A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

MANEJO NUTRICIONAL E ALIMENTAR DE BEZERRAS E NOVILHAS GERALDO TADEU DOS SANTOS MÉDICO VETERINÁRIO PROFESSOR DO DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA CCA - UNIVERSIDADE.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "MANEJO NUTRICIONAL E ALIMENTAR DE BEZERRAS E NOVILHAS GERALDO TADEU DOS SANTOS MÉDICO VETERINÁRIO PROFESSOR DO DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA CCA - UNIVERSIDADE."— Transcrição da apresentação:

1 MANEJO NUTRICIONAL E ALIMENTAR DE BEZERRAS E NOVILHAS GERALDO TADEU DOS SANTOS MÉDICO VETERINÁRIO PROFESSOR DO DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA CCA - UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ

2 1. OPERAÇÃO SOBREVIVÊNCIA (0 A 3 dias) b NASCIMENTO: Cuidados com o recém-nascidos;Cuidados com o recém-nascidos; Local adequado;Local adequado; Higiene ambiental;Higiene ambiental; 50% das perdas do 1 o.ano de vida ocorrem na 1 a. Semana de vida.50% das perdas do 1 o.ano de vida ocorrem na 1 a. Semana de vida.

3 ACOMPANHAMENTO DO PARTO

4 LIMPEZA DA BEZERRA

5 MODALIDADE DE TRANSMISSÃO DA IMUNIDADE PASSIVA COLOSTRAL FONTE: Levieux (1984).

6 QUALIDADE DE TRANSMISSÃO DA IMUNIDADE PASSIVA COLOSTRAL b DEPENDE DE VÁRIOS FATORES: Fatores ligados à vaca - Qualidade do colostro;Fatores ligados à vaca - Qualidade do colostro; Fatores ligados ao bezerroFatores ligados ao bezerro –atitude de mamar –capacidade de absorção intestinal de imunoglobulinas. Fatores ligados ao criador - Modalidade de administração do colostroFatores ligados ao criador - Modalidade de administração do colostro

7 IMPORTÂNCIA DO COLOSTRO b Primeiro leite: 3 semanas anterior a 3 dias após b Promove a transferência de imunidade passiva da vaca para o bezerro: Anticorpos específicosAnticorpos específicos Quantidade e concentraçãoQuantidade e concentração Tempo de fornecimento ao bezerroTempo de fornecimento ao bezerro Quantia consumidaQuantia consumida Método de alimentaçãoMétodo de alimentação b Aporta os nutrientes necessários

8 COLOSTRO QUALIDADE b A secreção pré-parto do leite (sem remoção) resulta na formação do colostro; b Uma vaca é capaz de produzir 15 kg de colostro na primeira ordenha após o parto; b Colostro de qualidade: importante que tenha > 60mg de IgG/ml. importante que tenha > 60mg de IgG/ml.

9 QUALIDADE DO COLOSTRO b Raça b Ordem de lactação b Limpeza do úbere b Período seco b Ordenha pré-parto b Relaxamento do esfíncter b Nutrição da vaca no período seco: Se, Vit E, proteínaSe, Vit E, proteína Excesso de energia, proteína, enxofre, micotoxinasExcesso de energia, proteína, enxofre, micotoxinas

10 COMPOSIÇÃO DO COLOSTRO Componentes No. de ordenhas após parto 1Colostro211Leite Sólidos Totais (%) 23,917,912,5 Proteína + AC (%) 14,08,43,2 Imunoglobulinas (%) 6,02,40,1 Gordura (%) 6,75,43,2 2,73,94,9 FONTE: Wattiaux (1997) Lactose (%) 2,73,94,9

11 TIPOS DE ANTICOPOS NO COLOSTRO Tipo de Anticorpos % de Igs Imunoglobulinas Função IgG 80 a 85 Destruição de microrganismos que estão presentes no sangue IgA 8 a 10 Proteção das membranas que cobrem a superfície de vários órgãos, como intestino, contra infecção e bloqueio da passagem de antígenos para o sangue IgM 5 a 12 A mesma função das IgG

12 QUALIDADE DO COLOSTRO Proteína do soro do colostro – medida usando refractômetro Proteína do soro colostroMortalidade (%) 6mg/100ml > 6mg% <530 Colostrômetro: mede a concentração de imunoglobulinas

13 EFEITO DA RAÇA LEITEIRA SOBRE A CONCENTRAÇÃO DE ANTICORPOS NO COLOSTRO RAÇAAYRSHIRE P. SUIÇA HOLANDÊSJERSEY Anticorpos (%) 8,18,65,69,0 Anticorpos = g 100 g de colostro fresco. Fonte: Wattiaux (1987).

14 EFEITO DA ORDEM DE PARTO SOBRE A CONCENTRAÇÃO DE ANTICORPOS NO COLOSTRO Ordem de parto 1234 Anticorpos (%) 5,96,38,27,5 Anticorpos = g 100 g de colostro fresco. Fonte: Wattiaux (1987).

15 COLOSTRO b Excesso de colostro --> banco de colostro ! b Estresse térmico: reduz qualidade b Boa fonte de lactoferrina – proteína ligada ao ferro; Limita o crescimento de certos organismos que necessita de ferro para o seu metabolismo, por ex. a E.coli

16 FATORES LIGADOS AOS BEZERROS b ATITUDE DE MAMAR Bezerros RN mamam de 5 a 8 vezes ao dia e podem ingerir até 5% do seu peso vivo de uma só vez;Bezerros RN mamam de 5 a 8 vezes ao dia e podem ingerir até 5% do seu peso vivo de uma só vez; b CAPACIDADE DE ABSORÇÃO INTESTINAL DE IMUNOGLOBULINAS A permeabilidade intestinal as imunoglobulinas diminui rapidamente após o nascimento.A permeabilidade intestinal as imunoglobulinas diminui rapidamente após o nascimento.

17 CUIDADOS COM A BEZERRA RECÉM- NASCIDA b Higienização e local b Limpeza dos tetos da vaca b Limpeza dos mucos das fossas nasais--->se parto difícil ou tendo dificuldades de respiração difícil ou tendo dificuldades de respiração b Tratamento do umbigo: Solução a base de iodo a 5%; repetir o tratamento durante 2-3 dias b Alimentação Colostral: primeiros 30 min; 8-10% do PV b A bezerra deverá ser separda da mãe para facilitar o manejo, destinando um local limpo, bem ventilado

18

19 CONCENTRAÇÃO DE ANTICORPOS NO SANGUE EM FUNÇÃO DA INGESTÃO DE COLOSTRO APÓS O NASCIMENTO Ingestão de colostro Tempo após o nascimento (horas) % de anticorpos absorvidos Fonte: Journal Dairy Science, 60, 1767.

20 EFEITO DO TEMPO APÓS O NASCIMENTO NA EFICIÊNCIA DE ABSORÇÃO DE IgG1 NO PLASMA Fonte: Levieux (1984).

21 COLOSTRO INGERIDO NAS 12 H APÓS O NASCIMENTO SOBRE A TAXA DE MORTALIDADE DE BEZERRAS INGESTÃO (KG) MORTALIDADE* (%) 2 a 4 15,3 5 a 8 9,9 8 a 10 6,5 *Mortalidade média entre 1a. E 6a. Semana de vida Fonte: Wattiaux (1997).

22 FATORES LIGADOS AO CRIADOR b MODALIDADE DE ADMINISTRAÇÃO DO COLOSTRO: Permanência do bezerro recém-nascido com a mãe nas primeiras h de vida;Permanência do bezerro recém-nascido com a mãe nas primeiras h de vida; Separação após o nascimento e fornecimento do colostro no balde;Separação após o nascimento e fornecimento do colostro no balde; Tempo e quantidade de colostro consumido pelo bezerro.Tempo e quantidade de colostro consumido pelo bezerro.

23 EFEITO DA INGESTÃO DE BACTÉRIAS ANTES DA INGESTÃO DO COLOSTRO PELO BEZERRO RECÉM-NASCIDO

24

25 GOTEIRA ESOFÁGICA

26 HIPOGLOBULINEMIA b Inadequada quantidade de colostro ingerida b Baixa concentração de Igs no colostro b Administração de colostro muito tarde b Perda precoce da capacidade de absorção A: anticorposA: anticorpos B: bactériaB: bactéria C: FechamentoC: Fechamento

27 1) Porque o colostro deve ser dado logo após o nascimento? 2) Bezerros estão suficientemente imunizados? Fornecer no mínimo 2 a 3 litros de colostro na primeira refeição e novamente 12h após se o bezerro não permanecer com a mãe. Lembrar que a regra é fornecer 8,5 kg de colostro

28 FORNECIMENTO DE COLOSTRO: PELA SONDA ESOFAGEANA Esophageal tube feederEsophageal tube feeder

29 ESTIMATIVA DE INGESTÃO DE COLOSTRO NECESSÁRIA PARA UM BEZERRO DE 40 Kg ALCANÇAR CONCENTRAÇÃO SANGÜÍNEA MÍNIMA DE IgG A 24 h DE IDADE b Bezerra PV 40 kg b Volume sangue (10% do PV) 4 litros b Concentração sangüínea mínima 10 g / litro b Eficiência aparente de absorção 35% b Ingestão necessária de IgG (4 x 10/0,35) (4 x 10/0,35) 114 g b Concentração colostral 50 g / litro b Alimentação colostral necessária 2,3 litros

30 PERÍODO DE TRANSFORMAÇÃO DO SISTEMA DIGESTIVO b DESENVOLVIMENTO PÓS-NATAL DO ESTÔMAGO DO BEZERRO Papilas do rúmen = ± 3 mm nos pré-ruminantes para 8 mm nos animais já ruminantes;Papilas do rúmen = ± 3 mm nos pré-ruminantes para 8 mm nos animais já ruminantes; Papel dos AGVs no desenvolvimento das papilas = butirato, propionato e acetado;Papel dos AGVs no desenvolvimento das papilas = butirato, propionato e acetado;

31 DESENVOLVIMENTO DO RÚMEN b Condições ao nascimento: monogástricomonogástrico Goteira esofágicaGoteira esofágica Papilas ruminais pouco desenvolvidasPapilas ruminais pouco desenvolvidas Intestino muito permeavel as imunoglobulinas intactasIntestino muito permeavel as imunoglobulinas intactas Habilidade para digerir os nutrientes nas primeiras 2-3 semanasHabilidade para digerir os nutrientes nas primeiras 2-3 semanas Ruminação: cedo como 28 d; 5 h/d após 6 semanas de vidaRuminação: cedo como 28 d; 5 h/d após 6 semanas de vida

32 DESENVOLVIMENTO PÓS-NATAL DO ESTÔMAGO DO BEZERRO

33 38% 49% 64% 11%

34 PERÍODO DE TRANSFORMAÇÃO DO SISTEMA DIGESTIVO b OBJETIVOS DE CRESCIMENTO Do nascimento até 91 dias de vida Log W = log B + Kt (ROY, 1972);Log W = log B + Kt (ROY, 1972); –W = peso do bezerro (kg) num tempo t; –B = peso ao nascer (kg); –taxa de crescimento, –t = idade do bezerro (dias).

35 TAXAS DE CRESCIMENTO DOS BEZERROS DURANTE OS PRIMEIROS 91 DIAS DE VIDA (ROY, 1972) GANHO DE PESO (%/dia) Taxa de 0,8%

36 FISIOLOGIA DA DIGESTÃO b Digestão gástrica e intestinal Secreção pancreática é baixa ao nascerSecreção pancreática é baixa ao nascer Poucas células parietais: necessitam Hi p/ pH abomaso ao nascer – pH de: 6,0----> 3,0Poucas células parietais: necessitam Hi p/ pH abomaso ao nascer – pH de: 6,0----> 3,0 Aumenta 10X imediatamente após as 1as. ingestões.Aumenta 10X imediatamente após as 1as. ingestões. b Atividade enzimática na saliva Hidrólise da gordura da dieta : ação da estearase pre-gástrica dos triglicerídeos da gordura do leiteHidrólise da gordura da dieta : ação da estearase pre-gástrica dos triglicerídeos da gordura do leite

37 FISIOLOGIA DA DIGESTÃO: LEITE b Digestão do leite SoroSoro –lactose –proteína----> IgG –Minerais (exceto Ca, P, e outras) CoalhoCoalho –proteína-->caseina –Lipídeos –Minerais (Ca, P e outras) –Vitaminas liposolúveis <6h no duodeno h pH 6,5

38 FISIOLOGIA DA DIGESTÃO: proteína b Renina (quimosina)--->caseína: pH 6,5 b Pepsinogênio---> pepsina-->pH 5,2 --> proteína----> aminoácidos e peptídeos b Células Parietais secretam HCL (pH) b É preciso que a bezerra tenha 7 dias de vida para a pepsina ter atividade máxima

39 FISIOLOGIA DA DIGESTÃO b Enzimas intestinais Soro--->duodenoSoro--->duodeno lactose----->lactase----->glicose + galactoselactose----->lactase----->glicose + galactose enzimas em baixa concentração nas primeirasenzimas em baixa concentração nas primeiras 3-4 Semanas: 3-4 Semanas: –amilase –maltase –isomaltase proteases do pâncreas após 7-10 diasproteases do pâncreas após 7-10 dias Não existe secreção de sucrase ou fructase nos intestinos dos bovinos.Não existe secreção de sucrase ou fructase nos intestinos dos bovinos.

40 SISTEMAS DE ALEITAMENTO DE BEZERROS b ALEITAMENTO NATURAL Bezerros soltos com as mães, ordenha realizada uma vez ao dia pela manhã;Bezerros soltos com as mães, ordenha realizada uma vez ao dia pela manhã; Bezerros com as mães somente nas ordenhas - ordenha realizada duas vezes ao dia.Bezerros com as mães somente nas ordenhas - ordenha realizada duas vezes ao dia.

41 BEZERRA COM A VACA b > Absorção de IgG ??? b injúrias ao úbere b Mastitis b Quantia de colostro produzido ? b Quantia de colostro ingerido ? 42% falham em mamar nas 24h; 54% dentro de 6 h; 10-25% do total falham em mamar !!42% falham em mamar nas 24h; 54% dentro de 6 h; 10-25% do total falham em mamar !!

42 EFEITOS DE AMAMENTAÇÕES SOBRE BEZERROS HOLANDÊS-ZEBÚ (1/2 SANGUE)

43 RESULTADOS OBTIDOS EM DUAS OU UMA MAMADA POR DIA, PÓS-ORDENHAS

44 SISTEMAS DE ALEITAMENTO DE BEZERROS b ALEITAMENTO ARTIFICIAL Leite ou sucedâneos;Leite ou sucedâneos; Vantagens:Vantagens: –Permite que se faça controle leiteiro da vacas; –Possibilita controle quantitativo da ingestão do leite pelo bezerro; –Permite um melhor manejo da ordenha; –Possibilita a substituição total ou parcial do leite integral por seus sucedâneos;

45 SISTEMAS DE ALEITAMENTO DE BEZERROS b ALEITAMENTO ARTIFICIAL Vantagens- Segundo NEIVA (1998):Vantagens- Segundo NEIVA (1998): –Permite a ordenha com ausência do bezerro; –Possibilita ordenha higiênica; –Permite estabelecer um plano de criação, segundo objetivos de produção; –Facilita estabelecer e aplicar com grande controle o plano profilático; –Possibilita ter o controle econômico da criação.

46 SISTEMAS DE ALEITAMENTO DE BEZERROS b ALEITAMENTO ARTIFICIAL Desvantagens:Desvantagens: –Emprego de mão-de-obra selecionada; –Custo operacional elevado; –Maior exigência no controle de qualidade e higienização dos materiais empregados na sua condução.

47 CRIAÇÃO DE BEZERRAS COM ALEITAMENTO ARTIFICIAL E DESMAME AOS 60 DIAS Fornecer feno ou não antes do desmame ???

48 BEZERREIRO INDIVIDUAL

49 OBJETIVOS DA CRIAÇAO DE BEZERRAS 1 o. Parto: 30 meses de vida vs. 24 meses: b Peso vivo em torno de 80 a 85% do peso corporal adulto de: Raça Holandesa/Pardo Suíça = 480 a 520 kg - sendo a cobertura realizada com 340 a 360 kg;Raça Holandesa/Pardo Suíça = 480 a 520 kg - sendo a cobertura realizada com 340 a 360 kg; Raça Ayrshire = 430 kg - cobert kg;Raça Ayrshire = 430 kg - cobert kg; Raça Jérsei e Guernsey = 340 kg - cobert kg.Raça Jérsei e Guernsey = 340 kg - cobert kg.

50 DESENVOLVIMENTO PÓS-NATAL DO ESTÔMAGO DO BEZERRO 4 Semanas 12 Semanas

51 POPULAÇÃO MICROBIANA b Lactobacilos, E. Coli, Clostridio b Celulolíticos 1 a 3 semanas b Produção de Lactato nas 1as. 3 semanas estarão elevadas = fermentação b Meio alcalino vs. meio ácido b Meio neutro para a população de microbial no rúmem.

52 GUIA DE CRESCIMENTO DE NOVILHAS HOLANDESA E P. SUÍÇA

53 CARACTERÍSTICAS A SEREM OBSERVADAS EM RAÇÕES PARA BEZERROS

54 Concentrado

55 ALIMENTAÇÃO DAS BEZERRAS Concentrado Inicial b Palatável; b Desaconselhável a forma de pó; b Desaconselhável a moagem fina; b Textura grosseira.

56 ALIMENTAÇÃO DA BEZERRA b Se uma bezerra de 80 kg pode ingerir 1 kg de MS/dia e ganhar 600 g/dia, a dieta deverá aportar 4,83 Mcal de E.M. o equivalente a 1,49 Ecrec/to; b A maioria dos concentrados iniciais não contém mais que 3,1 Mcal de EM/kg (~80%NDT), por ex: grãos laminados aveia = 2,78; triticale = 1,94; b Um feno de boa qualidade contém < 2,0 Mcal EM/ kg, por ex. Alfafa = 1,96; Feno de Tifton-85 c/ 3 a 4 sem. de cresc/to = 1,86; b Feno dilui a energia e proteína necessárias para a bezerra, daí alguns pesquisadores recomendarem o uso do feno só após o desmame. FENO com excelente qualidade = 18% PB e não > 42% de FDN

57 DESMAME b Métodos de desmame; b Duração do aleitamento; b Manter as bezerras na ração inicial por alguns dias antes da mudaça; b Fornecer feno de excelente qualidade; b 2 semanas antes do desmame juntar pequenos grupos de 4-8 animais por porte similar; b Se possível o grupo de bezerras devem estar dentro de intervalo de 45 kg.

58 ALIMENTAÇÃO DA BEZERRA Idade (m) PV(kg) IMS (kg/d) (IMS/PV)Razão Forrag : Conc. Desmame59 0,45-0,9 (0,68) 0 : 100 Desmame a 2 meses 73 1,8-2,7 (1,4) 25 : ,7-3,2 (1,45) 50 : ,5-5,0 (1,25) 67 : ,4-7,3 (1,32) 75 : ,3-8,2 (1,13) 75: 25 Na Hipótese de só fornecer feno após o desmame

59 ALIMENTAÇÃO DA BEZERRA Idade (m) PV(kg) IMS (kg/d) (IMS/PV)Razão Forrag : Conc (1,0) 100 : (0,95) 100 : (0,82) 100 : (0,77) 80: 20 Continuação Assumindo que o feno é de alta qualidade

60 MENSURAÇÕES DA TAXA DE CRESCIMENTO DAS NOVILHAS

61

62 PERÍODO DE CRESCIMENTO DO DESMAME À PUBERDADE b Criar as novilhas após o desmame em lote de 8 a 12 animais, procurar manter lote uniforme; b Ao nascimento, a glândula mamária consiste de um restrito sistema de ductos; b A grande parte do crescimento da GM do nascimento à puberdade é um aumento de ductos, tecido conjuntivo e adiposo; b Com a puberdade inicia-se o crescimento dos alvéolos.

63 PERÍODO DE CRESCIMENTO DURANTE E APÓS À PUBERDADE Período crítico situa-se entre 8 a 12 meses b O tecido secretor da GM é 3,5 vezes mais rápido que o resto do corpo, do 3 aos 9 meses; b Até 8 o. mês a novilha não tem tendência a acumular gordura na carcaça, inclusive na GM; b Na puberdade planejar ganhos da ordem de 700 g para as raças de grande porte e 500 a 550 g as raças de pequeno porte; b Condição corporal entre 2,4 a 2,8.

64 COMPOSIÇÃO DA CARCAÇA DE BEZERRAS E NOVILHAS EM FUNÇÃO DO REGIME ALIMENTAR

65 EFEITO DO REGIME ALIMENTAR E DO FOTOPERÍODO SOBRE O DESENVOLVIMENTO DA GLÂNDULA MAMÁRIA NAS NOVILHAS EM CRESCIMENTO Nível elevado - GMD (Kgdia)> 1,0 Nível elevado - GMD (Kgdia)> 1,0 Nível normal -- GMD (Kg/dia) 0,65 - 0,78 Fonte: Petitclerc et al. (1984).

66 INFLUÊNCIA DO GANHO DE PESO NA PUBERDADE SOBRE A 1a. LACTAÇÃO Experimento Ganho diário na puberdade (G) Kg de Leite em 305 d Redução (%) , , , ,8

67 ESCORE DA CONDIÇÃO CORPORAL (ECC) DAS NOVILHAS EM DIFERENTES IDADES Idade (meses) ECC2,32,42,82,9 Fonte: Hoffman (1995).

68 PASTAGEM UM BOM RESULTADO EM PASTAGENS REQUER: b um bom programa de alimentação; b rotina de avaliação de crescimento; b frequente avaliação da qualidade do pasto; b promover a suplementação, toda vez que o crescimento do pasto não for o melhor; b novilhas de 10 a 12 meses de idade são capazes de ganhar acima de 0,900 kg /dia em pasto de qualidade e manejada convenientemente.

69 IMPORTÂNCIA DA APLICAÇÃO DE VERMÍFUGO SOBRE O GANHO PV DE NOVILHAS NO VERÃO Tratamentos Ganho de Peso Vivo (Kg/dia) 1. Uso de um só piquete todo verão Média do verão Média do meio ao fim do verão 1.1 Sem aplicação 0,310, Com duas aplicações 0,420,32 2. Na metade do verão mudança de piquete Média do Verão Média do meio ao fim do verão 1.1 Sem aplicação 0,630, Com duas aplicações 0,750,83

70 COMPARAÇÃO DE TRÊS SISTEMAS DE CRIAÇÃO DE NOVILHAS Características dos Sistemas Parto aos 36 meses Parto aos 30 meses Parto aos 24 meses Cobertura (meses) Situação da lactação aos 3 anos Início 6 meses Encerrada Receita com leite (R$ 0,40 litro) , ,00 Consumo Ração Concentrada (kg) Custo da Ração (R$ 0,34 kg) 0408,00680,00 Balanço (em Reais) , ,00 Fonte: Adaptado de Santos & Damasceno (1999).

71 CONSIDERAÇÕES FINAIS O sucesso do rebanho depende do melhoramento genético proporcionado pela substituição das vacas velhas e menos produtivas por novilhas; Deve-se garantir as bezerras e as novilhas um desenvolvimento satisfatório, sem ganhos de peso exagerados, para que estas iniciem precocemente a vida produtiva; Para alcançar estes objetivos, deve-se lançar mãos das tecnologias existentes, mas que não vem sendo adotadas por grande parte dos produtores.


Carregar ppt "MANEJO NUTRICIONAL E ALIMENTAR DE BEZERRAS E NOVILHAS GERALDO TADEU DOS SANTOS MÉDICO VETERINÁRIO PROFESSOR DO DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA CCA - UNIVERSIDADE."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google