A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

VIDA E MORTE ELIANE VELAME. INTRODUÇÃO O tema VIDA e MORTE comporta algumas questões: de onde viemos? Para onde vamos? Onde começa a vida? Quando ela.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "VIDA E MORTE ELIANE VELAME. INTRODUÇÃO O tema VIDA e MORTE comporta algumas questões: de onde viemos? Para onde vamos? Onde começa a vida? Quando ela."— Transcrição da apresentação:

1 VIDA E MORTE ELIANE VELAME

2 INTRODUÇÃO O tema VIDA e MORTE comporta algumas questões: de onde viemos? Para onde vamos? Onde começa a vida? Quando ela termina? As perguntas são simples e diretas, mas, as respostas não. A ciência não é capaz de determinar uma linha demarcadora do inicio e do fim da vida de um individuo

3 INTRODUÇÃO A ciência encontra-se hoje próxima de possibilitar uma verdadeira revolução no tratamento das doenças, aproximando dos objetivos éticos mais sublimes de nossa civilização: prolongar a vida, minorar o sofrimento e ampliar o bem estar dos seres humanos.

4 Conceitos Segundo Legrand, em seu Dicionário de Filosofia, não existe atualmente definição suficiente para totalizar os fenômenos que a Segundo Legrand, em seu Dicionário de Filosofia, não existe atualmente definição suficiente para totalizar os fenômenos que a ( assimilação, crescimento e possibilidade de reprodução) experiência corrente classifique com o nome de VIDA

5 Conceitos Para Lalande, em seu Vocabulário Técnico e Crítico de Filosofia, a VIDA é um conjunto de fenômenos de toda espécie que, para os seres que tem um grau elevado de organização, se estende do nascimento até a morte Para Lalande, em seu Vocabulário Técnico e Crítico de Filosofia, a VIDA é um conjunto de fenômenos de toda espécie que, para os seres que tem um grau elevado de organização, se estende do nascimento até a morte

6 Conceitos Morte: do latin: Morten é a cessação da vida e manifesta-se pela extinção das atividades vitais: crescimento, assimilação e reprodução no domínio vegetativo; apetites sensoriais no domínio sensitivo. Sempre foi vista como mistério, superstição e fascinação pelo homem. Morte: do latin: Morten é a cessação da vida e manifesta-se pela extinção das atividades vitais: crescimento, assimilação e reprodução no domínio vegetativo; apetites sensoriais no domínio sensitivo. Sempre foi vista como mistério, superstição e fascinação pelo homem.

7 Aspectos Históricos da Morte Na Antiguidade Na Antiguidade Durante a Idade Média Durante a Idade Média Idade Moderna Idade Moderna

8 Considerações Gerais Grande parte dos temas de Deontologia relaciona-se com os conceitos de vida e morte. Grande parte dos temas de Deontologia relaciona-se com os conceitos de vida e morte. Divergências no que diz respeito ao início da vida-pessoa e da morte. Divergências no que diz respeito ao início da vida-pessoa e da morte.

9 Considerações Gerais Essas divergências vêm pressionando as posições jurídicas e deontológicas.

10 Abordagem Tradicional Defende a existência de vida- pessoa desde a fecundação até a morte. Defende a existência de vida- pessoa desde a fecundação até a morte. Adotada pelo catolicismo e pelo Código Penal Brasileiro. Adotada pelo catolicismo e pelo Código Penal Brasileiro.

11 Abordagem Biológica Defende a existência de que a vida-pessoa não está presente a partir da fecundação e sim a partir de momentos posteriores, como o da nidação e da cerebralização. Defende a existência de que a vida-pessoa não está presente a partir da fecundação e sim a partir de momentos posteriores, como o da nidação e da cerebralização.

12 Abordagem Filosófica Defende que a vida-pessoa não possui fixo momento definido. Defende que a vida-pessoa não possui fixo momento definido. Humanização progressiva. Humanização progressiva.

13 Abordagem Antropológica- fenomenológica Defende que a vida-pessoa depende da aprovação da comunidade. Defende que a vida-pessoa depende da aprovação da comunidade. Ex. algumas comunidades de esquimós e indígenas. Ex. algumas comunidades de esquimós e indígenas.

14 Situação no Brasil Abordagem concepcionista ou biológica adiada? Abordagem concepcionista ou biológica adiada? Pílula do dia seguinte, DIU, outros métodos. Pílula do dia seguinte, DIU, outros métodos.

15 Código de Ética de Enfermagem Art. 3˚: O profissional de enfermagem respeita a vida, a dignidade e os direitos da pessoa humana, em todo o ciclo vital, sem discriminação de qualquer natureza. Art. 3˚: O profissional de enfermagem respeita a vida, a dignidade e os direitos da pessoa humana, em todo o ciclo vital, sem discriminação de qualquer natureza.

16 Código de Ética de Enfermagem Embora a tradição de enfermagem tenha sempre defendido o respeito à vida desde a fecundação, a expressão o respeito a vida em todo o seu ciclo vital não deixa claro a qual teoria se refere. Embora a tradição de enfermagem tenha sempre defendido o respeito à vida desde a fecundação, a expressão o respeito a vida em todo o seu ciclo vital não deixa claro a qual teoria se refere.

17 MORTE Estágios da morte (TODOLI): Parada cardíaca: morte clínica; Parada cardíaca: morte clínica; Parada neurológica: perda dos reflexo e sensibilidade; morte cerebral/ cortical; Parada neurológica: perda dos reflexo e sensibilidade; morte cerebral/ cortical; Parada dos centros bulbares: morte real; morte encefálica Parada dos centros bulbares: morte real; morte encefálica Autólise dos tecidos: morte biológica Autólise dos tecidos: morte biológica

18 MORTE Determinação da presença da morte a partir da parada cardíaca

19 MORTE Determinação da presença da morte a partir da parada irreversível da atividade cerebral

20 MORTE – Morte Cerebral Transplante de órgãos Transplante de órgãos Diagnóstico da morte cerebral: Diagnóstico da morte cerebral: dado por 02 médicos dado por 02 médicos midríase, ausência de reação pupilar, traçado plano do E.E.G midríase, ausência de reação pupilar, traçado plano do E.E.G

21 MORTE – Morte Cerebral Diante da morte irreversível do cérebro, o homem é considerado morto, mesmo que o coração continue pulsando – vida biológica de alguém clinicamente morto. Diante da morte irreversível do cérebro, o homem é considerado morto, mesmo que o coração continue pulsando – vida biológica de alguém clinicamente morto.

22 Considerações finais A palavra morte, é impactante aos nossos ouvidos; quase sempre nos remete à sofrimentos e solidão, no entanto, os profissionais de enfermagem precisam encarar essa experiência para oferecer aos usuários, os cuidados finais ou uma assistência de forma respeitosa.


Carregar ppt "VIDA E MORTE ELIANE VELAME. INTRODUÇÃO O tema VIDA e MORTE comporta algumas questões: de onde viemos? Para onde vamos? Onde começa a vida? Quando ela."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google