A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Passo a Passo 126ª Assembléia Geral Ordinária. Missão – Quem somos Valores Princípios e Crenças Prioridades – Eixos de Desenvolvimento Visão de Futuro.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Passo a Passo 126ª Assembléia Geral Ordinária. Missão – Quem somos Valores Princípios e Crenças Prioridades – Eixos de Desenvolvimento Visão de Futuro."— Transcrição da apresentação:

1 Passo a Passo 126ª Assembléia Geral Ordinária

2 Missão – Quem somos Valores Princípios e Crenças Prioridades – Eixos de Desenvolvimento Visão de Futuro Tendências – Fatores Internos e Externos Análise da Situação Atual Plano de Metas Plano de Ação Proposta Orçamentária Calendários de Atividades Tópicos a serem Trabalhados

3 MISSÃO – Quem Somos Corresponde ao que a Empresa, Organização ou Entidade, se dispõe fazer e, Para quem: POR QUE A EMPRESA EXISTE ? O QUE A EMPRESA FAZ ? PARA QUEM ? O Propósito retrata a Verdade de que, o resultado da empresa é maior, do que a soma das partes. Desenvolve nos colaboradores um senso comum de oportunidade.

4 A busca do desenvolvimento dos Princípios da Maçonaria Universal; Promoção da Educação, Orientação e Instrução dos Membros, no sentido do exato e estrito cumprimento dos Deveres para com Deus, Humanidade, Pátria, Família e Consigo mesmo; Defesa da Liberdade, Igualdade e Fraternidade.

5 Guia ou Critério de Comportamento; Atitudes e decisões que no exercício das responsabilidades e, na busca dos objetivos, executando a Missão, nos levem na direção da Missão; Os Valores são INEGOCIÁVEIS e são os mais perenes da empresa; Como nos devemos comportar individualmente ?

6 Como deve ser o relacionamento entre nós ? Como nos relacionamos com os clientes? Como realizamos negócios (atividade do objetivo social) ? Como nos relacionamos com a Comunidade ? Qual é nossa Responsabilidade para com a Sociedade? Quais Valores, Crenças ou Princípios são importantes para a empresa fazer o que faz, para quem faz, e para o que ela quer se tornar?

7 Quais Regras básicas norteiam os comportamentos e atitudes? Quais Regras do Jogo nos guiam para, executando a Missão, alcançarmos a Visão? Qual o SUPORTE, o ESTOFO MORAL e ÉTICO da empresa ?

8 Qualidade dos seus Membros; Fraternidade, Igualdade e Justiça; Caridade, Benevolência e Educação; Liberdade de Expressão; Consciência Ética e Moral em toda forma de Comportamento.

9 Bases de sustentação, ou alicerces necessários para concretizar a Missão, na busca para alcançar a Visão de Futuro; São as Linhas Mestras de Desenvolvimento Humano da empresa, para os Membros perfilarem uma expectativa ou perfil durante as fases evolutivas; Seu estágio indica a fase evolutiva da empresa e o perfil dos seus Membros; Permite a avaliação;

10 DOCÊNCIA MAÇÔNICA: Busca da Unidade na heterogeneidade, através do estudo, do aprendizado e da vivência em Loja; Compreensão do Respeito à Diversidade Cultural; Valorização do tempo de permanência do Iniciado;

11 Exemplo de Eixos de Desenvolvimento GESTÃO INSTITUCIONAL: Planejamento para o fortalecimento das áreas Administrativas, Financeira e, Contábil; Gestão profissional visando o crescimento Institucional; Garantir o sucesso das Metas planejadas.

12 EXPANSÃO Seleção dos Profanos, lhes oferecendo informações claras e precisas sobre a posição da Ordem com respeito a Sociedade; Privilegiar a Qualidade e Competência dos Candidatos para o Ingresso na Instituição; Oferecer de forma diáfana a postura Moral e Ética dos integrantes da Ordem; Responsabilidade do Apoiador pelo Candidato.

13 RELAÇÕES COM A SOCIEDADE Ter como Meta o aperfeiçoamento da Democracia, Governabilidade Institucional, Educação para a Vida, Respeito Ambiental, Direitos Humanos; Rejeitar qualquer tendência que retire o Direito dos Povos. Humanização da Economia e Estudo e ampla discussão de temas como Bio – Ética e Moral, Planejamento familiar, Controle da Natalidade, Delinqüência Juvenil, Adição,etc.

14 SOLIDARIEDADE E BENEFICÊNCIA Busca das formas de alavancar as Instituições Educacionais no marco do Laicismo; Criar as condições para o auxílio mútuo, bem como alternativas que venham a dar tranqüilidade nos momentos mais comprometidos; Alternativas e formas de Serviço Social e Beneficência, seja na colaboração junto a Instituições, ou ainda, com atividades próprias que atendam o objetivo.

15 Alvo a ser procurado pelos esforços Individuais, das Equipes e Alocação de Recursos; Deve conter a ASPIRAÇÃO e a INSPIRAÇÃO; O que nos queremos tornar ? Qual direção apontar ? A onde queremos chegar ? Qual a direção dos esforços ? O que estou ajudando a construir ? A onde nos levam os recursos Investidos?

16 Ter um Quadro de OObr.´. : Fraterno e Solidário; Elevado grau de desenvolvimento humano; Reconhecido pela Jurisdição em consideração ao Trabalho e a Integração junto às Co-Irmãs e a Comunidade; Com uma Gestão econômica, financeira e patrimonial eficaz, lhe permitindo a construção de Templo próprio; Preocupados com as Normas e Diretrizes da Ordem.

17 Analisa os elementos que podem interferir na conquista dos nossos Objetivos, por resultarem ser deficiências – FRAQUEÇAS; Analisa os fatores externos que podem influenciar negativamente no processo – AMEAÇAS; Constata os valores que podem alavancar nosso trabalho – FORTALEZAS; Avalia os fatores externos que nos podem beneficiar na tarefa – OPORTUNIDADES.

18 PTOS FRACOSAMEAÇASPTOS FORTESOPORTUNIDADES Baixa ReceitaFalta CredibilidadeGestão fraterna e interessada Disponibilidade de Modelos de Gestão InadimplênciaPerda de Oobr.´.Lluz.´. preparadasDisp. Informações Baixo Num. Oobr.´.Aumento desinteresse Programa Docência Uso Informática Resistência a Mudanças Não há Planejamento. Aluguel de TemploBons candidatosAproximação FSJ Baixa freqüênciaAumento de custosProjetos GL Pouco Preparo Maç.´. Política Hospitalaria Oficinas com AA e CC Rejeição à Filantropia Falta Estatutos Falta Contabilidade organizada.

19 Visa detectar o estado das coisas, as situações, como nos encontramos em Cada Prioridade ou Eixo de Desenvolvimento; Visão de quantidade e qualidade da nossa Realidade, com o intuito de verificarmos: Qual as coordenadas no Mapa de navegação aos nossos Objetivos; Auxiliará, junto com a apreciação das Tendências, para determinar as Metas a conquistar, no caminho da VISÃO DE FUTURO.

20 Devem ser suficientemente altas, para serem desafiadoras; Suficientemente Exeqüíveis, para não ocasionar frustração; Devem postular a direção da Visão, partindo da situação atual, considerando a Missão; Devem ser Quantificáveis, Avaliáveis, Aprazadas, e com assinatura de Responsável; O Responsável deve ser Um Cargo, de forma que, ao assumir outra pessoa, esta adquira os encargos inerentes.

21 Eixo de Docência: Eixo de Gestão Institucional: Eixo de Expansão: Eixo de Relações com a Sociedade: Eixo de Solidariedade e Beneficência. No.Detalhamento da MetaResponsávelPrazo

22 Eixo Docência: MetaAçõesQuandoResponsável

23 No.Rubricas Obs.Ano Ant.Exercício (-)USOS Capitação - DAM Aluguel do Templo Despesas Tributárias Doações e Benevolências Ágapes e Festividades Patrimônio – Alfaias RESERVAS TOTAIS (+)FONTES Mensalidades Taxas Iniciação, Elevação, Ex. Juros e Receitas Financeiras. TOTAIS

24 Calendário Ano 2010 MêsDiaGr.´.AtividadeObservações Jan. Fev. Mar.AGO Abr. Mai Jun. Jul.AGO Ago. Set. Out.AGO Nov.Eleições VM Dez.Posse nova Adm

25 * FIM * 126ª Assembléia Geral Ordinária


Carregar ppt "Passo a Passo 126ª Assembléia Geral Ordinária. Missão – Quem somos Valores Princípios e Crenças Prioridades – Eixos de Desenvolvimento Visão de Futuro."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google