A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Bioquímica e Imunologia Prof. Marco Aurélio. Bioquímica do sangue O sangue é um fluido corporal cuja função principal é a de estabelecer a comunicação.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Bioquímica e Imunologia Prof. Marco Aurélio. Bioquímica do sangue O sangue é um fluido corporal cuja função principal é a de estabelecer a comunicação."— Transcrição da apresentação:

1 Bioquímica e Imunologia Prof. Marco Aurélio

2 Bioquímica do sangue O sangue é um fluido corporal cuja função principal é a de estabelecer a comunicação entre os diversos órgãos e tecidos de um organismo É uma suspensão de células em meio líquido => plasma O sangue recém extraído => coagula => rede de fribina => que se retrai com o tempo => libertando do coágulo o soro (plasma sem fibrogénio) Existem várias substâncias capazes de evitar a coagulação do sangue: alguns íons heparina (polissacárido existente no fígado e pulmões)

3 Bioquímica do sangue Os principais componentes químicos do plasma sanguíneo que apresentam interesse são as proteínas (7%), os lípidos (0,7%), os carboidratos, íons e hormonios Na fracção proteica do plasma do sangue encontram-se enzimas, anticorpos, proteínas transportadoras, hormonios, etc. As proteínas do plasma têm as seguintes funções: manter a pressão osmótica do sangue; manter o equilíbrio ácido-base; servir como substâncias de reserva nitrogenadas

4 Albumina e Imunoglobulinas A albumina é a mais abundante e tem uma grande variedade de funções: são a reserva nitrogenada; manutenção de pressão osmótica; transporte de substâncias pouco solúveis como ácidos gordos, hormonas, etc. Hipoalbuminemia => quebra da síntese de albumina como na malnutrição ou processo hepático, aumento da sua degradação ou sua perda pela urina ou nas fezes. Imunoglobulinas são produzidas pelas células plasmáticas e têm 5 classes => IgG, IgA, IgD, IgE e IgM

5 Carboidratos Os monossacáridos glicose, frutose e galactose são produtos finais do da digestão dos carboidratos da dieta são absorvidos no intestino São várias os hormônios que participam da regulação da concentração sanguínea da glicose: - insulina => diminuição dos níveis de glicose sanguínea - glucagon => aumenta a concentração de glicose hormona de crescimento e ACTH => tendem a aumentar os teores de glicose no sangue - adrelanina e tiroxina => aumento do teor de glicose no sangue - cortisol => aumento do teor de glicose no sangue

6  Lipídeos Plasmáticos: Triglicerídeos; Colesterol; Lipoproteínas: ○ LDL; ○ HDL; ○ VLDL; ○ Relação entre eles.

7 Exames - Eletrólitos Eletrólitos – Essenciais para a homeostasia Distúrbios eletrolíticos – Comuns em pacientes com doença cardiopulmonar e efeito colateral de medicamentos – Sinais: arritmias cardíacas, confusão mental e fraqueza mm

8 Sódio  Valores normais:135 a 145 mEq/l  Hiponatremia: ↓ Na Edema:confusão,delírio, coma, oligúria  Hipernatremia: ↑ Na Desidratação: mucosas e boca secas, fraqueza mm, tremor, confusão mental

9 Potássio  Valores normais:3,5 a 5 mEq/l  Hipocalemia: ↓ K  Hipercalemia: ↑ K  ↑ ou ↓ sintomas semelhantes: cansaço, ↓ nível de consciência, hiporreflexia, fraqueza, arritmia, IResp

10 Cálcio  Função: integridade e estrutura das membr. cels. condução dos estímulos cardíacos coagulação sangüínea formação e crescimento ósseos  ↓:labilidade emocional, cãibras, diarréia, convulsões, arritmias cardíacas  ↑: fraqueza, vômitos, sonolência,, coma, arritmias

11 Magnésio  ↑ : fraqueza mm, hipotensão, confusão mental  ↓ :taquicardia e arritmias, hipertensão, confusão

12

13 ENZIMAS Proteínas catalisadoras que aumentam a velocidade das reações sem serem, elas próprias, alteradas nesse processo.

14 Para que o diagnóstico do envolvimento de um órgão específico seja feito, é necessário: ENZIMAS DE DIAGNÓSTICO conhecer a proporção entre as várias enzimas, que varia de tecido para tecido, combinado com o estudo da cinética de aparecimento e desaparecimento no plasma. Enzimas não plasma-específicas são depuradas do plasma a velocidades variáveis, que dependem da estabilidade da enzima e de sua captação pelo sistema retículo- endotelial.

15 As principais enzimas que são usadas no diagnóstico de doenças são: Fosfatase Ácida Fosfatase Alcalina TGOTGPGGTAmilaseLipaseCKLDH ENZIMAS DE DIAGNÓSTICO

16 Na verdade, existem mais de 20 enzimas que são tipicamente usadas em laboratórios clínicos para o diagnóstico de doenças. Uma vez que essas enzimas são relativamente fáceis de medir, inclusive por meio da utilização de técnicas automatizadas, elas fazem parte dos exames de sangue de rotina que o médico pode vir a requisitar. ENZIMAS DE DIAGNÓSTICO

17 Fosfatase Ácida Fosfatase Alcalina TGO TGP GGT Amilase Lipase CK LDH Fosfatase Ácida Maiores concentrações: próstata, no fígado, na medula óssea, nos eritrócitos e plaquetas. Maiores concentrações: próstata, no fígado, na medula óssea, nos eritrócitos e plaquetas. ↑ fração não-prostática: crianças em fase de crescimento e patologicamente aumentada em condições em que existe um hipermetabolismo ósseo. ↑ fração não-prostática: crianças em fase de crescimento e patologicamente aumentada em condições em que existe um hipermetabolismo ósseo.

18 Fosfatase Ácida Fosfatase Alcalina TGO TGP GGT Amilase Lipase CK LDH Fosfatase Ácida Utilidade Diagnóstica: diagnóstico e monitoramento da resposta ao tratamento e no aparecimento de metástases no câncer de próstata. Utilidade Diagnóstica: diagnóstico e monitoramento da resposta ao tratamento e no aparecimento de metástases no câncer de próstata.

19 Fosfatase Alcalina Maiores Concentrações: presente em praticamente todos os tecidos do organismo, especialmente nas membranas das células dos túbulos renais, ossos (superfície dos osteoblastos), placenta, trato intestinal e fígado. Maiores Concentrações: presente em praticamente todos os tecidos do organismo, especialmente nas membranas das células dos túbulos renais, ossos (superfície dos osteoblastos), placenta, trato intestinal e fígado. Função: transporte de lipídios no intestino e nos processos de calcificação óssea. Função: transporte de lipídios no intestino e nos processos de calcificação óssea. Fosfatase Ácida Fosfatase Alcalina TGO TGP GGT Amilase Lipase CK LDH

20 Fosfatase Alcalina Fosfatase Ácida Fosfatase Alcalina TGO TGP GGT Amilase Lipase CK LDH Utilidade Diagnóstica: doenças ósseas que cursam com aumento da atividade osteoblástica e na investigação de doenças hepatobiliares. Utilidade Diagnóstica: doenças ósseas que cursam com aumento da atividade osteoblástica e na investigação de doenças hepatobiliares. A resposta hepática a qualquer tipo de agressão da árvore biliar é sintetizar fosfatase alcalina principalmente nos canalículos biliares.

21 Fosfatase Alcalina Fosfatase Ácida Fosfatase Alcalina TGO TGP GGT Amilase Lipase CK LDH Obs.: recém-nascidos e crianças, mas especialmente adolescentes, apresentam valores significativamente mais elevados do que os adultos, devido ao crescimento ósseo. Obs.: recém-nascidos e crianças, mas especialmente adolescentes, apresentam valores significativamente mais elevados do que os adultos, devido ao crescimento ósseo.

22 TGO Transaminase Glutâmico Oxalacética Maiores Concentrações: é encontrada em diversos órgãos e tecidos, incluindo coração, fígado e músculo esquelético. Maiores Concentrações: é encontrada em diversos órgãos e tecidos, incluindo coração, fígado e músculo esquelético. Fosfatase Ácida Fosfatase Alcalina TGO TGP GGT Amilase Lipase CK LDH

23 TGO Transaminase Glutâmico Oxalacética Fosfatase Ácida Fosfatase Alcalina TGO TGP GGT Amilase Lipase CK LDH Utilidade Diagnóstica: hepatites virais agudas, hepatites alcoólicas e infarto agudo do miocárdio (IAM). Utilidade Diagnóstica: hepatites virais agudas, hepatites alcoólicas e infarto agudo do miocárdio (IAM).

24 TGP Transaminase Glutâmico Pirúvica Maiores Concentrações: fígado, rim e em pequenas quantidades no coração e na musculatura esquelética. Maiores Concentrações: fígado, rim e em pequenas quantidades no coração e na musculatura esquelética. Fosfatase Ácida Fosfatase Alcalina TGO TGP GGT Amilase Lipase CK LDH Nível elevado rapidamente após a lesão hepática, tornando-se um marcador sensível da função do fígado. Nível elevado rapidamente após a lesão hepática, tornando-se um marcador sensível da função do fígado.

25 Fosfatase Ácida Fosfatase Alcalina TGO TGP GGT Amilase Lipase CK LDH Utilidade Diagnóstica: patologias que cursam com necrose do hepatócito (por ex. hepatites virais e hepatites medicamentosas). Utilidade Diagnóstica: patologias que cursam com necrose do hepatócito (por ex. hepatites virais e hepatites medicamentosas). TGP: marcador hepatocelular TGP Transaminase Glutâmico Pirúvica

26 Fosfatase Ácida Fosfatase Alcalina TGO TGP GGT Amilase Lipase CK LDH ↑ [ ] recém-nascidos: é atribuído à imaturidade dos hepatócitos nos recém- nascidos, que apresentam as membranas celulares mais permeáveis. Os valores se igualam aos níveis do adulto em torno dos 3 meses de idade. TGP Transaminase Glutâmico Pirúvica

27 GGT Gama Glutamil Transpeptidase Fosfatase Ácida Fosfatase Alcalina TGO TGP GGT Amilase Lipase CK LDH Maiores Concentrações: fígado, pâncreas, intestino.

28 Fosfatase Ácida Fosfatase Alcalina TGO TGP GGT Amilase Lipase CK LDH Apresenta-se freqüentemente elevada em alcoólatras, na obesidade e no uso de drogas como analgésicos, anticonvulsivantes, quimioterápicos e contraceptivos orais. Utilidade Diagnóstica: lesões hepáticas ligadas ao álcool, colestase (bloqueio do fluxo biliar) crônica e outras patologias hepáticas e biliares. Utilidade Diagnóstica: lesões hepáticas ligadas ao álcool, colestase (bloqueio do fluxo biliar) crônica e outras patologias hepáticas e biliares. GGT Gama Glutamil Transpeptidase

29 Amilase Maiores Concentrações: a amilase presente no sangue e na urina de indivíduos normais é de origem pancreática e das glândulas salivares. Maiores Concentrações: a amilase presente no sangue e na urina de indivíduos normais é de origem pancreática e das glândulas salivares. Fosfatase Ácida Fosfatase Alcalina TGO TGP GGT Amilase Lipase CK LDH

30 Amilase Fosfatase Ácida Fosfatase Alcalina TGO TGP GGT Amilase Lipase CK LDH Utilidade Diagnóstica: doenças do pâncreas e na investigação da função pancreática. Na pancreatite aguda, cerca de 20% dos casos podem cursar com valores normais de amilase (dosagem concomitante dos níveis de lípase). Utilidade Diagnóstica: doenças do pâncreas e na investigação da função pancreática. Na pancreatite aguda, cerca de 20% dos casos podem cursar com valores normais de amilase (dosagem concomitante dos níveis de lípase). As causas não- pancreáticas de aumento da amilase incluem lesões inflamatórias das glândulas salivares, trauma pancreático, entre outras.

31 Lipase Fosfatase Ácida Fosfatase Alcalina TGO TGP GGT Amilase Lipase CK LDH Maiores Concentrações: pâncreas Maiores Concentrações: pâncreas Utilidade Diagnóstica: sua avaliação é essencial no diagnóstico das patologias pancreáticas. Seus níveis estão aumentados em pacientes com pancreatite aguda e recorrente, trauma, obstrução dos ductos pancreáticos... Utilidade Diagnóstica: sua avaliação é essencial no diagnóstico das patologias pancreáticas. Seus níveis estão aumentados em pacientes com pancreatite aguda e recorrente, trauma, obstrução dos ductos pancreáticos...

32 CK Creatinoquinase Fosfatase Ácida Fosfatase Alcalina TGO TGP GGT Amilase Lipase CK LDH Maiores Concentrações: vasta distribuição nos tecidos - está principalmente na musculatura estriada, no tecido cardíaco e no cérebro. Maiores Concentrações: vasta distribuição nos tecidos - está principalmente na musculatura estriada, no tecido cardíaco e no cérebro.

33 Fosfatase Ácida Fosfatase Alcalina TGO TGP GGT Amilase Lipase CK LDH Utilidade Diagnóstica: lesões da musculatura esquelética e infarto agudo do miocárdio. Utilidade Diagnóstica: lesões da musculatura esquelética e infarto agudo do miocárdio. CK Creatinoquinase São liberadas no sangue posteriormente um dano ao tecido. São liberadas no sangue posteriormente um dano ao tecido.

34 TECIDO CK-BB / CK- 1 % CK-MB / CK-2 % CK-MM – CK- 3 % Musculatura Esquelética 0199 Miocárdio12277 Cérebro a 30 Estômago, íleo e cólon 9604 Fosfatase Ácida Fosfatase Alcalina TGO TGP GGT Amilase Lipase CK LDH CK Creatinoquinase AVC, tumor no cérebro Infarto, miocardio Distrofia muscular de Duchenne, miosites, traumas musculares, injeções intramusculares recentes

35 Fosfatase Ácida Fosfatase Alcalina TGO TGP GGT Amilase Lipase CK LDH CK Creatinoquinase

36 Fosfatase Ácida Fosfatase Alcalina TGO TGP GGT Amilase Lipase CK LDH CK Creatinoquinase Seus níveis séricos podem estar diminuídos em situações nas quais ocorra perda de massa muscular. Seus níveis séricos podem estar diminuídos em situações nas quais ocorra perda de massa muscular. A faixa de referência para a CK total é bastante ampla, variando com idade, estatura, atividade física e volume da massa muscular. A faixa de referência para a CK total é bastante ampla, variando com idade, estatura, atividade física e volume da massa muscular.

37 LDH Lactato Desidrogenase Fosfatase Ácida Fosfatase Alcalina TGO TGP GGT Amilase Lipase CK LDH Maiores Concentrações: é amplamente distribuída em todas as células do organismo, concentrando-se mais especialmente no miocárdio, rim, fígado, hemácias e músculos.

38 5 diferentes formas: 5 diferentes formas: Fosfatase Ácida Fosfatase Alcalina TGO TGP GGT Amilase Lipase CK LDH H4 (LDH1), H3M1 (LDH2), H2M2 (LDH3), H1M3 (LDH4) e M4 (LDH5). LDH Lactato Desidrogenase

39 Fosfatase Ácida Fosfatase Alcalina TGO TGP GGT Amilase Lipase CK LDH Isoenzimas da lactato desidrogenase O conteúdo da isoenzima LDH varia por tecido. A figura mostra as formas específicas de LDH em tecidos adultos de rato. LDH 1 LDH 2 LDH 3 LDH 4 LDH 5 LDH Lactato Desidrogenase

40 Fosfatase Ácida Fosfatase Alcalina TGO TGP GGT Amilase Lipase CK LDH Utilidade Diagnóstica: seus valores encontram-se elevados em todas as situações em que ocorre grande destruição celular. Ex.: infarto agudo do miocárdio, infarto pulmonar, doenças musculares, lesões hepáticas, hepatites, entre outras. LDH Lactato Desidrogenase

41 Fosfatase Ácida Fosfatase Alcalina TGO TGP GGT Amilase Lipase CK LDH Padrões de densitometria das isoenzimas LDH no soro normal e em condições patológicas LDH Lactato Desidrogenase

42 Exames - Glicemia  Valores normais : 70 a 110 mg/dl  Hiperglicemia Diabetes melito  Hipoglicemia Drogas, alimentação inadequada

43 Paciente diabético 1 -GLICEMIA : 194 mg/dL VR: Normal : 70 a 100 mg/dL Intolerancia glicose Jejum: 101 a 125 mg/dL Diabetes mellitus : > 126 mg/dL OBS: Novos criterios recomendados pela American Diabetes Association, Diabetes Care 26:3160, GLICOSE POS-PRANDIAL (2h APOS ALMOCO)...: 155 mg/dL VR: Inferior a 140 mg/dL 1

44 Administração oral de 100 g de glucose e medição das condições algum tempo depois (30, 60, 120 e 180 minutos)

45

46 Imunologia é o ramo da biologia que estuda o siatema imunitário (ou imunológico). Ele lida, entre outras coisas, com o funcionamento fisiológico do sistema imune de um indivíduo no estado sadio ou não, mal funcionamento do sistema imune em casos de doenças imunológicas (doenças autoimunes, hipersensitividade, deficiência imune rejeição pós enxerto); características físicas, químicas e fisiológicas dos componentes do sistema imune in vitro, in situ e in vivo.

47

48 O sistema imunológico, também conhecido como sistema imunitário, compreende todos os mecanismos pelos quais um organismo multicelular se defende de invasores externos, como bactérias, vírus, protozoários e fungos. Existem dois tipos de mecanismos de defesa: os inatos ou não específicos, como a proteção da pele, a acidez gástrica, as células fagocitárias ou a secreção de lágrimas; e o sistema imunitário adaptativo, que compreende a ação selectiva dos linfócitos e a produção de anticorpos específicos. Escherichia coli, uma bactéria responsável pelas gastroenterites Neutrófilos rodeados de Hemácias

49 Imunologia  Exames: Complemento (C3, C4) - controlar doenças graves, verificar a eficiência de um tratamento ou determinar o desenvolvimento de alguma doença Imunoglobulinas – por ex.: IgE (alergias)

50  Fator anti nuclear (FAN) → auto-anticorpo dirigido contra constituintes do núcleo das células; (doenças auto-imunes) – lúpus, diabetes tipo 1, vitiligo, etc...

51 Imunologia  Exames: Fator Reumatóide → detecção de artrite reumatóide; Coombs  Direto usado no diagnóstico de doenças auto-imunes e doença hemolítica do recém-nascido. Ele detecta anticorpos ligados à superfície das hemácias.  Indireto usado em exames pré-natais de mulheres e em exames de sangue antes de transfusões sanguíneas. Ele detecta anticorpos contra hemácias que estão presentes livres no plasma sanguíneo do paciente.

52 Imunologia  Exames: Proteína C reativa → presente somente durante os episódios de inflamação aguda (indicador altamente sensível para processos inflamatórios); α 1 Glicoproteína Ácida (monitoramento de processos inflamatórios em geral) ; Testes sorológicos: um exame que busca os anticorpos fabricados por nosso sistema imunológico para defender o organismo contra antígenos ou agentes externos capazes de introduzir uma doença. Assim, um teste sorológico positivo para gripe significa que o indivíduo esteve em contato com o vírus da gripe e desenvolveu imunidade contra ele através da fabricação de anticorpos. ○ Rubéola; ○ Toxoplasmose; ○ Sífilis;

53 Imunologia  Testes específicos para HIV: Carga viral → indica evolução da doença e se há risco de progressão; Taxa de CD4 → contagem de células-T CD4 em sangue tem implicações prognósticas na evolução da infecção pelo HIV.

54  Teste imunológico de gravidez (pesquisa-se a Gonadotrofina Coriônica Humana ) - HCG

55 FIM!!!


Carregar ppt "Bioquímica e Imunologia Prof. Marco Aurélio. Bioquímica do sangue O sangue é um fluido corporal cuja função principal é a de estabelecer a comunicação."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google