A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Internet cria a economia do gratuito. A Lei de Moore, que recebeu esse nome em homenagem a um dos fundadores da Intel, diz que o preço do poder de processamento.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Internet cria a economia do gratuito. A Lei de Moore, que recebeu esse nome em homenagem a um dos fundadores da Intel, diz que o preço do poder de processamento."— Transcrição da apresentação:

1 Internet cria a economia do gratuito

2 A Lei de Moore, que recebeu esse nome em homenagem a um dos fundadores da Intel, diz que o preço do poder de processamento cai pela metade a cada 18 meses. Os preços do armazenamento de dados e da conectividade caem ainda mais rápido. Essa tendência ao zero dos custos de infra-estrutura permite que os produtos digitais sejam oferecidos de graça.

3 Para Chris Anderson, editor-chefe da revista americana Wired e autor do best-seller A Cauda Longa, é cada vez mais forte a tendência de se oferecer produtos e serviços de graça. Tudo que faz parte da economia da internet é grátis. Nunca havia acontecido de toda uma economia ser construída em torno do conceito de gratuito.

4 Existem duas maneiras principais de se oferecer coisas de graça:

5 É possível fazer um gratuito falso, com subsídios cruzados. Qualquer coisa pode ser falsamente gratuita, mas não gratuita de verdade. O que não pode ser transformado em produto digital, pode ser apenas falsamente grátis. Celulares dados pelas operadoras na assinatura de contratos, gadgets (objetos/dispositivos)

6 E existem os produtos digitais, que podem realmente ser grátis. Games, softwares, músicas, vídeos, armazenamento de dados, etc

7 Diminuição do custo das coisas, principalmente tecnológicas. Exemplo: . É fácil encontrar um que não apenas é gratuito, mas que ofereça uma capacidade de armazenamento difícil de ser totalmente usada. O Hotmail começou essa cultura e a concorrência do Yahoo e do Gmail impulsionaram o formato.

8 Coisas que não custam nada Gift economy Exemplo: Wikipedia, blogs, Craigslist, YouTube fazem parte desse modelo que não cobra, mas movimenta a reputação (de empresas e pessoas). A web é a plataforma que está permitindo disponibilizar estas manifestações gratuitas.

9 Haverá retração do modelo, se houver exagero. Existe mercado publicitário suficiente para todos que estão tentando distribuir conteúdo com receitas de publicidade? Não, não, não. É importante notar que a publicidade não vai pagar por tudo. O bolo total publicitário cresce, mas a divisão será também muito maior. Limites deste modelo: A publicidade na web abre espaço para novos anunciantes e novas formas de anúncio

10 Isso está impactando a forma de fazer negócios dentro e fora da internet Mídias gratuitas para os espectadores, internautas, ouvintes... uma vez que os anunciantes é que estão pagando. Aparelho de barbear que sai de graça, caso se compre um novo pacote de lâminas. Classificados de jornais. Gravadoras de CD. Tendência do uso-fruto: pagar enquanto usa

11 A resposta imediata é o Google Quem está mais apto a sobreviver nesse ambiente? mas...

12 Quais os melhores modelos de negócio para este ambiente? Não haverá apenas um vencedor. Estamos no começo da economia do grátis. Há modelos de negócios a se pesquisar, copiar e descobrir. E a mídia tradicional vai perder espaço nesse cenário? Quanto mais mídias, mais competição pelo dinheiro da publicidade.

13 A internet permitiu que o mercado passasse da massificação para a personalização.

14 Estudo de caso: Coréia (exceção) Um dos país mais conectados do planeta. Conexão que permite que se baixe um DVD inteiro em cerca de 5 minutos A internet aqui é tão importante quanto a eletricidade. (Choi Jin Siek, de 32 anos). Os apartamentos novos já tem conexão de fibra óptica.

15 O governo sul-coreano apostou pesado na tecnologia para espantar a crise econômica que tomou conta da Ásia no final dos anos Investiu US$ 24 bilhões em infra-estrutura de rede e hoje consegue oferecer para qualquer pessoa conexões absurdamente velozes por menos de US$ 20 (R$ 34) por mês. Sem limite de downloads. Cerca de 90% da população está plugada na banda larga. Coréia (exceção)

16 Hoje, conexões de 50Mb/s e 100 Mb/s são normais nas casas. No Brasil, a conexão mais rápida é de 8 Mb/s, mas poucos têm acesso a ela. Em Seul, em breve a velocidade chegará a 1Gb/s (gigabit por segundo). Coréia (exceção)

17 Cyworld: modelo diferente. Fazer uma página pessoal é grátis, mas adicionar novos recursos, como músicas personalizadas, vídeos de artistas ou gráficos mais bonitos custa dinheiro. São microtransações de baixo valor. Uma música, por exemplo, custa US$ 0,50. Mas apenas essas músicas já movimentaram dentro do Cyworld mais de US$ 100 milhões. Coréia (exceção) Toda uma nova cultura digital está se desenvolvendo lá.

18 Esse modelo de negócios da web é a base de muitos serviços online na Coréia, inclusive os games online. Tudo é gratuito para quem quiser a experiência básica, mas uma experiência mais elaborada é cobrada. Nos games online, é normal comprar itens que aumentam o poder dos personagens ou modificam o visual, como uma roupa ou um adereço. Coréia (exceção)

19 O Messenger, que no Brasil é o programa de mensagens instantâneas mais usado, quase não tem vez na Coréia. Coréia (exceção) O NateOn Messenger domina. Integrado ao Cyworld, o pequeno programa também serve como uma espécie de leitor de RSS, que avisa quando os contatos atualizaram suas páginas pessoais.

20 Pouca importância do Google. Lá existe o Naver. Coréia (exceção) Diferencial: o Naver permite que os usuários alimentem a base de dados do buscador de forma colaborativa. É como se o Google fosse fundido com a Wikipédia. O resultado foi a criação de uma comunidade em torno do buscador.

21 Outra mostra da força do meio digital na Coréia é a forma como conteúdo multimídia é vendido. Enquanto no Ocidente a venda digital de músicas não passa de 10% do total, na Coréia, mais de 57% das canções já são vendidas digitalmente. Coréia (exceção)

22 O governo investiu pesado na digitalização dos serviços públicos. Em vez de obrigar os cidadãos coreanos a perder horas de trabalho em filas e burocracia desnecessária, houve um maciço esforço para a digitalização dos serviços públicos. Com mais informações online, o governo procura baixar custos e otimizar processos, além de barrar a corrupção. Coréia (exceção)

23 Isso é só internet.... Tem outro mundo se apresentando via telefonia móvel


Carregar ppt "Internet cria a economia do gratuito. A Lei de Moore, que recebeu esse nome em homenagem a um dos fundadores da Intel, diz que o preço do poder de processamento."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google