A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Projeto de EAD: Infra-estrutura, Tecnologia e Pessoas Adriano Sóstenis S. Bernardo Érico Galdino Almeida Senac São Paulo Recife – abril/2007.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Projeto de EAD: Infra-estrutura, Tecnologia e Pessoas Adriano Sóstenis S. Bernardo Érico Galdino Almeida Senac São Paulo Recife – abril/2007."— Transcrição da apresentação:

1 Projeto de EAD: Infra-estrutura, Tecnologia e Pessoas Adriano Sóstenis S. Bernardo Érico Galdino Almeida Senac São Paulo Recife – abril/2007

2 Qual a sensação de construir um avião durante o vôo?

3

4 Armazenamento Homologação Equipamentos Softwares Conexões Rede Segurança

5 Objetivos

6 Expectativas Baseado nas experiências do Senac São Paulo, oferecer subsídios para a tomada de decisão para a aquisição de infra-estrutura tecnológica e de formação de equipe na implantação de projetos de educação a distância Não há soluções prontas Apresentar tecnologias e conceitos, discutindo possíveis usos e limitações Não entrar em aspectos pedagógicos, na medida do possível

7 Estrutura Expectativas e Objetivos Apresentação do Senac São Paulo Gestão da Infra-estrutura Pessoas Gestão de Cursos e Alunos Desenvolvimento Tecnologias Web 2.0

8 Estrutura Dispositivos Móveis Objetos de Aprendizagem SCORM Caminhos Tecnológicos Discussão Aberta

9 Senac São Paulo

10 O Senac Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial é uma instituição educacional privada sem fins lucrativos. Criada em 1946 e desde então inicia, atualiza e requalifica profissionais e organizações para ingressarem no mercado de trabalho no setor de comércio e serviços.

11 Núcleo de Educação a Distância Papel Institucional Definir políticas e estratégias de EaD Desenvolver projetos para a Instituição e para o mercado Desenvolver competências na Instituição Buscar parcerias Atuar na Educação Superior

12 Núcleo de Educação a Distância Missão Aprimorar continuamente as competências das pessoas e organizações para a sociedade do conhecimento, através do uso de modernas tecnologias educacionais e da facilidade do acesso das pessoas, propiciando aprendizagem com autonomia, exercício responsável da cidadania e apropriação das novas tecnologias da informação e comunicação

13 Núcleo de Educação a Distância Visão Estar entre as 3 Instituições-referência em e-learning até 2010

14 Núcleo de Educação a Distância Valores Flexibilidade Aprendizagem com autonomia Respeito à individualidade e à experiência dos alunos Desenvolvimento do saber aprender, saber fazer, saber ser e saber conviver Foco em grupos de aprendizagem com interações múltiplas em diversos meios de acesso à informação e ao conhecimento Práticas da educação de adultos, tais como atender às necessidades imediatas, permitir a auto-educação e estimular o pensamento crítico

15 Gestão da Infra-estrutura

16 Base Servidores Exclusivos Conexão por Link Dedicado de Alta Velocidade Softwares Gerenciamento de EAD Software para Produção Multimídia Infra-estrutura Física DataCenter Laboratórios de Produção de Materiais Mediáticos (impressos, analógicos e digitais)

17 Planos de Contingência Simultaneidade de conexões Limitações de Link Upgrades e Atualizações Segurança e disponibilidade Homologação Armazenamento Backups Tempo de Restauração Suporte

18 Exemplo Senac Blackboard BD SQL Server - A cada 01 hora é feito backup automático da base de dados do sistema - Restauramos dados de até 03 meses atrás - Estamos migrando a base para Storage - Servidores redundantes, é possível fazer algumas manutenções sem necessidade de desligá-lo - Disponibilidade de 98,5% - Equipamentos Dell com configuração básica - Xeon 3.06 GHz - 4 processadores 2 GB RAM - Uso de RAID 5 BD MySQL Breeze

19 Exemplo Senac - Desktop Parque tecnológico para a produção e gestão dos projetos de EaD: –4 Servidores Locais para testes –15 Celeron 1.7GHz, 256MB RAM, HD 40GB –7 Celeron 2.5GHz, 512MB RAM, HD 40G –1 Macintosh G4 800MHz, 256MB RAM, HD 40G –6 Pentium III 1GHz, 256MB RAM, HD 40G –4 Pentium IV 1.7GHz, 512MB RAM, HD 60G –2 Pentium IV 1.8GHz, 512MB RAM, HD 40G –9 Pentium IV 2.8GHz, 512 MB RAM, HD 40G –3 Notebook Pentium IV 2GHz, 256MB RAM, HD 20GB

20 Exemplo Senac - Periféricos Tablets Wacon StillBlue 3x4 Tablets Wacon Intus 3 9x6 WebCam Philips Mesa de som com 24 canais direto Estúdio de Gravação com 2 filmadoras digitais Sony PD170 Equipamento de iluminação, refletores Hazh, fundos para gravação de vídeo e fotografia microfones de lapela Câmera fotográfica digital EOS 300D Rebel Digital Gravador de DVD externo e interno Gravadores de CD-ROM Unidades de DVD-ROM Canhões de projeção multimídia

21 Infra-estrutura Grande parte das informações é encontrada com os fornecedores ou fabricantes O crescimento tem que ser planejado –Número de alunos –Tipos de atividades (síncronas, assíncronas) –Tipos de conteúdos (vídeo, áudio) Planejamento é fundamental –Entender as necessidades

22 Pessoas

23 Designer instrucional Especialista em texto impresso e eletrônico Especialista em áudio e vídeo Especialista em multimídia Webdesigner WebMaster Programador Tutor de Aprendizagem e de Conteúdo

24 Pessoas Formação –Para os desenvolvedores, JAVA está cada vez mais em alta Cultura de EAD –É necessário o claro entendimento das diferenças e similaridades com a modalidade presencial Posicionamento/Relacionamento com outras áreas –A sintonia é muito importante

25 Equipe de TI Fonte: Computerworld - Edição /05/2004 O Arquiteto Pensa sempre em opções diferentes para fazer o trabalho. Ele nunca pára na primeira solução. Sem ele, o grupo pode considerar definitiva a primeira grande idéia e nunca procurar por uma melhor O Facilitador Ajuda o time a caminhar para uma conclusão. Ele reúne os prós e contras das várias idéias do arquiteto e adiciona idéias que estreitam as escolhas. Sem ele o time pode se separar em campos opostos O Advogado do Diabo É o iconoclasta, o questionador. Ele força o grupo a defender sua direção. Sem ele, a equipe pode facilmente se autoconvencer do sucesso de uma idéia que pode não ser a melhor O Homem das Grandes Idéias Chega com as soluções de fora da empresa. Enche as reuniões com novidades e ajuda a equipe a não perder oportunidades importantes de inovação O Âncora É o amante dos processos, procedimentos e da realidade crua. Ele sabe o que vai funcionar e o que não vai e o que pode e o que não pode dar errado em função de burocracias ou legislação. Sem ele, o time pode ficar perdido entre grandes idéias não realizáveis O Popular Entende como cada um dos usuários se comporta. Ele provê a equipe de informações sobre como as pessoas vão reagir ao que for criado. Sem ele, o time pode criar um ótimo produto que vai ser odiado pelos usuários

26 Gestão de Cursos e Alunos

27 LMS - Learning Management System Sistema de Gerenciamento de Aprendizagem Uma das diversas formas de entrega de materiais e compartilhamento de informações em cursos a distância

28 LMS Aspectos benéficos Disponibilizar conteúdos e atividades Acompanhar a trajetória do aluno Ferramentas de comunicação e interação integradas Docentes possuem um maior controle sobre as ações dos alunos Alunos encontram todas as informações em um mesmo ambiente

29 LMS Aspectos limitadores Resistência dos docentes para o uso de ambientes como esse Receio do novo, do uso de tecnologia Estrutura pode dificultar ou impossibilitar o uso de algumas estratégias Bom uso do LMS Conhecer estas limitações e saber como contorná- las é ponto essencial para o bom uso dos sistemas de gerenciamento de aprendizagem.

30 Gestão de Cursos e Alunos Gratuitos Moodle, Teleduc etc Proprietários Blackboard, WebCT, Saba, Webaula etc

31 Gestão de Cursos e Alunos Sem LMS Intranet Portais Corporativos CBT – Computer Based Training Ferramentas alternativas de Comunicação

32 Desenvolvimento

33 Necessidades O que era esperado do LMS Disponibilizar ao docente recursos que permitissem concretizar suas idéias e práticas, sem que fosse preciso modificar sua metodologia de ensino para se adequar ao ambiente Vantagens Respeito ao raciocínio e linguagem do docente, de acordo com sua realidade prática

34 Integração de novas ferramentas Integração Alguns LMSs permitem a integração de novas ferramentas, tornando-se personalizado para o uso de um determinado docente ou instituição LMS Blackboard Desenvolvimento de novas ferramentas – Building Blocks

35 Building Blocks Características Arquitetura aberta Compostos por uma coleção de APIS, Kit para desenvolvedor (SDK) e especificações para integração Possibilidades Estender as funcionalidades do Blackboard Integrar sistemas externos ou outras aplicações Personalizar para atender necessidades específicas Auxiliar na administração do sistema

36 Criação de ferramentas Retrabalho e duplicação de ferramentas Corre-se o risco de acumular uma série de objetos diferentes que atendem a um mesmo fim, ou, ainda, criar objetos tão específicos que não terão utilidade em nenhum outro contexto RLO – Reusable Learning Objects Deve-se ter como modelo as vantagens e os ganhos de objetos de aprendizagem reutilizáveis

37 Building Blocks Personalizáveis Objetos personalizáveis Abrir a possibilidade de o docente escolher alguns aspectos e funcionalidades das ferramentas Evitar o retrabalho no desenvolvimento dos objetos e otimizar a produção dos cursos Diferentes níveis de personalização Possibilidade de o docente alterar desde somente o nome das áreas até modificar suas configurações de funcionamento

38 Building Blocks Personalizáveis Cuidado com o gerenciamento da ferramenta Quando se desenvolve uma ferramenta- matriz adaptável a muitos contextos, corre-se o risco de dificultar o gerenciamento dessa ferramenta pelos docentes Além disso, muitos têm dificuldade em visualizar o resultado que será obtido quando não há um objetivo bem definido para o objeto

39 O processo de desenvolvimento de Building Blocks O processo de idealizar, desenvolver e implementar um Building Block envolve o trabalho conjunto de profissionais de diferentes áreas A demanda parte de dois atores principais: docentes e especialistas da área de conhecimento (mentores), mediados pelo Designer Instrucional (DI)

40 DI atua como parceiro de docentes e tutores: orientação e análise da real necessidade de uma nova ferramenta DI elabora uma documentação com as funcionalidades e especificações técnicas desejadas e a encaminha para a equipe de desenvolvimento Ouvir a opinião e análise feitas pelos tutores, docentes e alunos deve ser uma prática intrínseca ao processo O processo de desenvolvimento de Building Blocks

41 Building Blocks Personalizáveis Confiança do docente Quando utiliza uma ferramenta personalizada por ele, que vai ao encontro de suas necessidades, o docente adquire maior confiança no seu trabalho, na sua postura e nas suas ações no ambiente virtual Aumenta sua motivação para continuar utilizando o ambiente e também explorar ao máximo suas potencialidades

42 Exemplo Ferramenta Diário de Rotina – personalização de textos e legendas

43 Tecnologias

44 Web 2.0

45

46 Ênfase na colaboração on-line e troca entre pessoas

47 Blog, Podcast, vídeo, RSS, Fórum

48 Aplicativos de Comunicação Vídeo Blog Teleconferência Fórum Blog Chat Vídeo RSS Podcast Vídeo Conferência Webconferência Streaming VoIP Gadgets

49 Dispositivos Móveis

50 Mobilidade SMS - Short Messaging System WAP - Wireless Application Protocol Bluetooth WiFi Palm Top Pocket PC

51 Aplicações em Smartphopne Ambiente Corporativo Praticidade e Conectividade Mobilidade

52 Flexibilidade e Mobilidade Pendrive iPod Baixo custo Capacidade 128MB a 2GB Com player Mp3 Rádio FM Fácil Conexão

53 Flexibilidade e Mobilidade Disponibilidade de vídeo Áudio de alta qualidade Animações Complexas EaD em qualquer lugar e sem Internet

54 Objetos de Aprendizagem

55 Definição vaga Não existe um conceito que seja universalmente aceito Possuem características que procuram resolver problemas de armazenamento e distribuição de informação por meios digitais

56 Objetos de Aprendizagem Recurso digital que possa ser re-utilizado para o suporte ao ensino Não são os cursos: é raro encontrar dois cursos de duas instituições com exatamente o mesmo conjunto de elementos Principal idéia é dividir o conteúdo educacional em pequenos pedaços para serem reutilizados em diferentes ambientes de aprendizagem Contém texto, gráficos, vídeos, esquema de navegação, tarefas, etc.

57 Objetos de Aprendizagem Principais premissas: –Interoperabilidade: pode ser utilizado em diferentes plataforma de e-Learning. –Re-usabilidade: possuem início, meio e fim; podem ser reutilizadas sem a necessidade de manutenção. –Gerenciabilidade: objetos são independentes; cada instituição pode utilizar da maneira mais adequada para cada uma.

58 Como conseguir isso com tantos padrões? Ariadne IMS IEE AICC ALIC IBM CISCO Microsoft Macromedia Oracle NETg Click2Learn Saba...

59 Conteúdos Padronizados Para que exista interoperabilidade eficiente, é necessário a utilização de padrões Padrões abertos: como um idioma entendido e usado por todos Tem os mesmos objetivos de padronização da indústria em geral Provê uniformidade, estabilidade no mercado de e-Learning Permite a existência de provedores de conteúdo

60 Surge então o SCORM Em novembro 1997, o Departamento de Defesa dos Estados Unidos e o Escritório de Ciências e Política de Tecnologia da Casa Branca lançaram a Advanced Distributed Learning - ADL. O consórcio é formado pelo IMS, IEEE, AICC, mais de 1,600 faculdades e universidades e 150 corporações. O seu propósito era desenvolver uma arquitetura aberta para o e-Learning. O resultado deste consórcio foi o SCORM

61 Surge então o SCORM O SCORM (Sharable Content Object Reference Model - Modelo de Referência para Objetos Compartilháveis de Conteúdo) incorporou muitos dos padrões existentes, juntando tudo em um único padrão. Seu objetivo é prover meios técnicos para que os objetos de conteúdo possam ser facilmente compartilhados entre os diversos ambientes de e- Learning (LMS) Utilização de metadados

62 SCORM SCORM é um conjunto de especificações que descrevem: –Como criar um conteúdo de aprendizagem baseado em Web que pode ser disponibilizado e utilizado em diferentes Sistemas LMS compatíveis com SCORM –O que um LMS precisa fazer para disponibilizar e utilizar conteúdos no padrão SCORM

63 Mas como é um SCORM? Deve ser disponibilizado através de um Browser. É descrito por Metadados. Organizado como um coleção estruturada de um ou mais objetos chamados Shareable Content Objects ("SCO", e podem ser pronunciados como "sko"). Empacotados de uma maneira que possam ser importados por um LMS. Devem ser realmente portáveis, o que significa que devem ser construídos de forma que possam ser disponibilizados por qualquer browser e sem que haja a necessidadade de instalação de componentes no lado do cliente/aluno.

64 O que é um SCO? Objeto Compartilhável de Conteúdo Um SCO é a menor unidade de um curso que: –Apresenta conteúdo que encerra um significado. –Pode ser extraído e reutilizado em outro curso.

65 Empacotamento Execução Metadados Informações aluno->LMS Metadados sobre o aluno IMS manifest Etiquetas para identificar e localizar curso, lição, objeto etc.

66 Empacotamento IMS manifest LMS Módulo 1 Lição 1 Lição n Módulo n

67 IMS Manifest O IMS manifest é um arquivo XML que contém diversas partes: –Metadado que descreve o pacote. –Organizações: um ou mais mapas hierárquicos que descrevem como o conteúdo está organizado. –Recursos, são os SCOS.

68 Maritime Navigation UNIT Inland Rules of the Road MODULE References /Courses/Course01/Lesson01/au01.html

69 Metadados Conjunto de elementos ou campos que descrevem o recurso

70 Tipos de Metadados 1. Geral: informações gerais que descrevem o recurso como um todo. 2. Ciclo de vida: fatores relacionados ao histórico e ao estado atual do recurso e o que afetou o recurso durante sua evolução. 3. Meta-metadados: informações sobre o registro dos próprios metadados. 4. Técnico: requisitos e características técnicas do recurso. 5. Educacional: características educacionais e pedagógicas do recurso. 6. Direitos: propriedade intelectual e condições para o uso. 7. Relação: fatores que definem a relação entre este e outros recursos. 8. Anotações: fornece comentários sobre o uso educacional do recurso e informações sobre quando e por quem os comentários foram criados. 9. Classificação: descreve onde este recurso cabe dentro de um determinado sistema de classificação.

71 Caminhos Tecnológicos

72 Caminhos tecnológicos Pontos-chave A tecnologia apresenta-se como meio e instrumento para colaborar no desenvolvimento do processo de aprendizagem. O suporte técnico tem papel importante neste processo

73 Implantação Faça todo o levantamento das necessidades –Entenda o novo ambiente Prepare toda infra-estrutura –É um dos pontos críticos Envolva uma equipe multidisciplinar Realize a capacitação de toda equipe –Se possível, antes da implantação Caminhos tecnológicos

74 Futuro Uso de padrões Necessidade de mensurar os resultados obtidos Diminuição do custo de investimento Aculturamento para o uso de tecnologia na educação M-learning: cada vez mais usado Learning 2.0: ênfase em um ambiente de aprendizagem mais flexível, aplicável e em muitos casos informal

75 Contato Adriano Sóstenis S. Bernardo Érico Galdino Almeida tel. (11)


Carregar ppt "Projeto de EAD: Infra-estrutura, Tecnologia e Pessoas Adriano Sóstenis S. Bernardo Érico Galdino Almeida Senac São Paulo Recife – abril/2007."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google