A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Abordagem Humanística da Administração Prof. Adm. Fernando Antunes.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Abordagem Humanística da Administração Prof. Adm. Fernando Antunes."— Transcrição da apresentação:

1 Abordagem Humanística da Administração Prof. Adm. Fernando Antunes

2 Introdução A Abordagem humanística da administração representa uma transferência da ênfase anterior, colocada nos aspectos técnicos e formais da administração para os aspectos sociológicos e psicológicos do trabalho. Esse estudo compreendeu dois assuntos distintos:

3 Introdução A análise do trabalho e adaptação do trabalhador ao trabalho; A adaptação do trabalho ao trabalhador.

4 A Experiência de Hawthorne Essa experiência aconteceu na fábrica da Western Eletric Company à partir de 1927 e foi comandada por Elton Mayo. Seu objetivo: determinar qual a relação existente entre a intensidade da iluminação e a eficiência dos operários (produtividade).

5 A Experiência de Hawthorne A experiência deu-se em 4 fases: 1a. Fase: Foram estudados dois grupos de trabalho, que operando em condições idênticas, tiveram sua produção constantemente avaliada. Um grupo teve suas condições ambientais mantidas e outro teve sua iluminação intensificada. Nesta fase não foram identificadas variações significativas de produção.

6 A Experiência de Hawthorne 2a. Fase: Introdução de novas variáveis (horários de descanso, lanches, reduções no período de trabalho, sistema de pagto.) buscando identificar qual a que mais se relacionava com a produtividade. Após diversas variações nas condições de trabalho, obtiveram resultados crescentes de produtividade.

7 A Experiência de Hawthorne 3a. Fase: Programa de entrevistas buscando maiores conhecimentos sobre as atitudes e sentimentos do trabalhador (foram entrevistados operários). Descobriu-se a existência da organização informal (grupos informais).

8 A Experiência de Hawthorne 4a. Fase: Separação de um pequeno grupo experimental para avaliação de sua interferência no comportamento do grupo maior. Percebeu-se claramente o sistema de recompensa e punição dos grupos informais. A experiência de Hawthorne durou até 1932 e abalou sensivelmente a Teoria Clássica até então dominante.

9 A Experiência de Hawthorne Conclusões da Experiência de Hawthorne: Nível de produção é resultante da integração social; Comportamento social dos empregados; As recompensas e sansões sociais; Grupos informais; As relações humanas; A importância do conteúdo do cargo; Ênfase nos aspectos emocionais.

10 A Experiência de Hawthorne Nível de produção é resultante da integração social é a capacidade social do trabalhador que estabelece seu nível de competência e eficiência e não a sua capacidade de executar movimentos eficientes dentro de um tempo previamente estabelecido.

11 A Experiência de Hawthorne Comportamento social dos empregados os trabalhadores não agem ou reagem isoladamente como indivíduos, mas como membro de grupos. Sua capacidade de produção é ditada pela sua interação social e qualquer desvio de comportamento poderá ser retaliado simbolicamente pelo grupo que participa.

12 A Experiência de Hawthorne As recompensas e sansões sociais As pessoas passam a ser avaliadas pelos grupos que participam, de acordo com as normas de comportamento que o grupo cria para si. Se essas normas são quebradas há rejeição pelo grupo. Se são vividas pelo indivíduo existe uma espécie de recompensa. Essas recompensas são simbólicas.

13 A Experiência de Hawthorne Grupos Informais A empresa passou a ser visualizada como uma organização social composta de diversos grupos sociais informais, cuja estrutura nem sempre coincide com a organização formal da empresa. Os grupos informais definem suas regras de comportamento, suas formas de recompensas ou sansões sociais.

14 A Experiência de Hawthorne As relações humanas Para poder explicar e justificar o comportamento das pessoas na organização, a Teoria das Relações Humanas passou a estudar intensamente essas interações sociais surgidas dentro das organizações, em face do grande número de grupos e às interações necessariamente resultantes.

15 A Experiência de Hawthorne A importância do conteúdo do cargo Somente racionalizar a tarefa não é o suficiente para conseguir aumentar a produção. Durante a experiência percebeu- se que os operários mudavam de lugar para variar a monotonia. A partir daí viu-se que é importante haver conteúdo e sentido no cargo exercido pelo operário.

16 A Experiência de Hawthorne Ênfase nos aspectos emocionais O indivíduo, definitivamente, deixou de ser considerado uma extensão da máquina como pregava Taylor. Agora suas emoções passam a ser consideradas e tornam-se fator condicionante para uma produtividade alta.

17 A Civilização Industrializada e o Homem Desde que as empresas foram criadas a forma de trabalho sempre busca a superação, a eficiência material. Todavia a cooperação não teve a mesma evolução. Essa baixa cooperação existente nas organizações levou à mudança de crenças e valores que fizeram uma revolução na sociedade moderna, segundo o sociólogo Durkheim.

18 A Civilização Industrializada e o Homem Os métodos de trabalhos existentes pregam a eficiência e não a cooperação. Face a isto, Mayo defende 5 pontos nos quais sustenta que o trabalho tem mais a ver com as relações humanas do que com a eficiência material propriamente dita.

19 A Civilização Industrializada e o Homem 1 – O trabalho é uma atividade tipicamente grupal: o indivíduo no seu trabalho não está isolado. Ele é parte integrante de um grupo. E esse grupo é o responsável pela sua eficiência mais do que qualquer tipo de recompensa material ou salarial.

20 A Civilização Industrializada e o Homem 2 – O operário não reage como indivíduo isolado, mas como membro de um grupo social: os avanços tecnológicos tendem a minimizar os laços formados pelas pessoas nas organizações uma vez que ficam cada vez mais perto das máquinas e mais distantes das pessoas.

21 A Civilização Industrializada e o Homem 3 – A tarefa básica da Administração é formar uma elite capaz de compreender e de comunicar: ao invés de tentar fazer com que o trabalhador entenda a lógica da empresa, é importante que o administrador entenda a lógica e as limitações do empregado. Mayo prega que somos tecnicamente muito eficientes, porém pouco evoluímos no que diz respeito à cooperação e nas relações humanas.

22 A Civilização Industrializada e o Homem 4 – A pessoa é motivada essencialmente pela necessidade de estar junto, de ser reconhecida, de receber adequada comunicação: Taylor preconizou que o indivíduo era motivado pela questão econômica (Homo economicus) e Mayo que as interações sociais são mais importantes. Não importa o quão eficiente é a organização, ela jamais será capaz de ser completamente eficiente sem que as necessidades psicológicas de seus membros sejam descobertas e satisfeitas.

23 A Civilização Industrializada e o Homem 5 – A civilização industrializada traz como conseqüência a desintegração dos grupos primários da sociedade. A família, a religião os grupos informais são colocado em segundo plano. As empresas passam a exercer este papel. Esta nova unidade social proporcionará um novo lar, um local de compreensão e de segurança emocional para os indivíduos (CHIAVENATO, 1997, p. 228)

24 A Civilização Industrializada e o Homem Conclusão deste tópico: Para Mayo todos os métodos convergem para a eficiência e não para a cooperação humana¹. Isto promove conflitos sociais. Tais conflitos são responsáveis por inúmeras mazelas nas sociedade que deixa à margem os valores da boa vizinhança e preconiza os novos valores morais: trabalho, produtividade e sucesso. 1 CHIAVENATO, Idalberto. Teoria Geral da Administração. Ed Makron Books. 5a. ed., p. 229.


Carregar ppt "Abordagem Humanística da Administração Prof. Adm. Fernando Antunes."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google