A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Prof. Paulo Marinho de Oliveira, Dr. Diretor Geral do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia – Campus de Vitória da Conquista Vitória.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Prof. Paulo Marinho de Oliveira, Dr. Diretor Geral do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia – Campus de Vitória da Conquista Vitória."— Transcrição da apresentação:

1 Prof. Paulo Marinho de Oliveira, Dr. Diretor Geral do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia – Campus de Vitória da Conquista Vitória da Conquista, 07 de março de 2013 Mesa Redonda - Regimento Interno do Campus: dimensões e possibilidades Um Regimento Para Chamar de Nosso! 1

2 Os IFs e a nova institucionalidade: lei de 29 de dezembro de 2008 Reestruturação da Rede Federal de Educação, Científica e Tecnológica Criação dos IFs 2

3 INSTITUTOS FEDERAIS Total de câmpus: 140 Municípios atendidos: a 2002 (Pré-existentes) 3

4 INSTITUTOS FEDERAIS Total de câmpus: 354 Municípios atendidos: a 2002 (Pré-existentes) 2003 a 2010 (Criados) 4

5 INSTITUTOS FEDERAIS Total de câmpus: 562 Municípios atendidos: a 2014 (Previstos) 1909 a 2002 (Pré-existentes) 2003 a 2010 (Criados) 5

6 Estatuto x Regimento Estatuto: Resolução n. 2 do Consup – 31/08/2009 Regimento Geral e do Campus Estabeleceu: Natureza e Finalidades; Princípios, características e objetivos; Órgãos Colegiados;... Organizar o trabalho na Instituição de forma a atender a Diretrizes Gerais estabelecidas no Estatuto; A estrutura organizacional é a espinha dorsal; Organograma: expressão gráfica da estrutura organizacional. 6

7 O IFBA enquanto organização social De acordo com Maximiano (2004), uma organização é um sistema de recursos que procura alcançar objetivos. O processo de definir quais objetivos a organização pretende alcançar, com quais recursos, chama-se planejamento. O processo de dividir o trabalho entre as pessoas, para realizar os objetivos, chama-se processo de organização; O processo de organizar uma instituição, metodicamente passa por dividir o trabalho, definir responsabilidades, estabelecer a hierarquia, definir a amplitude de controle e avaliar os níveis de centralização/descentralização. 7

8 Estruturas Clássicas (cartesianas) vs Estruturas Orgânicas A ênfase nas partes tem sido chamada de mecanicista, reducionista ou atomística; a ênfase no todo, de holística, organísmica ou ecológica. Na ciência do século XX, a perspectiva holística tornou-se conhecida como sistêmica, e a maneira de pensar que ela implica passou a ser conhecida como pensamento sistêmico ou pensamento complexo. 8

9 Organização Clássica A organização mecanicista ou burocratizada procura imitar o funcionamento padronizado de uma máquina. As pessoas têm pouca autonomia e não há espaço para improvisação. As organizações que seguem este modelo tendem a ser impessoais, rígidas e regulamentadas. Dão importância à hierarquia e à obediência às normas. (MAXIMIANO, 2004). Suas características fundamentais são: Uma divisão administrativa segundo a qual cada indivíduo desempenha a tarefa precisamente definida que lhe é atribuída; Uma hierarquia clara de controle, segundo a qual a responsabilidade em termos de conhecimento geral e a coordenação cabem exclusivamente à cúpula da hierarquia; Valorização da comunicação e interação vertical entre superiores e subordinados; Valorização da lealdade à empresa e da obediência aos superiores; Um sistema fortemente articulado e burocrático. 9

10 10

11 Organização Sistêmica Organizações deste tipo dão maior ênfase ao sistema social e às pessoas. Hierarquia e especialização são menos importantes do que no modelo mecanicista. Suas características fundamentais seriam: Um ajuste contínuo e uma redefinição de tarefas correspondentes; Institucionalização da mudança como um elemento natural; A valorização da expertise, do técnico de alto nível que detém o conhecimento especializado; Criação de um ambiente gerencial que favoreça a criatividade e inovações; Administração descentralizada, baseada em ajuste mútuo pelas partes e relações informais, substituindo o controle burocrático; Autonomia controlada para os colaboradores, administração por objetivos; 11

12 Estruturas Clássicas (cartesianas) vs Estruturas Orgânicas Em sua Crítica do Juízo, Kant argumenta que os organismos, ao contrário das máquinas, são totalidades auto-reprodutoras e auto-organizadoras. De acordo com Kant, numa máquina as partes apenas existem uma para a outra, no sentido de suportar a outra no âmbito de um todo funcional. Num organismo também existem por meio de outra, no sentido de produzirem uma outra. Devemos pensar em cada parte como um órgão, escreveu Kant, que produz as outras partes (de modo que cada uma, reciprocamente produz a outra)... Devido a isso, [o organismo] será tanto um ser organizado como auto- organizador. 12

13 Pensamento Complexo na Administração Bogdanov foi o primeiro a tentar chegar a uma formulação sistemática dos princípios de organização que operam em sistemas vivos e não vivos. A idéia central de Bogdanov foi a de formular uma ciência universal da organização. Ele definiu forma organizacional como a totalidade de conexões entre elementos sistêmicos; Bertalanffy em seu livro General System Theory (Teoria Geral dos Sistemas), tece considerações a respeito de suas potencialidades na física, na biologia e nas ciências sociais... No ramo das Teorias da Administração, os teóricos pioneiros na análise organizacional sistêmica foram os estudiosos do Instituto de Relações Humanas de Tavistock, na Inglaterra, no início da década de 60 do século passado; 13

14 Sistemas Complexos Adaptativos Teoria formulada nas décadas de 80 e 90 do século passado : (Nicolis e Prigogine, 1989); (Holland, 1996, Gell-Mann, 1994); (Waldrop, 1994); (AGOSTINHO, 2003). De que maneira certas coisas – tais como moléculas, células, órgãos, cardumes ou cidades – conseguem manter uma coerência em situações de contínua mudança (variação de temperatura, ataque de vírus, morte de células, aparecimento de obstáculos ou vara de pescar, novas construções) sem que haja um planejamento central? 14

15 Sistemas Complexos Adaptativos Tais sistemas, embora diferindo no detalhe, possuem um tipo de dinamismo que os tornam capazes de responder ativamente ao que ocorre ao seu redor, fazendo-os qualitativamente diferentes de objetos estáticos, tais como chips de computador ou flocos de neve, os quais são meramente complicados (Waldrop, 1994, p.12); o sistema é capaz de ajustar seu comportamento a partir do que consegue perceber sobre as condições do seu meio ambiente e sobre seu desempenho; São sistemas que tem a habilidade de aprender, de se autoreproduzir! 15

16 Regimento do Campus: autonomia, cooperação, agregação e auto-organização, os quais se relacionam da seguinte forma: Indivíduos autônomos, capazes de aprender e de se adaptarem, cooperam entre si obtendo vantagens adaptativas. Tal comportamento tende a ser selecionado e reproduzido, chegando ao ponto em que estes indivíduos cooperativos se unem formando um agregado que também passa a se comportar como um indivíduo e assim por diante. Diz-se, então, que o sistema resultante se auto-organiza, fazendo emergir um comportamento global cujo desempenho também é avaliado por pressões de seleção presentes no ambiente (externo e interno). 16 Organograma Sistêmico

17 17 Coord. Planejam Coord. Planejam Coord. Gestão de Pessoas Coord. Gestão de Pessoas Comunic. Social Comunic. Social Coord. Gest. TI Coord. Gest. TI CEPE I CEPE III CEPE II Departamento Orçamento e Finanças Departamento Orçamento e Finanças Ouvidoria DIREÇÃO GERAL DIRETORIA ADMINISTRATIVA, ORÇAMENTÁRIA e FINANCEIRA DIRETORIA ACADEMICA Departamento de Administração Gabinete Conselho Administrativo do Campus

18 18

19 19

20 20

21 Obrigado !!! Paulo Marinho de Oliveira 21


Carregar ppt "Prof. Paulo Marinho de Oliveira, Dr. Diretor Geral do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia – Campus de Vitória da Conquista Vitória."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google