A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

O QUE É AUTISMO: uma resposta possível M.C.M. Kupfer, São Paulo/BR.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "O QUE É AUTISMO: uma resposta possível M.C.M. Kupfer, São Paulo/BR."— Transcrição da apresentação:

1 O QUE É AUTISMO: uma resposta possível M.C.M. Kupfer, São Paulo/BR

2 São muitas as manifestações chamadas de autisticas em crianças nos dias de hoje. O autismo encontra expressões diversas e em diferentes idades. Quais são essas variações? Olhando ao redor

3 Encontramos: Crianças com capacidades únicas ou ilhas de inteligência. Adultos com funcionamento intelectual pleno.

4 Adultos que escrevem mas não falam. Crianças que quase não falam e aprendem pouco. Crianças com grande prejuízo de desenvolvimento. Crianças afetivas e ao mesmo tempo sem contato. Olhando ao redor

5 Ponto comum a todas essas manifestações: dificuldades na relação com os outros, de modo geral. Mas como explicar que haja autistas carinhosas?

6 DSM-IV Prejuízo severo e invasivo em diversas áreas do desenvolvimento: habilidades de interação social recíproca, habilidades de comunicação, ou presença de comportamento, interesses e atividades estereotipados. Classificações psiquiátricas

7 CID-10 Grupo de transtornos caracterizados por alterações qualitativas das interações sociais recíprocas e modalidades de comunicação e por um repertório de interesses e atividades restrito, estereotipado e repetitivo. Classificações psiquiátricas

8 As crianças autistas: Resistem ao toque e ao abraço Ficam felizes quando deixadas sozinhas. Estão sempre em seu próprio mundo. Têm problemas de empatia. Não entendem o interesse ou desejo dos outros. Não precisam exibir seus interesses para os outros. Características apontadas por outros pesquisadores

9 Partimos de uma primeira característica marcante dos autistas: não sabem relacionar-se. Mas Nem todas as crianças autistas encaixam-se aí: algumas são afetivas e parecem gostar de relacionar- se com os outros. O FOCO NA ISR

10 M.-C. Laznik, pesquisadora franco-brasileira, ajuda a entender que as crianças autistas sabem RECEBER carinho e amor. Mas não sabem DAR PARA RECEBER carinho e amor. Segundo Laznik, o bebê se dirige à mãe para nela provocar seu prazer de estar com ele. Foco nas relações iniciais

11 As crianças aprendem muito cedo que, se derem amor, poderão recebê-lo de volta. É dando que se recebe, já dizia S. Francisco de Assis. Se uma criança dá amor e prazer, descobre que provoca em sua mãe uma reação de prazer, que dá origem a uma grande satisfação em retorno. O Foco nas relações iniciais

12 Dessa perspectiva, pode-se dizer que: A criança autista aprendeu apenas a primeira parte da estrutura do relacionamento humano: receber. Algumas aprendem a segunda: dar. Mas nenhuma aprendeu a terceira parte: dar para receber Primeira resposta

13 Isso explica que comportamentos carinhosos convivam com falta de empatia Falta a capacidade de entender ou tentar entender os outros. Disso podem resultar todas as demais dificuldades de um autista Primeira resposta

14

15 [Cena recortada só da barriguinha]

16 "Uma cena mostra um bebê que brinca com a mãe. Ela o estimula e finge comer seu pezinho. Ele gosta e demonstra certo prazer. Mas não lhe ocorre dar seu pezinho. Ele não parece interessar-se por aquilo que poderia dar prazer ao outro…. Os bebês nascem com um interesse pelo interesse dos outros. Não é o caso dos bebês de nossos filmes familiares(Laznik, 2005, p.181).

17 1. O protocolo IRDI 2. A intervenção IRDI nas creches Consequências para o diagnóstico e o tratamento do autismo

18 IRDIs: protocolo de 31 indicadores clínicos de risco, criado pelo GNP para uso por pediatras em consultas regulares, para a detecção de problemas de desenvolvimento em crianças de zero a dezoito meses. KUPFER, M. C. M. ; JERUSALINSKY, Alfredo ; BERNARDINO, Leda Fischer ; WANDERLEY, Daniele de Brito ; ROCHA, P ; MOLINA, Silvia Eugenia ; SALLES, Lea ; STELLIN, Regina Maria Ramos ; PESARO, Maria Eugenia ; LERNER, Rogério. Valor preditivo de indicadores clínicos de risco para o desenvolvimento infantil: um estudo a partir da teoria psicanalítica. Latin American journal of fundamental psychopathology on line, v. 6, p , IRDIs

19 Cuidados psíquicos na infância reduzem a incidência de distúrbios mentais tanto na infância como na vida adulta. O protocolo IRDI pode ser um guia no acompanhamento do desenvolvimento psíquico A pesquisa atual pretende avaliar o IRDI como um instrumento de promoção de saúde mental nos primeiros estágios do desenvolvimento da criança IRDIs nas creches

20 1-Quando a criança chora ou grita, a professora sabe o que ela quer 2-A professora fala com a criança num estilo particularmente dirigido a ela (mamanhês) 3-A criança reage ao mamanhês 4-A professora propõe algo à criança e aguarda a sua reação 5- Há troca de olhares entre a professora e a criança 0 a 4 meses incompletos

21 6- A criança começa a diferenciar o dia da noite 7- A criança utiliza sinais diferentes para expressar suas diferentes necessidades 8-A criança solicita a professora e faz um intervalo para aguardar sua resposta 9- A professora fala com a criança dirigindo-lhe pequenas frases 10- A criança reage ( sorri, vocaliza ) quando a professora ou outra pessoa está se dirigindo a ela. 11- a criança procura ativamente o olhar da professora 12- A professora dá suporte às iniciativas da criança sem poupar- lhe esforços 13-A criança pede ajuda de outra pessoa sem ficar passiva 4 a 8 meses incompletos

22 14-A professora percebe que alguns pedidos da criança podem ser uma forma de chamar sua atenção 15- Durante os cuidados corporais, a criança busca ativamente jogos e brincadeiras amorosas com a professora 16- A criança demonstra gostar ou não de alguma coisa 17-professora e criança compartilham uma linguagem particular 18- A criança estranha pessoas desconhecidas para ela 19- A criança possui objetos prediletos 20- A criança faz gracinhas 21-A criança busca o olhar de aprovação do adulto 22-A criança aceita alimentação semi-sólida, sólida e variada 8 a 12 meses incompletos

23 23- A professora alterna momentos de dedicação à criança com outros interesses 24-A criança reage bem às breve ausências da professora e reage às ausências prolongadas 25-A professora oferece brinquedos como alternativas para o interesse da criança pelo corpo materno 26-A professora já não se sente mais obrigada a satisfazer tudo que a criança pede 27- A criança olha com curiosidade para o que interessa à professora 28-A criança gosta de brincar com objetos usados pela professora e pelo pai 29- A professora começa a pedir à criança que nomeie o que deseja, não se contentando apenas com pequenos gestos 30- Os pais colocam pequenas regras de comportamento à criança 31-A criança diferencia objetos maternos, paternos e próprios 12 a 18 meses

24 Referências Bibliográficas Laznik, M.C. (2005). Les interactions sonores entre les bébés devenus autistes et leurs parents. In M.F. Castarède, Au commencement était la voix. Paris, Érès.


Carregar ppt "O QUE É AUTISMO: uma resposta possível M.C.M. Kupfer, São Paulo/BR."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google