A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

PERSPECTIVA TEOLÓGICO-MORAL Francisco Martins. PERSPECTIVA TEOLÓGICO-MORAL A reflexão teológico-moral, querendo ser expressão da posição oficial da Igreja.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "PERSPECTIVA TEOLÓGICO-MORAL Francisco Martins. PERSPECTIVA TEOLÓGICO-MORAL A reflexão teológico-moral, querendo ser expressão da posição oficial da Igreja."— Transcrição da apresentação:

1 PERSPECTIVA TEOLÓGICO-MORAL Francisco Martins

2 PERSPECTIVA TEOLÓGICO-MORAL A reflexão teológico-moral, querendo ser expressão da posição oficial da Igreja Católica, procura uma maior positividade no discurso ético acerca do aborto, libertando-se de alguma rigidez dos princípios deontológicos.

3 PERSPECTIVA TEOLÓGICO-MORAL Perspectiva moral do aborto a partir da moral católica Referência fundamental: o valor da vida.

4 Para uma formulação correcta da perspectiva moral é necessário ter em conta o seguinte aspecto: 1)a vida humana é valorizada a partir do plano humano: o discurso moral fundamenta- se nos dados científico-filosóficos sobre quando e como aparece a vida humana Marciano Vidal, em Moral de Atitudes, (1991)

5 Para uma formulação correcta da perspectiva moral é necessário ter em conta o seguinte aspecto: 2) a formulação do valor da vida humana deve evitar as conceptualizações e expressões que se movam dentro de um universo sacralizado fechado Marciano Vidal, em Moral de Atitudes, (1991)

6 Para uma formulação correcta da perspectiva moral é necessário ter em conta o seguinte aspecto: 3) a teologia moral do aborto deve expressar o valor da vida humana de forma mais positiva que negativa Marciano Vidal, em Moral de Atitudes, (1991)

7 Para uma formulação correcta da perspectiva moral é necessário ter em conta o seguinte aspecto: 4) por último, a metodologia de abordagem ao aborto tem que assumir, em diálogo com cultura hodierna, um discurso aberto que inclua as noções de conflito e de situações limite. Marciano Vidal, em Moral de Atitudes, (1991)

8 A perspectiva teológico-moral católica Deve promover um discernimento ético de atitudes que supere alguns reducionismos

9 Reducionismos a evitar A indiferença toda a pessoa humana está implicada na realidade social do aborto. Não diz só respeito à mulher

10 Reducionismos a evitar A postura condenatória uma condenação supõe e conduz à negatividade. Em vez de dizer não ao aborto, antes dizer e praticar o sim à vida

11 Reducionismos a evitar Argumentação não fundamentada não se pode afirmar mais do que aquilo que está comprovado, nem exagerar os termos, ou os conceitos, ou as imagens Argumentar a partir de uma postura totalmente segura

12 A actual doutrina da Igreja Católica Fontes Sagrada Escritura Tradição Cristã Magistério Aprofundados com a reflexão da teologia moral e os contributos das ciências da vida.

13 Bíblia A Bíblia não apresenta referências directas e explícitas ao tema do aborto. Os textos que se referem não contém um ensinamento directo e claro sobre o aborto Antigo Testamento: Ex 21, Novo Testamento: Gal 5, 20; Ap 9, 21; 21, 8; 22, 15.

14 Bíblia É clara uma visão do cosmos favorável à vida humana; visão coerentemente aplicável à realidade concreta do aborto. Não apresenta uma condenação explícita mas o silêncio não significa uma aprovação implícita.

15 Bíblia Para o povo judeu a vida é considerada o valor paradigmático para todos os outros valores e admirada como um dom de um Deus os filhos são olhados como uma bênção e a esterilidade como uma maldição a pessoa humana era formada pelo poder criador de Deus ainda no ventre materno

16 Bíblia Por estas razões a prática do aborto provocado encontraria pouco sentido. O silêncio sobre o aborto provocado indica que uma legislação deste tipo era inútil. Grisez, em Abortion (1970)

17 Bíblia No dizer do teólogo Ciccone, uma das mensagens mais fortes e constantes da Bíblia é a de um Deus protector dos pequenos e dos fracos, incapazes de fazerem valer os seus direitos. Não aparece uma referência aos nascituros porque estavam já protegidos pela cultura e pelas concepções religiosas do povo hebraico. Mas a partir do momento em que o pequeno (zigoto) vive no ventre da mulher pertence a esta categoria bíblica dos indefesos e, olhado como ser humano entre todos o mais débil, aplica-se-lhe a mensagem bíblica de severa condenação contra qualquer violência e atentado à vida.

18 Tradição A Tradição da Igreja sempre considerou a vida humana como algo que deve ser protegido e favorecido, desde o seu início, do mesmo modo que durante as diversas fases do seu desenvolvimento. Opondo-se aos costumes greco-romanos, a Igreja dos primeiros séculos insistiu na distância que, quanto a este ponto, separa deles os costumes cristãos. [Declaração sobre o Aborto Provocado, nº6, (1974)]

19 Tradição O livro chamado Didaché é claro: «Tu não matarás, mediante o aborto, o fruto do seio; e não farás perecer a criança já nascida». [Declaração sobre o Aborto Provocado, nº6, (1974)]

20 Tradição Atenágoras frisa bem que os cristãos têm na conta de homicidas as mulheres que utilizam medicamentos para abortar; ele condena igualmente os assassinos de crianças, incluindo no número destas as que vivem ainda no seio materno, «onde elas já são objecto da solicitude da Providência divina». [Declaração sobre o Aborto Provocado, nº6, (1974)]

21 Tradição Tertuliano, não deixa de afirmar, com clareza, o princípio essencial: «É um homicídio antecipado impedir alguém de nascer; pouco importa que se arranque a alma já nascida, ou que se faça desaparecer aquela que está ainda para nascer. É já um homem aquele que o virá a ser» [Declaração sobre o Aborto Provocado, nº6, (1974)]

22 Magistério As primeiras intervenções do Magistério surgem no contexto de Concílios Regionais com intervenções de carácter disciplinar. O mais antigo é o de Elvira (305), seguido do de Ancira (314). Este último tem a preocupação de mitigar a disciplina precedente, que excluía da comunhão eclesial para toda a vida quem praticasse o aborto (Delmaile, Abortement, 1935)

23 Magistério Até ao tempo de uma carta de Estevão V, datada entre 887 e 888, que qualifica o aborto como um homicídio e depois até ao século XX não há a assinalar nenhuma novidade significativa.

24 Magistério O século XX trouxe novidades a partir de Pio XI. Encíclica Casti connubii (1930). Dadas as correntes de pensamento e iniciativas para a legalização do aborto, inicia-se um tipo de magistério que não se limita a condenar o aborto. Dá as razões positivas em defesa da vida, desmascarando a mentalidade abortista.

25 Magistério Concílio Vaticano II Constituição Pastoral Gaudium et spes nn. 27 e 51 defesa da dignidade da vida humana desde a sua concepção

26 Magistério Este tipo de intervenção é confirmada e ampliada pela já citada declaração da Congregação para a Doutrina da Fé sobre o Aborto Provocado, de 1974.

27 Magistério Papa João Paulo II, grande doutrinador Encíclica Evangelium vitae 1995 Apresenta a doutrina mais ampla e orgânica sobre o tema do aborto, no contexto de uma exposição que põe o fundamento na concepção cristã da vida e da sua consequente inviolabilidade. O aborto é indicado como problema moral a requerer particular atenção, pois constitui uma das maiores ameaças à vida humana inocente no nosso tempo.

28 Magistério Conclusão: a condenação do aborto provocado, como gravemente ilícito, faz parte do ensinamento do magistério ordinário e universal da Igreja Católica.

29 O Fundamento O valor da vida humana está na base de toda a reflexão moral acerca do aborto

30 Valores fundamentais em questão o reconhecimento do direito de todo o ser humano às mais básicas condições de vida; a protecção do direito a viver; a defesa de uma ideia recta da maternidade; o princípio ético do médico como protector e servidor da vida humana e nunca como seu destruidor. B. Häring


Carregar ppt "PERSPECTIVA TEOLÓGICO-MORAL Francisco Martins. PERSPECTIVA TEOLÓGICO-MORAL A reflexão teológico-moral, querendo ser expressão da posição oficial da Igreja."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google