A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

© 2006 by Pearson Education FUNDAMENTOS DO COMPORTAMENTO EM GRUPO O GRUPO 8 CAPÍTULO PARTE III.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "© 2006 by Pearson Education FUNDAMENTOS DO COMPORTAMENTO EM GRUPO O GRUPO 8 CAPÍTULO PARTE III."— Transcrição da apresentação:

1 © 2006 by Pearson Education FUNDAMENTOS DO COMPORTAMENTO EM GRUPO O GRUPO 8 CAPÍTULO PARTE III

2 © 2006 by Pearson Education8–1 1.Diferenciar os grupos formais dos informais. 2.Comparar dois modelos de desenvolvimento de grupo. 3.Explicar como as exigências do papel mudam em diferentes situações. 4.Descrever como as normas exercem influência sobre o comportamento individual. 5.Explicar o que determina o status. 6.Definir folga social e seu efeito sobre o desempenho do grupo. 7.Identificar os benefícios e as desvantagens dos grupos coesos. 8.Listar os pontos fortes e fracos do processo decisório nos grupos. 9.Comparar a eficácia das reuniões de grupo de interação, das reuniões de brainstorming, das reuniões nominais e das reuniões eletrônicas. Depois de ler este capítulo, você será capaz de: OBJETIVOS DO APRENDIZADO

3 © 2006 by Pearson Education8–2 Grupo Dois ou mais indivíduos, interdependentes e interativos, que se reúnem visando à obtenção de um determinado objetivo. Grupo formal Grupo de trabalho definido pela estrutura da organização. Grupo informal Grupo que não é estruturado formalmente nem determinado pela organização; ele surge em resposta à necessidade de contato social. DEFININDO E CLASSIFICANDO GRUPOS

4 © 2006 by Pearson Education8–3 Grupo de comando É composto por um chefe e seus subordinados imediatos. Grupo de tarefa É formado por pessoas que se reúnem para executar uma determinada tarefa. Grupo de interesse Pessoas que se reúnem para atingir um objetivo comum. Grupo de amizade Pessoas que se reúnem por compartilharem características em comum. DEFININDO E CLASSIFICANDO GRUPOS

5 © 2006 by Pearson Education8–4 Segurança Status Auto-estima Associação Poder Alcance de metas QUADRO 8-1 Por que as pessoas se reúnem em grupos?

6 © 2006 by Pearson Education8–5 Formação O primeiro estágio de desenvolvimento do grupo, caracterizado por uma grande dose de incerteza. Tormenta O segundo estágio de desenvolvimento do grupo, caracterizado por conflitos entre os membros. Normalização O terceiro estágio de desenvolvimento do grupo, caracterizado por relacionamentos mais próximos e pela coesão. O modelo de cinco estágios

7 © 2006 by Pearson Education8–6 Desempenho O quarto estágio de desenvolvimento do grupo, quando sua estrutura é totalmente funcional e aceita. Interrupção Estágio final de desenvolvimento dos grupos temporários, caracterizado por uma preocupação maior com a conclusão das atividades do que com o desempenho da tarefa. O modelo de cinco estágios

8 © 2006 by Pearson Education8–7 QUADRO 8-2 Estágios de desenvolvimento do grupo

9 © 2006 by Pearson Education8–8 Seqüência de ações: 1.Determinação da direção do grupo. 2.Primeira fase de inércia. 3.Uma transição acontece na metade do tempo alocado. 4.Mudanças importantes. 5.Segunda fase de inércia. 6.Atividades aceleradas. Seqüência de ações: 1.Determinação da direção do grupo. 2.Primeira fase de inércia. 3.Uma transição acontece na metade do tempo alocado. 4.Mudanças importantes. 5.Segunda fase de inércia. 6.Atividades aceleradas. Modelo de equilíbrio pontuado Os grupos temporários exibem longos períodos de inércia interrompidos por breves momentos revolucionários. Um modelo alternativo: para grupos temporários com prazos definidos

10 © 2006 by Pearson Education8–9 QUADRO 8-3 O modelo de equilíbrio pontuado

11 © 2006 by Pearson Education8–10 Papel Conjunto de padrões comportamentais esperados atribuído a alguém que ocupa uma determinada posição em uma unidade social. Identidade do papel Determinadas atitudes e comportamentos efetivos consistentes com um papel. Percepção do papel Visão que temos sobre como devemos agir em uma determinada situação. ESTRUTURA DO GRUPO - PAPÉIS

12 © 2006 by Pearson Education8–11 Expectativas do papel A forma como os outros acreditam que devemos agir em uma determinada situação. Conflito de papéis Uma situação em que um indivíduo se confronta com diferentes expectativas associadas aos papéis que desempenha. ESTRUTURA DO GRUPO - PAPÉIS

13 © 2006 by Pearson Education8–12 Classes comuns de normas: Normas de desempenho. Normas de aparência. Normas de organização social. Normas de alocação de recursos. Classes comuns de normas: Normas de desempenho. Normas de aparência. Normas de organização social. Normas de alocação de recursos. Normas Padrões aceitáveis de comportamento que são compartilhados por todos os membros do grupo. ESTRUTURA DO GRUPO - NORMAS

14 © 2006 by Pearson Education8–13 Conclusões dos estudos em Hawthorne (série de estudos realizados por Elton Mayo na Western Electric Company, em Chicago, entre 1924 e 1932): Comportamento e sentimentos estão intimamente relacionados. As influências do grupo afetam significativamente o comportamento individual. Os padrões (normas) do grupo têm uma forte influência sobre os resultados individuais. O dinheiro é um fator menor na determinação de resultados se comparado com os padrões do grupo, os sentimentos do grupo e a segurança. Os Estudos em Hawthorne ESTRUTURA DO GRUPO - NORMAS

15 © 2006 by Pearson Education8–14 Conformidade O ajuste do comportamento de uma pessoa para que ela se alinhe às normas do grupo. Grupos de referência Grupos importantes aos quais as pessoas pertencem ou querem pertencer e com cujas normas se conformam. ESTRUTURA DO GRUPO - NORMAS

16 © 2006 by Pearson Education8–15 QUADRO 8-4 Exemplos de cartões utilizados no estudo de Asch

17 © 2006 by Pearson Education8–16 Desvios de comportamentos no ambiente de trabalho Atitudes anti-sociais praticadas por membros de organizações que violam intencionalmente as regras estabelecidas e resultam em conseqüências negativas para as empresas, para seus membros ou para ambos. ESTRUTURA DO GRUPO - NORMAS

18 © 2006 by Pearson Education8–17 Fonte: Adaptado de S. L. Robinson e R. J. Bennett, A typology of deviant workplace behaviors: a multidimensional scaling study, Academy of Management Journal, abr. 1995, p QUADRO 8-5 Tipologia de desvios de comportamentos no ambiente de trabalho

19 © 2006 by Pearson Education8–18 Normas do grupo Eqüidade do status Cultura Status do membro do grupo Status Uma posição social definida ou atribuída pelas pessoas a um grupo ou a membros de um grupo. ESTRUTURA DO GRUPO - STATUS

20 © 2006 by Pearson Education8–19 Group Size Performance Expected Actual (due to loafing) Outras conclusões: Grupos com número ímpar de membros tendem a ser melhores do que aqueles com número par. Grupos com cinco ou sete membros conseguem obter o melhor das características dos grupos pequenos e grandes. Outras conclusões: Grupos com número ímpar de membros tendem a ser melhores do que aqueles com número par. Grupos com cinco ou sete membros conseguem obter o melhor das características dos grupos pequenos e grandes. "Folga" social Tendência que as pessoas têm de se esforçarem menos ao trabalhar em grupo do que o fariam se estivessem trabalhando sozinhas. Desempenho Tamanho do grupo Esperado Real, em função da folga social ESTRUTURA DO GRUPO - TAMANHO

21 © 2006 by Pearson Education8–20 Medidas para estimular a coesão do grupo: Reduzir o tamanho do grupo. Estimular a concordância sobre os objetivos do grupo. Aumentar o tempo que os membros do grupo passam juntos. Aumentar o status do grupo e a dificuldade percebida para a admissão nele. Estimular a competição com outros grupos. Dar recompensas ao grupo, em vez de recompensar seus membros individualmente. Isolar fisicamente o grupo. Medidas para estimular a coesão do grupo: Reduzir o tamanho do grupo. Estimular a concordância sobre os objetivos do grupo. Aumentar o tempo que os membros do grupo passam juntos. Aumentar o status do grupo e a dificuldade percebida para a admissão nele. Estimular a competição com outros grupos. Dar recompensas ao grupo, em vez de recompensar seus membros individualmente. Isolar fisicamente o grupo. Coesão O grau em que os membros são atraídos entre si e motivados a permanecer como grupo. ESTRUTURA DO GRUPO - COESÃO

22 © 2006 by Pearson Education8–21 QUADRO 8-6 Relação entre coesão, normas de desempenho e produtividade do grupo

23 © 2006 by Pearson Education8–22 Fonte: S. Adams, Build a better life by stealing office supplies. Kansas City: Andrews & McMeal, p. 31. Reproduzido com autorização da United Feature Syndicate, Inc. QUADRO 8-7

24 © 2006 by Pearson Education8–23 Pontos fortes Informações e conhecimentos mais completos Maior diversidade de pontos de vista Decisões de qualidade mais elevada (maior precisão) Melhor aceitação de uma solução Pontos fracos Consome muito tempo Pressões para a conformidade dentro do grupo Possibilidade de domínio de um indivíduo ou de um pequeno subgrupo Ambigüidade da responsabilidade TOMADA DE DECISÕES EM GRUPO

25 © 2006 by Pearson Education8–24 Pensamento grupal Fenômeno no qual as normas para o consenso passam por cima da avaliação realista das alternativas de ação. Mudança de posição grupal Situação em que, ao discutir um conjunto de alternativas e escolher uma solução, os membros do grupo tendem a exagerar suas posições iniciais; pode tender para o conservadorismo ou para a postura de risco. TOMADA DE DECISÕES EM GRUPO

26 © 2006 by Pearson Education8–25 Os membros do grupo racionalizam qualquer resistência às suas premissas. Os membros exercem pressões diretas sobre aqueles que momentaneamente expressam dúvidas a respeito de qualquer visão compartilhada pelo grupo ou sobre quem questiona a validade dos argumentos que apóiam a alternativa favorita do grupo. Os membros que têm dúvidas ou pontos de vista diferentes procuram não se desviar do que parece ser o consenso do grupo, seja calando-se sobre suas apreensões, seja minimizando para si mesmos a importância de suas dúvidas. Parece haver uma ilusão de unanimidade. Sintomas do fenômeno do pensamento grupal

27 © 2006 by Pearson Education8–26 Grupos de interação Grupos nos quais os membros interagem face a face, usando a interação verbal e a não verbal para se comunicarem. Técnica de grupo nominal Método por meio do qual os membros se reúnem para escolher uma solução de maneira sistemática porém independente. Técnicas de tomada de decisões em grupos

28 © 2006 by Pearson Education8–27 Reunião eletrônica Reunião na qual os participantes interagem com computadores, o que permite o anonimato dos comentários e dos votos de cada um. Brainstorming Processo de geração de idéias que estimula especificamente toda e qualquer alternativa, ao mesmo tempo que impede críticas a essas alternativas. Técnicas de tomada de decisões em grupos

29 © 2006 by Pearson Education8–28 QUADRO 8-8 Avaliação da eficácia dos grupos


Carregar ppt "© 2006 by Pearson Education FUNDAMENTOS DO COMPORTAMENTO EM GRUPO O GRUPO 8 CAPÍTULO PARTE III."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google