o prazo de 01 ano para proceder a transição da ISO 9001:2000 para a ISO 9001:2008. Na transição das versões 1994 para 2000 foi estabelecido um prazo de 03 anos.

23 ISO 9001:2008 – O que vem por aí... Todo o material apresentado foi apresentado em um workshop da EJRos em Fevereiro de 2008 em São Paulo


Carregar ppt "ISO - International Organization for Standardization (Organização Internacional para Normalização) I - ORIGEM ISO - International Organization for Standardization."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google