A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Funções psíquicas e suas alterações Fernando Furieri, médico crm es 4297 especialista em psiquiatria, acupuntura e medicina do trabalho. Mestre em ciencias.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Funções psíquicas e suas alterações Fernando Furieri, médico crm es 4297 especialista em psiquiatria, acupuntura e medicina do trabalho. Mestre em ciencias."— Transcrição da apresentação:

1 Funções psíquicas e suas alterações Fernando Furieri, médico crm es 4297 especialista em psiquiatria, acupuntura e medicina do trabalho. Mestre em ciencias fisiológicas – PPGCFUFES 2005

2 Exame do estado mental Observação, aparência, consciência, orientação, comportamento psicomotor, conversação, atenção, fala e pensamento, memória, afeto, humor, percepção, inteligência, insight e juízo crítico. Othmer&Othmer,A entrevista clínica utilizando o DSM-IV-TR, Editora artmed

3 Qualidade de vida Qualidade de vida é o momento de vida atual próximo do ideal.

4 Aonde está sua Atenção agora?

5 No início o paraíso... A pureza e inocência de uma criança...

6 À medida em que crescemos... Desejos, emoções, lembranças,..., condicionamentos Forma-se a instância do Superego.

7 Em seguida nos identificamos com a nossa persona... Ações, planejamentos, preocupações com o futuro,..., identificações, personalidade Forma-se a instância do Ego.

8 Estas instâncias são úteis para o nosso crescimento... Quando não estão em excesso são companheiras necessárias de caminhada. É o que nos diferencia em indivíduos...

9 Causas do desequilíbrio... Os excessos prejudicam nossa Pura Atenção. Os excessos podem gerar desequilíbrios funcionais. Os desequilíbrios funcionais podem gerar doenças ou mesmo estarem presentes juntos com as doenças.

10 O equilíbrio está no meio... Não se trata de onipotência ou impotência, mas o resgate do verdadeiro potencial de busca, de evolução e crescimento, que caracteriza uma pessoa equilibrada.

11 Definição de transtorno mental Sofrimento Descontrole Desvantagem Incapacitação Inflexibilidade Irracionalidade Padrão de síndrome Etiologia Desvio estatístico

12 A classificação de transtorno mental não classifica pessoas... A classificação classifica os transtornos que as pessoas apresentam. Ex: Um indivíduo com dependência de álcool e não um alcoólatra.

13 Transtornos mentais A CID 10 nos fornece descrições clínicas e diretrizes diagnósticas. O diagnóstico é sindrômico.

14 Exame do estado mental Tem relação com três disciplinas Psiquiatria Psicologia Neurologia

15 Ponto de vista da neurologia Lidam em sua maioria, com pacientes que sofrem de lesões estruturais no cérebro, macroscópicas, predominantemente focais, como AVC, tumores e traumatismos. Assim o exame do estado mental se concentra em áreas particulares como apraxia do lobo frontal, afasias e agnosias dos lobos parietal, occipital e temporal

16 Psiquiatria e psicologia Lidam predominantemente, com pacientes que sofrem de deterioração das funções cerebrais não-estruturais, como no transtorno esquizofrênico, dissociativo, de humor, de ansiedade, de personalidade, etc

17 Podemos fazer Uma avaliação padronizada da resposta afetiva, da obsessividade, da passibilidade de ser sugestionado, dos mecanismos de defesa e dos padrões de transferência observados durante a entrevista,que podem ser incluídos na avaliação do estado mental de rotina, se assim indicado.

18 Podemos também fazer o Exame do estado mental neuropsicológico Inclui diversos testes padronizados de consultório que podem ser usados para avaliar sistematicamente o surgimento sutil de transtornos cognitivos nos pacientes Demências Transtornos relacionados a uso de drogas Problemas médicos que levam a delirium, HIV, TCE, doenças degenerativas, etc

19 Observação A observação de um paciente pode fornecer muitos insights sobre ele.

20 Observação Raquel, estava deitada na cama, de barriga para baixo, com o rosto enterrado no travesseiro. Não respondia às perguntas nem às ordens. Quando lhe avisei que o médico logo chegaria, ela não pareceu notar. Depois que eu saí, espiei pela janelinha da porta. Ela saiu da cama, foi até o banheiro contíguo e voltou maquiada e com o cabelo penteado, e então retomou sua posição na cama, com o rosto virado para baixo.

21 Aparência Você pode observar aspectos associados à presença ou ao início de certas psicopatologias Sexo e idade Raça e origem etnica Estado nutricional Higiene e modo de vestir Contato visual

22 Nível de consciência A consciência se refere a capacidade de reconhecer e responder a estímulos. Alerta Graduado em alerta Letárgico Obnubilado Estuporoso ou comatoso

23 Orientação: confusão Peça ao paciente para declarar seu nome, hora do dia, dia da semana, data, ano, localização atual, endereço e número do telefone. A desorientação quanto ao tempo e ao espaço é um indicador menos grave de deterioração cognitiva do que a desorientação quanto à pessoa.

24 Comportamento psicomotor O comportamento psicomotor oferece vários indícios sobre o estado de alerta, afeto, nível de energia, agitação e pertubações dos movimentos em uma ampla variedade de transtornos neurológicos e psiquiátricos

25 Comportamento psicomotor Postura Movimentos psicomotores (dirigidos a um objeto, gestos expressivos ou ilustrativos, gestos simbólicos) Movimentos que exprimem afeto (observáveis durante conversação) Movimentos complexos anormais (estupor, excitação, ações impulsivas, neurológicos,etc)

26 Conversação Na conversa casual, o paciente costuma manter-se muito menos guarda. Os seus pontos de tensão ainda não foram atingidos, e você pode avaliar mais facilmente e de maneira disfarçada uma série de aspectos, incluindo atenção, concentração, fala, pensamento e afeto.

27 Atenção É a capacidade de focalizar de um modo estável um estímulo ou uma atividade particular. Uma perturbação da atenção pode ser manifestada por fácil distração ou dificuldade em terminar tarefas ou concentrar-se no trabalho.

28 Perseverança e falta de persistência Perseverança é a capacidade de sustentar um comportamento no decorrer de um longo período de tempo; é uma outra medida de concentração

29 Fala e pensamento A fala é o pensamento codificado; decodificá-la é compreender o que o paciente está pensando A fala e o pensamento podem ser separados para que se possa avaliar o paciente de maneira eficaz

30 Linguagem Sempre que o paciente está perplexo, tem dificuldade em se comunicar com você ou está indeciso nas suas ações com objetivo definido, como caminhar até a sua cadeira ou pendurar o casaco, examine a possibilidade de compreensão e expressão da linguagem

31 Linguagem Afasia – dificuldade de compreender expressar a linguagem Agnosia – dificuldade de reconhecer as sensações complexas Apraxia – dificuldades de executar atos de rotina

32 O Pensamento O pensamento é transmitido por meio da fala. É importante distinguir transtorno da fala e do pensamento. E também é necessário excluir transtorno de compreensão antes de diagnosticar um transtorno de pensamento

33 Pensamento Abstrato: Capacidade de usar símbolos, como cachorro, e generalizar para uma classe de símbolos, como um cachorro é um animal de quatro patas e que late. Bloqueio do pensamento: Cessação involuntária e súbita na corrente de pensamento Concreto: Incapacidade de abstrair

34 O pensamento Critérios para avaliação do pensamento –Conceito de palavras pensamento concreto Ex: o carro, minha mãe em resposta a pergunta o que te traz aqui expressões excessivamente inclusivas Ex: O oeste, tudo vem do oeste, em reposta a pergunta qual é o seu problema.

35 O pensamento Critérios para avaliação do pensamento –Conceito de palavras –Firmeza das associações e integridade dos objetivos ( como conecta palavras e objetivos) Perseverança, verbigeração, palilalia, associação por ressonância, bloqueio e descarrilamento, fuga de idéias, non sequitur, fragmentação, divagação, fala sem sentido e salada de palavras

36 Memória Imediata De curto e longo prazo Recente Remota Operacional

37 Memória imediata Memória imediata exige o recebimento, o registro, a aquisição e a reprodução, envolvendo o sistema de ativação da formação reticular, o lobo frontal, o sistema límbico e a área central da fala

38 Memória de curto prazo É a capacidade para relembrar a informação depois de passados 5 a 10 minutos, habitualmente testada depois da distração entre a apresentação e a recuperação da memória

39 Memória de longo prazo São testadas com lembranças entre 30 minutos ou 30 dias

40 Memória recente Depende do registro (no córtex), da consolidação (no hipocampo), da armazenagem (na convexidade do córtex do lobo temporal) e da recuperação (no hipocampo e nos núcleos dorsais mediais e pulvinares do tálamo)

41 Distúrbios da memória recente Amnésia anterógrada (incapacidade de aprender matérias novas) Confabulação (disposição a preencher as lacunas com histórias inventadas

42 Memória remota Regulada pelo córtex de associação Para testá-la podemos pedir ao paciente que fale sobre acontecimentos históricos, ou acontecimentos pessoais verificáveis

43 Memória operacional Memória de trabalho Working memory Utilizadas para a execução de tarefas do dia a dia e envolve a memória imediata, de curto e médio prazo e outras funções cognitivas

44 Afeto O afeto é a manifestação visível e audível da resposta emocional do paciente aos acontecimentos externos e internos, isto é, pensamentos, idéias, memórias evocadas e reflexões Expressa-se em respostas autonômicas, postura, movimentos faciais e reativos, movimentos relativos à aparência e no tom da voz, vocalizações e seleção de palavras.

45 Nove movimentos expressivos básicos inatos Repugnância Surpresa Alegria Raiva Medo Tristeza Interesse Vergonha satisfação

46 Humor O humor é o estado afetivo a longo prazo por meio do qual todas as experiências são filtradas Às vezes uma discrepância entre humor e afeto. Ex: o paciente controla seu afeto utilizando uma máscara social, mas descreve o humor deprimido

47 Humor Qualidade. Ex : deprimido, para cima Estável ou variável Sem reatividade ex: melancólico Intensidade(leve rasa) Ex:experiência de pânico ou de excitação por drogas Duração (confere ao humor o seu valor diagnóstico)

48 Percepção A percepção normal origina-se da estimulação de receptores sensoriais específicos. Está perturbada nos pacientes psicóticos que tem percepções, imagens e impressões auditivas e olfativas na ausência de estímulos verificáveis.

49 Conteúdo do pensamento Tendências suicídas e homicidas Delírios Idéias supervalorizadas Fobias Obsessões Compulsões Sintomas somáticos sem explicação médica Conversão Dissociação

50 Ataques paroxismicos Desmaios (sincopes); Ataques narcolépticos; Convulsões tipo grande mal ; Pseudoconvulsões ; Convulsão parcial complexa ou do lobo temporal ; Ataques de pânico ; Ataques de amnésia ; Amnésia dissociativa ; Despersonalização ; Desrealização ; Fuga dissociativa ; Mudança dissociativa ; Ataque hipoglicêmico ; Amnésia global Transitória ; Ataque isquemico transitório etc

51 Funcionamento executivo A demência incipiente pode afetar primeiro as funções cognitivas mais complexas Funcionamento executivo –Planejamento –Organização –Sequenciamento –Abstração

52 Inteligência Podem ser avaliadas por escalas Demências Retardo mental –Leve –Moderado –Grave

53 Insight Obtenha noções de insight no início e siga monitorando – O que voçê pensa sobre...? – Voçê considera isso normal? –Precisa de ajuda para isso?

54 Juízo crítico É a capacidade de escolher objetivos adequados e selecionar meios socialmente aceitáveis e adequados de os atingir. Reflete o teste da realidade, a inteligência e a experiência

55 Juízo crítico Pode ser avaliado examinando o conhecimento geral e a capacidade para resolver problemas –Por que os rios correm para os oceanos? –Por que as estrelas aparecem à noite? –por que o governo recolhe impostos

56 Juízo crítico Perguntas para declarar um ponto de vista, seu potencial e seus limites em um contexto social –Como lhe parece o futuro? –Quais são as suas chances de fazer um recomeço? –Você acha que pode criar uma grande invenção?;...ser famoso? ;... Se tornar um líder de algum tipo?

57 Lista de categorias F00 – F99 F00 – F09 Transtornos mentais orgânicos, incluindo sintomáticos. F10 – F19 Transtornos mentais e de comportamento decorretes do uso de substância psicoativa F20 – F29 Esquizofrenia, transtornos esquizotípico e delirantes F30 – F39 Transtornos do Humor

58 Lista de categorias F00 – F99 F40 – F48 Transtornos neuróticos, relacionados ao estresse e somatoformes. F50 – F59 Síndromes do comportamento associadas a pertubações fisiológicas e fatores físicos. F60 – F69 Transtornos de personalidade e de comportamentos em adultos.

59 Lista de categorias F00 – F99 F70 – F79 Retardo mental. F80 – F89 Transtornos de desenvolvimento psicológico. F90 – F98 Transtornos emocionais e de comportamento com início ocorrendo na infância e adolescência. F99 Transtorno mental não especificado.

60 Devemos agir... Corrigir os transtornos funcionais e utilizar recursos internos que possam corrigir os desvios da nossa atenção, evitando que ela oscile demais e fique presa nos extremos e evolua para alguma disfunção ou doença.


Carregar ppt "Funções psíquicas e suas alterações Fernando Furieri, médico crm es 4297 especialista em psiquiatria, acupuntura e medicina do trabalho. Mestre em ciencias."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google