A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa Finanças Empresariais #1 Mestrado ISCTE/ISCEE Janeiro de 2007 José Paulo Esperança

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa Finanças Empresariais #1 Mestrado ISCTE/ISCEE Janeiro de 2007 José Paulo Esperança"— Transcrição da apresentação:

1 Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa Finanças Empresariais #1 Mestrado ISCTE/ISCEE Janeiro de 2007 José Paulo Esperança

2 Programa 1. Introdução 1.1 A importância das Finanças Empresariais; o papel do gestor financeiro. 1.2 Elementos de Cálculo Financeiro. 2. A Rendibilidade e a Tesouraria da Empresa 2.1 Os documentos fundamentais – Balanço e Demonstração de Resultados; 2.2 A Rendibilidade de Exploração; 2.3 A Rendibilidade dos Capitais Próprios; 2.4 O conceito de Fundo de Maneio e de Necessidades em Fundo de Maneio 2.5 Principais rácios: económicos, financeiros e operacionais

3 Programa 3. Análise de Investimentos – Óptica dos Capitais Próprios 3.1 Tipos e fases de um projecto de investimento; 3.2 O valor do dinheiro no tempo: anuidades e perpetuidades; 3.3 Critérios de Avaliação; 3.3 Alternativas incompletas e outras aplicações; 3.4 A Abordagem do Risco – CAPM; 3.5 Análise da sensibilidade; 3.6 As fontes do VAL positivo; 3.6 Introdução às opções financeiras e reais

4 Programa 4. Financiamento e Planeamento Financeiro 4.1 Custo de Capital; 4.2 Inter-Acção entre as Decisões de Investimento e de Financiamento; 4.3 Alternativas de Financiamento; 4.4. Elaboração dos Documentos Financeiros Previsionais; 4.5. Elementos de Avaliação de Empresas; 4.6. Casos Práticos.

5 Avaliação de Conhecimentos As aulas são teórico-práticas. A avaliação de conhecimentos será realizada através de um único teste final (ponderação de 75%) e de um trabalho (ponderação de 25%) de grupo composto por um máximo de quatro elementos. Nota: O trabalho poderá resultar da análise de um caso real, relativo à empresa de um dos elementos do grupo.

6 Bibliografia Finanças Empresariais, J. Esperança e F. Matias, Ed. D. Quixote; Princípios de Finanças Empresariais, R. A. Brealey e S. C. Myers, Mcgraw-Hill, Portugal; Análise Financeira (2 volumes), 12ª Edição, J. Carvalho das Neves, Texto Editora; Princípios de Gestão Financeira, 5ª Edição, H. Caldeira Menezes, Editorial Presença; Corporate Finance – Theory and Practice, Aswaath Damodaran, Wiley; Entrepreneurial Finance, Smith e Smith, Wiley.

7 Gestor Financeiro Mercados de Capitais Activos Reais Fluxos Financeiros entre os mercados e a empresa Fonte: B&M

8 Investimentos que criam valor Existirão sectores de actividade sistematicamente mais lucrativos? Qual a relação entre o ciclo do mercado de capitais e o período óptimo de investimento?

9 Instituições que criam valor O empreendedorismo fomenta mais a inovação que o intrapreneurship? Quando os mercados de capitais são robustos há mais potencial de criação e crescimento de novas empresas. Ex.: Microsoft, Google. Quando os mercados de capitais são menos eficientes, empresas instaladas tendem a desenvolver novos negócios, eventualmente através de forte diversificação. Ex.: Nokia, Sonae.

10 Condições necessárias ao empreendedorismo Ideia inovadora Motivação e entusiasmo Oportunidade de mercado Plano de negócios Recursos humanos (gestores experientes) Recursos financeiros

11 A Primeira Sede Social

12 Microsoft 1978 Ter-lhe-íamos confiado as nossas poupanças?

13 Elementos do Plano de Negócios -Índice -Sumário Executivo - I Historial e Objectivos Descreve o processo de geração da ideia-chave, os episódios que conduziram ao seu desenvolvimento e conclui com o conceito e objectivos do negócio, dando pistas quanto à sua viabilidade. - II Análise do Mercado Descreve o mercado, quanto à sua dimensão, tendências e principais grupos de consumidores. Identifica e caracteriza o mercado-alvo. Apresenta os resultados de alguns testes de mercado ou de investigações de mercado. Descreve o ambiente competitivo, o quadro legal envolvente e as fontes de vantagem e desvantagem competitiva. Define as estratégias de marketing e elabora a previsão das vendas do novo negócio. Identifica os principais riscos de marketing.

14 Elementos do Plano de Negócios - III Produtos e Serviços Faz a descrição detalhada do produto, do seu ciclo de vida, da sua propriedade intelectual (patentes e outras protecções do negócio), do nível do esforço de desenvolvimento e dos métodos de distribuição. Identifica as principais vantagens e desvantagens competitivas relativas ao produto ou serviço. Apresenta os riscos mais significativos do produto. - IV Produção, Desenvolvimento e Operações Apresenta os processos de produção, as suas necessidades, capacidades de distribuição e controlo de qualidade. Identifica as vantagens e desvantagens competitivas relativas ao desenvolvimento ou operações, bem como os seus riscos mais significativos.

15 Elementos do Plano de Negócios - V Direcção e Organização Identifica as principais pessoas na organização, os requisitos dos seus futuros membros, as competências que esses empregados têm de possuir, a sua avaliação e o modelo de compensação. Apresenta algumas fontes de vantagens e de desvantagens de competitividade relativas à direcção e pessoal. Identifica os riscos críticos do pessoal. - VI Propriedade e Controlo Inclui os estatutos, descrevendo o quadro legal e de controlo do negócio. Apresenta o domínio dos accionistas exteriores e a composição do quadro de directores. - VII Informação Financeira Descreve a situação actual e passada da empresa. Inclui os documentos financeiros previsionais, com especificação das origens e aplicações de fundos.

16 Empresas recentes e antigas Fonte: Entrepreneurial Finance, Smith e Smith, 2000

17 Fluxos Financeiros na Criação de Novos Projectos Fonte: E&M

18 Fontes de Financiamento de Novas Empresas

19 Óptica da Grande Empresa Nova Empresa Independência entre Investimento e Financiamento ElevadaReduzida Diversificação do Risco e Valor do Investimento Fácil, por parte dos accionistas, menor taxa de rendib. exigida Complexo, taxa de actualiz. do empreendedor elevada Participação na gestão dos investidores externos Reduzida e pontual – análise de contas Forte envolvimento Informação e Desenho dos Contratos Pouca necessidade de persuasão Forte esforço de apresentação de Plano de Negócios credível Diferenças entre Finanças Empresariais e Finanças para Empreendedores I

20 Incentivos e alinhamento de objectivos ModeradoElevado, para compensar falta de conhecimento prévio Importância das Opções Reais Elevada, na perspectiva do negócio Muito elevada – negócio e contratos ColheitaGeração de cash-flows positivos IPOs, colocação privada Fonte: Smith e Smith (2000) Diferenças entre Finanças Empresariais e Finanças para Empreendedores II Óptica da Grande Empresa Nova Empresa

21 Capitalização Actualização Diferença do Valor do dinheiro no tempo

22 Cash-flows constantes Valor Actual Líquido


Carregar ppt "Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa Finanças Empresariais #1 Mestrado ISCTE/ISCEE Janeiro de 2007 José Paulo Esperança"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google